Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

A Casio estampou suas calculadoras com o rosto de cientistas, e achamos que a ideia pode aumentar o interesse das meninas pela ciência

3-14
221

Quando se fala sobre tornar visível o papel das mulheres cientistas, existem marcas ou empresas que estão um passo à frente. É isso que a fabricante de dispositivos eletrônicos Casio quis alcançar após 12 ilustradoras desenharem imagens de cientistas renomadas, como Marie Curie ou Hedy Lamarr, com a intenção de estampar as calculadoras ClassWiz e inspirar novas gerações.

Incrível.club aplaude essa iniciativa, pois conhece o papel importante que as mulheres têm nas ciências, matemática, artes, tecnologia e engenharia, e é por isso que deseja compartilhar mais detalhes desta ideia com você.

Uma homenagem às mais importantes referências femininas das ciências e da matemática

Com esta iniciativa, a marca japonesa busca promover e divulgar as personagens femininas que colaboraram em grandes projetos das ciências, matemática, tecnologia e engenharia.

Para tanto, além de pedir a várias ilustradoras que criassem desenhos de suas cientistas favoritas para estampar as calculadoras, criou um site especial onde é possível baixar material didático, pôsteres e biografias para que alunos e professores possam usá-los nas aulas. Tudo está disponível em espanhol, catalão, basco, inglês e galego.

Hipátia, uma das primeiras cientistas da história

A primeira mulher de destaque do projeto é Hipátia, que nasceu em Alexandria e foi uma das primeiras matemáticas, astrônomas e filósofas da história. Era filha e discípula de Téon de Alexandria, também matemático e astrônomo. É lembrada por ter desenvolvido estudos de geometria, álgebra e astronomia, o que lhe permitiu aprimorar os instrumentos para conhecer a posição das estrelas e até inventar o densímetro, um aparelho para medir e determinar a densidade de líquidos.

A ilustração de Hipátia foi elaborada por Conxita Herrero, desenhista, poeta e compositora que também colabora com diferentes fanzines e publicações.

Marie-Sophie Germain, matemática, física e filósofa

Marie-Sophie começou a estudar matemática e latim como autodidata, aos 13 anos. Sua família e sociedade na época eram contra mulheres que estudavam. Mas, apesar disso, e para terminar sua educação, ela assumiu a identidade e usou o pseudônimo de Antoine Auguste Le Blanc.

A cientista foi pioneira nas teorias da elasticidade e dos números. Seu trabalho mais destacado abordou o que hoje conhecemos como números primos e foi a primeira mulher a ganhar um Prêmio Extraordinário em Matemática da Academia Francesa de Ciências.

Sua ilustração foi desenhada por Laura Liedo, uma jovem espanhola de Astúrias, formada em Publicidade e Relações Públicas.

Ada Lovelace, matemática, técnica em informática e escritora, que trabalhou na chamada “máquina analítica”, o primeiro computador da história

Ada era famosa por trabalhar ao lado de Charles Babbage naquele que hoje é conhecido como o primeiro computador da história. A jovem absorveu os esforços de Charles para realizar o projeto que muitos outros rejeitaram. Ela se juntou à equipe e escreveu vários de seus programas. Os historiadores concordam que Lovelace é a primeira programadora de computadores da história. Graças ao seu trabalho, toda segunda terça-feira de outubro celebra-se o Dia Internacional de Ada Lovelace, para destacar as realizações das mulheres nesta e em outras áreas da ciência.

A encarregada de projetar a imagem de Ada foi Julia Bereciartu, uma ilustradora que trabalha como designer gráfica há vários anos.

Marie Curie, física pioneira nos estudos sobre a radioatividade

Marie Curie foi uma física e química polonesa nacionalizada francesa. Ela ganhou duas vezes o Prêmio Nobel em duas especialidades diferentes e se tornou a primeira mulher a ser professora na Universidade de Paris. Outras de suas realizações são seus estudos sobre radioatividade e a descoberta de dois elementos químicos: o polônio e o rádio. Infelizmente, sua exposição à radiação a deixou doente, mas isso não a impediu de continuar trabalhando na pesquisa do câncer.

A criadora de sua ilustração foi Raquel Riba, que comunica histórias de mulheres em diferentes formatos e também é a criadora da personagem Lola Vendetta, uma garota que fala de feminismo com humor.

Ángela Ruiz Robles, professora, escritora e criadora da primeira enciclopédia mecânica

Ángela Ruiz nasceu na Espanha e foi uma professora dedicada ao ensino de taquigrafia, digitação e contabilidade comercial. Por vários anos, desenvolveu o projeto de um atlas científico-gramatical para conhecer a Espanha a partir da ortografia, mas, em 1949, como inventora, patenteou a primeira proposta de uma enciclopédia mecânica, algo como o primeiro tablet. Em 1962, foi feito o protótipo e, graças a essa invenção, facilitou-se a maneira de transmitir conhecimento acadêmico e promoveu-se a criação dos livros digitais que conhecemos hoje.

A artista que ilustrou a imagem de Ángela foi Ana Galvañ, autora de vários quadrinhos e ilustrações. Ela estudou arte, possui estúdio próprio e recebeu vários prêmios por seu trabalho gráfico. “A história dela me conquistou por causa das circunstâncias especiais e da qualidade e originalidade de seu trabalho”, disse Galvañ sobre Ángela Ruiz.

Cecilia Payne, astrônoma que se tornou a primeira pessoa a calcular corretamente a temperatura de uma estrela

Cecilia Payne-Gaposchkin foi astrônoma e astrofísica que, graças à sua tese Atmosferas Estelares, Uma Contribuição ao Estudo da Observação de Altas Temperaturas nas Camadas Inversoras de Estrelas, descobriu que os principais componentes químicos desses corpos são o hidrogênio e o hélio.

A ilustradora que a desenhou para o projeto foi Leire Bueno, licenciada em Comunicação Audiovisual e criadora de obras magníficas expostas na Espanha e nos Estados Unidos.

Chien-Shiung Wu, física que comprovou a lei de conservação da paridade

Chien foi uma física especialista em radioatividade, conhecida principalmente por conduzir o experimento Wu, cujo objetivo era provar uma propriedade da força nuclear. Durante sua carreira, ela recebeu vários prêmios e foi comparada a Marie Curie, a ponto de ser chamada de “a primeira-dama da física”.

A encarregada de retratar sua imagem foi Nuria Riaza, artista licenciada em Belas Artes e que prefere fazer seus desenhos usando uma caneta Bic azul.

Hedy Lamarr, atriz e inventora que patenteou uma tecnologia que hoje usamos como Wi-Fi ou Bluetooth

Hedy foi a inventora do primeiro modelo de espectro de dispersão, uma tecnologia capaz de permitir comunicações sem fio a longa distância. Sua ideia funcionou no desenvolvimento da tecnologia Bluetooth. De fato, ela patenteou a ideia com o nome de “sistema de comunicação secreta”.

A ilustradora que a retratou foi a espanhola Ana Juan, que tem um excelente histórico e prêmios como o Nacional de Ilustração 2010 e a Medalha de Ouro da Society of Newspater Design.

Katherine Johnson, física, matemática e cientista espacial que tornou possível que a tripulação da Apolo 13 regressasse à Terra a salvo

Katherine colaborou com os programas espaciais da NASA e é conhecida por sua precisão na navegação astronômica, fato que lhe permitiu calcular as trajetórias do projeto “Mercury”, além do voo da Apollo 11. Ela também participou dos procedimentos da Apollo 13, ajudando sobretudo no regresso da tripulação com segurança à Terra.

Rita Cortês ficou com a responsabilidade de desenhá-la. Ela é historiadora, mas trabalha como ilustradora de livros infantis. Já ganhou o prêmio de Ilustração Científica em Illustraciência de 2018, por seu trabalho Ciervo volante.

Donna Strickland, primeira mulher a receber o Nobel de Física do século XXI, por descobrir o sistema laser mais potente que existe

Donna Strickland é uma das principais físicas a trabalhar com raios laser, que em 2018 recebeu o Prêmio Nobel de Física por seu trabalho em amplificar o pulso, uma técnica para amplificar pulsos de laser ou, em palavras mais simples, fazer com que os raios tivessem um caminho mais curto e preciso, o que permitiu que milhões de médicos realizassem cirurgias oftalmológicas delicadas.

Cinta Arribas foi a autora da ilustração de Donna. Ela estudou Belas Artes, cria personagens ilustrados e tem vários livros publicados.

Maryam Mirzakhani, matemática e pesquisadora de geometria e sistemas dinâmicos

Maryam foi uma matemática e professora dedicada à pesquisa em geometria. Ela fez diversos trabalhos de modelos espaciais que conectam várias disciplinas matemáticas. Em 2013, foi diagnosticada com câncer de mama e, um ano depois, recebeu a Medalha Fields, o maior reconhecimento por excelentes descobertas em matemática. Segundo a imprensa, o comitê a recompensou por “suas importantes contribuições no estudo dos espaços de superfície de Riemann”. Em 2017, ela faleceu devido à doença.

Gema Rupérez ficou encarregada de ilustrar Maryam. Ela é formada em Belas Artes e desenvolve seus trabalhos usando a poesia como elemento principal.

Jess Wade, física que estuda a eletrônica de polímeros e trabalha promovendo esta ciência

Jess é uma das pessoas mais jovens destacada pela Casio. Nascida em 1988, ela é reconhecida por seus estudos sobre eletrônica de polímeros e por ser uma embaixadora do assunto, pois passa a maior parte do tempo apresentando exposições e atividades que promovem a física. Em 2017, ganhou o IOM3 Robin Perrin, prêmio para a ciência de materiais. Além disso, é responsável por editar as páginas de mulheres cientistas na Wikipedia todos os dias para que elas não sejam esquecidas e assim aumentar sua representação no mundo da ciência.

A ilustradora e fotógrafa Coco Escribano foi a responsável por desenhá-la. A artista é formada em Belas Artes e faz belos e emocionantes retratos de mulheres.

O que você acha da iniciativa da Casio? Qual dessas calculadoras ilustradas gostaria de ter? Compartilhe seus pensamentos conosco na seção de comentários!

3-14
221