Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração
Incrível
10+ Cortes de cabelo peculiares que fizeram muito sucesso e marcaram uma época

10+ Cortes de cabelo peculiares que fizeram muito sucesso e marcaram uma época

2-11
98k

O álbum de fotos antigas da família pode até nos fazer recordar bons momentos, mas ele é mais do que isso: também tem o poder de evidenciar a moda de uma determinada época. Quer saber como as pessoas se vestiam durante o século passado? É possível que ao folheá-los, você descubra. E também se pergunte: “Por que minha mãe ou avó usava este penteado?” Ou melhor, “Por qual motivo cortavam o meu cabelo desta maneira?”

O fato é que essa reação pode ser bastante comum, afinal, o que era legal no século passado, ou mesmo nas últimas décadas pode parecer brega demais nos dias de hoje. Os tempos mudam e a moda acompanha as tendências, e os cortes e penteados de cabelo não fogem à regra.

Sendo assim, o Incrível.club convida você a relembrar os estilos que tomaram conta dos anos 60, 70, 80, 90 e 2000. Comumente motivados por grandes personalidades, encontre um que, provavelmente, algum parente seu já tenha usado. (E não deixe de conferir o bônus ao final do post).

1. Cabelo médio, cacheado e repicado (década de 80/90)

Se você viveu a década de 80 e o comecinho da década de 90, provavelmente se lembra do corte de cabelo cacheado todo repicado e na altura dos ombros, estilo “Rambo”. O visual de Sylvester Stallone para o filme virou um símbolo desse estilo de cabelo e foi um sucesso entre homens e mulheres, tanto no Brasil quanto ao redor do mundo.

A prova de que o estilo era mesmo imbatível. As reproduções é que podiam deixar a desejar...

2. Sem corte definido, comprido e volumoso (década de 70)

O “cabelão”, portanto, não era exclusividade de Stallone. Na década de 70 — quando originou a onda dos “cabeludos” que tomaria novas formas nos anos 80 e 90 e chegaria até os dias atuais — enquanto os roqueiros faziam sucesso por todo o globo terrestre e viravam referências, Roberto Carlos era um dos principais influenciadores no Brasil.

Hoje em dia, pode-se dizer que os “cabelões” estão menos rebeldes, alguns roqueiros adeptos ao estilo inclusive aderiram à chapinha e a hidratação, mas na época, a intenção era exatamente que eles ficassem cheios e se mantivessem volumosos. Se você não viveu essa época, peça a algum parente que a tenha vivido algumas fotografias. Há grandes chances de vê-lo com um penteado igual ou parecido.

E quem diria que o estilo também seria uma tendência nos casórios?!

3. “Chuquinhas” no topo da cabeça (década de 80)

Não há dúvidas de que a rainha dos baixinhos, a Xuxa, movimentou a moda infantil no Brasil com as suas tendências. No auge de seu programa de TV, na década de 80, era muito comum ver crianças e adolescentes reproduzindo as roupas e os penteados da apresentadora, dentre eles, um que virou uma de suas marcas registradas: a “chuquinha”, penteado em que se prendia metade dos cabelos (ou mesmo eles inteiros) em um rabo de cavalo bem no alto da cabeça. Caso você tenha sido criança nos anos 1980, é provável que saiba muito bem do que estamos falando.

É... mas ao fazê-lo vale lembrar que a intenção é manter a “chuquinha” no topo da cabeça

4. Cabelos frisados (década de 70)

Apesar do cabelo curtinho e loiro já ser característico de Xuxa, outro penteado utilizado pela apresentadora (que posa à direita de Angélica na imagem acima), popular em meados dos anos 1970, ganhou a cabeça de muitas mulheres da época. Os fios um tanto longos marcados propositalmente para causar o frizz também foram exibidos nos cabelos de personalidades como Demi Moore e Daryl Hannah. Tente descobrir quantas mulheres da sua família passaram por essa fase, é possível apostar que não foram poucas.

Todavia, esperamos que elas tenham lembrado que até o frizz deve ter seus limites

5. Cabelos — muito — volumosos e extravagantes (década de 80)

Por falar na Angélica, a atriz e apresentadora também já teve seus dias de glória. Nos anos 80, ela assumiu os fios de maneira volumosa e extravagante, utilizando-se de técnicas de pentear para que os cachos loiros ganhassem corpo e ficassem realmente armados. Na época, o volume era a tendência da vez, e valia de tudo para alcançá-lo, desde o uso do laquê até o permanente, que era um sucesso entre as celebridades. A moda durou até a década seguinte, quando chegou a vez dos cabelos lisos, que ganharam força no começo dos anos 2000 em diante.

Com sorte, ficaríamos parecidas com a Angélica, mas por muito pouco, poderíamos ficar emplumadas até demais

6. “Topete” estilo “cascão” (anos 2000)

De acordo com o Extra, o corte de cabelo que Ronaldo ostentou durante a Copa do Mundo de Futebol de 2002 era uma estratégia para mudar o foco da atenção acerca de suas condições físicas algumas semanas antes dos jogos. E não é que funcionou muito bem?!

Qual pessoa que viveu a década de 2000 não lembra do “topete” estilo “cascão” que várias crianças brasileiras e amantes de futebol adotaram na época, sobretudo após a Seleção Brasileira ser campeã mundial naquele ano? O penteado excêntrico do jogador foi tão simbólico que ainda hoje, alguns futebolistas e fãs aderem à moda que tomou conta das barbearias há alguns anos.

Seria esta a progênie do corte de Ronaldo?

7. Cabelo Glam Rock (década de 70/80)

Seguindo a linha da década anterior, nos anos 80 os roqueiros mantinham os cabelos grandes, “mal cortados” e cheios de pontas, mas a diferença deles para os outros cabeludos, era que o aspecto de malcuidado dos fios não passava de uma mera aparência. A verdade é que o Glam Rock, o estilo da época, tinha muito glamour, e um grande expoente disso foi Jon Bon Jovi, o líder da banda de rock Bon Jovi.

No Brasil, o estilo musical estava em uma outra pegada, por isso o corte talvez não tenha ganhado tanta força entre os roqueiros, mas isso não quer dizer que também não babávamos pelos cabelões das estrelas do rock estrangeiro da década de 80.

A única precaução, portanto, deveria ser com as pontas dos cabelos. Elas podiam resolver desafiar a gravidade...

8. Moptop (década de 60)

Nos anos 60, o estilo moptop, muito semelhante àquele comumente chamado no Brasil de “cabelo tigelinha” ou “cuia”, chegava ao apogeu juntamente com a carreira de seus maiores expoentes: Os Beatles. Os garotos de Liverpool deram nome ao corte, que ficara conhecido como “Beatles Cut”. Ele era utilizado com os fios um tanto compridos, com as costeletas longas, abaixo das orelhas e com uma franja na testa.

O visual foi uma febre na época, e muitas pessoas tentavam se parecer com John Lennon, Ringo Starr, George Harrison e Paul McCartney. Ainda nos anos 2000, crianças de todas as partes do Brasil, principalmente os meninos, utilizavam o corte “tigelinha”, e se você estava rodeado deles na época é bem possível que se lembre.

Difícil mesmo era quando nossos pais viravam cabeleireiros e podiam transformar o corte “cuia” em corte “penico”

9. Flattop ou cabelo quadrado (década de 70)

O corte que virou marca registrada de Will Smith remonta ao subúrbio norte-americano desde a década de 70. Ele se manteve em alta também nos anos 1980 e 1990, e a única mudança, portanto, era o tamanho do quadrado milimetricamente perfeito que ficava em cima da cabeça. Na verdade, esse parece ser um daqueles estilos atemporais, que nunca saem de moda, visto que décadas depois do seu ápice, continua a fazer um tremendo sucesso, tanto no Brasil quanto no resto do mundo. E, devemos concordar, ele é cheio de personalidade!

O problema é quando se resolve improvisar...

10. Mullets (década de 80)

De roqueiros à sertanejos, não havia quem resistisse à moda dos mullets, o penteado dos anos 80 que ficou marcado no Brasil com a dupla Chitãozinho e Xororó. Mais curto e arrepiado na parte frontal do cabelo, e mais comprido na parte de trás, esses eram os parâmetros daquele que pode ter sido um dos mais famosos cortes de cabelo que existiram no passado.

Se pudéssemos apontar algum estilo que certamente estaria em quase todos os álbuns de fotos antigas do Brasil, certamente seria esse. E, sem dúvidas, um fator que ajudou em sua popularidade foram as dezenas de variações que ele podia apresentar: longos, cheios, arrepiados e até com tranças...

Mullet com longas laterais

A versão com trancinhas

E por que não o estilo “grama aparada”?

Que tal o mullet chapéu de soldado?

O híbrido entre loiro, moreno, e um toque do penteado do Louro José

Vale lembrar: ainda que não estejamos habituados com certos estilos, os gostos são pessoais e todos temos a liberdade para escolher o que quisermos, afinal, o importante é sermos felizes da maneira que melhor escolhermos.

Bônus: se você imaginava que o famigerado Undercut era uma invenção desta época, temos uma notícia para você...

Há algum outro penteado que você adicionaria nessa lista? Caso haja algum exemplar nos álbuns fotográficos de sua família, suba a imagem nos comentários e compartilhe conosco!

2-11
98k
Compartilhar este artigo