Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Uma história emocionante provando que a verdadeira felicidade está presente nos detalhes

O conceito de felicidade pode ser interpretado de maneiras diferentes, mas o mais importante é enxergá-la até mesmo nos pequenos detalhes. Um dos contos da escritora russa Olga Savelyeva é uma ótima prova de que a vida é repleta de momentos simples, mas tão importantes na formação da nossa própria história quanto os tijolos na construção de uma casa.

Nós, do Incrível.club, acreditamos que este texto merece ser lido para lembrarmos do que realmente nos faz felizes. Confira!

Quando viajo a negócios, meus filhos ficam com o pai. Ele não é uma pessoa de meias-palavras, então, se uma das crianças fizer uma birra, pode esquecer os desenhos animados.

Elas parecem gatinhos, automaticamente ativam o modo de “não quero, não sei e não posso” quando ficam comigo. Se eu chamá-las para jantar, nenhuma virá na hora, e eu vou ter de esperar que acabem lentamente suas atividades importantes. Além disso, comer entusiasmadamente não é o forte dos nossos filhos, que costumam ficar franzindo o nariz durante cada refeição.

Certa vez, o meu filho estava mexendo no prato de ensopado, sem comer nada. Eu estava testando alguns ingredientes e coloquei uma couve-flor na comida, o que, como sempre, não agradou o paladar do meu pequeno.
— Por que você não está comendo? — perguntei.
— Como posso te responder sem magoá-la... Por exemplo, se nós fôssemos a uma festa à fantasia, o tema fosse “comidas saborosas” e eu fosse fantasiado deste prato, eu seria expulso!

Que brincalhão... Dei uma risada e fiz um sanduíche para ele.

Enquanto isso, o pai não cede aos caprichos das crianças. Quando ele esquenta macarrão ou arroz com carne, os nossos filhos não demoram para aparecer sentados à mesa, segurando talheres e esperando a comida de boca aberta, assim que ouvem o sinal de micro-ondas.
— Papai, parece que o macarrão está um pouco cru — assim o Danilo tenta “expulsar o prato da festa” para não comer mais uma porção.
— Coma, filho. É um macarrão feito al dente.

O Danilo não tem a mínima ideia do que é “al dente”. A partir do momento em que saio de casa, todos os pratos e ingredientes, como o leite que transborda da panela e fica com gosto de queimado, a batata cozida que passa do ponto e o feijão muito salgado são feitos al dente. O nosso filho acredita que “al dente” é um termo que pode ser definido como “desculpe pelo prato não ter saído tão gostoso como deveria, mas, mesmo assim, dá para comê-lo”.

O meu marido também relata regularmente como está a situação em casa. Por exemplo, ontem ele levou a Catarina, nossa filha pequena, ao fonoaudiólogo e fez uma transmissão ao vivo da visita para mim:
— Estamos indo para o médico. Vamos aproveitar a consulta ao máximo — disse ele. Traduzindo do seu idioma: “Vamos anotar todas as recomendações e tirar fotos do livro de didática que usa o fonoaudiólogo, para depois comprar um e aplicar as mesmas técnicas em casa”. — Mas acho que vamos matar a aula de Música, pois começa na hora da soneca.

Certa noite, liguei quando eles estavam no mercado:

— Compramos macarrão, ervilha, lentilha...

— O que vão cozinhar? — perguntei.

— Vou colocar tudo em uma bacia e mandar a nossa pequena Cinderela separar os grãos. O médico disse que as habilidades comunicativas das crianças possuem uma ligação direta com as pontas dos dedos das mãos. Então, assim, ela vai treinar a destreza manual.

A propósito, o jogo “Ervilha-lentilha” está na lista de atividades favoritas da nossa filha. Não tem como não ficar feliz.

Ontem, o meu marido me contou que a Catarina tinha tomado um banho rejuvenescedor.
— Fala sério! — exclamei. — Ela ainda não é tão velha assim!
— Bem, ela estava tomando banho na banheira e pediu para que eu levasse algo para beber. Levei um copo de leite, mas ela acidentalmente o virou e derramou tudo na água. Pode não acreditar, mas a nossa Afrodite continuou tomando banho.
— Espero que ela não tenha tomado o leite da banheira, certo? — indaguei dando risada.

Enfim, observamos os nossos filhos agitados fazendo travessuras, correndo e brincando todos os dias. Os gritos deles são acompanhados pelo nosso papagaio cantando alto. Ao mesmo tempo, o nosso gato, apesar de ser a criatura mais tranquila do mundo, fica soltando tanto pelo que nos dá muito trabalho para limpá-lo, junto com os grãos que a nossa Cinderela derrama das bacias de vez em quando. A casa inteira sempre parece estar de cabeça para baixo. Resumindo, somos uma família feliz.

Nossa felicidade é simples e imperfeita, como uma comida feita al dente.