Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Um pai solo aprendeu a fazer belos penteados na filha e agora ensina seus truques a outros pais

6-3-
219

Ser pai não é uma tarefa fácil, especialmente se você é pai solo e todo o trabalho que normalmente seria realizado por duas pessoas, acaba sobrando apenas para uma. No entanto, o amor de um pai por um filho pode levá-lo a fazer coisas que não tinha ideia de que era capaz, só para tornar a infância do pequeno mais feliz.

Incrível.club acredita que o carinho pode extrair o que há de melhor em nós, e, por isso, vai contar a história de Greg Wickherst, um pai solo disposto a qualquer coisa para aprender a fazer penteados em sua filha; um pequeno gesto que implicou grandes mudanças na vida dos dois.

Após a separação, Greg teve de se adaptar às novas mudanças

Greg Wickherst tem uma filha e vive em Colorado. Na época da sua separação e depois de conseguir a guarda da pequena Izzy, com 2 anos de idade, ele teve de se adaptar aos novos hábitos e às demandas da menina, e precisou mudar sua rotina para conseguir cuidar dela. Mas um dos seus maiores desafios surgiu como um detalhe totalmente inesperado: fazer penteados na filha.

Ele sabia desembaraçar o cabelo da menina, e isso já bastava quando Izzy era pequena e não precisava de nada além de um pente ou uma escova. Mas, à medida que ela crescia, a complexidade do assunto foi aumentando e Greg viu que prendê-lo de um jeito bonito, ainda que aceitável, tornou-se um desafio difícil de superar: “Um dia, tentei prender o cabelo de Izzy e, por alguma razão, não consegui”. Ele tentou de várias maneiras e até mesmo pesquisou dicas na Internet, mas nenhuma delas funcionou. Mesmo assim, não desistiu: “Vi que não tinha conhecimento nessa área como pai e quis solucionar isso, então pedi ajuda”.

Sem se importar com os olhares desconfiados das outras pessoas, pediu ajuda para aprender a fazer penteados

Greg trabalha no escritório de admissões de uma universidade e lembrou que havia um departamento de cosmetologia lá, então foi atrás dos estudantes da instituição para pedir ajuda. Eles entenderam sua situação e se ofereceram para lhe ensinar. Foi assim que, durante os intervalos do trabalho, em vez de relaxar, Greg ia para o salão para treinar penteados em um manequim.

Muitas vezes, os clientes do salão o olhavam surpresos e com uma certa estranheza, mas ele ignorava o preconceito. Greg não se preocupava que pensassem que o que estava fazendo era muito “feminino”, pois para ele, como pai, isso pouco importava, apenas queria que sua filha não sentisse nenhuma diferença em relação às outras meninas; portanto, se ele pudesse contribuir com algo tão simples quanto aprender a fazer penteados, ficaria feliz, por mais difícil que fosse.

Felizmente, seu esforço valeu a pena: “Depois de conhecer um aluno, aprendi muitos estilos diferentes. Também descobri que era uma experiência de união entre mim e a minha filha”, contou. À medida que enfrentava os desafios, descobria que, na verdade, não eram tão difíceis quanto pareciam: “Fiquei impressionado com a facilidade de fazer um coque no cabelo. Eu pensei que era uma coisa muito complexa, mas, quando fiz um, pensei: “Isso é tão bonito e tão simples. Acho que muitos homens não sabem o quanto é fácil fazer esse penteado”.

O que começou como algo tão simples quanto fazer penteados em sua filha, tornou-se uma experiência que mudou sua vida

Greg começou a fazer no cabelo da sua filha tudo o que treinava com o manequim diariamente e, lentamente, os penteados que costumavam levar horas começaram a levar poucos minutos. Ele ficou tão orgulhoso dos seus feitos, que decidiu compartilhar fotos da filha em suas redes sociais. Suas publicações tiveram um enorme impacto e Greg descobriu que aquele pequeno gesto, que acreditava ser significativo apenas para ele, também tinha sido valioso para os internautas, que, comovidos por sua atitude, começaram a lhe dar conselhos de como fazer outros penteados.

Depois de adquirir o conhecimento básico, Greg não participou mais das aulas, mas não parou de aprender, apenas começou a seguir os tutoriais na Internet por conta própria. Aquela atividade que ajudava sua filha a ir ao jardim de infância de uma maneira apresentável acabou se tornando uma paixão tanto para o pai quanto para a filha, e ainda fazia com que ficassem mais unidos. Ele adquiriu tanta habilidade, que as pessoas pararam de lhe dar conselhos e começaram a pedir dicas. Foi então que ganhou o apelido “Papai cabelo”, como é conhecido hoje em dia.

Agora, ele quer ensinar outros pais a fazer penteados

“É realmente uma loucura ter recebido tanta atenção, tudo o que fiz foi me interessar em fazer penteados no cabelo da minha filha. Mas esse gesto mostrou às pessoas que os pais podem fazer esse tipo de coisa, e eu adoro isso”. Agora ele se preocupa em ensinar outros pais, que estão passando pela mesma situação, a enfrentar as dificuldades, mostrando tudo o que aprendeu. Ele criou uma parceria com empresas da sua região que ministram aulas e seu objetivo é alcançar todo o país algum dia. Não se trata de vencer a timidez ou de fazer algum penteado, mas do significado disso no relacionamento com as pequenas: “Não se trata de ser perfeito. É sobre estar presente. Falo de estar na vida dos filhos. O dinheiro vai e vem, mas as lembranças são eternas”, disse Greg.

O principal é fazer a pessoa mais importante da sua vida feliz

Atualmente, Greg continua a fazer penteados na sua filha; uma atividade que gosta e que fomenta seu vínculo como pai. Apesar da sua popularidade e da descoberta de habilidades que não conhecia, o que mais lhe importava era poder demonstrar para a sua garotinha que, mesmo sendo pai solo, não desistiu e fez de tudo o que podia para deixá-la feliz. “Tudo o que eu quero é que Izzy saiba que seu pai a ama e que fará qualquer coisa para garantir que ela tenha a melhor infância que eu consiga lhe dar. Ninguém é perfeito, mas como pai aprendi que fazemos de tudo para ver nossos filhos felizes”.

Pai e filha demonstram com seu exemplo que mesmo a menor ação adquire um imenso valor quando praticada com amor, e que nenhuma atividade é muito “masculina” ou “feminina”, quando se trata de fazer uma criança feliz.

Já enfrentou esse tipo de desafio ou conhece alguma história semelhante? Você é bom em fazer penteados nas crianças? Gostaríamos de saber mais sobre você nos comentários.

6-3-
219