Incrível

Aos 6 anos, ele realizou seu sonho de levar água potável à África e hoje a tem sua própria fundação

1-23
827

Pode parecer difícil de acreditar, mas, em pleno século XXI, uma em cada três pessoas não tem acesso à água potável ou segura para consumo. São 2,2 bilhões de pessoas no mundo enfrentando esse problema, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF).

O documento Progress on household drinking water, sanitation and hygiene 2000–2017 (Progresso em água potável, saneamento e higiene, na tradução livre) destaca ainda que 3 bilhões de pessoas não possuem instalações básicas para lavar as mãos de forma adequada, um quadro que afeta sobretudo os países de baixa renda. Porém, existem pessoas que lutam para mudar essa realidade, como é o caso do canadense Ryan Hreljac, que resolveu enfrentar esse problema. Em 2001, quando tinha apenas seis anos, ele fundou a Ryan Well’s Foundation, que fornece água potável e soluções sanitárias para países em desenvolvimento.

Incrível.club pretende contar um pouco mais dessa história inspiradora, que prova que tudo é possível com força de vontade e amor ao próximo.

Os primeiros passos

Tudo começou em 1998, quando uma professora de Ryan — então na primeira série — explicou que, na África, milhares de pessoas são obrigadas a caminhar longas distâncias (às vezes até 16 quilômetros) para conseguir água potável e que muitas morrem por causa desse problema. Ao voltar para casa, o garoto falou com os pais. Eles decidiram trabalhar para mudar essa realidade.

Ryan começou fazendo pequenas tarefas domésticas em troca de 357 reais (em dólares canadenses) por quatro meses — dinheiro que seria doado a organizações com projetos destinados a solucionar esse problema nas regiões mais afetadas. Dessa forma, ele conheceu a WaterCan, uma organização sem fins lucrativos. Na instituição, foi informado de que o custo de construção de um poço pode chegar ao equivalente a 10 mil reais.

Um sonho, uma comunidade

Mas Ryan não desistiu do seu sonho. Ciente de que não seria capaz de juntar toda essa quantia apenas com a ajuda dos pais, resolveu envolver os amigos, os conhecidos e as organizações de sua comunidade no projeto. Depois de um ano, e graças à ajuda financeira de todos aqueles que se sensibilizaram com a causa, conseguiu o valor necessário.

O primeiro poço

O garoto retornou à WaterCan com o dinheiro e foi entrevistado por Gizaw Shibru, diretor da organização. Juntos, eles decidiram onde o poço seria construído: na Angolo Primary School, na cidade de Otal, em Uganda. Em 2000, um executivo do bairro onde Ryan vive doou à família as milhas obtidas com o seu cartão de crédito, para que pudessem viajar para Uganda e inaugurar o poço que mudaria a qualidade de vida dos habitantes locais.

O nascimento da Ryan’s Well Foundation

O pequeno Ryan poderia ter se contentado em cumprir com o objetivo de construir um poço na África, mas quis fazer mais e criou uma fundação destinada a buscar soluções para melhorar o acesso à água potável. Hoje em dia, graças ao esforço de uma equipe multidisciplinar, a Ryan’s Well Foundation — esse é o nome da entidade — já contabiliza mais de 1,2 mil poços construídos em diferentes países em desenvolvimento.

De Uganda para o mundo

A fundação fornece soluções sanitárias e água adequada ao consumo a diversos países em desenvolvimento e ainda procura conscientizar as crianças da importância dos recursos hídricos e da necessidade de manter uma boa higiene. A iniciativa já foi adotada em diversas nações, como Burkina Faso, Etiópia, Gana, Guatemala, Guiana, Haiti, Índia, Quênia, Lesoto, Malawi, México, Nigéria, Tanzânia, Togo, Zâmbia e Zimbábue.

Um exemplo a ser seguido

Quando deu início a essa incrível jornada, Ryan era apenas um garoto como outro qualquer, que jogava videogame com os amigos e não tinha maiores preocupações. Mas ele decidiu ir além. Hoje, com uma carreira promissora no campo humanitário, o responsável pela Ryan’s Well Foundation convida todos os interessados ​​em sua iniciativa a agir e a fazer algo por um mundo melhor. Afinal, mesmo as menores iniciativas podem fazer a diferença: “Expanda sua zona de conforto, levante a sua mão. Você pode não ter ideia dos impactos positivos que pode provocar!”, afirmou.

O que achou do projeto de Ryan? Você conhecia a sua história? Quais outras iniciativas acredita que podem ser adotadas para permitir acesso à água potável por um maior número de pessoas? Deixe a sua opinião nos comentários!

1-23
827