Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração
Incrível

19 Pessoas que queriam apenas passar momentos agradáveis com seus amigos, mas foi tudo por água abaixo

9-46
517

Você já notou que as pessoas gostam de visitar alguns conhecidos e tentam evitar outros? Sim, a hospitalidade sincera é uma qualidade valiosa e bastante rara. Nem todos podem (ou, talvez, queiram) receber hóspedes em casa.

Nós, do Incrível.club, ficamos chocados com as seguintes histórias de visitas e festas. Mas agora sabemos que temos de tomar cuidado quando formos em uma festa.

  • Fomos convidados para uma festa na casa de uma parente. Ela convidou outros seis. Fomos, não havia quase nada na mesa, apenas chá, pão e geleia. Mas tudo bem, passamos um tempo conversando. As sobrinhas lavaram a louça. Enquanto nos despedíamos, a anfitriã disse: “E o dinheiro? Por que não fizeram uma vaquinha? Acabamos de comprar um carro novo”. Esse foi o motivo da festa. Que coisa! Ah, e ela pediu 750 reais por cabeça. Fiquei boquiaberta com a cara de pau. © aelita98 / Pikabu

  • Alguns meses atrás, fui à festa do meu amigo e do coinquilino dele. Passaram-se 20 minutos e o coinquilino começou a bater um copo com um garfo. Pensamos que faria um brinde. Mas o rapaz disse: “Não conheço vocês!” e mandou meus amigos e eu irmos embora. Ele foi abrir a porta da frente, mas não conseguiu destrancá-la. E nós tivemos de esperar por 15 minutos até que nosso amigo, que nos convidou, a abrisse e nos deixasse sair. © ignoramusaurus / Reddit

  • Ontem convidei meus amigos para uma festa em casa e caí no sono durante uma conversa. Despertamos de manhã chamando uns ao outros de “convidados do ano” e “hospitaleiro do ano”. © tefikovaaa / Twitter

  • Depois que meu marido e eu nos casamos, fomos convidados para o aniversário do meu cunhado. Chegamos e fomos obrigados a dar dinheiro para comprar bebidas para a festa. Éramos jovens e ganhávamos pouco. Já havíamos gastado em gasolina para chegar até lá. Ficamos chocados. Nosso orçamento de uma semana foi gasto em bebidas na festa de alguém. Na próxima vez, quando fomos convidados para uma outra celebração de família, inventaremos uma desculpa para não ir. © Margery Caroline Whittle / Quora

  • Já fui a muitas festas de casamento. O principal conselho para todos os noivos que estejam lendo isso é preparar bastante comida. As pessoas podem perdoar muitas coisas: falta de música, de danças, bebidas ou de lugares para sentar, um bolo ruim, longa espera para a festa após a cerimônia, brindes longos, etc. Mas o pior é a falta de comida. Vou falar do pior casamento a que fui. Após a cerimônia tivemos de esperar quatro horas para iniciar a festa. Estávamos com muita fome, mas decidimos não comprar nada para não estragar o apetite, pois logo haveria um banquete! A cerimônia foi em um parque, precisamos achar o lugar da festa, não tínhamos celulares na época, quase nos perdemos. O restaurante parecia uma espelunca, não havia nenhum enfeite dentro. Apenas as mesas de plástico e as cadeiras dobráveis. Não tinha música também. Os convidados conversavam sentados. Não serviram bebidas além de água. E a comida? Bem, esperamos o banquete o dia inteiro e, em vez disso, fomos surpreendidos com uma mesa com queijo, biscoitos, legumes e molho. No final, trouxeram o bolo, e foi ridículo, pois ele tinha oito andares de altura. Pensei: para que fazer um bolo desse tamanho para apenas 70 pessoas? Imagine minha surpresa quando os três andares superiores desse ’milagre’ foram removidos e descobrimos que os outros eram simplesmente as formas plásticas e redondas cobertas com glacê! Fugimos dali na primeira oportunidade e fomos a um restaurante próximo. © Tracie Noel / Quora

  • Adoro as situações assim: cheguei na casa dos meus amigos para passar alguns dias. Pedi que deixassem a chave comigo, pois iria ver a cidade enquanto eles trabalhassem. E o que aconteceu? Já faz seis horas que estou preso em casa. Muito obrigado, amigos, por essa hospitalidade! © Yellow_Eyed_Fox / Twitter

  • Como a maioria das crianças que cresceram nos anos 90, eu ia até a casa do meu amigo para assistir a desenhos, pois ele tinha um videocassete. Os pais dele trabalhavam, e a avó cuidava de nós. Ela tinha uma mentalidade atrasada e não gostava da minha mãe, que havia se casado pela segunda vez... o que, na opinião dessa mulher, era um horror! E me tratava com desconfiança também. Enquanto assistíamos aos desenhos, meu amigo e eu comíamos alguma comida que a mãe dele deixava para nós: uma sopa ou uma salada. Uma vez, a avó pensou que eu tentava “pescar” toda a carne da sopa. Não era verdade, não sei o que se passou pela cabeça dela, que começou a me xingar e disse tudo que pensava sobre a minha família. Desde então, parei de visitar meu amigo quando a avó dele estava em casa.

  • Em uma certa ocasião, minha conhecida e eu fomos convidadas à casa da amiga dela. Quando chegamos, já havia seis ou sete pessoas, inclusive o pai dela. Logo depois a dona do local saiu por um tempo. Eu estava conversando relaxada com alguns desconhecidos. De repente, a moça voltou, olhou para nós e gritou; “Quem são vocês? O que estão fazendo aqui? Saiam!” Todos se levantaram e foram embora. Não faço ideia do que aconteceu, ela conhecia todos os convidados. No final, ficamos na rua por muito tempo tentando descobrir como poderíamos voltar para nossas casas. © StoplightLoosejaw / Reddit

  • Meus pais não me deixavam ir até a casa dos meus amigos, nem chegar perto. E eu não podia convidar ninguém. Eles tinham três argumentos:
    1. Ninguém precisava ver nossa pobreza para depois contar para todo mundo.
    2. Será que vão roubar algo?
    3. E se você for à casa deles e depois disserem que roubou algo?
    Eu concordava com o primeiro, pois também ficava com vergonha da nossa situação. O segundo eu não entendia, pois éramos pobres, o que podiam roubar? O terceiro ignorei até uma situação... Eu tinha dez anos. Minha colega me convidou para ir à casa dela. Estava frio e chovendo, aceitei o convite. O dia inteiro brincamos no quarto até a chegada da outra família que morava no mesmo apartamento (Obs.: antigamente, várias famílias moravam juntas em um apartamento grande). Depois, minha amiga foi até a cozinha para fazer um chá. Bebemos e já estava na hora de eu ir embora. De repente, chegou a mulher da outra família. Já havíamos nos vestido e estávamos prontas para sair. A mulher nos pegou pelos braços e gritou para a minha colega: “Por que você comeu minhas almôndegas? Quem lhe deu permissão?!” A menina virou e apontou para mim: “Foi ela! Eu não comi!” Para não dizer pior, fiquei chocada! Obviamente, comecei a me justificar, pois, realmente, não tinha comido nada. Nem entrei na cozinha. A mulher acreditou nela e disse: “Você não deve convidar pobres! Eles vão comer tudo!” Não visitei mais ninguém por muito tempo, até que fiquei adulta. © elenkiv / Pikabu

  • Quando os convidados chegam mais cedo, os deixo no quarto até a hora marcada. Chamo esse espaço de “quarto virtual 3D”. © loft_is / Twitter

  • O dia do aniversário da minha irmã cai no meio das férias. Quando ela fez sete anos, fizeram uma festa, mas ninguém veio. Porque nossa mãe colocou uma data errada nos convites e os convidados vieram um dia antes, enquanto não estávamos em casa. © Emily_Starke / Reddit

  • Tive um amigo que morava a 170 km de nós. Ele trabalhava dois dias por semana, era caminhoneiro. E vinha à nossa cidade grande, carregava o caminhão durante dois dias e ia embora. Uma vez pediu para passar a noite em nossa casa, depois mais uma. Então começou a pedir uma vez por mês, duas, depois a cada semana. Não somos ricos, mas o ajudamos. Ele ia ao mercado para comprar coisas só para si e ainda reclamava: “Essa geladeira está meio vazia”. Tínhamos apenas 85 reais para a semana inteira para a nossa família de quatro pessoas. Mas ele tinha muito mais condições financeiras, até um sítio com horta própria. E nos convidou para sua casa apenas duas vezes. Na primeira, estávamos pensando em recusar explicando que não tínhamos dinheiro para a gasolina. Mas ele disse: “Venham! Vamos abastecer seu carro!” No final, fomos, mas acabamos pagando nós mesmos pelo combustível. Na segunda, fomos carregados com sacolas de supermercado. Ao chegarmos, meu amigo notou um arranhão no para-choque do meu carro e se ofereceu para pintá-lo. Após terminar, me cobrou 170 reais pelo trabalho. Por fim, o visitamos apenas duas vezes durante dois anos, enquanto ele dormia na nossa casa a cada semana, como se fosse um hotel. Até que perdi a paciência e lhe falei tudo. Me chamou de mal-educado e disse que ficou decepcionado conosco. Acabou a amizade. © “Подслушано” / Ideer

  • É uma história de uma colega minha. Ela foi ao aniversário do irmão. A mulher dele, vamos chamá-la de Ana, gostava muito de cozinhar, sempre dava comida para os convidados e ficava chateada quando não queriam provar ou deixavam algo no prato. Ela fez muita comida para o aniversário. Um dos convidados perguntou se tinha alguma salada sem ovos, pois era alérgico. A Ana aprontou a salada e voltou para a cozinha. O convidado estava conversando e não experimentou. Quando ela voltou, perguntou: “Gostou?” Sabendo da paixão dela por cozinhar e da importância dos elogios para a sua comida, ele mentiu e falou que gostou muito. A Ana sorriu maliciosamente e disse: “Falei que seria bom. E você nem é alérgico, pois coloquei um ovinho picado nela. A alergia está na sua cabeça”. O marido dela virou e começou a gritar com ela. Outros convidados também disseram que ela não devia ter feito aquilo. O convidado ficou pálido e não conseguiu superar o choque. Tudo porque se distraiu com a conversa e não provou a salada. © ZzZzzz11 / Pikabu

  • Uma vez, fomos à casa de uns amigos. Demorou umas 5 horas para chegar lá, estava nevando muito. Pegamos duas saladas, só para garantir que a mesa estaria cheia. Tínhamos combinado um mês antes, eles nos esperavam. Ou deveriam nos esperar. Chegamos e percebemos que nem haviam preparado nada, como se não tivéssemos combinado nada. A casa estava bagunçada, as coisas íntimas jogadas no chão. Pensamos que, quando chegássemos, a mesa estaria cheia como sempre. No final, comemos nossas saladas, apenas fizeram um chá. Depois, fomos ao mercado e preparamos comida juntos. Enfim, nunca mais vamos fazer essa viagem de 5 horas para visitá-los.

  • Me lembro que ainda criança fui convidado para o aniversário de uma colega do colégio. Havia fatias de pão com caviar que ninguém comia, mas eu adorava e comi tudo sozinho. A mãe da menina ainda se lembra disso, se passaram 20 anos. © Hellboy474 / Pikabu

  • Meu marido e eu fomos a uma festa de boas-vindas de um casal. No início, a dona falou muito sobre o sofá novo que haviam comprado por 10 mil reais, depois sobre seu casamento caro, etc. Sentamos à mesa e serviram duas torradinhas com um pedacinho de salmão para cada um. Meu marido tinha esquecido de avisar que eu não comia carne, colocaram um pedaço de frango no meu prato que dei para o meu marido. Perguntaram o porquê e eu disse que tudo estava bem e ia comer batata e salada. A anfitriã, sem pensar duas vezes, disse: “Tenho mais salmão na geladeira. Quer?” E tirou um pacote. Recusei. © Konopataja / Pikabu

  • Fui testemunha de uma cena estranha na casa de um casal conhecido. Eles convidaram seis amigos, contando comigo, e prepararam quatro empadas. Explicaram que tinham apenas quatro formas, por isso não fizeram mais porções. Mas, em vez de dar as porções para os convidados, comeram as duas na frente de todo mundo. Depois, no meio do jantar, lavaram as duas formas, encheram-nas com a massa e o recheio que haviam preparado antecipadamente e colocaram no forno. A mulher disse, toda feliz: “Daqui a pouco vocês vão poder provar também!” Foi muito esquisito. © KokoshnikFM / Pikabu

  • Há uma semana fui convidado para a casa do meu colega. Depois de comer, me ofereci para lavar a louça. Enquanto eu lavava, o anfitrião me lembrava constantemente sobre o medidor de água. A última gota foi quando, bem no final, ele quase gritando disse para eu reduzir o jato d’água até ficar quase só com pingos. Fiquei com raiva, peguei minha carteira e lhe dei 40 reais. Pensei que ele ficaria com vergonha e pararia. Me enganei. Sem pensar duas vezes, meu colega pegou o dinheiro e colocou no bolso. Nos despedimos. No táxi, minha mulher quase morreu de tanto rir: “Que coisa! Você não vai achar um outro lugar onde vai pagar para lavar a louça! Tem que me valorizar mais. Te deixo lavar a louça em casa de graça!” E riu de novo. © WitchGiggles / Pikabu

  • Quando eu estudava na escola primária, tinha uma amiga, vou chamá-la de Marina. Seus pais eram ricos e a família deles morava na sua própria casa, que parecia um castelo, no subúrbio. Fui visitá-la algumas vezes e tudo foi bem. Preciso dizer que eu apenas a visitava uma vez por mês. O avô ou a mãe da Marina me buscavam de carro, pois eles tinham um, e meus pais, não. E não havia como ir para a casa dela, pois em 1996 o serviço de táxi não era tão desenvolvido. Não era tão longe, apenas uns 3 km da cidade. Uma ocasião, os pais da Marina disseram bem na minha frente que estavam cansados após o trabalho e não iriam mais me buscar e me levar. Seria melhor que meu avô fizesse isso se eu quisesse visitá-la. “Muito bem”, pensei, “não faria mal para meu avô caminhar 6 km, mas faria mal para eles de carro”. Fiquei um pouco aborrecida e parei de visitá-la.

Você prefere convidar as pessoas ou visitá-las? Comente.

Imagem de capa KokoshnikFM / Pikabu
9-46
517
Compartilhar este artigo