Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

18 Histórias sobre pessoas do bem que deveriam receber um prêmio

Já escutou a frase: “Espalhe o bem que a felicidade vem?” Carma, lei do retorno, seja como quiserem chamar, ações altruístas, mais cedo ou mais tarde, são bem recompensadas.

Nós, do Incrível.club, sempre tentamos ajudar os outros, por isso não poderíamos deixar passar os relatos de pessoas que criaram uma rede de bondade e tornaram este mundo um pouco melhor. No final deste post, separamos uma história que vai te mostrar que as boas ações podem durar para sempre.

  • Estava indo para o trabalho e vi um filhote de cachorro caído na estrada: vivo, mas com as patas quebradas. Meu coração disparou — chamei um táxi, e com o dinheiro que sobrou levei ele para a veterinária e depois para a minha casa. Estava fazendo uma caminha para o cachorrinho, quando de repente a porta se abriu e o proprietário do apartamento que eu estava alugando entrou. Ele não aceitava animais no apartamento e eu já estava preparada para pegar as minhas coisas e sair dali. Ele olhou para o cachorro em silêncio, se virou e saiu. Em seguida, voltou com um monte de ração e disse para eu não pagar este mês, porque o animal precisava de cuidados.
  • Em junho, eu vi um aviso na entrada do meu prédio: “Queridos vizinhos, se vocês tiverem potes de vidro vazios, deixe-os no parapeito da janela”. E a assinatura: “Vovó Zoya”. Potes de vidro surgiram no local indicado por vários dias. No início de setembro, o parapeito da janela estava lotado de potes de picles, compotas e outras conservas. E acima deles estava um novo bilhete: “Caros vizinhos, por favor, peguem seus potes de volta”. © Slepoyastronaft / Pikabu

  • Há muito tempo, achei um celular na rua. Liguei para o número “mamãe”, e devolvi aos donos. Não aceitei o dinheiro que queriam me oferecer, e meu marido disse que só eu recusava dinheiro, mas respondi que o bem sempre volta. Alguns anos depois, meu marido esqueceu seu celular em cima de um banco no parque, mas uma pessoa boa o devolveu e também não aceitou nenhum pagamento. Ele finalmente admitiu que estava errado. © Katya / AdMe

  • No inverno passado, encontrei uma luva na rua e a pendurei em uma árvore para ninguém pisar. Anteontem, fui correndo para o hospital empurrando o carrinho do bebê e o meu gorro caiu do bolso. No caminho de volta, vi o gorro na mesma árvore em que deixei a luva. A rede de bondade realmente existe! © Olashka / Pikabu

  • Meu avô morava em um vilarejo remoto nas montanhas e, uma vez, alguns turistas bateram na casa dele, cansados ​​e encharcados, e pediram para colocar suas barracas no pátio sob uma sacada. Meu avô ofereceu jantar e liberou o banheiro. De manhã, ele acordou os turistas para que pudessem ir até o ponto de ônibus e saiu rápido deixando-os à vontade. Ele não queria que os turistas lhe dessem dinheiro. Quando voltou, viu uma mochila cheia de enlatados, macarrão, doces e um bilhete: “Obrigado pela gentileza!” Naquele inverno rigoroso, essa comida foi muito útil para o vovô.

  • Em 2014, eu estava fazendo uma viagem de ônibus e o rapaz que estava sentado ao meu lado, não parou de digitar algo em seu laptop até o anoitecer. De manhã, o motorista anunciou a parada e o cara saiu correndo. Eu vi que ele havia esquecido o laptop e pedi ao motorista que esperasse, mas o ônibus já estava em movimento. Na próxima parada, fui ao escritório da transportadora, pedi ao gerente que ligasse para o rapaz e esperei 20 minutos para devolver o laptop. Ele agradeceu muito, pois sua tese de conclusão de curso estava lá. Em 2018, eu estava para embarcar em um avião, quando de repente um funcionário pediu para ver meu laptop. Abri minha mochila e ela estava vazia! Os seguranças do aeroporto viram pelas câmeras que eu o havia esquecido na inspeção de segurança e por uma hora e meia me procuraram por todo o aeroporto. O voo atrasou 20 minutos para que eu pudesse correr e pegar o meu laptop, que tinha minha tese de doutorado. © Aparna Vicky / Quora

  • No colégio onde eu estudava, quase todo mundo tinha um violão menos eu. No Natal, minha irmã me deu seu violão velho. Seis meses depois, ela estava andando na rua e de repente viu um homem carregando coisas para o carro. Ele estava se mudando para outra cidade e estava colocando apenas o que cabia em seu pequeno carro. O violão não coube, e ele simplesmente o deu para minha irmã. Em casa, ela viu que era um violão caro, que custava cerca de 4 mil dólares. © Ann Patrick / Quora

  • Nos anos 1990, um amigo morava em Minsk, e evitou que golpistas enganassem um turista e roubassem o seu dinheiro. Agora, esse amigo mora na Alemanha e trabalha com vendas de carros usados. Recentemente ele encontrou um carro a 400 km de casa, ligou para o dono e foi com seu filho para fechar a compra. Devido ao trânsito, eles chegaram no local já de noite, mas, felizmente, o vendedor ainda os esperava. Quando entraram na garagem, o dono do carro olhou para o meu amigo e perguntou algo sobre Minsk. Era o mesmo turista que ele tinha ajudado! O dono baixou o preço do carro, preparou um jantar e não os deixou saírem à noite. © PivBear / Pikabu

  • Estava em um supermercado, e ouvi a conversa de dois meninos. O mais novo pediu para comprar sorvete, e o mais velho respondeu: “Não posso, você já pegou um chocolate, não tenho mais dinheiro”. Não aguentei e falei: “Pode pegar um sorvete para você e um para o seu irmão”. No caminho para o caixa, pegamos um refrigerante também. O menino ficou feliz e o mais velho, sem olhar para mim, disse: “Obrigado”. Saí feliz e de repente vi no chão um grande brinco de ouro com ametista. Nunca achei nada na rua na minha vida! © Irina Madenova / Facebook

  • Um morador de rua se aproximou de mim na estação de trem e me pediu para comprar algo para beber. Fomos ao McDonald’s e comprei uma água e um sorvete para ele. O homem me agradeceu e foi embora satisfeito. Imediatamente depois disso, encontrei o troco de alguém na máquina de venda de passagens. Foi exatamente a quantia que eu gastei com o sorvete e a água para o moço. © dreamydinosaur / Reddit

  • Aos 21 anos, eu não tinha muito dinheiro e morava na casa de uma amiga. Consegui um emprego em um café, mas logo saí e recebi 100 dólares de rescisão. Na mesma época, o namorado dessa amiga adoeceu. Eu comprei os medicamentos no valor de 80 dólares e abasteci o carro com o restante. Recebi como brinde do posto dois bilhetes de loteria e quinze minutos depois de dar o meu último dinheiro à minha amiga, fiquei 500 dólares mais rico. © Kyle Burton / Quora

  • Meu marido e eu estávamos construindo uma casa no interior e, às vezes, passávamos a noite lá. Perto dali tinha um cachorro velho e magro que sempre ficava preso a uma corrente. Eu, às vezes, dava comida para ele. Seis meses depois, o cachorro retribuiu a ajuda. Uma noite, ele conseguiu quebrar a corrente, derrubou o portão e entrou no nosso quintal. Latiu como um louco. Nós saímos de casa e conseguimos ver dois homens que estavam pulando por cima da cerca. Depois vimos a janela quebrada e percebemos que quase fomos roubados.

  • Era uma noite de inverno. Minha amiga e eu estávamos esperando um ônibus. De repente, vimos alguns caras maltratando um gatinho. Não adiantou pedir para eles pararem, mas conseguimos pegar o bichinho e minha amiga ganhou um animal de estimação. Mas o mais interessante aconteceu dois dias depois: estávamos caminhando para o mesmo ponto de ônibus e vimos uma nota de 50 dólares na calçada embaixo de um poste de luz. Foi como se alguém tivesse colocado lá de propósito. Éramos estudantes sem recursos na época, e o dinheiro veio bem a calhar.

  • Cerca de 10 anos atrás, meu pai encontrou uma carteira com uma grande quantia em dinheiro e um recibo de conta de telefone. Ele ligou para o número, e o filho da pessoa que perdeu a carteira atendeu, pegou nosso endereço e veio com a mãe de carro. Ela ofereceu dinheiro, mas meu pai não aceitou. Alguns anos depois, meu pai foi até um mercado e comprou mais do que conseguia carregar; como já não estava andando bem, caiu no meio do caminho. Ele tentou se levantar, mas a bengala dele voou para longe e as pessoas que passavam nem prestavam atenção. De repente, um cara correu até meu pai, pegou a bengala, ajudou-o a se levantar e o levou de carro até nossa casa. Quando meu pai mostrou onde parar, descobriu que era o filho da mulher da carteira. Ele reconheceu nossa casa. © Khichny ZaIc / AdMe

  • Passei mal no ônibus. Desci e sentei no ponto. Fiquei sentada ali por muito tempo, pensando que iria morrer. Estava piorando, minha cabeça girava e eu ainda estava longe de casa. Uma mulher, que estava sentada ao meu lado, me perguntou: “Por que está tão pálida?” Expliquei que não me sentia bem, ela pegou um pouco de água, chamou um táxi, pagou e foi embora rapidamente! Não tive tempo de descobrir seu nome ou seu número de telefone para agradecê-la, só consegui falar: “Obrigada, obrigada, obrigada pela ajuda”. © Podsluchano / Ideer
  • Minha amiga e eu fomos a uma floricultura comprar flores para a mãe dela. Demoramos muito para escolher o melhor arranjo. Um homem entrou na loja, claramente com pressa. Ele escolheu um buquê enorme, depois se virou para nós e disse: “Bom, meninas, vocês precisam de flores? Vamos, podem escolher, eu pago”. Então ele perguntou nossos nomes, pois queria sugestão para os nomes das suas filhas, e com uma expressão alegre, saiu correndo pela rua. © Podsluchano / Ideer
  • Eu estava voltando para casa do trabalho e já era tarde. Quando me aproximei da portaria, ouvi um rosnado. Eram três cães bravos de rua, que latiram quando me viram. Então ouvi uma voz: “Vamos, saiam já daí!”. Um sem-teto apareceu na penumbra. Os cães correram para o lado dele que disse: “Eu me lembro de você. Uma vez você me deu 30 reais e trouxe algo para eu comer. Boa noite”. Depois disso, ele desapareceu. Ele definitivamente me confundiu com alguém, mas amanhã vou separar algo para ele comer e dar dinheiro também. Bondade por bondade. © Palata № 6 / Vk
  • Na estação, um homem me agarrou e ficou pedindo meu número, e perguntando qual trem eu ia pegar; foi bastante assustador. Uma garota, que eu nunca tinha visto antes, se aproximou de mim e disse: “Meu Deus, Sarah, faz anos que não nos vemos! Venha comigo, vou te apresentar o meu namorado”. Ainda sou grata a ela, porque parece que ela me tirou de uma situação muito perigosa. © emmareddit / Reddit

Bônus: carma do vovô Valery

Valery Melnikov todos os anos desenhava enormes cartões de Ano Novo nos rios congelados. No outono de 2020, o artista morreu, mas os moradores decidiram que sua obra deveria continuar viva. Assim, uma nova “imagem” apareceu no rio Hawtina na região de Amur.

Feliz Ano Novo!
Em homenagem ao vovô Valery!

Você acredita na lei do retorno? Já recebeu uma ajuda de uma pessoa desconhecida, ou quem sabe já ajudou alguém que precisava? Conte para nós!

Compartilhar este artigo