Incrível
Novo Popular
Inspiração
Criatividade
Admiração

17 Familiares cujas esquisitices vão irritar até os mais pacientes

Há parentes que adoram ajudar sua família, mas, às vezes, ultrapassam os limites na hora de dar uma mão. Nem sempre sua maneira de conversar é sutil o suficiente, enquanto as discussões passam longe do raciocínio lógico, o que deixa seus familiares perplexos.

As histórias da vida real, reunidas pelo Incrível.club, provam que, de vez em quando, mesmo os parentes mais delicados tendem a se comportar de forma bem peculiar e extraordinária. Confira o post e o bônus no final — uma prova de que sempre há alguém mais obstinado, que pode dar uma lição em um familiar persistente.

  • Minha então futura sogra se envergonhava de comprar produtos íntimos para si mesma, então pediu para que eu, sua futura nora, adquirisse uma grande embalagem de absorventes, que duraria por um ano. Quando comprei, embrulhei a embalagem de forma que parecesse um presente refinado e deixei no trabalho dela. No entanto, ela desembrulhou o pacote na frente de suas colegas e ficou tão zangada comigo que forçou seu filho a cancelar o nosso casamento. Mas, considerando o fato de que era eu que pagava quase todas as contas, fiquei até feliz que o relacionamento acabou assim. © Jane Bradley / Quora
  • Quando eu tinha 10 anos, minha mãe me mandou com o meu tio Vitor para visitar nossos parentes. Tivemos uma escala de 12 horas em uma cidade, então encontramos dois lugares na sala de espera e nos sentamos, cercados de um monte de malas. Depois de algum tempo, meu tio disse: “Vou ligar para sua mãe. Já volto” e saiu. À medida que o tempo ia passando, eu ficava mais apavorada. Após 5 horas de espera, fiquei com uma grande vontade de ir ao banheiro, mas não podia, já que deveria ficar de olho nas malas. Uma mulher sentada na frente notou a minha agitação, me levou até o banheiro, enquanto o marido dela guardava a nossa bagagem, me deu alguns sanduíches e chamou a polícia. Surpreendentemente, meu tio voltou logo depois e nós embarcamos, como se nada tivesse acontecido. Quando voltamos para casa, contei essa história para minha mãe, e, claro, ela ficou chocada. Descobrimos que o meu tio nem pensou em ligar, mas simplesmente ficou entediado, saiu do aeroporto foi para o centro da cidade, tomou um café e se lembrou de mim apenas quando abriu o passaporte e viu as nossas passagens. © Kolotuha / Pikabu
  • Sou divorciada há 3 anos e moro com o meu filho pequeno. Não estou com a mínima vontade de começar um novo relacionamento. Tenho uma vida regular há 2 anos — trabalho, crio o meu filho e, volta e meia, encontro os meus amigos. Certa vez, minha sogra, aparentemente sentindo “compaixão” por mim, se atreveu a tomar conta da minha vida pessoal. Aliás, nós nem conversávamos naquele momento, e ela me culpava pelo casamento arruinado com o filho! Então, respondeu em meu nome a um anúncio de jornal, publicado por um homem que procurava uma esposa, e até anexou a minha foto. Enquanto isso, eu não sabia qual “presente da vida” estava à minha espera. Um dia, recebi uma carta de 6 páginas de um homem que era 12 anos mais velho que eu e se gabava de seu gado e de uma casa enorme, além de afirmar que, aos meus 23, nem tudo estava perdido. Tive de responder que não fui eu que tinha enviado a mensagem. Quanto à minha sogra, tive uma conversa séria com ela e peguei todas as minhas fotos que estavam na casa dela. © olga.optimistka / Pikabu
  • Certa vez, a sogra da minha irmã encontrou a minha mãe na rua e começou a fazer perguntas bem “delicadas” sobre a saúde feminina da minha irmã. Queria saber o porquê de ela não conseguir engravidar, falando com um olhar repleto de desprezo: “Sua filha tem algum problema com a saúde? Talvez tenha sofrido com cistite quando criança? Deve haver algum motivo para ela ainda não ter filhos!” Acontece que minha irmã e seu marido não queriam ter filhos até que comprassem o próprio apartamento. Então, assim que se mudaram, tiveram um filho. Acredito que a saúde da minha irmã melhorou, só pode... © irenion / Pikabu

A sogra sempre está certa

  • Eu e o meu ex-parceiro pretendíamos organizar um casamento conforme o valor que juntaríamos enquanto morávamos juntos. O total não conseguiria pagar uma cerimônia chique, então decidimos ir ao cartório sem convidados e gastar o dinheiro com uma viagem, a contragosto da minha sogra, que queria um casamento refinado. “Sem ao menos ir a um restaurante? É a minha festa e a cerimônia do meu filho. A propósito, filhinho, não se esqueça de chamar a sua tia Verônica. E acho que dá para reservar um hotel perto da praia”. Claro que o meu parceiro concordou, para agradar sua mãe. Combinamos que ela pagaria o jantar no restaurante para as 15-20 pessoas que ela mesma iria convidar, já que eu não tinha mais paciência para discutir. Porém, logo antes do dia do casamento, a minha sogra disse que estava exausta, pois trabalhava sem parar havia meses, então iria tirar férias e viajar junto com a gente durante a lua de mel. Foi então que perdi a paciência e terminei com meu parceiro, dizendo “adeus” a essa família louca. © TyzhTouragent / Pikabu
  • Minha sogra demorou para entender como usar a lista de contatos no celular e continuava digitando os números manualmente, apesar de todas as nossas explicações. O número da minha esposa difere do número da mãe dela em um dígito, por isso a minha sogra costumava enviar SMS para si mesma, pensando que mandava as mensagens para sua filha. “Vamos jantar?” escrevia a sogra, recebendo o SMS de volta. “O quê?” perguntava ela, recebendo a mesma mensagem na hora. A mulher pensou que sua filha estava tirando com a cara dela e resolveu ter uma conversa séria. Foi então que descobrimos que a minha sogra conversava com ela mesma por SMS. © thedragon4453 / Reddit
  • Eu e o meu marido morávamos perto da casa da minha sogra, localizada de maneira que todos pudéssemos ver pela janela o que acontecia na casa um do outro. Ela costumava passar na nossa casa todas as manhãs e brigar por eu não ter acordado e me despedido do meu marido. Ele sempre tentou fazer o mínimo barulho possível ao acordar, se arrumar, pegar o lanche, tomar café e sair de casa, ligando a luz apenas na entrada, para que eu dormisse até mais tarde com o nosso filho. No entanto, de acordo com a minha sogra, eu deveria acordar antes dele, fazer o café da manhã, preparar sua roupa e o lanche, ser carinhosa, etc. Ela nos observava todas as manhãs pela janela, até que não aguentei mais e conversei seriamente a respeito do assunto. © amaryllis7944 / Pikabu
  • Eu e minha mãe estávamos conversando com minha avó. De repente, ela disse:
    — Passei a ter alguns problemas com minhas pernas.
    Preocupadas, passamos a pensar em todas as doenças possíveis. A vovó continuou:
    — Consigo lavar a minha perna direita na pia, mas mal consigo levantar a esquerda.
    Demos risada e explicamos que é totalmente normal para a idade dela (87 anos). Curiosamente, a minha avó não acreditou que eu, de 30 anos, e minha mãe, de 62 anos, costumamos lavar as pernas no chuveiro, mesmo. © JxaJxa /Pikabu
  • Amo a minha sogra, mas ela sempre faz com que seu marido ou o filho façam coisas por ela. Certa vez, nós duas fomos fazer compras com o carro dela, mas era eu quem estava dirigindo. Na volta, ela perguntou se podíamos passar em um posto para abastecer. Na época eu estava grávida e tinha certeza de que a minha sogra faria tudo sozinha. Porém, quando chegou o momento, ela olhou para mim, perplexa, e perguntou se eu podia abastecer o carro (onde moramos não há frentistas). Acontece que ela nunca tinha feito aquilo antes, apesar de ter uma carteira de motorista por 15 anos. © Daniela Arvesuk / Quora
  • Quando eu tinha 8 anos, meus pais me deixavam com a minha irmã, de 12 anos, quando iam para o trabalho. Minha mãe nos deixava sair apenas depois de arrumarmos a casa. Na época, o seriado Charmed, em que uma das irmãs ficava possuída pelo demônio, fazia grande sucesso. Então, quando estávamos sozinhas, minha irmã fingia estar possuída e dizia que o único jeito de libertá-la era eu fazer faxina. Claro que eu ficava apavorada, chorava e, consequentemente, limpava a casa. © Podslushano / Vk
  • Certa noite, eu e o meu marido fomos comprar um sorvete, mas o nosso filho decidiu ficar em casa junto com meus sogros. Quando voltamos, depois de uma hora, nos deparamos com a porta da entrada entreaberta e a casa escura. Descobrimos que os meus sogros tinham deixado o menino, assustado, na sala de estar, desligaram a luz e foram dormir. E se o nosso filho tivesse saído para nos procurar na rua? Nem quero pensar nisso. © unknown / Quora
  • Eu e a minha esposa convidamos a minha irmã e o marido para uma festa na nossa casa. Já tinha presenciado algumas esquisitices do meu cunhado, mas o que aconteceu naquela noite foi longe demais. Minha esposa é uma chefe talentosa. Ela passou semanas fazendo doces para os convidados e no dia da festa colocou os pratos com as guloseimas na cozinha e na sala de estar. De repente, minha esposa me levou para o lado e disse: “Os biscoitos desaparecem assim que eu os ponho nos pratos. É muito estranho”. Quando ela saiu, me deparei com o meu cunhado enchendo suas bolsas de doces e escondendo o que não cabia atrás do armário, fazendo um esconderijo. Zangado, eu lhe disse para que saísse de casa com tudo que conseguiu “roubar”. Ele nunca mais apareceu na nossa casa. © Gerry Jurrens / Quora
  • Minha sogra tem uma “tradição”: ela presenteia suas noras com uma pulseira de diamantes. Então, depois de me casar com o filho dela, também ganhei uma. Gostei muito do presente e o achei muito lindo. Apesar de usar acessórios raramente, uma vez que costumo perder as coisas, passei a colocar a pulseira toda vez que encontrava a mãe do meu marido. Mas, depois de alguns anos, ela pediu para que eu lhe vendesse o presente. Fiquei de queixo caído e perguntei o porquê de tal proposta. Acontece que uma das noras dela tinha perdido a pulseira e ficou tão frustrada que a mulher resolveu lhe repassar a minha. © Anne Riley / Quora
  • A mãe do meu namorado é uma mulher terrivelmente preguiçosa, o que, inclusive, lhe “ajudou” a ganhar um peso extra: ela pesava mais de 160 kg aos 45 anos. Depois de nos encontrarmos pela primeira vez, ela passou a me tratar como uma escrava. Quando estava na cozinha e eu no quarto, costumava gritar para que eu alcançasse uma colher que estava na própria cozinha! Quando eu comprava um bolo, ela comia mais da metade, embora fosse um presente. Toda vez que passava na nossa casa (5 vezes por semana), se achava a dona do lugar, mandando-me fazer um café e levá-lo até o meu quarto, onde ela gostava de passar o tempo. Quando a minha paciência se esgotou, dei um ultimato ao meu namorado: “Ou você conversa com sua mãe agora ou eu vou embora”. É inacreditável, mas funcionou. Agora me sinto livre da presença dela. © sabatiniraf / Pikabu

“Por que será que a minha sogra estava reclamando que seu tablet não carrega?”

  • Minha sogra pediu para que eu buscasse um aspirador de pó na casa da minha cunhada e o levasse até a casa dela. Sua filha mora a 160 km da casa dela, enquanto eu fico em outro estado, a 800 km. Quando me recusei a andar de carro mais de 1.900 km para fazer toda essa manobra, ela ficou ofendida e deixou de falar comigo durante 2 meses. © Mickie McCord / Quora
  • Certa vez, os pais do meu marido vieram passar uma semana na nossa casa, a fim de cuidar de nossos filhos enquanto estaríamos no exterior. Eles se hospedaram em um quarto de hóspedes bem equipado. Quando voltamos da viagem, desci no porão para lavar a roupa e me deparei com alguma coisa jogada na escada. Olhei de perto e reconheci o tapete do quarto de hóspedes, macio e outrora lindo, pois os convidados o tinham estragado e deixado no porão. Porém, na hora de entrar no quarto deles, encontrei todos os móveis deslocados, um abajur trocado e a TV colocada perto da janela, para que as crianças pudessem ligá-la. É preciso ter muita ousadia para fazer uma mudança dessas sem pedir permissão. © Tricia Chitwood / Quora
  • O primeiro desentendimento com a minha sogra ocorreu logo após o casamento. Ela afirmou que era muito cedo para ter filhos, então eu deveria inserir o dispositivo intrauterino, já que, segundo ela, o anticoncepcional interfere no humor da mulher, e os preservativos prejudicam o prazer do homem. Depois dessa conversa a nossa vida sofreu o efeito bola de neve, porque minha sogra passou a meter o nariz em tudo: monitorava qual roupa comprávamos e o que comíamos, levava todas as peças do vestuário do meu marido para sua casa, inclusive as cuecas, no intuito de passá-las, e até renovou o guarda-roupa dele de acordo com seu gosto. Eu estava muito chateada com a falta de caráter do “filhinho da mamãe” e combinei uma viagem para uma cidade na praia a fim de aliviar o estresse. Minha sogra se meteu em nossos planos mais uma vez e sugeriu que passássemos na casa dela para comer um lanchinho e depois evitássemos comer em restaurantes no caminho. Durante a refeição, os pais do meu marido me deram mais algumas dicas “valiosas”, lhe trouxeram um café, um omelete e um pedaço de bolo e me disseram para lavar os pratos quando ele acabasse de comer. A última gota foi o gesto do meu marido: se sentou à mesa e, me olhando com uma cara de tristeza, comeu seu lanche. Dá para adivinhar que nos divorciamos por minha iniciativa. © PushkaPampushka / Pikabu

Bônus: sempre há alguém mais obstinado, que pode dar uma lição em um familiar persistente

Certa vez, minha sogra veio ficar na nossa casa durante as reformas na casa dela, que duraram muito tempo, já que ela não pensou bem no resultado final. Esperava que me ajudasse com meu filho, mas a minha sogra se sentiu mais do que à vontade na nossa casa: parecia que me tratava como uma funcionária de um hotel refinado e ainda se atrevia a reclamar de mim.

Sou uma pessoa que costuma evitar conflitos, então, quando a dona Helena Muller dizia que seu filho deveria comer ovos fritos no café da manhã — o prato que ele detesta — eu fazia ovos fritos. Mas depois de 4 meses morando junto em uma casa, fiquei tão exausta dos caprichos da minha sogra que resolvi ficar na casa dos meus pais durante a estadia dela.

Quando ela ficou sabendo disso, exclamou:

— Você deveria estar feliz por ter uma sogra como eu. Por exemplo, minha sogra era insuportável. Até hoje tenho medo dela, pois ela me torturava psicologicamente.

Assim, ela me deu uma pista para minha libertação: uma sogra pode ser domada apenas pela sua sogra. Foi nesse dia que convidei a avó do meu marido para passar na nossa casa.

Em plena manhã, quando o meu marido estava no trabalho e a minha sogra estava no meio de seus conselhos para melhorar a minha vida, tocou a campainha. A dona Helena Muller saiu correndo até a porta, na esperança de seu filho voltar cedo, abriu a porta e ficou de queixo caído — atrás da porta estava sua sogra:

— Marta, o que está olhando? Deixe-me entrar e faça um café. Comprei um bolo, mas não vou te deixar comê-lo, já que é prejudicial à saúde. Porém, vendo pelo seu corpo, nada mais vai te ajudar.

O rosto da avó do meu marido parecia brilhar de alegria. Um tempo depois houve uma coincidência: no mesmo dia acabaram as reformas na casa da minha sogra, ela se apressou para juntar seus pertences, se despediu e foi embora. Já eu fiz um café para a sogra dela, que também saiu logo depois dizendo que, se precisasse, eu poderia recorrer à ajuda dela. © nik12892356 / Pikabu

Quais atitudes inacreditáveis já tomaram seus parentes que geraram uma discussão séria? Você conseguiu dar a volta por cima e resolver o conflito?