Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

16 Fatos curiosos sobre o roteiro do aclamado filme “Coringa”

Em menos de uma semana desde seu lançamento, Coringa, um dos filmes mais esperados do ano, atingiu índices de avaliação pública altíssimos. Enquanto no IMDb o longa-metragem atingiu a nota 9, no site RottenTomatoes sua aprovação pública alcançou a marca de 90%. No entanto, além de uma atmosfera e enredo peculiares e de uma atuação maestral de Joaquin Phoenix, essa produção tem muitos detalhes que são, no mínimo, curiosos.

Nós, do Incrível.club, conseguimos assistir à estreia do filme, e criamos uma lista com várias referências e easter eggs que poderiam facilmente passar despercebidos para a maioria dos espectadores. Alertamos que este post contém spoilers, por isso, caso você ainda não tenha assistido a essa produção no cinema e não quer ganhar algumas informações de antemão, recomendamos que salve este post para lê-lo somente depois de ver o filme.

1. O diretor enganou todos os fãs dos quadrinhos

Esse filme é, na verdade, o oposto dos quadrinhos. Nele não há o principal elemento desse gênero — os super-heróis, que são os responsáveis por salvar o dia. Nele o personagem principal apenas se transforma em um sujeito controverso, não havendo também a figura de um supervilão.

Assim, Arthur Fleck é apenas um indivíduo que tenta se integrar à sociedade até o último momento, ficando louco depois que todos os seus esforços se mostram em vão. Vale a pena lembrar que os protestos em sua defesa só se tornaram interessantes para o Coringa quando as pessoas se rebelaram e o resgataram da polícia. Ele apenas precisava de uma audiência que visse nele mais do que apenas um fracassado. Assim, podemos dizer que o Coringa de Joaquin Phoenix ainda não é um vilão totalmente formado, como era, por exemplo, o Coringa interpretado por Heath Ledger em uma produção anterior. No fim, esse é apenas um filme autoral sobre um homem oprimido pela sociedade.

2. Você provavelmente pode não ter percebido, mas os produtores informaram com exatidão o ano dos acontecimentos do filme

Todo o cenário do filme indica que seus acontecimentos se desenrolam no passado, mas não é especificado quando. Porém, em uma das cenas é possível descobrir a data exata em que se passa o longa caso você preste atenção aos cartazes dos filmes ExcaliburAs Duas Faces de Zorro, que foram lançados ambos em 1981. Fora isso, os verdadeiros fãs dos quadrinhos do Batman sabem que os pais de Bruce Wayne foram assassinados logo após saírem de uma sessão de As Duas Faces de Zorro.

A propósito, alguns críticos acreditam que a produção do filme decidiu situar a história no passado para que assim fosse mais fácil tratar de temas sociais um tanto sensíveis, ao contrário do que seria caso o roteiro se passasse hoje em dia.

3. Há uma razão por trás da participação de Robert De Niro no longa

Muitos fãs do cinema notaram que essa versão de Coringa tem algo em comum com os filmes do diretor Martin Scorsese, Taxi Driver — Motorista de TáxiO Rei da Comédia. Claro, não se trata de semelhança de roteiros, mas sim de certos detalhes. Por exemplo, Robert De Niro atuou em todos os 3 filmes. Além disso, em O Rei da Comédia, ele também dá vida a um apresentador popular de programa de TV, que também era um comediante fracassado e que acaba cometendo crimes, exatamente como ocorre com o Coringa.

Em relação ao longa Taxi Driver — Motorista de Táxi, é possível notar que tanto esse filme, como Coringa, se passam em uma atmosfera de cidade decadente, e em ambos há uma cena em que os protagonistas ostentam por ter uma arma. Fora isso, ambos os personagens são solitários, escrevem em diários e têm aversão à sociedade que tanto os oprimiu. Eles até usam roupas da mesma cor — vinho escuro.

Certamente, ao convidar Robert De Niro para o filme, o diretor demonstra que não “copiou” detalhes dos roteiros dos filmes de Scorsese, mas prestou uma homenagem a esses clássicos.

4. Existe um significado oculto por trás do fato de o Coringa estar sempre fumando

Arthur Fleck está sempre segurando um cigarro. Certamente, esse hábito de fumar muito demonstra sua constante tensão e instabilidade internas. Dessa forma, fica claro para nós que o Coringa vive uma depressão constante, e a fumaça do cigarro nas cenas funciona ainda como um véu isolando-o do resto do mundo.

5. O protagonista entra em uma geladeira por uma razão

No meio do filme há uma cena muito estranha, na qual Arthur entra em uma geladeira. Isso acontece depois de sua conversa bastante emotiva com Thomas Wayne, onde o Coringa grita que quer apenas um pouco de calor humano e Wayne o afasta. Depois disso, o protagonista entende que não há sentido em esperar receber sensibilidade das pessoas ao seu redor, e se tranca na geladeira como forma de se tornar uma pessoa “fria”.

A propósito, muitos espectadores perceberam que a geladeira, na qual Arthur entra, não pode ser aberta por dentro. Então é completamente possível que os eventos seguintes (começando pelo convite inesperado para participar do programa de TV) possam ser apenas fantasias de sua cabeça instável.

6. No filme há uma prova incontestável de que Arthur Fleck tem transtorno de dupla personalidade

“As pessoas esperam que você se comporte como se não fosse...”, em tradução livre.

Arthur mantém um diário no qual ele frequentemente descreve como se sente, além de escrever suas ideias de piadas para sua apresentação. No início do filme ele escreve com a mão direita, já a partir do meio do filme ele usa a esquerda para fazer suas anotações, que já apresentam um conteúdo totalmente diferente.

7. A dança do Coringa não é apenas uma expressão de sua maluquice. Há um significado por trás dela

Primeiramente, a dança é inspirada no número de Ray Bolger The Old Soft Shoe, em um programa de televisão americano do ano de 1957. Em seguida, podemos identificar um detalhe curioso: no início do filme Arthur manca e anda encurvado após a cena de agressão, de maneira miserável. Isso nos mostra como ele é deprimido e oprimido. Mas, então, depois, quando ele tem uma arma em mãos, ele se liberta e começa a se soltar para dançar. E ainda depois disso, quando se transforma no Coringa, ele dança constantemente, como uma forma de demonstrar que está livre das amarras sociais.

8. Muitos podem não ter percebido que constantemente são mostrados tons amarelados no filme

O protagonista frequentemente se veste em tons de amarelo: ele tem um moletom mostarda e um colete amarelo. Além disso, a cena no sanatório é gravada usando um filtro amarelo. Dessa forma, com a ajuda dessa cor, o diretor quer demonstrar que o protagonista claramente está mentalmente instável, uma vez que essa cor pode ser utilizada para indicar enfermidades psicológicas.

9. A cena de assassinato durante o programa de TV foi inspirada nos quadrinhos

A cena em que Arthur vai ao programa de TV de Murray Franklin maquiado de Coringa e depois atira no apresentador com uma pistola, foi inspirada nos quadrinhos O Cavaleiro das Trevas, de Frank Miller. Neles o Coringa também vai em um programa de TV, mas não mata apenas o apresentador, como também a plateia.

10. As palavras ditas pelo Coringa antes de matar Murray são repetidas depois em uma das cenas principais

Depois de assassinar ao vivo o apresentador de TV Murray, Arthur diz: “Você mereceu”. Posteriormente, um criminoso disse o mesmo a Thomas Wayne quando o matou junto com sua esposa em um beco escuro. Assim, essa frase se tornou um lema para todos aqueles que se rebelam contra o sistema em Gotham.

11. A referência a Charles Chaplin não é mera coincidência

Em uma cena, Arthur vai a uma sessão do filme Tempos Modernos de Charlie Chaplin. Este evento tem um significado profundo, pois ele não compartilha apenas seus sapatos de palhaço com o personagem encenado pelo renomado ator comediante, mas também um destino difícil e cruel. Em Tempos Modernos, o protagonista também tenta se opor ao sistema e acaba se tornando vítima dele.

12. O pequeno Bruce Wayne foi encenado pelo mesmo ator que já atuou como outro personagem de Joaquin Phoenix em sua infância. E isso não é por acaso

O futuro Batman no filme Coringa é interpretado pelo ator Dante Pereira-Olson. Mas antes disso, ele havia estrelado no filme Você Nunca Esteve Realmente Aqui, atuando como o protagonista vivido por Joaquin Phoenix em sua infância. Isso dá um significado especial à cena em que Arthur olha para Bruce em Coringa, quase que com um olhar de ternura.

13. O nome da assistente social é um easter egg

O nome da assistente social do Coringa é Debra Kane. Essa é uma clara referência a Bob Kane, um dos criadores dos quadrinhos do Batman. Curiosamente, nos quadrinhos de 1995 a assistente social era albina.

A propósito, no filme há outro easter egg relacionado a nomes: o protagonista se chama Arthur Fleck, o que fez muitos espectadores interpretaram esse nome como sendo uma referência ao ator Ben Affleck, que atuou como Batman em 3 produções cinematográficas da DC.

14. O incidente no metrô não foi uma invenção dos roteiristas

Em 1984, o eletricista Bernhard Goetz, de 37 anos, estava no metrô de Nova Iorque quando 4 adolescentes afro-americanos se aproximaram dele no vagão. Um deles o perguntou: “Tudo bem?”, ao que Bernhard respondeu casualmente: “Sim”. Em seguida o adolescente o pediu 5 dólares, e como resposta o eletricista tirou do bolso um revolver e atirou em todos os 4 jovens. Por sorte todas as vítimas sobreviveram, mas uma delas acabou tendo graves danos cerebrais. Essa história foi muito divulgada na mídia na época, no entanto, supreendentemente, muitos nova-iorquinos demonstraram apoio a Bernhard Goetz.

15. Existem várias versões sobre o significado por trás da piada dita pelo Coringa no fim do filme

No fim do longa, Arthur conta a sua terapeuta uma piada que ela não entende. É possível que com essa brincadeira o protagonista queira se referir a tudo que aconteceu no filme: ele apenas resumiu todos os acontecimentos em sua cabeça.

No entanto, há também uma versão de que essa piada faz alusão a uma anedota contada pelo Coringa no final dos quadrinhos Batman: A Piada Mortal. Resumindo, ela soa mais ou menos assim: era uma vez 2 rapazes em um hospital psiquiátrico. E uma noite eles decidiram que queriam fugir. Foram para o telhado, e lá perceberam que a única opção de fuga era pular para a casa vizinha. O primeiro pulou com facilidade. No entanto, seu amigo hesitava, estava com muito medo. Então o primeiro disse para o segundo: “Eu trouxe comigo uma lanterna, vou ligá-la e você pode vir até mim seguindo sua luz”. O segundo, em resposta, balançou a cabeça e disse: “Você acha que sou louco? Você vai desligá-la quando eu estiver no meio do caminho”.

É possível ainda que essa história demonstre a ligação entre o Coringa e o Batman.

16. Ou, talvez, não seja nada disso...

Comecemos pelo fato de que Arthur inventou completamente uma história de amor com sua vizinha Sophie e os espectadores facilmente acreditaram. Ainda antes disso, a imaginação do protagonista criou uma cena em que ele se tornou membro do programa de TV de Murray Franklin. E tudo isso nos leva para a seguinte pergunta: será que aconteceu mesmo a cena no final do filme, em que o protagonista está em cima do capô de um carro enquanto a multidão ao redor o adora? Na verdade, é possível que não tenha acontecido nenhum assassinato, ou até mesmo nenhum convite para participar de um programa de TV, e tudo que ocorreu no filme seja apenas o fruto da imaginação de uma pessoa mentalmente doente, que aparece nos quadros finais conversando com seu médico.

Voltemos nossa atenção novamente para a conversa final com a terapeuta e para a piada do Coringa: e se essa cena fosse tudo o que realmente ocorreu no filme? E se Arthur Fleck na verdade estivesse internado em um hospital psiquiátrico o tempo todo?

Compartilhe com a gente sua opinião e suas impressões do filme na seção de comentários.

Imagem de capa Joker / Warner Bros.