Incrível
Incrível

15 Pessoas falaram abertamente sobre como é crescer em uma grande família — e para algumas foi uma aventura e tanto

No final dos anos 70, as mulheres queriam ter mais de três filhos. Porém, ao passar do tempo, essa tendência foi diminuindo. A partir de 2014, vemos que a situação mudou drasticamente. O modelo antes predominante — da família com ao menos quatro crianças — foi substituído por aquele com duas. No entanto, ainda há pessoas que optam por ter famílias mais numerosas.

Incrível.club confirma, mais uma vez, que famílias cheias de pessoas têm sua própria atmosfera e energia. Ao final do artigo, vamos compartilhar um bônus sobre como uma família tomou a decisão de ter o segundo filho e o que isso acarretou. Acompanhe!

  • Sou filha única, e estou saindo com um rapaz que cresceu numa grande família. Muitos dos seus hábitos me deixam louca! Por exemplo, ele pega os próprios garfos, colheres e outros talheres e, com toda a seriedade, não deixa ninguém os usar. Quando faço um bolo e digo: “Querido, este bolo é todo para você”, ele fica empolgado como uma criança, e toda vez ele repete que, quando era criança, o sonho dele era ter um bolo inteiro só para ele. © Anna Matveeva / ADME
  • Viver com família grande é quando você canta uma música uma vez, e depois todos a cantam durante a semana inteira. © Maya Mazen / Quora
  • Meu filho mais velho tem 12 anos. Ele reclama que seus pés doem muito, pois está crescendo. E ele adora resmungar para os irmãos mais novos de 6 anos:
    — Sorte de vocês por não terem nada doendo.
    — É claro, não sentimos nenhuma dor. Ainda somos jovens. © schewa666 / Pikabu

“Espero que você goste de crianças”.

  • Havia 11 crianças na minha família. Papai costumava ir à reunião de pais na escola com um caderno. No caderno, havia uma lista de todas as crianças e seus respectivos anos de nascimento. Não era preciso saber o nome do professor da classe, apenas marcar o quadradinho ao lado do nome da criança. Ele começava pela sala 1, participava da reunião da classe por apenas 10 minutos, depois seguia para a próxima. Assim, ele participava de todas as reuniões de pais de todas as suas crianças. © Julia Kolesnik
  • Sou a segunda filha mais velha, tenho três irmãos e quatro irmãs. Às vezes, pensam que sou a filha dos meus irmãos e irmãs (minha irmã é 16 anos mais velha que eu). Além do mais, como há sempre muitos carros na entrada da nossa casa, todos pensam que vendemos veículos. © Maya Mazen / Quora
  • Sempre que algo quebrava, eu gritava do quarto: “Não fui eu!” Assim, meus pais saberiam onde eu estava em relação ao lugar de onde saiu o barulho de coisa quebrada. Era um truquezinho simples que me salvou diversas vezes, especialmente quando meus irmãos me culpavam por coisas que eu não havia feito. © ELPwork / Reddit
  • Meus pais têm sete filhos, e agora já somos todos adultos: o mais jovem tem 24 anos, e o mais velho, 42. Temos uma tradição familiar de comemorar os aniversários à meia-noite, como no Ano-Novo, na casa dos meus pais, para parabenizar o aniversariante e depois ir dormir. Mais tarde, o aniversariante decide como quer passar o seu dia e com quem. Já tivemos escolhas bastante interessantes: restaurantes, cafés, saunas, com amigos. Hoje, contudo, cada um de nós opta por ficar em casa com as pessoas próximas, os pais, a família. © Room № 6 / VK
  • Sou a segunda de oito crianças. Papai costumava dizer que uma família grande sempre deveria ter um número par de pessoas, porque elas tendem a se juntar em duplas. Ele também dizia que, assim, era mais fácil dividir a toranja. © John Roberts / Quora
  • Cresci com sete irmãos. Aprendi, propositalmente, a comer alimentos picantes porque ninguém da minha família gostava. Quando eu guardava os restos da minha comida na geladeira, as outras pessoas davam apenas uma mordida para perceber que ela estava coberta em jalapeños e logo desistiam. Funcionava maravilhosamente bem! © EarnestGoesToReddit / Reddit
  • Tenho parentes do lado da família do meu pai, e eles têm três filhos. E aconteceu que dois dos irmãos casaram com garotas, que eram irmãs. A história começou assim: o irmão do meio começou a namorar uma garota e, durante os encontros, ele apresentou seu irmão mais velho à irmã mais velha da namorada. Após certo tempo, o mais velho se casou com essa menina. E mais tarde, o do meio ficou noivo da sua namorada. Mas teve um porém: as irmãs tinham uma irmã mais nova, e os irmãos, um irmão mais novo. Os dois também começaram a namorar e, depois de um tempo, queriam se casar, mas a mãe dos irmãos disse: “Gente, me deem um tempo! Por favor! Já chega!” Ele tinha 18 anos na época, e hoje não sei se chegaram a se casar ou não. © EenHoorn / Pikabu
  • Adoro reuniões familiares. Tínhamos uma tradição de jantar juntos. Agora, todos cresceram e moram em suas respectivas casas, e eu ainda não consigo comer sozinho. Então, minha mãe e eu, quando nos sentamos à mesa, ligamos o Skype: ela toma o café da manhã dela, eu janto, conversamos felizes, assim como fazíamos antigamente quando éramos crianças. Às vezes, minha irmã mais velha e sua filha se juntam a nós, e assim comemos todos juntos como uma grande família. © Overheard / Ideer
  • Sou a mais nova de uma família grande, assim como meu marido. Todos somos adultos e temos boa condição financeira. Morávamos em um apartamento alugado quando decidi engravidar e ter o meu primeiro filho. Todos da minha família me ofereceram dinheiro para o apartamento, me presentearam com móveis novos, eletrodomésticos — desde camas até fraldas. E minha irmã ainda pagou os custos do hospital. Cada vez que meus parentes me visitam, eles trazem presentes e dinheiro. Eu me sinto como uma rainha, cansei de recusar presentes, já temos tantas coisas. É tanto amor e atenção, que é uma loucura! Acho que o único neto e sobrinho é algo que mexeu muito com eles. © Overheard / Ideer
  • Na hora das refeições, o credo do pirata se aplica: “Pegue tudo, não dê nada!” Sobrou um pedaço de pão? Não, não vou dá-lo a você, ele é meu agora, eu o lambi, então você não pode mais pegá-lo de mim. O último pedaço do bolo? Ah, que pena, ele desapareceu, e nem adianta me olhar desse jeito. © MrTomDawson / Reddit
  • Temos uma família enorme, mas ninguém gosta de cozinhar. Decidiram enviar minha irmã para estudar culinária. Ela aprendeu, mas viveu conosco por seis meses e depois se casou. Não desistimos aí. Cada domingo, vamos visitá-la para um almoço. Todos juntos. Somos 14 pessoas. O marido dela adora. Bem, eu acho. © Room № 6 / VK
  • Certa vez nossa vizinha nos deu uma abobrinha bem grande. Como brincadeira, nós a enrolamos em um paninho, como um bebê, e a demos ao nosso irmão mais novo para ele brincar com ela. Ele a chamou de Pedrinha, e todos nós cuidamos dela. Dizíamos um para o outro: “Silêncio, a Pedrinha está dormindo”, e tentávamos não fazer barulho. Então, chegou o momento de cozinhá-la. Ninguém queria cortar e fritar nossa pequena Pedrinha. Por isso, tivemos de ir à vizinha e trocar a abobrinha por outra, que não fosse tão familiar para nós. Depois disso, tentamos não pensar qual foi o destino da Pedrinha e nunca mais fizemos brincadeiras do tipo. © Overheard / Ideer

Bônus: por que alguns pais decidem ter o segundo filho

  • Quando tivemos nosso primeiro filho, éramos apenas eu, minha esposa e nosso bebê. Quando apareceu o segundo, aí virou uma gangue! Não sei como explicar, mas essa já é uma família completa. Não me arrependo nem um pouco de termos tido a segunda criança. Embora tivesse minhas dúvidas, pois minha esposa já estava com 37 anos, ainda valeu a pena. E o dinheiro não tem nada a ver com isso. Psicologicamente, você recebe um milhão de vezes mais. Mas nós somos assim, amamos crianças. © 38Partizan / Pikabu

Quantas pessoas há na sua família? Que histórias familiares divertidas você pode compartilhar conosco? Estamos curiosos!

Imagem de capa Anna Matveeva / ADME
Incrível/Gente/15 Pessoas falaram abertamente sobre como é crescer em uma grande família — e para algumas foi uma aventura e tanto
Compartilhar este artigo
Você pode gostar destes artigos