Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

15 Pais contam como foi que começaram a ver seus filhos como mini adultos

Como pais, acreditamos conhecer nossos filhos. Claro, convivemos com eles e sabemos como são e como agem, ou poderiam agir frente a determinadas situações. No entanto, não são poucas as vezes em que seu comportamento nos deixa boquiabertos. Então, percebemos que não sabemos tudo sobre eles. Atitudes que simplesmente não conseguimos prever, nos mostram um lado completamente diferente de nossos amados filhos e nos ensinam que, apesar de acreditarmos que os dominamos, eles são seres independentes: às vezes, muito mais do que imaginamos.

Incrível.club encontrou um grupo de pais em uma thread do Reddit contando sobre a vez em que algo que seus filhos fizeram mudou para sempre seu modo e enxergá-los. Apenas leia estas histórias, é possível que você se identifique com mais de uma.

  • Há pouco, brincava de esconde-esconde com minha filha mais nova. Minha esposa estava contando e nós dois corremos pela casa para nos esconder. Estávamos escondidos em seu quarto e minha esposa não conseguia me encontrar, mas à nossa filha, sim. Quando lhe perguntou onde eu estava, ela respondeu: “Não sei, mãe. Vamos procurá-lo!”. Pegou sua mão e a conduziu para fora do quarto. Consegui ouvi-la correr e assegurar à sua mãe que não sabia onde eu estava, tentando guiá-la inocentemente para que não me procurasse no seu quarto. Quando finalmente minha esposa voltou a conferir o cômodo e me encontrou, minha filha soltou uma gargalhada, correu até mim, me deu um tapa e disse: “Viu, papai!? Não dedurei você! Viu como a mantive longe?”. Todos rimos, mas agora sabemos precisar vigiá-la de verdade. É muito astuta e mente muito bem para uma criança de apenas quatro anos. ©openletter8 / Reddit

  • Meu esposo e eu tivemos algumas conversas passageiras sobre um familiar próximo que lutava contra a depressão. Até onde sabíamos, não havíamos discutido nada diante de nosso filho (que tem apenas três anos), tampouco havíamos mencionado algum nome. Mas quando fomos visitar essa pessoa, ficamos sabemos que nosso filho o puxou de canto e lhe disse: “Amo você, tio J. Lamento que seu coração esteja triste”. Foi um gesto doce, ele apenas tentava ajudar, mas meu marido e eu nos sentimos envergonhados. Nesse dia, aprendemos que as crianças ouvem TUDO e que não podemos garantir, justamente por estarmos absortos em uma atividade, que não estejam prestando atenção no que falamos. ©KingOfSnorts / Reddit

  • Minha filha sempre foi a “calada”, a “tímida”, a que “tinha de sair da bolha”, a que se “intimidava com facilidade”. No entanto, quando tinha quatro anos, nos mudamos para um local a uma hora de distância de onde vivíamos e tivemos de mudá-la de escolinha. Estava por terminar o ano escolar, portanto, entrou em uma turma onde os grupos de amigos já estavam estabelecidos. Mas ela se tornou amiga de uma menina com a qual ninguém brincava, e tinha uma grande marca de nascença no rosto (para contextualizar a história). Após duas semanas do início das atividades, fui chamada à escola. Um garoto disse à amiguinha da minha filha: “Você tem a cara mais feia do mundo”, e minha filha menina saiu em sua defesa e lhe respondeu: “Ninguém se importa com o que você pensa, você não é importante”. A professora pareceu se surpreender quando notou que, para mim, a reação da minha filha não pareceu errada. Mas não era, até que conversei com ela sobre o assunto e realmente percebi: ela estava sempre muito atenta ao seu entorno. Ela me contou sobre todas as vezes em que o menino havia hostilizado sua amiga durante essas duas semanas. Assimilou tudo e reagiu de uma maneira realmente apropriada. Quando foi crescendo, esse traço de sua personalidade se tornou ainda mais notório: é calada porque observa tudo, não porque seja tímida, ou que algo a intimide. ©t12aq / Reddit

  • Quando meu filho tinha uns três anos, estávamos em um parque a dois minutos a pé de nossa casa. Antes de sair, eu coloquei o jantar no forno e já era quase hora de tirá-lo. Mas o meu garoto queria continuar brincando, então lhe disse: “Vamos, Jay! Vamos para casa comer peixe! Você adora peixe!”. Ele não queria descer do brinquedo onde estava e respondeu-me: “Não quero comer peixe, quero comer... golfinho!” A forma como disse fez com que um grupo de crianças maiores que lá estava, risse. Entendi, então, que era uma criança fora de série, e que provavelmente seria a pessoa mais divertida que conheci na vida. ©GingerMau / Reddit

  • Eu dobrava a roupa e minha filha me pareceu um pouco inquieta. Aproximei para lhe dar toda a minha atenção por um instante e me inclinei sobre seu cercadinho. Ultimamente, ela começou a “me dar” coisas, como sua toalha, seu paninho, ou biscoitos. Dessa vez, me deu o seu coelhinho de pelúcia. Eu o joguei de volta, devolvendo-o. Logo, pegou sua chupeta e quase que a coloca na minha boca! Eu a peguei e fingi estar “sugando” durante alguns segundos; devolvi e a agradeci por ser tão doce e atenciosa. Foi nesse momento que percebi a tentativa de minha filha em compartilhar comigo as coisas que costumar usar. Seus paninhos, seu ursinho que leva a todos os lugares e sua chupeta. São coisas das quais gosta e quer compartilhá-las comigo. Minha filha é amável, atenta e compassiva. Sou muito feliz por ter uma menina tão doce. 💖 ©TinkeringNDbell / Reddit

  • Passei a noite no hospital com meu filho pequeno, enquanto o maior ficou em casa com a avó. Quando voltamos, fazia 26 horas que estava acordada. Um momento depois, não podia manter os olhos abertos, por isso pedi ao meu filho que assistisse à televisão em silêncio e comesse alguns salgadinhos. Precisava dormir. Quando acordei, a casa estava impecável; ele havia guardado os livros e todos os brinquedos. Estava tão orgulhosa de seu esforço que chorei como uma criança. Eu me surpreendi pelo que fez; poderia ter sentado para assistir aos desenhos animados durante uma hora, mas escolheu ajudar sua mamãe. ©brungup / Reddit

  • Amo meu filho, mas reconheço que, durante muito tempo, foi um tanto teimoso e bastante antipático. No entanto, quando era apenas um adolescente, dificilmente conversava com seu pai e comigo, então, surpreendeu-me positivamente saber que passava muito tempo com nossos vizinhos, um casal de idosos. Esse pequeno menino mal-humorado se tornou amigo das pessoas mais amáveis do bairro. Até os ajudava com as tarefas! Nunca havíamos conseguido que limpasse seu quarto, nem sob ameaça, mas estava ali fora tirando o lixo da vizinha... Fiquei extremamente contente e orgulhosa. ©Maxwyfe / Reddit

  • Quando minha filha tinha três anos, disse gostar “das Luas”. Então, contei que a Terra tem somente uma; mas que outros planetas têm mais. Lembro-me que caminhávamos até o mercado nesse momento e, de repente, começou a chorar. Ela não quis me dizer o que se passava, mas quando chegamos ao mercado, pediu-me que comprasse um ursinho de pelúcia. Disse que precisava dele para dar de presente. Já em casa, me pediu para escrever duas cartas: uma para o Papai Noel (o Natal estava próximo), perguntando-lhe se podia pegar o urso e entregá-lo à NASA, caso passasse por lá. A segunda era para a NASA, perguntando se poderiam levar o ursinho de pelúcia até a Lua, para que ela não se sentisse sozinha. Eu o enviei à NASA e coloquei nosso e-mail. Não demorou muito a recebemos notícias de lá. Enviaram uma foto com Photoshop do Teddy na Lua e explicaram (somente para mim) que doariam o Teddy para um hospital infantil. Ela sempre foi um amor com seus amigos e familiares, mas nesse dia percebi como seu coração é enorme. ©MamaBear8414 / Reddit

  • Recentemente meu cachorro, com o qual convivi durante 17 anos, partiu. E, ainda que meu filho de quatro anos não tenha compreendido completamente o que aconteceu, posso dizer que entendeu meu luto e quis me consolar na minha dor. Quando cheguei em casa, depois de ter deixado meu amigão no veterinário para “descansar eternamente”, meu filho (que normalmente é muito independente) perguntou-me se eu queria brincar. Seguiram-se vários dias assim: pedia para sair, ler, montar quebra-cabeças e brincar em seu quarto. Depois de um tempo, suas atividades voltaram a ser as de sempre. Então entendi que, mesmo que não compreendesse a morte, sabia que eu estava muito triste e que as coisas que o faziam se sentir melhor, também me fariam sentir o mesmo. ©ISeaStars19 / Reddit

  • Acabei de comprar um carro após muito tempo sem um. A compra me custou a maior parte do meu dinheiro. Eu havia comentado com minha filha de 10 anos que precisava comprar uma cadeirinha de carro para sua irmã de dois anos, mas teria de esperar voltar a ganhar meu salário. Então ela, para ajudar a pagar, me ofereceu 20 dólares que sua avó lhe dera no seu aniversário. Obviamente não aceitei, mas foi um gesto muito doce, realmente me deixou feliz vê-la querendo me ajudar. ©Om*gimaweirdo / Reddit

Você conhece mais histórias como essas? Por que acredita que, muitas vezes, as atitudes das crianças superem muito as expectativas de seus pais? Comente!

Compartilhar este artigo