Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração
Incrível

10+ Relatos de pessoas abastadas que de repente perderam tudo

Todos nós enfrentamos perdas na vida de uma forma ou de outra: seja a traição de um amigo ou de um ente querido, a partida de parentes e amigos, ou dificuldades materiais. A maioria das pessoas gasta toda a sua energia para ganhar dinheiro, e outras apenas são donas de uma fortuna multimilionária. Mas nenhuma delas está protegida contra o fracasso.

Incrível.club coletou relatos de pessoas que eram extremamente ricas, mas que de uma hora para outra perderam tudo. Acompanhe!

1.

Meu amigo se casou com uma mulher que era multimilionária desde o nascimento. Dizer que eles nadavam em dinheiro não é nenhuma hipérbole. Eles viajavam apenas de primeira classe ou de classe executiva, todos os anos compravam um novo Porsche ou Mercedes, e sempre frequentavam as áreas da elite de Manhattan. Eles não precisavam trabalhar: a esposa dele recebia um auxílio mensal entre 3 a 4 milhões de reais da família dela.

Isso durou cerca de 10 anos, até que eles tiveram discordâncias com os parentes, e eles pararam de sustentar meu amigo e sua esposa. Agora, ambos já estão com mais de 50 anos e não possuem nenhuma qualificação profissional e são obrigados a pagar o aluguel dos apartamentos e todas as contas. A esposa do meu amigo disse que o maior problema é que eles não sabem viver, é difícil para eles até fazerem compras no supermercado. Uma vez eu os convidei para tomar um café no Starbucks e, pela primeira vez em 15 anos, eles me disseram “obrigado” quando me ofereci para pagar por eles. Não posso dizer que essa experiência tenha sido humilhante para esse casal: eles eram pessoas boas, embora muito ricas. © Jerry Strazzeri / Quora

2.

Um dia eu já tive tudo; uma bela casa em uma área nobre da cidade e um salário de 6 dígitos na conta bancária. Mas tudo entrou em colapso em um dado momento de uma vez só. Meu relacionamento de 14 anos com o cara que eu considerava o amor da minha vida acabou. Além disso, perdi meus entes queridos de uma vez — irmão e minha mãe. Então logo depois eu fui demitida. E para completar, meu cachorro de 16 anos morreu.

Fiquei sem nada e tive que pagar um advogado muito caro para o divórcio. Apesar da minha boa formação, não consegui encontrar um bom emprego por perto. Então, alguns meses depois, me pediram para voltar para o meu antigo emprego. E voltei, com 20 kg a mais e completamente deprimida. Todos os meus colegas ficaram surpresos, poucas pessoas me reconheceram, e algumas ingenuamente interessadas em saber se eu estava feliz em voltar. Eu respondi: “É como vir ao casamento de um ex que está se casando com uma supermodelo”. © autor desconhecido / Quora

3.

Estou escrevendo isso aos 14 anos, vivendo em uma pilha de lixo em comparação com a minha vida há 2 anos. Embora eu odeie minha vida agora, não sou burra. Aprendi a apreciar cada coisinha da vida e sei que poderia ser muito pior. Se voltarmos para 2011, minha família estava voltando ao nosso status de rico após a crise financeira de 2008. Nosso patrimônio líquido em 2011 foi de talvez 12 milhões de reais, o que não parece muito, mas faz uma diferença incrível quando você não tem nem 100 mil reais. Estávamos morando em Dubai na época e vivendo uma vida muito boa. Boas escolas particulares para mim e minha irmãzinha, carros chiques para o meu pai, bolsas caras e roupas para a minha mãe. E, claro, um condomínio incrível perto da praia.

No verão de 2011, minha família se mudou para o Canadá, Toronto, mais especificamente. Isso ocorreu porque meu pai conseguiu um emprego muito bom no Iraque (ele é banqueiro). Meu pai se sacrificou muito por mim, minha mãe e minha irmã. Ele era meu herói. Toda vez que ele nos visitava, jogava futebol e videogame comigo o dia todo, literalmente, ele é o melhor pai de todos os tempos. No final de 2015, o terrorismo estava se tornando um problema maior no Iraque e meu pai se demitiu de seu emprego devido as condições de trabalhado terem ficado perigosas. Minha família se mudou para o Reino Unido no final de dezembro de 2015. Agora meu pai passou a morar conosco, e a vida era muito boa.

Em meados de 2016, meu pai foi processado por algo que ele não fez, e isso arruinou sua reputação. Nesse ponto, ele estava diferente, sempre com raiva. Nossas economias estavam quase esgotadas e o processo levou meu pai a desistir de seu salário pelos próximos 8 meses para se recuperar. Ele trabalhou das 6h da manhã até a meia-noite, na tentativa de obter um aumento para nos manter seguros financeiramente. O aumento não veio. Ele se esforçou para manter minha irmã e eu na mesma escola que consumia grande parte de nossas economias. Nós nos mudamos para uma casa menor e ele vendeu os carros.

E a parte mais triste de tudo isso é que sinto vergonha disso. É um segredo de família e não posso contar a ninguém, e é por isso que estou expressando minhas emoções aqui. Dói muito quando alguém me chama de pobre, e não posso me defender por causa de uma promessa aos meus pais de manter nossa situação em segredo. Dói muito ver seus velhos amigos vivendo tão luxuosamente, gastando milhares por semana quando você não consegue gastar quase nada. © unknown author / Quora

4.

Devido à crise, perdi quase 12 milhões de reais. Não obtive sucesso na procura de um novo trabalho na minha área, embora eu estivesse por 12 anos no mercado. Minha autoconfiança foi prejudicada. Meu amigo me ofereceu um emprego em um lava jato. A princípio eu recusei, porque achava que era um trabalho humilhante. Mas então, após não ter dinheiro suficiente para comprar um presente para minha sobrinha, aceitei o trabalho.

No terceiro dia de trabalho, uma ex-funcionária minha chegou lá com um Lexus. Fiquei morto de vergonha; então ela saiu do carro, correu, me abraçou e disse que estava feliz por mim e que eu tinha sido um ótimo chefe. Nenhuma das muitas pessoas que conheci no trabalho me considerou um fracasso. Eles me trataram com respeito e até publicaram um artigo sobre minha vida em uma revista local. © Michael Aumock / Quora

5.

Quando eu era criança, morava em uma casa grande com duas domésticas, uma cozinheira, uma babá, um mordomo e com motorista. Meus pais faziam festas quase todas as noites. A casa era tão grande que meus avós e 2 casais que trabalhavam para meu pai moravam conosco. Então, meu pai se mudou para o Japão, e minha mãe teve que se contentar com uma casa muito menor para ela, 4 filhos e uma babá.

Desde então, tudo dependia da condição financeira do meu pai, mas quando ele morreu, um colega roubou todo o seu dinheiro. Depois disso, a situação só piorou, então tive que viver com 40 reais por semana. Honestamente, essa situação nunca afetou minhas emoções. O dinheiro vai e vem, não significa nada para sua autoestima. Agora eu amo andar, assistir Netflix e passar tempo com meus irmãos. © Vicki Chang / Quora

6.

Experimentei isso duas vezes na minha vida. Primeiro, tinha meu próprio negócio como um comerciante de exportação. No entanto, com o início de Guerra Civil em 2 dos meus principais mercados, ao mesmo tempo, volumes substanciais de carga ficaram presos em portos distantes ou em áreas remotas do interior. Em um mês, deixei de morar confortavelmente em uma pequena propriedade rural com cavalos, ter 4 carros, bons escritórios e um grande saldo bancário. Ao mesmo tempo em que me separava da minha primeira esposa.

Tornei-me consultor no Zimbábue, abri um novo negócio, vendi-o e coloquei todo o dinheiro na fazenda da minha segunda esposa; construímos essa fazenda por 5 anos para ser uma exportadora significativa de produtos hortícolas e empregar 180 pessoas. Em 2002, as violentas apreensões de fazendas no país resultaram em eu ser colocado em uma cela policial. Depois de 3 dias, em condições horríveis, me deram as opções: concordar em nunca mais voltar à minha fazenda e ser libertado ou apodrecer na prisão. Isso ocorreu depois de 2 anos de intimidação, ameaças de morte, roubo de colheitas e equipamentos atacados, vizinhos espancados e outros agricultores assassinados.

Perdemos tudo de novo, nos mudamos para o Canadá aos 54 anos com apenas 2 malas cada um e com dinheiro suficiente para comprar uma caminhonete usada. O que eu aprendi com tudo isso? Não é o que acontece com você na vida, mas o que você faz sobre isso que conta. Por mais assustadores que tenham sido alguns períodos da minha vida, eu não gostaria de mudar nada do que aconteceu. Descobri quem realmente sou e do que sou feito, aprendi o valor da resiliência. Sou extremamente grato por estar vivo e a caminho de me reerguer pela terceira vez. © Peter Wright / Quora

7.

Um dos meus parentes passou de um milionário com uma casa em Berverly Hills para um motorista de táxi. O motivo? Investimentos malsucedidos, desperdício e numerosos divórcios. Ele ainda não consegue esquecer o passado e conta aos passageiros sobre a mansão em que morava. Por um tempo, meu parente esperava se recuperar apostando em ações certas. Agora, ele está pensando em como sobreviver enquanto não tem mais idade para dirigir um táxi. Por vergonha, ele cortou todos os laços com a família.

Passar de rico a pobre não é uma sentença de morte — muitas pessoas se recuperaram da falência. De fato, muitos se recuperaram de seus contratempos e ficaram mais fortes do que antes. Infelizmente, esse parente meu optou por culpar todos os outros por seus problemas, em vez de concordar com sua situação e tentar superá-la. Mas o tempo acabou: ele já tem 68 anos. A lição que aprendi: tenha cuidado com os investimentos, viva de acordo com as suas possibilidades e, o mais importante, não se divorcie! © Jonathan Chen / Quora

8.

Eu me considerava financeiramente bem antes do colapso em 2008. Embora a maior parte da minha história profissional fosse médica, eu me tornei corretora de hipotecas em 2003. Conseguia comprar o que quisesse, comer fora o tempo todo e trabalhar de pijama em casa. A vida era boa e, na verdade, a melhor de todas.

Meses antes da crise, vimos a bolha estourar no horizonte. No entanto, a negação de uma possível crise e a incapacidade de muitos como eu, que não estavam preparados para o início abrupto dela, de pagar empréstimos, foi fundamental para o que estava por vir. Eu havia gastado a maior parte das minhas economias meses antes em uma cirurgia nas costas porque não me preocupei em comprar um seguro saúde. Achei que não precisava, porque eu tomava minha saúde como garantida.

Nenhuma poupança, nenhum trabalho, incapaz de pagar os empréstimos, nenhum dinheiro entrando. Meu pai morreu inesperadamente e eu fui consumida pela tristeza. Vendi todos os meus pertences para sair da minha casa, meu carro foi tomado, meus cartões de crédito estavam estourados no limite e sem pagamento. Eu tive uma emergência e tive que gastar minhas economias em uma cirurgia. Não tinha dinheiro para alugar um local para morar, então fui morar com meu filho de 23 anos e seus 2 companheiros de quarto. Esse foi o ponto mais humilhante para mim. Minha mãe faleceu, e minha realidade era que não tinha mais pais. A tristeza me oprimia junto com sentimentos de nenhuma esperança.

Já se passaram ​​7 anos desde então, ainda vivo com um orçamento apertado e pago tudo em dinheiro. Sou bacharela e mestre em psicologia. Sempre compro apenas coisas de segunda mão, incluindo móveis, que eu remodelo e decoro ao meu gosto. Aprendi mais sobre a vida e sobre mim mesma desde que perdi tudo, do que aprendi nos 25 anos anteriores. Agradeço ao destino por todas as circunstâncias que me levaram ao que tenho atualmente. Eu me sinto completamente feliz com a vida hoje. © Kathy Nelson / Quora

9.

Tendo perdido tudo, você se sente o maior perdedor do mundo. Eu tinha vergonha de sair, sabendo que todo mundo estava rindo pelas minhas costas. Eu só queria me esconder e me tornar um eremita. As perdas foram tão repentinas e destrutivas para mim, mas admito que esses eventos me ajudaram a me reconstruir. Eu percebi quem eram os meus verdadeiros amigos e quem não eram. E você também para de jogar dinheiro fora por várias coisas ao mesmo tempo e se concentra no que pode fazer melhor.

Somente quando fui à falência, fui capaz de reconstruir meus negócios, porque agora sabia como era o lado oposto. O mais importante é que você aprende que, às vezes, simplesmente não consegue controlar tudo, não importa o que faça e o quão inteligente você seja, perceberá que NÃO é invencível e NÃO se preparou adequadamente. As pessoas riam de mim pelas minhas costas? Claro que sim. Isso é o que os inimigos fazem. Isso importa? Não, porque eu sei que por causa das minhas lições anteriores, da próxima vez que eu tiver que sair do buraco será ainda mais fácil por causa das pessoas (amigos e familiares) com quem eu me cerco. © Louie Keen / Quora

10.

Uma família formada por pai, mãe e 3 filhas. Nos anos 90, eles tinham um negócio familiar que ia bem. Tão bem que decidiram construir uma casa de 3 andares com cobertura e tudo. Por volta de 2010, começaram a gastar loucamente: compraram um apartamento para a filha mais velha na capital, as filhas mais novas viviam viajando pela Europa, o pai comprou um carro importado e comia praticamente todos os dias nos melhores restaurantes da cidade.

Em 2013, o governo não renovou o contrato de arrendamento deles em um dos melhores negócios da família. O dinheiro começou a faltar. Os sinais começaram se manifestar na casa. O patriarca não aguentou a pressão e morreu. Os demais membros da família não queria ir trabalhar, como também não tinham experiência nenhuma.

A principal lição é que enquanto houver dinheiro, é necessário investir em ativos. Que seja imobiliário se você não confia em ações, já que é mais fácil alugar ou vender. Não há necessidade de esbanjar riqueza, viva modestamente. Tenha sempre um plano B se a principal fonte de renta falir e considere como o capital será mantido para que os herdeiros não o percam. © ololoxololo / pikabu

11.

Quando eu tinha uma boa condição financeira, a vida era linda, mas assim que perdi tudo, a vida mudou dramaticamente para pior. Minha amada esposa e eu morávamos em um apartamento decente e podíamos sair de férias 4 vezes por ano. Mas em 2000 eu me enganei muito ao escolher um candidato para o cargo de diretor geral da minha empresa. Ele roubou tanto dinheiro da companhia até que finalmente a arruinou. Investi em um novo empreendimento comercial, mas fali, portanto, tive que voltar a morar com meus pais enquanto procurava um emprego. Pensei que não seria um grande problema encontrar um “emprego real”, mas eu estava errado. Descobri da maneira mais difícil que os empregadores não contratam alguém que trabalha por conta própria há uma década — especialmente aqueles sem alguma habilidade muito específica.

Para sobreviver, tive que começar pequenas empresas sem capital e, desde então, passei a contar centavo por centavo. Nos primeiros 2 anos, minha esposa me apoiou, mas sua paciência acabou e ela pediu o divórcio. Realmente não sei como teria sobrevivido sem que meus pais me ajudassem em inúmeras ocasiões.

Se eu tivesse que resumir como foi perder toda a minha riqueza em uma frase, diria que se parece quando você sofre um acidente em que acaba parcialmente paralisado. Você passa o resto de sua vida pensando no evento, se perguntando se poderia evitá-lo de alguma forma, sentindo pena de si mesmo e pensando que a vida nunca será tão boa novamente. © Nick Pendrell / Quora

12.

O colapso financeiro destruiu meus 2 negócios — uma empresa de marketing confiável que atuava no mercado há mais de 15 anos e um negócio na web em expansão de 5 anos que estava prestes a sair para a primeira rodada de capital de risco. A perda do negócio na web foi decepcionante, mas não devastadora. Nós sabíamos que isso era um risco. Mas a perda total e instantânea de toda a receita da nossa empresa de marketing foi chocante. Eu ainda não consigo entender isso. A maioria das pessoas nem sabe que perdemos todos os nossos clientes, e que ainda não conseguimos nos reconstruir até um nível que possamos sustentar a nós mesmos. Como isso é possível? Eu não sei. É como se um mundo antigo tivesse evaporado e nós ficamos para trás em um novo mundo. Antes do Natal, fomos à falência. Eu tive que vender muitas coisas para alimentar nossa família.

Eu estou com muito medo. Tudo pode acontecer. E sinto vergonha. Já não é um sentimento tão forte como antes, porque percebo que a crise financeira estava além do nosso controle. Muitas vezes sinto raiva: construí duas empresas, trabalhei dia e noite por anos, agora tenho mais de 50 anos e devo dizer o quão difícil será para me aposentar. Agora me sinto pior do que nunca. © unknown author / Quora

13.

Quando era pequena, vivíamos bem, mas com o passar dos anos menos dinheiro foi chegando, até que com a crise financeira, nossos negócios familiares faliram. E, como ninguém esperava, não tínhamos reservas. Tive que passar a contar centavo por centavo, comer feijão em lata todos os dias por 6 meses. Abdicar de todos os eventos sociais, porque não havia dinheiro para presentes.

Essa experiência abriu meus olhos muito jovem, mas não gostaria de passar por isso novamente. Agora tenho 23 anos, trabalho como freelancer e estou empenhado em pagar as dívidas que ainda restaram, apoiando meus pais e minha irmãzinha de 8 anos. © Gejminator / reddit

14.

Minha história aconteceu nos anos 90, quando era um estudante e todos na nossa turma eram de famílias simples, ainda mais com a Rússia passando por uma tremenda crise após a queda da União Soviética. Apenas um camarada não era de família simples, seu pai era um homem de negócios. A família vivia no luxo, e ele realmente se gabava disso. 10 anos depois, acabei indo parar em um mercadinho perto da minha antiga escola. Um cara que trabalhava como carregador passou por mim e seu rosto parecia familiar. Acontece que era aquele meu colega de classe.

O pai dele faliu de uma forma que eles tiveram que ir morar com os avós e viver da pensão do seu avô. Ele não conseguiu terminar os estudos e não fez faculdade, portanto tinha que trabalhar para ganhar experiência. No entanto, ele só conseguiu emprego como carregador de supermercado. Ele não era o cara esnobe que conheci na escola, super arrogante. Tinha um olhar triste e cansado. © Neoraxis / pikabu

Você conhece casos similares aos listados nesse post? Conte para a gente na seção de comentários.

Imagem de capa Michael Aumock / Quora
Compartilhar este artigo