Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

10 provas de que uma aparência atípica é um presente do destino

Muitas vezes, ao olhar no espelho, pensamos que algumas coisas em nossa aparência poderiam ser diferentes. Mas ao mesmo tempo, devemos ter em mente que a verdadeira beleza está oculta nos detalhes, e não em seguir determinados padrões que a sociedade impõe.

O Incrível.club reuniu neste post algumas histórias honestas de gente de verdade, que lembram que todas as pessoas são belas à sua maneira.

  • Sempre fui complexada por ser a maior das minhas amigas (tenho 1,80m de altura e peso 76kg). Mas numa ocasião, fizemos uma viagem pela Europa. Em duas semanas de rota, ninguém ligava para elas. Já eu fiquei cansada de tanta atenção: pediam meu número de telefone, me convidavam para sair e alguns pretendentes diziam até que pagariam minha viagem e hospedagem. Todos diziam que eu tenho uma típica beleza russa (tenho um aspecto eslavo, com olhos redondos, seios grandes e cabelos loiros e grossos). Agora eu não tenho mais nenhum complexo.

  • A natureza me presenteou com cabelo ruivo e olhos verdes, e meus colegas de escola riam de mim. Morenos, meus pais diziam que a cor do meu cabelo era surpreendente. Hoje, fui a um salão de beleza para fazer as unhas e ouvi uma senhora dizer: "Quero meu cabelo igual ao dela". A cabeleireira não encontrou tinta desta tonalidade e pediu para fazer uma foto para encomendar a tintura dessa cor. Estou começando e me sentir realmente única e bela.

  • Meus pais eram muito ocupados, preocupados em garantir a alimentação para mim e minha irmã. Por isso, minha avó era a única que falava da minha aparência: olhos saltados, nariz achatado, etc... Vivi assim até que, há poucos dias, o chefe do meu marido contou a meu amado tem em seu escritório uma foto minha, e que todo mundo o inveja por ter uma esposa tão linda.
  • Tenho um corpo esquisito. Meus braços são longos e meus pés são simplesmente gigantes para minha altura. Sempre tive problemas na hora de comprar roupa e calçado (aos 14 anos, já calçava 39). É um inferno. Preciso mandar fazer sapatos por encomenda, o que não sai barato. Assim, tenho poucos pares que uso em todas as ocasiões. É o maior complexo da minha vida. Me chamavam de "Gulliver", me olhavam com cara de surpresa e eu tinha medo de pisar nos pés dos outros sem querer. Conheci meu marido, o amor da minha vida, aos 28 anos. No ateliê da mesma sapataria. Ele tem mais de 2 metros de altura e calça 46. Agora, somos uma família de "Gullivers".
  • Sou gago desde a infância. Para superar isso, tentei ser sociável com gente desconhecida. Conversava com vendedores, cabeleireiros, gente nas filas... Hoje, sou uma pessoa muito simpática e não me envergonho do meu pequeno transtorno. Este é meu desafio.
  • Sempre reclamei da minha aparência, de que ninguém gostava nem se importava comigo. Mas tive uma experiência de quase morte. É impossível imaginar o medo que senti: não por mim, mas pelos meus entes queridos. Agora, minha vida mudou totalmente. Tenho certeza de que meus pais me amam muito, e isso é o que importa. Nunca reclame do que a vida dá, valorize o que você tem! E ame seus pais.
  • No verão passado, eu era uma gordinha simpática, com um rosto bonito emoldurado por uma papada. Estava indo para a escola de bicicleta e, por acidente, bati num rapaz gordinho. Pedi desculpas a ele. Ele me olhou atentamente, mas eu não dei muita atenção. Uma semana depois, fui a uma loja. Novamente, eu o vi. Ele me olhou, se aproximou e perguntou: "Desculpa, mas você não quer perder peso?". Fiquei indignada com seu atrevimento, mas depois ele propôs que fizéssemos ginástica e corrida juntos. Hoje, sou sua esbelta namorada e ele ganhou um corpo de atleta e colocou um brinco na orelha. Era tudo com o que eu tinha sonhado.
  • Tenho cabelos ruivos. Hoje ele tem um tom acobreado, e na infância, era dourado, quase laranja. Como eu invejava as meninas de cabelos loiros! Ninguém fazia piadas comigo, mas por dentro, eu odiava aquela cor. E eu teria crescido cheia de complexos se não fosse por minha primeira professora. Ela me chamava de "menina sol", "garota dourada" e dizia que meu cabelo era lindo. Na sexta série, quase todas as minhas colegas começaram a pintar o cabelo de ruivo.
  • Sempre me considerei estranha. O tempo todo, havia algo em meu visual de que eu não gostava. Gastava muito dinheiro em beleza, mas os resultados eram passageiros ou nulos. Um dia, conheci o homem dos meus sonhos, que me disse: "Sabe de uma coisa? Ninguém é perfeito. Mas você é a mulher mais linda que já conheci!", e me pediu em casamento. Foi o dia mais feliz da minha vida. Eu disse "sim". Graças a ele, gosto de mim e me aceito como sou.
  • Secretamente, admiro os rostos que têm alguns "defeitos", se é que posso dizer assim. Gosto especialmente de orelhas muito separadas, narizes largos, dentes separados e sardas em abundância. Você não imagina o quanto me incomoda quando as pessoas querem se desfazer de tudo isso para terem um rosto "padronizado". Todas essas pequenas "imperfeições" são seu cartão de visita, sua individualidade! Tenho certeza de que a beleza está nos defeitos.