Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

10 Histórias que mostram que é possível superar qualquer limitação física

Muitas pessoas têm certeza de que, se alguém sofre certos problemas de saúde ou perdeu um membro por conta de algum acidente, não pode viver uma vida plena e a felicidade parece inatingível. Mas isso não é verdade - e ainda bem!

Por isso o Incrível.club vai lhe contar hoje histórias de algumas pessoas que, mesmo tendo uma doença difícil e vivendo as dificuldades da vida de forma mais intensa, conseguiram tornar seus objetivos realidade e são felizes em viver como são e fazer o que mais amam.

Um ótimo exemplo de superação é o multi campeão paralímpico brasileiro Daniel Dias, que, na Olimpíada do Rio de Janeiro conquistou nada menos que 9 medalhas!

Turia Pitt sofreu graves queimaduras em um incêndio

A história desta modelo australiana, Turia Pitt não consegue deixar ninguém indiferente. Aos 24 anos, ela foi vítima de um incêndio terrível e sofreu queimaduras em 64% de seu corpo. A jovem passou seis meses no hospital, superou muitas intervenções, perdeu todos os dedos da mão direita e 3 da esquerda. Mas hoje ela vive a vida ao máximo, posa para revistas, pratica esporte, surfa, anda de bicicleta e trabalha como engenheira de minas.

Nando Parrado sobreviveu a um acidente de avião e esperou pelo serviço de resgate por 72 dias

O caso é conhecido e virou livro e filme. Em 1972, o avião que levava um time de rugby do Uruguai para jogos no Chile caiu nos Andes Os sobreviventes dessa catástrofe beberam neve derretida e dormiram colados uns aos outros para não congelar. Havia tão pouca comida que todos fizeram o possível para encontrar pelo menos algo para compartilhar. No 60.º dia após o acidente, Nando (cuja irmã morreu no acidente) e seus dois amigos decidiram caminhar pelo deserto congelado e por picos de mais de 3 mil metros em busca de ajuda. Hoje ele se dedica a dar palestras sobre o poder da motivação na vida para atingir metas.

Jessica Cox tornou-se a primeira piloto de aeronave do mundo sem braços

Esta jovem nasceu em 1983 sem os braços. Não se sabe por que ela nasceu desse jeito. Mas seus pais fizeram todo o possível para que ela vivesse de forma plena. Como resultado de tantos esforços, Jessica aprendeu a ser auto-suficiente; ela consegue comer, vestir-se e até mesmo ir para a escola comum sozinha, onde também aprendeu a escrever. Na infância, tinha medo de voar e até mesmo ia no balanço com os olhos fechados. Mas conseguiu superar seus medos. Em 10 de outubro de 2008, Jessica Cox obteve licença para pilotar uma aeronave leve desportiva. Ela se tornou a primeira piloto do mundo sem os dois braços, entrando no Guinness Book of Records.

Tanni Grey-Thompson ganhou fama mundial como participante de sucesso de corridas em cadeira de rodas

Tanni, no nascimento, foi diagnosticado com "espinha bífida", mas alcançou sua fama mundial como participante de corridas em cadeira de rodas.

Sean Swarner superou o câncer e conquistou os picos mais altos de cada continente - inclusive o Everest

Este homem, com letras maiúsculas, é um verdadeiro lutador: superou o câncer e visitou os 7 picos mais altos dos 7 Continentes - inclusive o Everest. Ele foi a única pessoa no mundo a sobreviver depois de ter sido diagnosticado com doença de Hodgkin e tumor de Askin. Foi diagnosticado com câncer em sua quarta e última fase, quando tinha apenas 13 anos e, de acordo com as previsões médicas, não conseguiria viver por mais do que 3 meses. Mas Sean superou milagrosamente a doença. No entanto, um tempo depois os médicos descobriram um tumor (do tamanho de uma bola de golfe) em seu pulmão direito.

Depois de se submeter à uma segunda cirurgia para removê-lo, os médicos previram que o paciente não viveria mais do que 2 semanas... Mas, 10 anos depois e usando seu pulmão parcialmente, Sean é conhecido em todo o mundo pelo fato de ter se tornado no primeiro sobrevivente de câncer a alcançar o cume mais alto do Planeta.

Jillian Mercado, diagnosticada com distrofia, entrou no mundo da moda e fez sucesso

Ela é o melhor exemplo de que, para entrar no mundo da moda, as pessoas não devem se conformar em seguir estritamente os cânones socialmente aceitos. E é possível amar a si mesma e a seu corpo, mesmo que não sendo perfeito. Na infância, foi diagnosticada com uma doença terrível, a distrofia, por causa da qual vive em uma cadeira de rodas. Mas isso não a impediu de entrar no mundo da alta costura.

Esther Vergeer ganhou inúmeros títulos de tênis na cadeira de rodas

Na sua infância, foi diagnosticada com mielopatia vascular. Como resultado, sofreu uma intervenção que, infelizmente, apenas piorou a situação, levando à paralisia das duas pernas. Mas usar cadeira de rodas não impediu Esther de praticar esportes. Ela jogou muito bem basquetebol e voleibol, mas o tênis foi o que lhe trouxe fama mundial. Nascida na Holanda, Vergeer foi 42 vezes vencedora de torneios de Grand Slam na modalidade de paratenismo. Ela está no livro dos recordes como a atleta profissional com mais tempo de invencibilidade em um esporte, tendo vencido 120 torneios de forma consecutiva.

Michael J. Fox vive com o Mal de Parkinson e apoia aqueles que também sofrem da doença

O eterno Marty McFly do filme "De Volta para o Futuro" descobriu que estava doente quando tinha apenas 30 anos de idade. Foi então que começou a abusar do álcool, mas, apesar de tudo, conseguiu deixar a bebida para dedicar sua vida para combater o Mal de Parkinson. Graças à sua ajuda, pesquisadores conseguiram levantar US$ 350 milhões para estudar a doença.

Patrick Henry, mesmo sendo cego e tendo os membros subdesenvolvidos, tornou-se um grande pianista

Patrick nasceu sem olhos e com os membros deformados e fracos e, por isso, não consegue se manter de pé. Apesar dessas condições, o menino, com a idade de um ano, começou a tentar tocar piano. Mais tarde, entrou na University of Louisville School of Music Marching and Pep Bands e depois começou a tocar no Cardinal Marching Band, onde seu pai incansável costumava levá-lo em uma cadeira de rodas. Hoje Patrick é um pianista virtuoso, vencedor de muitos concursos e suas performances são transmitidas por muitos canais de televisão.

Mark Inglis é a única pessoa sem pernas que atingiu o topo do Monte Everest

O escalador Mark Inglis, da Nova Zelândia, tornou-se a primeira pessoa, e permanece sendo a única, sem pernas que conquistou o Everest. Vinte anos antes disso, perdeu as duas pernas depois que congelaram em uma de suas expedições. Mas Mark não queria deixar seu sonho, praticou muito e conseguiu conquistar o topo do mundo, uma conquista muito difícil, para qualquer um dos mortais, mesmo aqueles sem limitações. Até hoje, continua a viver na Nova Zelândia com sua esposa e seus 3 filhos. Ele escreveu 4 livros e trabalha em uma fundação de caridade.

Imagem de capa Turia Pitt/instagram