15+ Relatos sobre as “maluquices” que os internautas já se depararam ao vender coisas on-line

Hoje em dia, os sites de vendas on-line se popularizaram bastante, e praticamente todo mundo já teve uma experiência com eles, seja como comprador ou vendedor. No entanto, se por um lado as negociações nem sempre são fáceis, por outro, existe todo tipo de pessoa com demandas inusitadas nessas plataformas, o que, muitas vezes, acaba por impedir a concretização do negócio. Isso quando não gera histórias malucas e situações inesperadas.

Nós, do Incrível.club, também usamos sites de venda on-line e, assim como os protagonistas deste artigo, já nos deparamos com todo tipo de situação e anúncios inusitados. Confira!

Eu e a minha esposa estávamos vendendo uma máquina lava-louças, já há quase três anos sem ser usada. Consideramos 280 reais um preço adequado. Então apareceu o Serguei, de 40 anos. Ele veio, ficou hesitante e perguntou por que não oferecíamos uma garantia (sério mesmo?). No fim, não quis olhar como a máquina funcionava e foi embora.
Depois de 15 minutos ele me ligou e disse que como não oferecíamos garantia, então poderia pagar apenas 200 reais. Eu conversei com a minha esposa e decidimos vender para ele por 250. Telefonei e lhe perguntei quando ele poderia vir buscá-la, mas ele respondeu: “Ah, eu não sei, retorno a ligação em uma hora”. O tempo passou e nada do Serguei. Vendemos para outra pessoa e nos esquecemos dessa história.
Três dias depois, o Serguei deu as caras. Ele descobriu que a lava-louças tinha sido vendida e decidiu escrever um comentário negativo sobre mim no site de vendas, estragando a avaliação da minha conta. O que esse cara tinha na cabeça — permanece um mistério. © e***a.mishki / Pikabu

Um conhecido vendeu um apartamento de um quarto. Perguntei-lhe se foi difícil encontrar compradores e ele respondeu que não, que o mais difícil foi vendê-lo por dinheiro. A maioria das pessoas oferecia um carro em troca, às vezes ainda pagando uma taxa extra por fora. Um cara até ofereceu trocar por seu carro de luxo Lexus e dar uma quantia em dinheiro! Alguns também sugeriam trocar por um “negócio pronto”, que geralmente não passava de uma vendinha. Teve um homem que ofereceu uma garagem em troca, e outro que ligou para o meu conhecido da zona rural e lhe ofereceu um rebanho de ovelhas pelo imóvel. © Rumaxer / Pikabu

O marido da minha irmã vendeu o carro dele em um site de vendas on-line. Tinha rodado 61 mil km em 12 anos. Então, um casal, que parecia ter uns 20 anos, foi olhar o automóvel. Segue o diálogo deles com o meu cunhado:
— Gostei do carro, vamos comprá-lo, mas diga: quanto que você diminuiu a quilometragem?
— Não diminuí, essa é a quilometragem original.
— Você não está entendendo, eu vou levar o carro. Apenas nos diga, quanto diminuiu?
— Eu raramente ando de carro, a quilometragem está correta, não diminuí.
— Aqui está o dinheiro, vou comprar, somente admita: quanto você alterou?
— Diminuí 20 mil km (meu cunhado não aguentava mais dizer que a quilometragem era real).
— Está vendo, eu disse (falou o cara, virando-se para a mulher)
E em seguida, com um olhar satisfeito, eles compraram o carro. © Kosmolet / Pikabu

Uma vez vendi alguns discos rígidos antigos a preço de banana em um site de vendas. A maioria, vendi com facilidade, restaram apenas dois. Foi então que apareceu um comprador e começou a negociar comigo. Depois de uma longa história sobre não ter dinheiro suficiente para levar os dois, ele comprou apenas um. Então, ele começou a me escrever que também queria comprar o segundo e que eu não o vendesse. De início, não entendi por que ele precisava de um tempo para poder comprar o outro HD, porém, mais tarde, decidi conferir o que ele colocava à venda na sua conta. Dentre outras coisas, lá estava o meu disco rígido, anunciado com um valor 75% maior do que eu cobrava. Não lhe respondi mais e vendi o HD no dia seguinte para outro comprador e sem nenhuma negociação. © EminSTX / Pikabu

Vendo coisas na internet com frequência e, dessa forma, também vou liberando espaço no meu guarda-roupa. No anúncio, escrevo todos os detalhes: estado, tamanho, material, coloco fotos boas. E ainda defino o preço mais baixo possível — basta apenas comprarem. Só que uma, a cada duas pessoas, me irrita fazendo pedidos absurdos. Pedem para eu fazer milhões de fotos em todos os ângulos e iluminações possíveis, para explicar o motivo de estar vendendo a peça, para medir o quanto a cintura estica (para quê?) ou até para fotografar as costuras internas. Alô, pessoal, vocês estão vendo uma calça de 20 reais, para que serve uma foto das costuras internas e o tamanho exato do fecho na cintura? © Podslushano / Ideer

Eu dei bobeira e deixei um estranho vir à minha casa comprar o iPad usado que anunciei na internet, para o seu filho. Ele me deu 40 dólares a menos do que eu cobrava no site, dizendo que aquele era todo o dinheiro em espécie que tinha e que, na sua visão, era um preço justo. Quando recusei a sua oferta, ele ficou furioso, com o rosto todo vermelho, bateu na minha mesa e disse que eu estava sendo gananciosa. Por fim, ele decidiu que ainda queria o dispositivo e foi no banco retirar os 40 dólares que faltavam, batendo a porta com tanta força que a casa inteira tremeu. Assim que saiu, lhe escrevi dizendo para não voltar, porque eu havia mudado de ideia sobre vender o iPad. Ele me respondeu se desculpando, mas não eu disse mais nada. © squiggyshuman / Reddit

Anunciei a minha minivan em um site de vendas por 1 400 dólares e comecei a receber um monte de ligações e mensagens de texto estranhas. Teve um homem que me escrevia todos os dias perguntando se o carro ainda estava à venda, e quando eu dizia “Sim”, ele respondia “OK, eu tenho o dinheiro, estarei aí pela manhã para pegar o carro”. Acho que ele fez isso umas dez vezes.
Eu, então, abaixei o preço para 900 dólares. Uma manhã, uma mulher me ligou e verificou comigo o ano e o modelo do veículo, passando depois a ligação ao marido para lhe indicar o meu endereço. Acontece que a mulher tinha uma minivan igualzinha à minha e a adorava, mas acabou acidentalmente superaquecendo o motor, por não ter percebido que o líquido de arrefecimento havia acabado. O marido disse: “Meu filho e eu vamos tirar a caixa de transmissão do carro antigo dela e substituir pela do seu hoje à noite”. A mulher — já de meia-idade — ficou pulando feito criança na entrada da minha casa quando viu minha minivan. © Michael Chaney / Quora

Recentemente, decidi vender o meu antigo iPhone, cobrando um preço simbólico de 350 reais. A minha caixa de mensagens ficou cheia de sugestões do tipo “175 reais e nós vamos pegá-lo aí agora mesmo”. E mais de seis pessoas telefonaram querendo saber onde me encontrar para olhar o aparelho, mas não apareceram.
Foi então que uma mulher me ligou e combinamos de nos encontrar. No dia combinado, escrevi e liguei para ela, mas não tive nenhuma resposta — tentei por duas horas. Mais tarde, um homem entrou em contato comigo e ele morava perto, chegou em 30 minutos e comprou o celular depois de uma barganha simbólica.
A cereja do bolo: aquela mulher me ligou, perguntou onde deveria ir me encontrar. Perguntei: “Onde você estava na data combinada?”, e ela respondeu que não atendia telefonemas de números desconhecidos. Eu lhe disse que já o havia vendido, mas ainda tive de ouvir um monte dela! Vendi o telefone, mas não me livrei dos “compradores”. © himbrn / Pikabu

Um dia desses, estava vasculhando um amontoado de coisas antigas e encontrei uma frigideira elétrica. Conectei-a na tomada e ela funcionava, apesar de ter ficado sete anos no sótão, esquecida. Coloquei-a, então, à venda.
Um número me ligou, era de outro estado. O homem do outro lado da linha disse estar interessado e perguntou se eu poderia enviá-la para outra região. Como li histórias de ladrões que aplicavam golpes armando esquemas como esse, respondi que não, pois, só aceitava pagamento em espécie. Ou seja, alguém teria de vir, olhar e levar o produto.
No final, ele encontrou um entregador na cidade que veio naquela mesma noite, verificou a panela, pagou e foi embora. Até hoje não entendo o que tinha de tão valioso na frigideira que despertou tamanho interesse naquele homem. © kotSofii / Pikabu

Tenho uma experiência inesquecível. Coloquei o anúncio de um armário para venda. Um comprador entrou em contato e estava realmente interessado. Ele iria dirigir quase 50 km para vir até aqui e pegar o móvel. Meu esposo ainda lhe disse para vir com uma caminhonete, pois o armário era grande, mas ele garantiu que seu veículo daria conta do recado.
O comprador chegou à minha casa em um Sedan, um Hyundai Sonata. Naturalmente, o meu esposo ficou preocupado e o lembrou de que o armário era grande. Sua resposta foi: “Está tudo bem, vai caber”. Então, uns 30 minutos depois, meu esposo foi até a frente de casa e viu essa cena da foto. E ele dirigiu os 50 km de volta evitando as vias principais. Ficamos checando as notícias por alguns dias, e parece que ele chegou em casa a salvo. © Rebekah Flanagan / Quora

Você costuma vender as coisas que não usa mais na internet? Qual a situação mais inusitada que já se deparou ao vender ou comprar algo em sites de vendas on-line? Conte para a gente na seção de comentários.

Imagem de capa e***a.mishki / Pikabu
Compartilhar este artigo