Incrível
Incrível

14 Reflexos humanos que surpreendem os cientistas

Ah, quão complexos são os seres humanos! Peguemos, por exemplo, nossos reflexos: eles nos foram dados para simplificar nossas vidas, mas, na prática, geralmente acabam tendo o efeito oposto. Sem mencionar que a razão pela qual temos reflexos é ainda mais inusitada. Por exemplo, de onde surge a curiosidade; de que a preguiça nos protege; por que temos vontade de urinar no banho e como conseguimos infectar outras pessoas com nossas emoções?

Nós, do Incrível.club, decidimos estudar os reflexos incomuns e básicos do nosso comportamento, que muitas vezes parecem desafiar as explicações lógicas. Acompanhe!

14. Todas as crianças mergulham com a boca aberta

Qualquer bebê com idade até 3 — 6 meses, ao cair na água, prende a respiração reflexivamente e começa a se mover. Se, ao mesmo tempo, entrar água em sua boca, a glote e a epiglote se estreitam, impedindo a entrada de líquido nos pulmões. As crianças com mais de 6 meses de idade perdem essas habilidades e são forçadas a aprender a nadar do zero, se não praticarem essa atividade desde o nascimento.

Importante: não é recomendável ensinar um recém-nascido a nadar de forma independente (mesmo contando com os reflexos); é melhor fazer isso sob a supervisão de um profissional.

13. A composição das lágrimas muda automaticamente dependendo do que as causa

Quando o assunto é lacrimação, a composição das lágrimas pode variar. Às vezes ela pode ser formada por um fluido antibacteriano rico em proteínas, que mantém a umidade dos olhos durante o piscar, ou ao ficar sentado na frente do computador por um longo tempo. Em outros casos, as lágrimas têm uma composição ligeiramente diferente e se destacam por serem uma resposta a um estímulo externo: por exemplo, quando você corta uma cebola, um cílio entra em seu olho ou há muita fumaça ao seu redor que causa lágrimas.

Quando choramos por causa de nossas emoções, nossas lágrimas contêm hormônios especiais que ajudam o corpo a aliviar o estresse mais rapidamente e a reduzir a dor.

12. A preguiça é um mecanismo de defesa inventado pela natureza

reflexo de resistência (ou de liberdade) é uma reação a qualquer estímulo externo que nos limita em diferentes área de nossas vidas. Sabe-se que, diferentemente de outros reflexos, quanto mais sentimos essas limitações, mais forte é nosso desejo de nos livrar delas. Além disso, nunca nos apegaremos a tais limitações.

Diante disso, vários cientistas argumentam que a preguiça não é um vício ou um hábito ruim, mas um dos métodos de boicote interno, utilizado pelo corpo para tentar se proteger de uma situação estressante, que limite sua livre existência em qualquer aspecto.

11. Se você passar muito tempo no escuro, seus olhos começarão a ver pontos de luz incomuns

Esse reflexo é bem conhecido pelos astronautas e amantes das práticas de meditação, e é chamado de “filme para prisioneiros”. Segundo os cientistas, flashes de luz, que podem mudar de cor e assumir diferentes formas, surgem no escuro devido a uma situação psicológica tensa, campos magnéticos fortes, produtos químicos ou devido a ações físicas contra os olhos. Não é mágica!

10. A curiosidade é uma função automática que aumenta as nossas chances de ter uma vida longa e feliz

A curiosidade é uma manifestação do reflexo orientador: nossos corpos recebem, constantemente, informações sobre o mundo ao nosso redor. O cérebro compara cuidadosamente os novos dados com as informações que recebeu segundos atrás. Assim que uma diferença significativa é revelada, o reflexo orientador começa a agir: tentamos escutar um som desconhecido ou focalizamos nossos olhos em algo novo.

O reflexo orientador é a base do comportamento que nos leva a aprender constantemente coisas novas, pelas quais o cérebro nos recompensa com uma sensação de alegria, que desenvolve a curiosidade.

A propósito, os neurocientistas observam que pessoas especialmente curiosas, que continuam a aprender e aumentar seus horizontes até mesmo em idades avançadas, vivem mais e mais felizes, porque constantemente “rejuvenescem” o cérebro com o hormônio da alegria.

9. Uma ação não terminada coloca o cérebro em um estado de recarga, parecido com o da meditação

O nosso cérebro se desliga ao realizar um trabalho monótono e rotineiro, mas “pelo canto do olho” continua a monitorar o processo. Se a ação executada não for terminada, o cérebro entrará em um estado próximo à meditação: parece se recarregar ou se reiniciar, removendo todos os pensamentos desnecessários e tentando entender qual tarefa precisa ser concluída. Além disso, mesmo que novas tarefas apareçam, o cérebro não será capaz de se concentrar nelas completamente.

Exemplo: você tem uma sensação perturbadora de ter esquecido algo e não pode se concentrar completamente em suas ações. Como resultado, descobre que não fechou a porta da frente, embora não se lembre do momento exato em que deixou a casa enquanto falava ao telefone.

8. As nossas lembranças do penico nos fazem urinar no banho

Ao ouvir o som de água corrente ou de um córrego, muitas pessoas desejam “tirar a água do joelho”. Os cientistas consideram isso uma manifestação de um reflexo adquirido na infância: sentada em um penico ou no vaso sanitário, a criança se lembra dos sons característicos desse processo, incluindo os sons de dar descarga e lavar as mãos. E no banho, o desejo de atender a essa pequena necessidade é ainda maior por causa da água morna.

7. Os batimentos cardíacos diminuem assim que colocamos o rosto em água fria

O problema está no chamado reflexo de mergulho dos mamíferos: assim que a superfície do rosto entra em contato com água fria (abaixo de 10º), o corpo entra em um modo diferente de consumo de energia. Assim, aumenta a resistência à pressão e reduz o consumo de oxigênio, acreditando que a pessoa está se preparando para dar um mergulho profundo: o pulso diminui, a temperatura corporal cai, os vasos sanguíneos se estreitam, o sangue flui para o centro e para os órgãos vitais, o nível de hemoglobina aumenta e o sangue recebe grandes quantidades de oxigênio.

A propósito, uma imersão acentuada do rosto em água fria é um método eficaz para interromper a taquicardia em apenas 1 minuto ou reduzir dores de cabeça com enxaquecas.

6. Devido ao estresse, o cérebro perde o controle sobre as pupilas

O movimento das pupilas e os espasmos dos olhos podem ser causados por fadiga, falta de sono, uso excessivo de cafeína ou medicamentos. A base é a manifestação do reflexo vestíbulo-ocular, quando o cérebro tenta obter uma imagem precisa do que está acontecendo, mas não consegue se concentrar devido a sobrecarga ou superexcitação.

Como verificar: se você andar de carrossel ou der várias voltas, por exemplo, em uma cadeira de escritório por alguns minutos, depois de parar, seus olhos ainda tremerão por um tempo.

5. Nós ficamos vermelhos para confundir o interlocutor

Acredita-se que a vermelhidão do constrangimento faça parte do mecanismo de defesa de “lute ou corra”. Antes disso, ocorre uma descarga de adrenalina em resposta ao estímulo: as pupilas se dilatam, o coração bate mais rápido e o sangue oxigenado flui através dos vasos dilatados para os músculos. O processo afeta todo o corpo, mas a vermelhidão é mais visível no pescoço, orelhas, parte superior do tórax e na face.

A ciência alega que tal fato peculiar ocorre apenas em seres humanos e é um meio de expressar também arrependimento, de modo que a vermelhidão pode ser considerada como um instinto social. Vendo que o interlocutor está corado, em resposta a isso, caímos temporariamente em um desafio, tentando repensar a situação e o papel do interlocutor nela. E aqueles que coraram depois de mostrar sua falta de jeito nos fazem gostar mais deles do que aqueles que mantêm uma tez uniforme em qualquer situação.

4. Arrepios e calafrios são um sinal de uma mudança acentuada das nossas emoções

Anteriormente, isso acontecia apenas como uma reação a uma mudança acentuada de temperatura: com a ajuda de pelos levantados, o corpo mantinha uma camada de ar quente ao redor da pele ou, pelo contrário, cobria a pele para se esfriar um pouco. Por uma razão desconhecida, o reflexo começou a funcionar também com mudanças acentuadas de humor: quando algo nos assusta, sentimos calafrios e podemos ter arrepios ao ouvir músicas que gostamos muito.

Interessante: no site do Reddit, os usuários coletam materiais que causam sensações agradáveis e arrepios. Por exemplo, tente ouvir o início de uma das obras de Hans Zimmer: as mudanças de volume e harmonias incomuns podem fazer com que você sinta algo semelhante.

3. O cérebro se “infecta” com as emoções de outras pessoas, interpretando-as como suas próprias

Dê uma olhada mais de perto nas crianças pequenas: quando os pais estão tristes, a criança percebe isso e começa a chorar, embora não entenda o motivo da tristeza. É tudo por causa de uma infecção emocional. É por isso que somos tão atraídos por pessoas que se sentem alegres: mesmo sem termos nossas próprias razões para precisar sentir essa emoção no momento, procuramos inconscientemente recebê-la de outras pessoas, por isso tentamos passar tempo com elas.

A propósito, a capacidade de transmitir o nosso humor e as nossas emoções um ao outro é inata, sem a qual também seria impossível imaginar o envolvimento das pessoas na religião ou na guerra, por exemplo.

2. Os olhos das pessoa sempre se fixam em um ponto, independentemente da rotação da cabeça e do corpo

Como as pessoas conseguem virar a cabeça para a esquerda ou direita, mantendo o foco nos objetos? O reflexo vestíbulo-ocular também é responsável por isso e ajuda o cérebro a estabilizar as imagens.

A propósito, esse recurso ajuda as bailarinas a girarem graciosamente de 20 a 30 vezes em torno de seu eixo, ao fazer piruetas.

1. Olhar para o Sol nos dá vontade de espirrar

É assim que o reflexo do espirro por luz brilhante se manifesta: uma em cada 4 pessoas ao olhar para uma luz brilhante ou para o Sol, de repente começa a espirrar. Os cientistas ainda não conseguiram estabelecer o que causa isso, mas sabem que tal reflexo é herdado geneticamente.

E você, já notou algum reflexo incomum no seu corpo? Divida com a gente nos comentários.

Imagem de capa aka Tman / flickr
Compartilhar este artigo