Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

11 Corajosos que não possuem partes do corpo, mas viraram superhumanos

Há no mundo milhões de pessoas que vivem sem braços ou pernas, mas a verdade é que raramente as vemos por aí. Muitas dessas pessoas lidam com o problema usando próteses que imitam membros humanos reais.

Mas há aqueles que não precisam ter todas as partes do corpo para se sentirem completas. O Incrível.club apresenta alguns desses super heróis.

Mama Cax

Aos 14 anos, Mama Cax foi diagnosticada com câncer nos ossos e pulmões. Os médicos disseram que ela viveria 3 semanas. E ainda que tenha tido a perna direita amputada, Mama sobreviveu. E se transformou em modelo e fashion-blogger, fazendo da prótese um detalhe interessante de seu look.

Mama costuma ser fotografada para editoriais de revistas como Vogue e Cosmopolitan, e seu Instagram conta com cerca de 119 mil seguidores que admiram sua força e beleza. "Aos 16 anos, meu corpo era coberto de cicatrizes, e eu não me sentia nem um pouco bonita. Mas as cicatrizes são marcas de uma difícil batalha, que eu venci", diz ela.

Aimee Mullins

Aimee Mullins, de 41 anos, tem uma história incrivelmente inspiradora. Por conta de um problema ósseo, ela teve as pernas amputadas na infância, mas isso não a impediu de entrar na lista das 50 pessoas mais bonitas do mundo segundo a revista People, de praticar esportes e estabelecer 3 recordes mundiais, de atuar em filmes, participar em desfiles de moda e embelezar as páginas da Vogue, Glamour e Elle.

Aimee tem uma coleção de próteses bem extravagantes, e se gaba de poder, com a ajuda delas, mudar a própria estatura, indo de 1,73m a 1,82m. Aqui você pode conferir o discurso de Amy no TED.

Emery Vanderburgh

Aos 17 anos, a canadense Emery Vanderburgh perdeu sua perna devido à osteossarcoma - câncer nos ossos. Ela afirma: "A prótese quase sempre traz uma sensação de vergonha, mas eu resolvi ir por outro caminho. Nunca tinha usado uma prótese que parecesse uma perna natural. Eu a encaro como uma prova de que sobrevivi a tempos difíceis".

Hoje em dia, Emery é uma ativista social que milita em favor de próteses acessíveis para todos os que precisam delas, além de manter um blog sobre sua vida.

Kiara Marshall

Quando tinha 10 anos, Kiara Marshall foi atropelada por um motorista bêbado. O resultado disso foi a amputação de sua perna até o joelho. Hoje, a jovem tem 25 anos e não deixa de viver sua vida plenamente.

Kiara pratica montanhismo e caiaque, trabalha como modelo e palestrante, apoiando outras pessoas sem extremidades. Ela usa uma grande variedade de estampas em sua prótese, complementando harmoniosamente os looks que ela escolhe.

Viktoria Modesta

A britânica de 29 anos chamada Viktoria Modesta, de origem soviética, teve o quadril deslocado ao nascer em um caso de erro médico, e passou a infância quase toda em hospitais, passando por 15 cirurgias. Os procedimentos não resolveram o problema e, aos 19 anos, Victoria optou pela amputação.

A imagem chamativa de Victoria conta com 8 próteses diferentes, por exemplo, a "stereo leg", uma prótese feita com cristais e uma outra prótese em forma de um brilhante espinho preto. A jovem alcançou a fama como cantora e modelo, participou de desfiles na Semana de Moda de Milão e foi contratada pelas empresas Samsung e Vodafone.

Jason Barnes

Jason Barnes, de 28 anos, é o baterista mais rápido do mundo. São 20 batidas por segundo! Além disso, ele é o único músico "cyborg". Jason sempre foi apaixonado por música e sonhava em virar um baterista profissional, mas após um acidente sua carreira musical parecia ter chegado ao fim, já que seu braço foi amputado até o cotovelo. No entanto, o rapaz não demorou para se recuperar: ele prendeu a baqueta à prótese mais simples e continuou ensaiando. É impossível dizer o que teria acontecido se o professor Gil Weinberg, do Instituto de Tecnologia da Geórgia, não tivesse criado um dispositivo totalmente novo exclusivamente para Barnes.

A prótese de Barnes permite usar duas baquetas ao mesmo tempo: uma delas é controlada por sensores ligados aos músculos, enquanto a outra é conectada a um programa especial que "escuta" o ritmo da música e improvisa.

Em 2017, o acadêmico criou para Jason uma prótese ainda mais perfeita: cada dedo pode ser controlado separadamente, o que permite que o rapaz toque até piano.

Outro caso que poderíamos citar aqui é o do baterista da banda de hard rock britânica Def Leppard, Rick Allen, que, em 1984, perdeu o braço esquerdo num acidente de carro. Allen não só se recuperou como voltou a tocar com a banda, configurando a bateria para usar mais pedais e, assim, tocando com os pés e com o braço remanescente. No ano passado, ele e a banda estiveram no Brasil.

Angel Giuffria

A norte-americana Angel Giuffria nasceu sem uma mão e já usava prótese aos 4 meses. Em 27 anos, ela usou mais de 30 próteses. Angel é psicóloga, palestrante e atriz. Ela participou de 4 filmes, incluindo "Jogos Vorazes".

Angel gosta de se destacar na multidão. Ela diz que adora sua mão biônica e a chama de cyborg, pois acha a palavra muito divertida. No Instagram, a jovem mostra que a falta de extremidades não é motivo para uma vida sem graça. Ela pratica arco e flecha, tiro ao alvo e outros esportes.

Jo-Jo Сranfield

A amputação de um braço não impediu que a britânica Jo-Jo Cranfield, de 25 anos, se transformasse uma nadadora profissional e conquistasse medalhas em competições internacionais. Além disso, ela faz palestras motivacionais e dá aulas de natação.

Jo-Jo passou muito tempo sem usar próteses por considerá-las incômodas, mas até conhecer a designer Sophie de Oliveira Barata, que criou para ela um "braço de serpente". Jo-Jo gosta da surpresa que causa nas pessoas e que se sente forte e linda.

Outro grande exemplo nessa área é o brasileiro Daniel Dias, que nasceu sem os pés e as mãos. Daniel é o maior medalhista da natação paralímpica com 24 medalhas. E já conquistou o prêmio Laureus, o Oscar do esporte.

James Young

James Young, de 27 anos, oriundo do Reino Unido, perdeu a pierna e o braço depois de cair embaixo de um trem. Ele passou duas semanas em coma e passou por 12 cirurgias.

James teve dificuldades para manejar próteses comuns, e um ano mais tarde ele teve a sorte de receber um braço biônico como o herói do jogo de computador Metal Gear Solid, do qual é fã. A prótese reconhece os sinais musculares, tem uma luz laser, conector USB, relógio integrado e um mini drone conectado ao ombro.

Kiera Roche

Em 2001, Kiera Roche sofreu um acidente. Os médicos a operaram durante 11 horas, mas ainda assim precisaram amputar sua perna direita. Hoje, ela é presidente da Limb Power, uma organização beneficente que ajuda pessoas amputadas a ter uma vida plena. Keira acredita que seu exemplo inspira outras pessoas: "Caminhei pela Grande Muralha da China, naveguei pelo Nilo, fui de bicicleta de Londres até Paris e conquistei o Monte Snowdon, ponto mais alto do País de Gales".

Vários anos depois da tragédia, Keira estava obcecada em parecer alguém "normal", escondendo a prótese sob as roupas. Mas agora ela não sente a menor vergonha pela falta das pernas. Ela possui a perna "certa" para cada ocasião, em particular a de porcelana, que parece uma verdadeira obra de arte.

Kelly Knox

A britânica Kelly Knox, de 34 anos, nasceu sem o antebraço esquerdo, o que nunca a impediu de trabalhar como modelo e posar para a Procter & Gamble e Marie Claire. Frequentemente ela opta por não usar a prótese, querendo evidenciar a falta do braço. No entanto, ela sente prazer em participar de sessões fotográficas nas quais o braço artificial faz parte da imagem artística.

Kelly afirma: "Sou imperfeita sob os olhos da sociedade, mas me aceito como sou e tenho orgulho de mim mesma". Kelly tem uma mensagem importante para cada um de nós: "Não se destrua tentando ser perfeito".