Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Comissários de bordo compartilham 20+ particularidades do seu trabalho que os passageiros costumam não conhecer

Conseguir um emprego como comissário de bordo nas melhores companhias aéreas pode ser considerado mais difícil do que entrar nas universidades mais prestigiadas do mundo. Você pode estar concorrendo com até 200 pessoas para uma vaga. A taxa de candidatos chamados para as entrevistas é de 1% — há muito mais postulantes aceitos em Harvard, por exemplo. Então, o que há assim de tão especial nesse trabalho? E como é a vida de um comissário que trabalha, literalmente, nas nuvens?

Incrível.club encontrou alguns comissários que contaram com o maior bom humor sobre os prós e contras do trabalho que exercem, assim como também compartilharam alguns “truques” de viagem, que qualquer passageiro vai gostar de saber (por isso, recomendamos ler até o final). Vale ressaltar que algumas destas curiosidades valem em determinados países e companhias aéreas, e não para outros. Acompanhe!

  • Cada um começa a sua carreira de forma diferente. Alguns fazem cursos particulares às próprias custas, e depois tentam encontrar um emprego em diferentes companhias aéreas. Outros preferem passar pela seleção de alguma empresa e, caso sejam contratados, fazem o curso depois, pago pela empresa para a qual vão trabalhar. Em certos casos, eles também recebem uma bolsa de estudos durante tais cursos. Depois disso, no entanto, o futuro funcionário será obrigado a trabalhar para a mesma empresa durante alguns anos, antes que possa mudar para outra. Isso seria como uma “devolução” do dinheiro investido.
  • Quando as aeromoças começam a trabalhar, assinam um contrato segundo o qual elas devem se comprometer a não tirar licença maternidade nos próximos 3 anos.
  • O pagamento é por hora, e as companhias adicionam um valor extra dependendo do país de destino. As horas de trabalho, por exemplo, num voo de Moscou a Krasnodar (cidades na Rússia), e outro de Frankfurt (Alemanha) a Sofia (Bulgária), são calculados de forma diferentes. É impossível escolher apenas viagens com pagamentos elevados: a empresa aérea faz uma programação especial para que todos tenham igual acesso aos trechos mais e menos rentáveis.
  • Em média, um comissário de bordo passa cerca de 90 horas no “céu” por mês. As companhias aéreas têm diferentes definições de horas de voo: algumas calculam o tempo desde quando os motores do avião são ligados, em outras somente quando a aeronave entra na pista de decolagem.
  • Existe um cronograma, de cerca de 18 dias, no qual é preciso estar a uma curta distância do aeroporto, pois podem chamá-lo para um voo a qualquer minuto. Normalmente estes dias são alocados nos finais de semana e feriados, quando há maior fluxo de passageiros. O lado bom é que os 12 dias restantes do mês são de folga.
  • Todas as vacinações devem ser tomadas sem atraso. É impossível começar a trabalhar sem elas.
  • Não é o tamanho que importa, mas sim a capacidade de alcançar as prateleiras superiores. Além disso, também é importante o índice de massa corporal (IMC). Portanto, não são contratadas pessoas muito magras ou acima do peso.
  • Se um comissário tem problemas de enjoos frequentes durante um voo, ele deve exercitar seu sistema vestibular. Para isso, pode usar uma cadeira de rodinha comum para fazer este exercício: 1 minuto de giro para um lado e 1 minuto para o outro. Basta repetir esta prática todos os dias durante um mês até notar progresso.
  • Em companhias aéreas mais caras, os comissários não devem usar aparelhos dentários, fixadores e nem mesmo protetores bucais. Além disso, recomenda-se clarear os dentes para sempre encantar os passageiros com um sorriso perfeito. Aqueles que têm marcas de nascença visíveis no rosto também podem ser rejeitados.
  • Não se recebe gorjeta sendo comissário, mas é possível receber bônus especiais por venda de produtos nos catálogos de bordo.
  • Quando estão no solo, os comissários estão dormindo ou estudando: conhecem novas regras da empresa ou estudam documentos, trabalham em simulações especiais, melhoram suas qualificações e passam por vários testes e exames, além da comissão médica. Não há quase nenhum tempo para a vida pessoal.
  • Os comissários têm de usar um relógio com ponteiro de segundos para controlar o tempo de execução dos comandos dos pilotos.
  • Cada comissário de bordo tem um número diferente, que indica as suas funções durante o voo. Por exemplo, digamos que estejam trabalhando 4 comissários. 1L é o mais experiente, que preenche documentos e trabalha com pilotos e passageiros. O 1R recebe e entrega refeições, bebidas, equipamentos e também interage com passageiros. O 3l recebe e entrega kits de primeiros socorros, cobertores, almofadas e guardanapos, e também ajuda com os passageiros da classe econômica. E o 3R é responsável pelas compras a bordo e prepara os carrinhos de refeições, chá e café, além de atender passageiros da classe econômica.
  • Numa situação de emergência, um comissário deve primeiro se salvar e depois ajudar os passageiros.
  • Todos os comissários de bordo são excelentes nadadores. Um dos requisitos para o emprego é poder nadar entre 20 e 50 metros sem qualquer ajuda. Isso é necessário no caso de pouso na água. Eles também aprendem regras de sobrevivência em qualquer área, seja na selva ou na neve.
  • Quando se trabalha num avião, você se expõe mais facilmente à radiação. Para se proteger o máximo possível, é preciso manter um estilo de vida saudável e ser constantemente monitorado por médicos. Recomenda-se tomar suplementos de vitamina C e E após cada voo, além de comer alimentos ricos em vitaminas A, P e B.
  • A pesquisa moderna mostra que as mudanças de fuso horário são bastante prejudiciais à saúde. Como resultado, os ritmos circadianos são perturbados e, por isso, você sempre quer dormir e comer, porque o corpo não consegue se adaptar a um ritmo regular e vive sempre em estado de estresse.
  • O cabelo e as unhas no avião crescem mais rápido. Isso deve-se à maior absorção de vitamina D durante o voo, pressão incomum e liberação de endorfina como resultado da sensação de euforia que as pessoas têm a bordo ou após uma aterrissagem bem sucedida.
  • Já o metabolismo é desacelerado e, por isso, é comum que os comissários ganhem alguns quilos no primeiro ano de trabalho.
  • Existem várias gírias “de bordo”. Por exemplo, “briefing” é uma reunião da tripulação antes e depois de cada voo para dar e receber instruções e procedimentos de segurança; “bin” é como se chamam os compartimentos na parte superior das cabines e “inativo” é o período de 24 horas em que o tripulante fica numa mesma cidade. Se o comissário apontar um dedo a um colega, está dizendo que precisa de chá. Se apontar dois dedos, está pedindo café.
  • Os passageiros saem do avião e correm para apanhar a bagagem para, finalmente, poderem ir para casa. Já os comissários não têm a mesma sorte. Depois de garantir que todos tenham saído do avião e que tudo foi verificado, eles se dirigem ao debriefing pós-voo, no qual avaliam o trabalho realizado e discutem ideias e sugestões. Só depois disso é que podem ir para casa.
  • A vida de um comissário é 99% controlada. Mesmo nos dias de folga é preciso estar em ótima forma física, cuidar da aparência e até cheirar bem. Relaxar mesmo é possível somente durante as férias.

Bônus: o que é útil os passageiros comuns saberem

  • As comissárias têm suas próprias técnicas de maquiagem. O rosto precisa ser bem hidratado, visto que dentro do avião o ar é muito seco. Por isso, é necessário usar produtos cosméticos que não sequem muito a pele e mantenham-na umidificada. Durante o voo, elas recomendam refrescar o rosto com água termal e máscaras hidratantes nos intervalos. Base fosca ou pó compacto são itens que dificilmente serão encontrados no arsenal das comissárias.

E o que você gostaria de saber sobre o mundo da aviação? Qual pergunta faria a um comissário ou comissária de bordo? Compartilhe sua opinião!

Compartilhar este artigo