Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

9 Produtos para bebês que pais experientes não recomendam comprar

4-1-
10k

Todo pai de criança pequena torce para que os produtos usados por seus filhos (por exemplo, mamadeiras, chupetas e cadeirinhas) sejam seguros, como prometem os fabricantes. Mas muitas vezes as autoridades acabam desmentindo essas “crenças”. Nos Estados Unidos, por exemplo, apenas em 2019 mais de 5 milhões de produtos infantis foram retirados do mercado em ações de recall.

Nós, do Incrível.club, estudamos quais produtos devem ser evitados para garantir a segurança dos seus filhos.

1. Almofadas de proteção

Os pais costumam usar almofadas de proteção para que o bebê não bata com a cabeça nas ripas do berço. Mas esse lindo acessório pode se tornar um pesadelo para as crianças. Os especialistas alertam que os amortecedores são perigosos e aumentam o risco da Síndrome da Morte Súbita Infantil. Mesmo os “amortecedores respiráveis” podem sufocar uma criança. A sugestão é manter todos esses itens, que podem cobrir o rosto do bebê, distantes do berço.

2. Porta-bebê (suporte canguru) com base estreita

Esse produto é ótimo, na medida em que ajuda a criar um vínculo com o bebê. Mas, na maioria dos produtos do tipo, a posição em que a criança fica não é das mais favoráveis. Ao manter as pernas retas e os joelhos e quadris esticados, há muita tensão na coluna e isso aumenta o risco de uma luxação do quadril. O risco é especialmente alto para bebês com menos de seis meses.

Acreditamos que carregar bebês traz vários benefícios tanto para os pais quanto para os filhos. Mas lembre-se de que carregadores e suportes devem ter uma base ampla, para que as pernas da criança fiquem na posição M, que não representa um perigo.

3. Andadores e jumpers

Quando o bebê começa a se movimentar pela casa, alguns pais cedem à tentação de comprar andadores ou jumpers. Mas há razões pelas quais, em alguns países como o Canadá, os andadores para bebês foram proibidos. Esses produtos permitem que as crianças fiquem de pé e caminhem, quando, na verdade, seus músculos ainda não estão prontos para isso. Os andadores representam um grande risco de traumas, na medida em que, dependendo do modelo, a criança pode tombar.

Os médicos observam, ainda, que os atrasos no desenvolvimento são frequentemente observados entre as crianças que passam muito tempo nos andadores, nos jumpers ou nos jolly jumpers (são produtos diferentes). A razão por trás disso é que essas crianças perdem um tempo valioso de desenvolvimento nesses equipamentos, quando, na verdade, deveriam estar aprendendo a andar por conta própria.

4. Assentos para banho infantis

A cada três casos de afogamento em menores de 2 anos, um é causado por cadeiras para banho infantis. Certos pais pensam erroneamente que esses assentos são uma medida de segurança. A questão é que alguns deles confiam cegamente nesses produtos e acabam deixando os pequenos sozinhos, o que é extremamente perigoso. Os filhos podem escorregar na água e se afogar.

5. Berços com a lateral removível

Como os bebês mais novos costumam passar muitas horas em seus berços, é importante garantir que estejam seguros ali. Pais experientes evitam berços com a lateral removível, pois sabem que a grade pode deslizar para fora dos trilhos, criando uma lacuna entre o colchão e essa lateral. Se isso acontecer, as crianças podem se ferir ou se sufocar. Esse problema pode ser facilmente evitado. Basta optar por um berço comum.

6. Cobertores e travesseiros para bebês

O maior risco, no caso de bebês mais novos é o de o cobertor ou o travesseiro sufocar a criança. Mas, para além desse fato, no caso específico dos travesseiros, eles são simplesmente desnecessários antes dos 2 anos. Até essa idade, como os ombros da criança ainda não são muito largos e a cabeça é, proporcionalmente maior, não há necessidade do apoio de um travesseiro.

7. Sling (suporte)

A variedade de slings para bebês é enorme. Todos os fabricantes prometem oferecer exatamente o que o bebê precisa. No entanto, lembre-se de que os slings que os pais colocam ao redor do pescoço podem representar risco de asfixia para as crianças. Nesses carregadores, as crianças não conseguem se esticar e o queixo pode ser pressionado contra o peito, bloqueando suas vias aéreas.

Tenha cuidado. Os especialistas sugerem que todos os slings trazem um perigo em potencial para as crianças com menos de 4 meses. Como os músculos do pescoço são fracos, se a boca ou o nariz ficarem cobertos, os bebês não serão capazes de se movimentar e podem se sufocar.

8. Cadeira de descanso inclinada

Os pais fazem de tudo para ajudar os bebês a dormirem melhor, porque essa é a única maneira de terem algum tempo livre. No entanto, cadeiras de descanso inclinadas não ajudarão seu filho nesse sentido. Além disso, uma pesquisa mostra que as superfícies planas são as mais seguras para um bebê dormir, reduzindo o risco de sufocamento.

9. Flutuador para o pescoço

A natação é um ótimo exercício para os bebês e eles não precisam de nenhum equipamento para isso. Os flutuadores para pescoço foram inventados para crianças com deficiência, mas são usados por alguns pais ​​como um item de recreação.

Pais experientes evitam esse tipo de produto, porque os flutuadores impedem as crianças de realizar movimentos ativos na água, fazendo-as apenas flutuar passivamente na superfície. Há, ainda, o risco de o equipamento furar e a criança se afogar.

Se você é pai, quais itens prefere não comprar? Existe algo que gostaria de adicionar a esta lista? Compartilhe sua experiência nos comentários!

Illustrated by Ekaterina Gapanovich exclusivo para Incrível.club
4-1-
10k
Compartilhar este artigo