20+ Segredos que os funcionários dos aeroportos não compartilham com os passageiros

O mais importante para nós, passageiros, é chegar no aeroporto sem atraso e torcer para que nossa mala não seja extraviada, mas para os funcionários dos aeroportos o check-in e a inspeção de segurança são apenas a ponta do iceberg. Desde o momento que se entra no aeroporto até o embarque para o voo, tanto os viajantes, como as bagagens, estão sob constante controle. Todos os procedimentos realizados antes do voo representam um compromisso com os clientes de que haverá segurança e rapidez no processamento dos dados dos passageiros.

Nós, do Incrível.club, somos sonhadores e queremos acreditar que após alguns anos as formalidades serão simplificadas e, com a ajuda de novas tecnologias, poderemos embarcar no avião diretamente da rua, sem passar por todas essas “inconveniências”.

Segurança

A câmera de imagem térmica pode detectar, mesmo em movimento, uma pessoa que esteja com alta temperatura corporal.

  • Com a ajuda de um scanner térmico é possível monitorar a temperatura corporal para evitar que passageiros com febre ou doentes entrem a bordo. Essa máquina é particularmente importante durante os surtos de gripe. O dispositivo consegue detectar a temperatura de uma pessoa a uma distância de até 10 metros e com uma precisão de até 0,1ºC.
  • Em alguns aeroportos existem profissionais especializados em avaliar gestos, expressões faciais e traços de comportamento humano. Com base nisso, eles podem identificar potenciais situações de risco.
  • Os scanners concebidos para inspecionar os cidadãos são absolutamente seguros. Os equipamentos de raios X hospitalares produzem cerca de 600 microsieverts, e os modernos scanners para inspeção não devem exceder 0,5 microsieverts.
  • As imagens de segurança do salão são processadas por um programa de computador capaz de avaliar o estado psico-emocional das pessoas e converter o menor dos movimentos em indicadores de cor: muito verde — passageiro é seguro; mais avermelhado — motivo para pará-lo para a inspeção.
  • As bandejas plásticas na área de inspeção são os objetos mais sujos do aeroporto. Cientistas identificaram 10 vírus respiratórios diferentes nas amostras retiradas de tais materiais, incluindo o vírus da gripe A (gripe suína) e mais de 100 patogênios.
  • As calças largas de estilo cargo, com bolsos internos, assim como vestidos longos e saias, são consideradas as peças de roupa mais suspeitas para os serviços de segurança e normalmente demandam inspeção adicional.
  • A segurança também estará atenta para a presença de armas de fogos de qualquer tipo, incluindo as armas de brinquedo, grandes quantidades de dinheiro e à sua linguagem corporal (caso você esteja suando ou nervoso).
  • Passageiros com penteados diferentes e extravagantes ou cabelos cuidadosamente arrumados, provavelmente serão chamados para uma inspeção adicional, pois há a suspeita de que algum item possa estar escondido no seu cabelo.

É melhor responder as perguntas: “Para onde você vai?”, “O que está levando consigo?” e “Qual o motivo da viagem?” — da forma mais informativa e calma possível.

  • Se um funcionário, ao olhar para o seu passaporte e cartão de embarque, perguntar: “Para onde você está indo?” — ele não está brincando. Isso faz parte da avaliação de comportamento, um método de verificação para identificar pessoas suspeitas. Se você reagir grosseiramente demais ou com incerteza, provavelmente levarão você para fazer perguntas adicionais. Caso você não tenha feito nada de ilegal, mas ficou nervoso com a situação, basta ser sincero e dizer isso aos seguranças. É bastante provável que eles fiquem menos desconfiados depois de entender o porquê de você estar agindo daquela forma.
  • Para não chamar a atenção do serviço de segurança, é melhor evitar grampos de cabelo transparentes. Se houver grampos demais, o detector de metais reagirá, assim como grandes pulseiras e colares de metal.
  • As pessoas suspeitas são enviadas para uma inspeção especial com um scanner que literalmente mostra tudo, até os órgãos internos. Antes, o sistema ainda criava uma imagem anatomicamente detalhada, mas agora você não precisa se preocupar: os dispositivos modernos mostram apenas objetos estranhos e escondem os relevos corporais desnecessários.
  • Se você estiver tentando levar algo que não seja permitido, você não poderá mais ficar com o item. Os itens apreendidos são coletados pelo serviço de segurança aérea. Alguns são descartados, outros leiloados.
  • Para evitar erros, os funcionários de segurança normalmente mudam de posição a cada 30 minutos. Eles nunca passam muito tempo escaneando ou verificando os cartões de embarque, pois caso um funcionário fique muito tempo na mesma posição, fazendo a mesma atividade monótona, a probabilidade de falha será maior. Essa troca permite que os funcionários não fiquem entediados e exerçam suas funções da melhor forma.
  • Os funcionários de segurança não só usam os códigos oficiais para se comunicarem entre si, mas também inventam suas próprias palavras-códigos. Por exemplo, eles podem dizer que algum passageiro ou passageira é atraente ao dizer as palavras “papai do hotel” ou alguma outra palavra específica e aleatória. Podem também avisar sobre passageiros irritantes usando termos inocentes.
  • Ao passar pelo controle do passaporte, o funcionário de segurança pode marcar o seu cartão de embarque com um carimbo para informar os funcionários das etapas seguintes que você deverá passar por uma inspeção adicional.

A cor laranja representa tecidos e água; o verde — objetos de metal; o azul — dispositivos eletrônicos.

  • A bagagem e a mala de mão são verificadas em máquinas de raios X, que, por sinal, não conseguem identificar objetos envolvidos no papel alumínio. O papel alumínio bloqueia as ondas eletromagnéticas e, por isso, aparece apenas como um ponto preto no monitor do controlador. Provavelmente pedirão a você que abra a mala para verificar o que está dentro.
  • Os animais farejadores que trabalham no aeroporto são uma espécie de forças especiais caninas, pois eles têm as condições mais difíceis de trabalho: enorme quantidade de pessoas, barulho constante e mistura de cheiros. Esses cães não buscam somente por substâncias ilegais, mas também grandes blocos de dinheiro e produtos de origem animal, que podem estar sendo contrabandeados.
  • Um cão que suspeita de algo errado não vai latir muito alto, assustando o possível criminoso. Eles usam uma linguagem corporal específica, por exemplo, abanando o rabo para indicar alguma ameaça. Quando o suspeito é, então, detectado, os adestradores têm tempo de fazer o sinal sem chamar muita atenção para o potencial perigo.
  • No final da inspeção de um voo, o cão precisa ser encorajado de alguma forma. Isso é feito colocando uma mala especial de treinamento na qual contém uma substância que imita o cheiro de substâncias ilegais. Quando o cão a encontra, ele recebe seu brinquedo favorito. Isso é necessário para que o cão não perca o interesse pelo trabalho. É muito importante para os serviços de segurança do aeroporto que o cachorro esteja sempre em boa forma. Para isso, uma pessoa com um imitador de cheiro fica vagando pelo aeroporto. Se o cão cheirar algo suspeito, ela envia o sinal para o adestrador.

Bagagem

Enquanto você aguarda no salão de espera, sua bagagem é transportada a grande velocidade em uma enorme esteira transportadora onde a triagem automática será realizada. Em grandes aeroportos, o comprimento dessa esteira chega a 3 km.

  • Durante o escaneamento da bagagem, o serviço de segurança abrirá os sacos de café: essa é uma ótima forma de mascarar o cheiro de substâncias ilegais. Se você planeja voar com objetos de formatos incomuns, por exemplo, um grampeador ou castiçais grandes, eles definitivamente parecerão suspeitos durante a inspeção.
  • Toda vez os funcionários colam adesivos nas malas com um código de barras único. Se você manter o adesivo de algum voo anterior, há uma chance de que a sua mala se perca. O sistema é capaz de distribuir sua mala para centenas de aviões e, caso haja a leitura do código errado, sua mala pode ser facilmente enviada para outro destino. A propósito, é cada vez menos comum ter a mala extraviada. De acordo dados da empresa SITA, um fornecedor de TI internacional, que é responsável por monitorar o transporte de bagagens aéreas, o número total de malas perdidas diminuiu de 46,9 milhões em 2007 para 24,8 milhões em 2018. Isso aconteceu enquanto o número de passageiros aumentou em praticamente duas vezes.

Se a sua mala parecer suspeita, ela provavelmente será aberta e terá um adesivo colado especial indicando que sua mala foi sujeita a uma inspeção adicional.

  • Sua bagagem será escaneada por um introscópio antes de entrar no avião. Malas suspeitas serão submetidas a 4 verificações adicionais, incluindo tomografia computadorizada e unidades de difração.
  • Muitas vezes, apesar dos dispositivos modernos, a mala de mão é inspecionada manualmente por pessoas. Isso se deve ao fato de que muitas substâncias são difíceis de distinguir somente por meio do scanner. Por exemplo, cartões de aniversários com música embutida podem parecer que são bombas pelo scanner; mel ou grandes pedaços de queijo podem parecer que são substâncias explosivas líquidas.
  • Os carregadores colocam até 125 mil malas a bordo por ano. Na opinião deles, a causa mais provável do extravio de malas é a chegada tardia no aeroporto. Você não levará mais do que 30 minutos para ser verificado na segurança, mas a inspeção de malas pode levar mais tempo e elas podem acabar não entrando no avião.

Se você tem certeza de que quer transportar uma bagagem pesada ou simplesmente não tem escolha, deixe uma etiqueta indicando o peso da mala para os carregadores: para você não é difícil, e para eles será muito útil.

  • O mais irritante para os carregadores do aeroporto são as malas lotadas de coisas. Muitas vezes, durante o transporte, os zíperes podem arrebentar e as coisas serão espalhadas por todos os lados. Pior do que isso, só os líquidos nos bolsos laterais. Eles podem ser esmagados e começar a vazar, derramando o conteúdo nas outras malas.
  • É mais provável que bagagens com alças de fácil manuseio se mantenham inteiras. O ideal seria que as alças fossem localizadas na parte de cima e de baixo da mala. Tais malas são colocadas primeiro no bagageiro. Outra forma de manter sua mala inteira durante a viagem é não deixá-la pesada demais. É melhor levar duas malas menores do que uma grande e pesada. A maioria das bagagens que sofrem danos de percurso pesam mais de 20 kg.

Torre de controle

  • Diferentes profissionais trabalham na torre de controle: um controlador de tráfego terrestre na pista e um controlador de aterrissagem e decolagem, que monitora os espaços entre a pista e os arredores. Cada um tem a sua área de foco. Para evitar que haja colisão, todos devem se comunicar uns com os outros. Os despachantes são monitorados por um supervisor, que controla a quantidade e a adequação dos comandos, e também pelo gerente de voo.
  • Apesar da disponibilidade de equipamentos especializados, todos os despachantes também são treinados em meteorologia. Se uma máquina der problema, por exemplo, eles descobrem a direção e a velocidade do vento utilizando um medidor de vento. E para determinar o nível de visibilidade, os despachantes olham para pontos de referência específicos: edifícios vizinhos, torres de água, torres de telecomunicações.
  • Se algum rádio na sala de controle parar de funcionar, o funcionário deve enviar um feixe de luz verde para a cabine, indicando que o avião irá pousar. Se houver alguma interferência na pista, o sinal é alterado para a luz vermelha intermitente, e o piloto percebe que a aterrissagem não é segura.

  • Há dezenas de despachantes para um só voo. Parece que há muito espaço no céu, mas não é bem assim: é como um favo de mel dividido em seções, e cada uma delas tem as suas próprias rotas e interseções. Há muitas trilhas no céu e, dependendo do seu comprimento e do número de interseções, todo o céu é dividido em setores de diferentes comprimentos. Um voo, por exemplo, entre duas cidades com cerca de 150 km de distância entre elas precisará de aproximadamente 7 profissionais envolvidos.

  • O despachante tem de treinar a sua voz. Em sua vida cotidiana, ele pode falar baixo, mas no trabalho sua voz muda da mesma forma que um locutor na frente de uma câmera. Isso é necessário para que as informações que os despachantes transmitem no rádio sejam claras e compreensíveis.

Foto em exposição no Aeroporto Nacional Ronald Reagan, em Washington.

  • O despachante tem o direito de escolher a língua de comunicação, mas se a tripulação da companhia aérea russa, por exemplo, falar somente inglês, o despachante responderá na mesma língua. Há regras segundo as quais todos usam frases padrão, mas os despachantes admitem que há casos em que é necessário desviar-se das regras e usar uma linguagem mais simples.

  • Uma das situações mais perigosas é a seguinte: quando um avião começa a acelerar na pista para decolar, e outro decide ir para a segunda volta. Em tal situação, o principal para o despachante é reagir rapidamente e desviar o avião que segue para a segunda volta, pois a sua velocidade é maior.

  • A cada duas horas o despachante precisa fazer uma pausa de descanso. Ela dura cerca de 20 minutos. Para descansar, há uma sala especial com sofás e uma TV. O funcionário pode sair para tomar um café, deitar-se um pouco, falar ao telefone, andar e ler. Há também uma academia no prédio, mas não é recomendado usá-la durante o expediente.

Aeroporto do futuro

Robôs-guias do aeroporto sul-coreano Incheon, após escanear o cartão de embarque, acompanham os viajantes que estejam perdidos ou atrasados para o voo até o portão de embarque.

  • Recentemente, foi apresentada uma plataforma que pode detectar explosivos escondidos nos sapatos das pessoas que estejam na fila para a inspeção de segurança. O scanner de calçados utiliza uma rede de eletrodos sensíveis para analisar os sapatos e o seu conteúdo.

  • Estão sendo realizados projetos para combinar inteligência artificial com uma versão mais sensível dos scanners de ondas milimétricas, que já são usados em aeroportos. Isso permitirá que os passageiros passem pelos scanners sem a necessidade de esvaziar os bolsos, pois a segurança já poderá detectar alguma ameaça pelo sistema.

  • Os passageiros não terão de retirar os aparelhos eletrônicos e líquidos de suas malas durante a inspeção de segurança. Novos sistemas de inteligência artificial estão sendo desenvolvidos para identificar aparelhos de computador, assim como detectar se qualquer mudança foi feita em sua estrutura para possivelmente esconder algum material ilegal.

  • Foi desenvolvida, também, uma versão ecológica da bandeja tradicional de comida. A estrutura é feita com grãos de café; os potes são de folha de bananeira prensada; as colheres e os garfos são feitos de fibras da casca de coco, um material muito barato e de fácil acesso.

  • Outra novidade é o sistema chamado MagRay, baseado na tecnologia de escaneamento desenvolvida para aplicações médicas. É uma combinação de raios X e ressonância magnética nuclear usada em exames de ressonância magnética. Os dois métodos foram unidos para distinguir rapidamente os fluidos inofensivos dos perigosos.

  • Robôs poderão carregar a bagagem dos passageiros logo a partir da entrada do aeroporto. Tal robô, desenvolvido pela SITA, está sendo testado no aeroporto de Genebra, por exemplo. O dispositivo permite ao passageiro escanear o seu cartão de embarque, colocar as malas no compartimento de carga do robô e, consequentemente, colar as etiquetas nas malas que serão impressas pelo robô. Um terminal automatizado do tipo foi inaugurado no aeroporto de Singapura. Os passageiros podem usar balcões automatizados de check-in e despacho de bagagem, assim como o controle de passaporte com tecnologia de reconhecimento facial.

Como você vê o aeroporto do futuro? Comente!

Imagem de capa gettyimages
Compartilhar este artigo