Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração
Incrível

10 Hábitos culinários, passados ​​de geração em geração, que seria melhor abandonar

3-25
651

Muitas vezes, adotamos alguns hábitos de nossos familiares ou conhecidos e, inconscientemente, seguimos os aplicando por anos. Além disso, acreditamos que a melhor maneira de fazer uma determinada coisa é aquela praticada por muito tempo e passada de geração em geração. Na verdade, algumas práticas e tradições — por exemplo, na culinária — nem sempre devem ser seguidas.

Nós, do Incrível.club, pesquisamos quais são os hábitos culinários mais comuns e, para nossa surpresa, descobrimos que é hora de abandonar alguns deles.

10. Adicionamos pão à carne moída, sem antes deixá-lo de molho no leite

Algumas receitas de almôndegas ou hambúrgueres incluem pão amanhecido. Pode parecer que amolecê-lo no leite antes de adicionar à carne não é um passo tão importante, mas isso é um sério equívoco. Somente quando o pão é transformado em uma massa úmida, é que ele deixa a carne mais macia e suculenta. Além disso, pão amolecido libera mais glúten e não permite que a carne se desmanche. É importante usar pão amanhecido, caso contrário a carne se transformará em papa. Se você não quiser ou não tiver tempo de deixar o pão “de molho” no leite, melhor não o adicionar. Pão seco absorverá a umidade da carne, e as almôndegas ficarão secas ou grudarão na frigideira.

9. Descongelamos carnes à temperatura ambiente

Para descongelar a carne mais rápido, muitos a deixam sobre a mesa em temperatura ambiente. No entanto, essa não é a melhor opção. Nessas condições, a proliferação das bactérias é acelerada, e é muito fácil perder o momento em que a carne começa a azedar, embora isso não seja perceptível visualmente. Os especialistas acreditam que é muito mais seguro descongelar carnes na geladeira. Isso pode levar um pouco mais de tempo, mas a carne estará fresca e gelada. Outro método, mais rápido, porém mais trabalhoso, é o descongelamento em água fria. Para isso, a carne deve estar em uma embalagem hermética e colocada em um recipiente com água que, por sua vez, deve ser trocada a cada meia hora.

8. Não esfregamos frutas e legumes ao lavá-los

Todo mundo sabe que é preciso lavar os vegetais antes de consumi-los. Porém, apenas uma passada na água não basta. Isso pode ajudar na remoção da sujeira visível, mas não eliminará pesticidas, bactérias, sujeira enraizada ou vírus. Segundo os especialistas, o mais importante na lavagem é a ação mecânica: é preciso esfregar os alimentos debaixo de água corrente com as mãos. Outro conselho é deixar os legumes e as frutas “de molho” em água com bicarbonato de sódio ou água sanitária.

7. Não deixamos de molho as frutas secas antes de adicioná-las aos pratos

As frutas secas já vêm prontas para consumo. No entanto, se você pretende adicioná-las a saladas ou receitas de confeitaria, primeiro deve deixá-las de molho em água fervente por 10-15 minutos. Dessa forma, as frutas ficarão mais úmidas, macias e saborosas. Em caso de bolos, deixar de molho é especialmente importante, já que frutas secas absorvem líquidos, alterando as proporções da receita, o que pode levar a resultados inesperados.

6. Marinamos a carne por mais de 12 horas

Por alguma razão, muitos acreditam que quanto mais tempo a carne for marinada, mais saborosa e suculenta ela se torna. Na verdade, quando a carne fica no tempero por muito tempo, em vez de ficar mais tenra, ela pode endurecer. A culpa disso é do elemento ácido, como vinagre ou limão. Para dar à carne um sabor picante e não comprometer a sua textura, basta marinar por apenas 20 minutos.

5. Colocamos o alho na frigideira cedo demais

O alho frita muito rápido. Provavelmente, você mesmo já notou que ao colocar o alho e a cebola na frigideira simultaneamente, depois de um tempinho, o primeiro já fica quase queimado, enquanto o segundo apenas começa a dourar. Para que a cebola e o alho fiquem igualmente cozidos, corte o alho em rodelas grandes. Se a receita pede alho esmagado ou picado, lembre-se de que ele ficará pronto em 10 segundos. Portanto, é melhor preparar os outros ingredientes com antecedência para que possam ser adicionados imediatamente. Você também pode acrescentar o alho mais tarde, no meio da receita.

4. Batemos diferentes tipos de massas pelo mesmo período de tempo

Às vezes, usamos a mesma técnica para preparar massas de diferentes receitas. Mas o que é apropriado para uma receita pode não ser aceitável para outra. Sovar ou bater a massa durante muito tempo a torna mais densa e elástica devido à liberação ativa do glúten. Isso é ótimo, por exemplo, para massa de pizza. Para uma torta ou pão caseiro — nem tanto, já que a massa para esses produtos, como regra, deve ser fofa, macia e leve, e não tão densa e firme. Portanto, vale a pena considerar esse ponto quando for preparar a sua massa.

3. Não deixamos a carne repousar com os temperos antes de fritar

Para que a carne fique com uma crosta crocante, não a jogue na frigideira imediatamente após polvilhar as especiarias. A carne temperada solta uma grande quantidade de líquido, o que a faz cozinhar em vez de fritar. Se você deixar na frigideira por mais tempo, a carne pode ressecar. Para evitar isso, deixe-a repousar nos temperos por cerca de 15 minutos, removendo o excesso de umidade com um guardanapo.

2. Cozinhamos batatas sem uma tampa

Para que as batatas cozinhem de maneira mais uniforme e rápida, vale a pena cobrir a panela com a tampa, pois isso acumula e retém o calor. No entanto, existe um equívoco comum de que isso pode fazer com que as batatas fiquem “moles”. Na verdade, isso acontece quando colocamos as batatas na água que já está fervendo. A temperatura alta faz com que a parte externa das batatas cozinhe mais rápido e, claro, antes mesmo de a parte interior ficar pronta ela começa a se desintegrar.

1. Batemos a carne sem cobri-la

Filé de frango tende a ficar seco e, muitas vezes, a cozinhar de maneira desigual. Por exemplo, um corte mais fino do peito cozinha muito mais rápido do que um corte grosso. Para que a carne cozinhe uniformemente, basta batê-la para ficar mais fina. Porém, vale a pena considerar algumas dicas. Por exemplo, não bater um pedaço de frango sem antes colocá-lo em um saquinho ou cobri-lo com filme plástico. Em primeiro lugar, pequenas partículas, imperceptíveis a olho nu, podem se espalhar pelas superfícies, contaminando-as com bactérias. Em segundo lugar, corremos o risco de quebrar as fibras, fazendo com que a carne resseque ainda mais.

Que outros erros culinários passados ​​de geração em geração você poderia adicionar a essa lista?

3-25
651
Compartilhar este artigo