Incrível

10+ Dicas importantes de como escolher o animal de estimação ideal para a família (e o que considerar antes de tomar a decisão)

--11
241

Animais de estimação são, quase sempre, umas fofuras e é difícil não se apaixonar por eles. Mas, antes de levar um para casa, é importante considerar vários aspectos. Independentemente de a opção ser pela compra ou pela adoção, é fundamental avaliar questões relativas à saúde do seu novo amigo e à felicidade de todos. Afinal, alguns animais podem viver até 80 anos, dependendo da espécie.

Para te ajudar a decidir, o Incrível.club listou 10+ itens que vão facilitar a escolha perfeita. Porque animal de estimação é uma responsabilidade e, antes de ter um, nem sempre nos damos conta disso. Confira, então, as dicas e depois escolha com consciência a melhor opção.

1. A escolha certa

Se você mora sozinho a escolha é particular; mas, se possui uma família, a decisão será de todos. Nesse caso, o processo deve ser conjunto, para que não haja problema na hora de dividir as responsabilidades. É importante não escolher pelo lado emocional, já que os filhotes são tão fofinhos que muitas vezes a escolha segue somente esse quesito, o que é um erro.

2. Custos

Uma coisa muito importante a se considerar é o gasto que um animal de estimação vai acarretar. Seja qual for a espécie, é preciso colocar na ponta do lápis quanto custa a “manutenção” desse novo membro da família:

  • Visitas ao veterinário para checar a saúde do animal, dar vacinas e remédios conforme os prazos de cada animal;
  • Roupas, cama, gaiola ou aquário, caixa de transporte, vasilhas de alimentação, itens de higiene (como areia de xixi) e alimentação;
  • Brinquedos e mimos.

Independente da espécie, é sempre importante considerar que haverá gastos fixos e variáveis — com uma visita ao veterinário numa emergência, por exemplo. De acordo com o site Infomoney, um cão pequeno gera um gasto mensal de R$ 216,50 e um grande, de cerca de R$ 411,32; os gatos custam, em média, R$ 121,39. Já os custos mensais com peixes são de R$ 66,50, em média. Roedores implicam em gastos de cerca de R$ 55,50 por mês; répteis têm um custo de aproximadamente R$ 14,50. E os que menos gastam são as aves, cerca de R$ 7,80 a cada mês.

3. E na hora de viajar?

Lembrando que o seu novo pet será mais um integrante da família, é importante considerar também uma nova preocupação: o que fazer quando vocês forem viajar? Hoje existem muitos hotéis e pousadas que têm a cultura pet friendly. Eles aceitam animais de estimação e possuem inclusive atendimento especializado. Alguns cobram pela estadia e outros não. Então, vale a pena pesquisar se quiser levar seu bichinho junto.

Se você optar por deixar ele fora da viagem, também é preciso se programar para que esteja bem e seguro enquanto você passeia. Considere com quem vai deixar. Pode ser um parente ou amigo, um pet shop, hotéis especializados e cuidadores cadastrados em aplicativos, por exemplo. O importante, em qualquer caso, é ter a certeza de que ele será bem cuidado. Por isso, visite o local e procure referências antes de se decidir.

4. Pets e crianças

Para quem possui criança em casa, a escolha tem de ser bastante cuidadosa. Prefira animais que sejam dóceis e que aceitem bem a curiosidade infantil. Verifique também se seu pequeno possui algum tipo de alergia a pelos, pele e penas, por exemplo. Animais de estimação são ótimos companheiros para os pequenos. Eles ajudam no aumento da imunidade e na socialização.

5. De quanto espaço eu preciso?

Adequar sua escolha ao espaço que você tem em casa é um ponto importante. Pesquise sobre o animal que deseja ter e verifique com antecedência se ele se adequa ao tamanho da sua casa ou apartamento. Se você quer um cão grande, deverá ter um quintal disponível. Se mora em prédio ou casa pequena, prefira um cachorro de tamanho pequeno, que não lata muito. Ou, ainda, cogite adotar um passarinho, um peixe ou uma tartaruga.

6. A orientação de um profissional é importante

Tenha em mente que animais grandes ou agitados precisam de bastante espaço para brincar, correr, comer e fazer as necessidades. É importante haver compatibilidade entre o pet e seu dono. Um idoso ou uma criança, por exemplo, podem tropeçar em um cão grande. Já um cachorro excessivamente tranquilo pode não acompanhar o ritmo de uma criança. Para que isso não aconteça, peça a orientação de um veterinário.

7. Animais demandam tempo

Uma coisa muito importante é avaliar se você possui tempo disponível para dedicar ao seu animalzinho. Certos pets, como passarinhos e peixes, não se importam de ficar sozinhos, mas a maioria dos cães, por exemplo, precisa de atenção. Alguns animais, se ficarem sem o dono perto, vão fazer um barulho que incomodará a vizinhança, podendo ainda estragar coisas da casa ou até se machucar por conta da ansiedade.

8. Passear é preciso

Os cães são animais de estimação que precisam de passeios diários, já que gostam de socializar com outros animais e com pessoas além do seu dono. Caso não tenha muito tempo, você pode optar por pagar alguém para dar umas voltinhas com o seu pet. Existem pessoas que fazem esse trabalho, inclusive por aplicativo (aqui). Mas se não há disponibilidade, escolha um peixinho (ou até um gato) e seja feliz.

9. Pense em como será o futuro

Saiba que um cão vive em média 15 anos e que a vida da família vai ter de se adaptar a essa nova realidade. Se você é solteiro, imagine que seu futuro cônjuge deva gostar de animais. Ou, se mora de aluguel e precisar se mudar, terá de ser para outro imóvel que aceite animais de estimação. Lembre-se que, a partir do momento em que ele chegar à casa, será parte integrante da família e que não é certo abandoná-lo caso a sua rotina mude.

10. Tamanhos e personalidades

Pesquise sobre o que você espera de um animal de estimação antes de escolher. Saiba que existem pets de todos os tipos: grandes, médios e pequenos, carentes, barulhentos, preguiçosos, sociáveis, introspectivos, ciumentos, calmos, independentes, territorialistas, briguentos, barulhentos, dorminhocos, agitados, etc. Então, pense bem sobre o que você quer e escolha um que se adapte ao seu estilo de vida.

11. Animais idosos

Uma última coisa a se pensar é em quanto tempo, em média, esse animal viverá e nos cuidados que ele pode precisar quando ficar idoso. Um hamster vive em média 3 anos e um cão, cerca de 14 anos. E, como nós, eles um dia vão ficar velhos e terão todas as dificuldades da idade. Considere então que ele provavelmente irá ficar mais “lento” e dar um pouco mais de trabalho e gasto no final da vida.

12. Tipos mais comuns de animais de estimação

Cães

Os cães têm a fama de ser companheiros e amigos. Eles geralmente escolhem alguém para seguir e estar sempre por perto. Em geral, são dependentes emocionalmente dos donos; portanto, se você não dispõe de muito tempo porque trabalha fora, podem não ser o melhor tipo de pet. Um cão, no entanto, é uma excelente companhia para quem gosta de passear e caminhar ao ar livre.

Gatos

Para quem quer um bichinho mais independente e tem pouco espaço, um gato pode ser uma boa escolha. Ele pode ficar sozinho em casa sem se importar muito e não costuma sofrer com a ansiedade da separação, como ocorre com os cães. Mas é bom saber que os gatos são mais propensos a causar alergias em algumas pessoas que os cachorros. Então, consulte antes um alergista. Os bichanos também demandam menos gastos com banho, comida e “manutenção”.

Peixes

Para quem não tem muita experiência, tempo e espaço, um peixinho pode ser uma boa ideia. Ele necessita somente de comida, um aquário de tamanho razoável, bomba e filtro. A manutenção é barata e fácil de fazer se comparada à de um cão, por exemplo. A demanda de tempo também é mais tranquila. Basta um pouco de dedicação para limpar o aquário e pouquíssimos minutos para a alimentação. Mas lembre-se de se informar com um profissional em relação a todos esses aspectos.

Roedores

Os roedores de estimação mais conhecidos são: hamster, gerbil, chinchila e porquinho-da-índia. Da mesma forma que os peixes, eles não necessitam de muito cuidado. Basta alimentar e limpar regularmente a sujeira da gaiola. Geralmente são dóceis e costumam ser uma boa opção para ensinar as crianças a terem responsabilidade. Mas é sempre importante ter sempre um adulto por perto na hora de manusear o animal. Afinal, a mordida é dolorida.

Aves

Pesquise qual o tipo de pássaro que deseja ter em casa: ornamentais, de canto ou de contato. Algumas aves precisam de autorização do IBAMA para ser criadas em cativeiro e é preciso verificar se o vendedor tem essa permissão. Os pássaros mais comuns são: calopsita (que é super interativa), periquito (brincalhão) e papagaio, um animal inteligente e que aprende a repetir palavras e frases.

Répteis

Esse tipo de animal também precisa da autorização do IBAMA para ser vendido em pet shops. Para cuidar é bem simples e fácil; só é preciso ficar atento às temperaturas extremas, já que eles são animais de sangue frio. Os mais comuns são as tartarugas. Mas também há quem prefira os mais exóticos, como cobras e iguanas. Pesquise os cuidados, que podem variar bastante de acordo com a espécie do réptil.

Gostou das dicas? Já tem algum bichinho de estimação ou deseja ter? Conte para nós.

--11
241