Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Querido filho: estamos em greve!

Em seu livro, Querido filho: estamos em greve, o escritor espanhol Jordi Sierra mostra por meio do olhar de Felipe, um garoto de 10 anos, o dia a dia de pais e filhos. Seus pais criam um método infalível para que ele mude de atitude.

Esta técnica pode ser muito eficiente para ensinar na hora certa algumas coisas para os nossos filhos.

As aulas acabam de acabar e Felipe, de 10 anos, repetiu duas matérias. Ele sabe que precisa estudar para recuperar as notas, mas decide deixar para depois e 'descansar uns dias'. O que ele não sabe é que os dias normais de brincar, de jogar futebol no parque e os dias que passa com seu amigo Ángel deixarão de ser algo habitual. Seus pais declararam que estão em greve.

Abaixo colocamos a tradução (livre) de um fragmento do livro:

—Pai… —se adiantou Felipe antes de começar outra partida.
—Quê? Não vê que estou jogando? Não dá pra entender?
O mesmo que dizia quando seus pais o interrompiam. Ele percebeu como era desagradável.
—Pai, então, é que isso já... Bom, quero dizer...É que você vai ver... - não havia forma de encontrar as palavras adequadas e, enquanto isso, seu pai o olhava com cara de tédio -. Eu... - finalmente ele veio abaixo.
—Pai, o que foi?
—Você não viu os avisos?
—Sim.
—A tua mãe não te contou?
—Sim.
—Então pronto, é isso: estamos em greve.
—Você também?
—Sim, sim, claro.
—Vocês não podem fazer greve.
—Ah, não? - respondeu perplexo o pai.
—Em greve de quê?
—Em greve de pais - respondeu o pai com toda a naturalidade -. Estamos em greve de pais.

Felipe sabia o que era uma greve. Mas de pais... Era a primeira vez que ouvia algo do tipo.
—Isso é absurdo - disse.
—Por quê?
—Porque vocês sempre serão pais.
—Sim, mas podemos deixar isso em espera durante alguns dias, ou semanas, ou até meses. Dar um tempo para respirar. E é isso que decidimos fazer - encheu os pulmões de ar -. Sabe de uma coisa? É fantástico. Não sei como não pensamos nisso antes -. O garoto procurou argumentos e a única coisa que conseguiu dizer foi:
—É uma brincadeira?
—Não.
—Não entendo mais nada.
—É muito simples - seu pai parou um segundo e ficou sério -. Somos teus pais, não teus escravos, portanto a partir de hoje... Isso é uma democracia: o poder do povo para o povo. Todos somos iguais. Quer comer? Você prepara. A geladeira está cheia, quanto a isso não se preocupe porque você não tem dinheiro para comprar nada. Quer roupa limpa? Você lava. Quer sair? Pode sair, mas você assume a responsabilidade. Nós não vamos mais discutir
—Mas...não é justo.
—Por que não?
—Sou uma criança.
—Ah, e por isso você pode fazer o que quiser? Repetir na escola, não estudar, reclamar, ficar mal humorado, ficar bravo, não respeitar, desencanar de tudo, sujar, não arrumar o quarto ou a mesa, nos enganar como se fôssemos tontos... Continuo?
—Não, não - respondeu, sabendo exatamente como a coisa iria continuar. Mas não é justo - repetiu.
—Explique-se.
—Eu quero dizer que eu não faço tudo isso de propósito, é que... - seu pai cruzou os braços.
—Você tomou banho? - perguntou.
—Não.
—Escovou os dentes?
—Não.
—Ligou para a vovó pelo menos uma vez por semana como tínhamos combinado?
—Não.
—Estou matemática e algum outro idioma?
—Não, mas li um livro.
—Oooh…! — respondeu quase tendo um ataque. - Quer que eu grite isso pela janela? Coloque na Internet?

—Não - Felipe abaixou a cabeça contrariado.
—E você realmente acha que não está tirando com a nossa cara? Filho: você sempre faz apenas o que quer. Portanto... - levantou as mãos com as palmas para cima e disse - Nós também.

—Certo, e se...?

—Não é hora de negociar - pegou o controle de novo -. Pronto, deixa eu continuar que eu quero bater o meu recorde.

—Mas...

—Chega! Ok? - respondeu pela última vez e disse - G. R. E. V. E. Greve! Entendeu? Fim de papo. - respondeu iniciando outra partida.

E você, se declara em greve?

Tradução e adaptação Incrível.club