Crianças alimentadas com mamadeira podem ser tão espertas quanto as amamentadas, de acordo com um estudo

Nem toda mãe tem a chance de amamentar seu filho, e algumas, por motivos pessoais, optam por não fazê-lo. Essas mulheres podem se sentir culpadas só de pensar que talvez estejam privando seus filhos dos benefícios da amamentação. Bem, é hora de riscar um deles da lista, porque um estudo recente mostrou que a amamentação não torna a criança mais inteligente.

Nenhuma mãe deve se sentir pressionada a amamentar seus filhos, não importa quais sejam os benefícios. Assim, na esperança de aliviar o fardo da pressão social carregado por muitas mães, nós, do Incrível.club, decidimos compartilhar essa descoberta com todas vocês.

As crianças amamentadas apresentaram um QI mais elevado em idade precoce

Segundo os pesquisadores do estudo, as crianças que foram amamentadas por três ou mais meses tinham níveis gerais de QI mais elevados aos 6,5 anos. Segundo os resultados, a única diferença significativa foi nas crianças amamentadas por um período mais longo, as quais apresentaram um nível de QI verbal de 7,9 pontos, resultado maior do que as que não tiveram essa alimentação específica.

No entanto, os benefícios cognitivos da amamentação diminuíram com o passar do tempo

Pesquisadores do mesmo estudo fizeram testes de função neurocognitiva quando as crianças fizeram 16 anos. Elas foram avaliadas em sete domínios verbais e sete não verbais, através de um teste computadorizado autoaplicável.

Os resultados mostraram que a amamentação exclusiva e prolongada não resultou em benefícios significativos, com o decorrer dos anos, na função neurocognitiva geral das crianças. O único efeito benéfico da amamentação foi observado na função verbal, ligeiramente maior em jovens de 16 anos, de 2,5 pontos a mais, em comparação aos que não foram amamentados.

Outros fatores ambientais podem desempenhar um papel maior na inteligência das crianças à medida que crescem

De acordo com um estudo, as crianças fisicamente mais ativas, com uma renda familiar maior e com pais com graduação ou pós-graduação têm um QI mais elevado. Outro fator importante é disponibilizar à criança o melhor ambiente possível, para poder desenvolver todo o seu potencial genético.

As mães que optam por não amamentar seus filhos não devem se sentir culpadas

Uma mãe se abriu sobre sua jornada de lactante, compartilhando que amamentar a deixava infeliz e que não se sentia como as outras mães, as que descreviam a amamentação como uma incrível experiência de vínculo. Para ela, todo o período foi tenso, frustrante, desconfortável e cheio de pressão.

Quando ela se abriu sobre seus sentimentos em sua primeira consulta com o pediatra, seu médico disse: “Se não gosta, então pare. Não posso dizer qual é a diferença entre uma criança amamentada e uma criança alimentada com fórmula, mas posso falar da diferença para as crianças ao terem uma mãe feliz e saudável.”

Depois disso, ela decidiu alimentar seu filho com fórmula: “Não apenas estou muito mais feliz, mas minha filha continua a se desenvolver. Em sua última consulta, continua a ganhar peso e seu médico está surpreso com o quão bem ela está. Dê ao seu filho o maior presente de todos. Seja uma mãe feliz.”

Qual forma você considera a melhor? Acredita que a amamentação pode deixar seu filho mais inteligente?

Compartilhar este artigo