Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

11 Formas de dizer "não" à criança para que ela entenda

1-1-
23k

Em muitas ocasiões, os pais encontram dificuldades na hora de dizer "não" às crianças e produzir o efeito desejado, não é verdade? Por outro lado, quem tem filhos também sabe que as negativas e proibições costumam provocar lágrimas, ataques de birra e reações agressivas. Então, como evitar situações assim?

O Incrível.club lista abaixo 11 dicas que irão te ajudar a dizer "não" às crianças de uma maneira calma e, ao mesmo tempo, com segurança.

11. O "não" deve ser dito em situações específicas

O "não" deve funcionar para você como a carta na manga. Caso a criança ouça "não" a cada 5 minutos, deixará de reagir à palavra com rapidez. Já se o "não" for dito em ocasiões raras e tendo como pano de fundo muitos "sim", o pequeno interpretará a negativa como um sinal de "stop", como algo realmente importante.

10. O primeiro "não" desempenha um papel fundamental

Proibir algo à criança pela primeira vez é algo que deve ser feito com um tom de calma e segurança, com uma expressão facial séria. Após dizer "não", os pais devem apresentar uma lista compreensível de razões para a negativa. É importante que a criança entenda de imediato o motivo de, por exemplo, não poder desenhar nas paredes usando canetas. Do contrário, todas as tentativas posteriores de dizer "não" correm sério risco de falhar.

9. Pronunciando um enorme "não", prepare-se para um árduo trabalho

Ao proibir algo à criança, você está ofendendo-a. Ao menos é assim que ela encara a situação. Mas não é por isso que você deve acalmar o pequeno, tentanto suavizar seu posicionamento. Ao dizer "não", os pais devem ter consciência de que um trabalho adicional está por vir. Para diminuir o sofrimento da criança, tente demonstrar empatia. Abrace-a, seja solidário, diga que a entende, mas que o "não" está mantido, e ponto final. O mais importante é não voltar atrás na proibição. O pequeno acabará aceitando que não pode fazer o que queria, percebendo ao mesmo tempo que não está sozinho em suas emoções, contando com todo seu amor e apoio.

8. Apenas dizer "não" é insuficiente. As explicações são fundamentais

Quando a criança não entende porque determinado ato é proibido, provavelmente tentará cometê-lo novamente. A forma mais eficaz de dizer "não" é dando razões que façam com que seu possa entender. Mas tenha em mente que, quando o pequeno está triste ou chateado, é incapaz de compreender longas e entediantes explicações sobre "por que não". Se você fizer um sermão muito longo, provavelmente a criança não prestará atenção. Assim, o ideal é formular suas frases de maneira breve, concreta e facilmente compreensível.

7. O "sim" pode ser uma negação

As crianças ouvem "não" em tantos momentos e situações diferentes que, com o passar do tempo, podem deixar de interpretar a palavra corretamente. Portanto, leve em consideração que um "sim" também pode querer dizer "não". Por exemplo, se sua filha ou filho quiser um brinquedo novo durante as compras no supermercado, você pode responder: "Sim, se é o que você quer ganhar no Natal". Assim, a criança terá o objeto desejado e aprenderá o valor do compromisso.

6. Sem gritos! O "não" deve ser dito de maneira neutra

Dependendo de como você diga "não", o significado munda. Se sua negativa chegar ao pequeno muito intensamente, acabará criando um ambiente que lembrará uma discussão, afastando o fundo educativo e o caráter de formação. O mesmo acontece quando você diz "não" com um sorriso no rosto. Em situações assim, a criança interpretará da seguinte maneira: "Meu pai ou minha mãe brigou comigo, eles não gostam de mim". Ou, na outra hipótese: "Eles falaram sorrindo, estão só brincando comigo".

5. Diga "não" oferecendo uma alternativa

Ao oferecer à criança uma alternativa, você acaba com uma possível sensação de rejeição. Por exemplo: "Não deixo você brincar com estas xícaras, mas você pode tirar do armário um conjunto de copos plásticos coloridos e fazer o que quiser com eles". Geralmente, os pequenos aceitam com facilidade alternativas desse tipo.

4. Não dê falsas esperanças

Com frequência, os pais dizem às crianças que "agora não". Mas se o "não" é para agora, então, quando eles poderão fazer o que pediram, afinal? Quando os pais não cumprem as próprias promessas, podem levar os filhos a desenvolverem problemas de falta de confiança. Dê à criança a informação concreta, para que ela possa entender quando precisará esperar por determinada coisa. Um exemplo: "Agora não, querido. Compraremos quando chegar seu aniversário".

3. O proibido deve ser sempre proibido

Toda e qualquer proibição categórica deve continuar proibida para sempre, em qualquer situação. Do contrário, a criança simplesmente não entenderá porque o mesmo ato, que era proibido ontem, hoje já é permitido. Ela pode começar a achar que todos os "não" dependem do humor dos pais, e que, portanto, não é preciso se preocupar com eles. Não permita algo que era proibido só por, naquele momento, precisar de tempo para resolver algum assunto.

2. O "não" da mamãe não pode ser o "sim" da vovó

Ao impor restrições às crianças, assegure-se de que todos os membros da família irão respeitá-las, fazendo com que as posturas com relação aos pequenos sejam coincidentes. Do contrário, as crianças podem perceber que podem manipular os adultos. Obviamente, você deve ser o primeiro a cumprir as normas estabelecidas. Se seu filho ou filha só pode comer na mesa da cozinha, mas vê os pais comendo lanches no sofá da sala, acabará seguindo o mau exemplo e não entenderá sua proibição.

1. Valorize o bom comportamento

Quando a criança recebe um "não" e respeita a proibição, estamos diante de um ato de boa vontade de sua parte. Portanto, esse bom comportamento deve ser valorizado positivamente, com toda boa vontade. Abrace sua filha ou seu filho e mostre o tamanho do amor que você sente.

1-1-
23k