Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

10 Erros para não cometer na criação dos filhos

Ser pai não é tarefa fácil. Ninguém quer que seus filhos sofram, e isso é absolutamente normal. Mas às vezes, cometemos o erro de superprotegê-los ou de dar a eles tudo de material, mas nada de atenção e carinho. Mas nenhum pai ou mãe quer que o filho se transforme no brigão barulhento da turma, não é verdade?

É sempre uma boa ideia usar como base os conselhos dos familiares e também dos psicólogos. Assim, o Incrível.club reuniu 10 erros que você deve evitar para que seu filho se torne o pesadelo de qualquer ambiente.

10. Gritar demais ou ser muito impulsivo

Não é uma questão de mostrar autoridade perante a criança, pois isso, em excesso, pode ser prejudicial. O ideal é buscar um meio termo e aprender a distinguir situações que requerem gritos daquelas em que é melhor evitá-los.

Uma criança que cresce com o medo de receber gritos, castigos ou ameaças o tempo todo torna-se uma pessoa desconfiada de todo mundo. Sem falar que educar com base no medo só vai trazer os efeitos desejados por alguns anos. Quando a criança crescer e perder o medo, perderá também o respeito.

Antes de gritar, experimente conversar. Explicar as coisas às crianças desde que elas são bem pequenas ajuda muito para que elas aprendam o que podem ou não fazer.

9. Ser egoísta com seu tempo

Se você não dedica tempo suficiente ao seu filho nem aproveita as horas passadas ao lado dele, não se surpreenda caso ele tenha ataques de birra por qualquer motivo. Afinal, ele irá perceber rapidamente que esta será a única maneira de atrair sua atenção.

Muitas vezes, durante nosso tempo livre, preferimos ficar nas redes sociais, posando para selfies, conversando com amigos ou diante da TV. Assim, a maneira infantil de chamar a atenção dos pais será gritando, brigando, dando respostas atravessadas, chorando ou incomodando o irmãozinho.

8. Não permitir que a criança faça coisas por si mesma

Quantos pais não permitem que o filho de 5 anos coma sozinho para evitar manchar a roupa? Ou mães que cortam o bife do filho de 10 anos? Quando ele tem 15, continuará sem vontade de ajudar nas tarefas domésticas. A única mensagem enviada em casos assim é a seguinte: "Deixe que eu faço, pois se você fizer, vai dar errado"

Cada pessoa nasce com uma personalidade única, e com seus filhos não é diferente. Ao não permitir que as crianças façam coisas por conta própria e tomem decisões, você está estimulando, aos poucos, o desenvolvimento da insegurança. A criança se torna uma pessoa tímida e indecisa, já que aprendeu que não é capaz de fazer as coisas suficientemente bem, crescendo como um adulto inseguro.

7. Comparar seu filho com outras crianças

A frase "por que você não é como o fulano?" é uma técnica muito usada pelos pais para mostrar à criança que outras se comportam melhor que ela. Isso pode até funcionar até certo ponto, mas internamente, na psique infantil, estará surgindo uma personalidade ciumenta, que não aceitará comparações no futuro.

Em vez de comparar seu filho com esta ou aquela criança, identifique e ressalte suas boas atitudes. Assim, ele saberá que também é capaz de fazer as coisas satisfatoriamente, não apenas os outros. Quando o pequeno se comportar de forma imprópria, lembre-o que ele não é daquela maneira. Você verá que, provavelmente, uma reação positiva aparecerá.

6. Não deixar que a criança se conheça

Alguns pais afirmam que só a música de sua época era boa, então todos em casa só podem ouvir aquele estilo. Há outros que dizem que apenas determinado time de futebol é bom, obrigando a todos na casa a torcerem para aquela mesma equipe. E quando a criança quer ouvir outro tipo de música ou torcer para outro time, o pai ou a mãe deixam claro que aquilo é simplesmente impossível e inaceitável.

Ao impor seus gostos em tudo, você acabará criando uma criança insegura. Ao tornar-se adulta, ela se sentirá esquisita ao encontrar um mundo cheio de pessoas com interesses diferentes. Não há nada de errado em apresentar música boa ao seu filho, mas é possível fazer isso sem ser autoritário. Aliás, é uma ótima maneira de passar momentos agradáveis em família.

Deixe que seu filho escolha, desde pequeno, a roupa que irá usar para brincar no parquinho. Para ajudá-lo, coloque à disposição 3 opções, dizendo-o para escolher uma. Permita que ele opine, ria, cante e expresse suas emoções quando tiver vontade. Você sempre poderá apoiá-lo e guiá-lo sobre como lidar com certas situações, como aquelas que causam tristeza. Mas não proíba que ele chore. Converse e ajude-o a encarar o que está acontecendo

5. Dar mau exemplo

Não é segredo para ninguém que o melhor exemplo não é dado com palavras, e sim com ações. Se o seu filho for agressivo, olhe-se no espelho. Observe suas próprias atitudes com os demais parentes e amigos que convivem com a criança. Se o pequeno você for muito agressivo, é muito provável que alguém esteja dando o exemplo. Talvez seja até você mesmo, com o hábito de aplicar castigos físicos.

4. Brigar em público frequentemente

Quando você briga com seu filho na frente dos outros e faz com que o pequeno se sinta humilhado, ele acaba se sentindo em desvantagem com relação a você e aos outros que estão por perto. É por isso que, quando a criança está diante de um conflito com outra da mesma idade, não sabe como se defender nem sair da situação. Ela ficará sempre esperando a reação alheia. Como estará acostumada a ser humilhada, aceitará esse fato.

3. Não levar em conta os sentimentos da criança

"Ai, que chorão", "você chora com tudo" e "como você é exagerado" são frases que muitos adultos usam para tentar acalmar a criança. Essa pode até ser a forma mais fácil de reagir diante dos sentimentos infantis, mas não demonstra nenhum respeito pela forma como as crianças se sentem.

Quando uma criança demonstra determinado comportamento, está se expressando como pode, pois ainda está aprendendo. Por isso, em vez de criticá-la, converse com ela e tente descobrir o que está por trás das reclamações, birra ou choro.

Assim, você demonstrará que leva em conta as sensações do seu filho. De quebra, ele aprenderá a respeitar os sentimentos dos outros. Do contrário, a criança estará sempre desrespeitando os mais velhos. Lembre-se que você é o adulto, então deve ter capacidade de resolver conflitos e ensinar.

2. Reclamar demais

Já conheceu muitos adultos mentirosos? Então pode ter certeza que eles cresceram em ambientes hostis, com muitas reclamações até pelos mínimos detalhes. É durante a infância que muitos aprendem a mentir como uma "ferramenta" para não ser castigado. É um mecanismo de sobrevivência.

Tente encontrar uma maneira de contornar situações sem recorrer a castigos nem brigas.

1. Não impor limites

Como já mencionamos, a questão central é buscar um equilíbrio, um ponto no meio do caminho na hora de educar os filhos. Encontre um meio-termo para não permitir tudo. Alguns pais não querem ser vistos como "malvados" nem querem magoar os filhos, então evitam conflitos em toda e qualquer situação.

Ao não corrigir a criança, você não estará ensinando nada. Não mostrará quais valores são aceitáveis e quais não são. Filhos de pais permissivos muitas vezes se tornam pessoas que desrespeitam os outros, pois ninguém mostrou como se deve fazer.

Ou seja, a tarefa dos pais não é nada simples. Não é só dar bens materiais, mas também ensinar, educar e impor limites. Uma criança sem limites se sente abandonada, como se não houvesse ninguém interessado em protegê-la.

Imagem de capa depositphotos
Produzido com base em material de guiainfantil