Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

6 Combinações perigosas de remédios e álcool

Boa parte das pessoas adultas gosta de, nem que seja de vez em quando, tomar uns bons drinks. O consumo moderado de bebidas alcoólicas não costuma afetar a saúde, desde que levemos em consideração um importante detalhe: alguns medicamentos, quando combinados com álcool, podem provocar surpresas desagradáveis.

O Incrível.club preparou uma lista de substâncias que são mais prejudiciais que benéficas quando ingeridas com bebidas alcoólicas.

Antibióticos + álcool

A enzima álcool desidrogenase "quebra" o álcool. Alguns antibióticos bloqueiam a produção dessa enzima, deixando o organismo sem escolhas a não ser acumular um produto de oxidação intermediária: o acetaldeído, que é muito mais tóxico do que o álcool em si. Como resultado, a pessoa precisa lidar com uma coisa muito desagradável, que é a reação dissulfiram-etanol, ou seja, uma ressaca brutal.

Paracetamol

Na próxima vez em que for comprar um antigripal, observe bem os componentes. Se houver presença de paracetamol, você precisa ter consciência de que deverá se manter abstêmio durante o tratamento. A mistura de paracetamol e álcool afeta o fígado.

Medicamentos para reduzir a pressão + álcool

Logo após o consumo de bebidas alcoólicas, o efeito dos remédios para reduzir a pressão arterial é intensificado, devido à propriedade do etanol de dilatar os vasos sanguíneos. Após algumas horas, o próprio etanol passará a estimular o sistema nervoso, elevando ainda mais a pressão.

Anticoncepcionais, remédios para dormir, antidepressivos + álcool

Todos esses medicamentos têm algo em comum: aumentam o efeito embriagante do álcool. Ou seja, se você não fica nem um pouco tonto ao tomar uma taça de vinho após o trabalho, os efeitos são imprevisíveis se junto, você tomar um remédio para dormir, um anticoncepcional ou um antidepressivo.

Estatinas + álcool

Inflamação dos músculos esqueléticos

Como na maioria dos casos este tipo de medicamento é prescrito para a vida inteira (no combate ao mau colestrol), os pacientes não acham que seja preciso mudar mais nada. Por exemplo, poucos pensam em reduzir ou mesmo parar a ingestão de álcool. Mas o consumo simultâneo de estatinas e bebidas alcoólicas aumenta o risco de desenvolvimento de rabdomiólise e inflamação dos músculos esqueléticos.

Insulina + álcool

Após 4 ou 5 horas após o consumo de álcool, o nível de glicose no sangue cai consideravelmente. Quem é diabético costuma tomar insulina ou remédios que reduzem o nível de açúcar no sangue. O álcool intensifica o efeito desses medicamentos e aumenta o risco de um ataque de hipoglicemia