10 Coisas que é importante saber antes de ter o segundo filho

Durante os nove meses de gravidez o útero pode se expandir em até quase 500 vezes antes de voltar às dimensões originais. Mas ele não é o único órgão do corpo que sofre alterações durante esse período. O cérebro, por exemplo, também passa por algumas mudanças, já que muitas mulheres relatam problemas de memória e até mesmo alguma confusão mental durante a gravidez. Mas será que todo corpo passa pelas mesmas mudanças? E quais são as diferenças entre a primeira e a segunda gravidez?

Numa tentativa de responder a essas perguntas, o Incrível.club listou alguns pontos importantes sobre como a segunda gravidez pode ser diferente da primeira.

1. A segunda gravidez pode ser ainda mais cansativa

Você se sentiu mais cheia de energia durante a primeira gravidez? Algumas mulheres dizem que sim, e isso muitas vezes se relaciona com a própria novidade da experiência. Além disso, durante a primeira gravidez a mulher costuma receber apoio de amigos e familiares. Infelizmente, o mesmo nem sempre acontece durante a segunda gravidez, afinal de contas a mulher acaba tendo de lidar com a responsabilidade de cuidar do primeiro filho, o que significa menos tempo para cuidar de si.

E, além dessa mudança, é importante lembrar que durante a gravidez há uma grande produção de progesterona, um hormônio que prepara o útero para receber o óvulo fecundado. Um dos efeitos colaterais desse hormônio é a sensação de cansaço e extremo sono.

2. A experiência do parto pode ser diferente

Outra diferença entre a primeira e a segunda gravidez pode ser a experiência do parto. Muitas mulheres afirmam que o trabalho de parto da segunda gravidez é mais fácil, e que a cada gravidez a dificuldade diminui ainda mais. É como se a experiência do primeiro parto ajudasse a preparar a mulher para uma segunda vez.

Por outro lado, se você fez uma cesárea na primeira vez, as chances de um VBAC (sigla para vaginal birth after cesarean, ou parto vaginal após cesárea) são muito baixas. Mas claro que isso varia muito de caso a caso.

3. Você pode sentir os movimentos do bebê muito antes

Os primeiros movimentos do bebê na primeira gravidez geralmente começam entre a 16ª e a 25ª semana. Na segunda gestação os movimentos do bebê podem ser percebidos já a partir da 13ª semana, sobretudo porque a mulher normalmente já sabe o que esperar e consegue identificar melhor o que pode e o que não pode ser o movimento do bebê.

4. A barriga pode ficar maior e mais visível mais cedo

Em muitas grávidas de primeira viagem a barriga começa a aparecer apenas no segundo trimestre, e muitas vezes não antes dos três primeiros meses. Na segunda gravidez, é comum que a barriga comece a aparecer um pouco antes.

Os especialistas dizem que isso acontece porque os músculos abdominais se alongam um pouco durante a primeira gravidez e nem sempre voltam ao tamanho original, o que também pode levar a um aparecimento maior de estrias. Nesse sentido, esconder a segunda gravidez é mais complicado do que a primeira.

5. Enjoos matinais podem desaparecer ou ser mais intensos

É sempre muito difícil prever um enjoo matinal, e a imprevisibilidade parece ser ainda maior durante a segunda gravidez.

Para algumas mulheres, o enjoo simplesmente não aparece; para outras, vem com muito mais força do que da primeira vez.

6. A sensibilidade mamária pode diminuir ou desaparecer

A primeira gravidez geralmente vem acompanhada de muita sensibilidade nos seios, e é por isso que os sutiãs podem se tornar grandes vilões. Muitas mulheres dizem que a segunda gravidez não traz o mesmo efeito. Além disso, os seios não costumam aumentar tanto na segunda vez.

7. Menos aversão alimentar

Outro aspecto que diferencia a primeira da segunda gravidez é a diminuição na intensidade dos desejos e aversões alimentares. Contudo, não é raro aparecerem novos desejos e aversões, ainda que em menor intensidade.

8. A barriga pode ficar mais baixa

Após a gravidez, os músculos abdominais e pélvicos costumam enfraquecer. Ou seja, na primeira gravidez o bebê pode ficar mais alto e na segunda, com os músculos menos flexíveis, pode ficar um pouco mais para baixo.

Como isso pode causar pressão e dor na região pélvica, inclinações pélvicas e exercícios Kegels podem ajudar a aliviar o desconforto.

9. As contrações pós-parto podem ser mais intensas e dolorosas

Após o parto, o útero tem de trabalhar muito para voltar ao tamanho original. Conforme ele se contrai, as contrações e as dores podem aparecer. Você pode ter sentido uma versão leve dessas contrações — que se parecem um pouco com as cólicas menstruais — após o nascimento do seu primeiro filho.

Após a segunda gravidez, esses sintomas ficam mais intensos e costumam aparecer durante a amamentação. Estudos revelam que, em casos complicados de partos múltiplos, o controle da dor pode ser necessário para garantir uma amamentação saudável.

10. A segunda gravidez pode causar mais dores nas costas

Um dos muitos hormônios produzidos durante a gravidez é a relaxina. Sua função é preparar o corpo para o parto por meio da flexibilização das articulações pélvicas. No entanto, como as articulações pélvicas ajudam a sustentar a coluna, essa maior flexibilidade pode causar inflamação e dores nessa região.

Na segunda gravidez, a dor tende a piorar, e a culpada é justamente a relaxina, que relaxa e flexibiliza ainda mais as articulações, causando mais dores nas costas.

Você concorda com a teoria de que o segundo filho é mais encrenqueiro que o primeiro? E como você se sentiu durante a gravidez? Conte como foi a sua experiência para ajudar quem está passando agora pelo mesmo processo.

Compartilhar este artigo