Incrível
Incrível

Por que costumo desconfiar da confeitaria caseira e quais critérios uso para achar um bom profissional

Ultimamente, o número de especialistas prestando serviços no conforto do seu lar tem crescido significativamente em diversas áreas, especialmente na área da confeitaria. Mas nem todos os clientes escolhem delegar a produção e a decoração de um bolo para uma ocasião especial a um confeiteiro caseiro. Basta lidar uma vez com um impostor sem a devida formação e conhecimento, que insiste em vender seus produtos feitos a partir de alguns poucos vídeos da internet, para matar a vontade de negociar com um autônomo.

Uma das autoras do Incrível.club refletiu sobre os possíveis motivos que nos levam a abrir mão da confeitaria artesanal. E no bônus, você encontrará opiniões de internautas, tanto positivas quanto negativas, sobre o assunto.

Vamos começar com uma confusão que aconteceu no meu círculo de amizade recentemente. Minha amiga encomendou um bolo para o aniversário da sua filha de 10 anos. Receberam um bolo pomposo, decorado com personagens de contos de fadas. A aniversariante adorou. Sua mãe, contente, foi cortar o carro-chefe da festa e a faca ficou presa em um pedaço de polietileno. Ninguém entendeu como e por que ele acabou ali. Porém, o gosto do bolo foi elogiado por todos, adultos e crianças. O único defeito que acharam, além do misterioso ingrediente, foi o excesso de pasta americana. Frequentemente, ela tem uma textura grudenta e um sabor meio seco, por isso vai do gosto de cada um. Mas essa história me deixou pensativa. No aniversário de 60 anos da minha mãe, eu queria pedir um bolo original, e para isso, pensei em contatar um confeiteiro caseiro. Mas depois me perguntei em que condições o doce seria feito.

Segundo as normas de higiene na indústria de alimentos, é obrigatório o uso de uniforme e luvas no local de trabalho, além da limpeza e desinfecção regular de todas as superfícies. Claro, não se pode descartar o fator humano e os casos de negligência das regras por parte dos funcionários. Mas, na minha opinião, essas são raras exceções e, em princípio, as regulamentações são seguidas à risca. Já os confeiteiros autônomos normalmente operam na cozinha da própria casa, e suas condições de trabalho costumam ser mais difíceis de controlar. É quase impossível provar se eles limpam a mesa antes de cozinhar, se usam luvas ou se a massa deles está sempre fora do alcance das crianças e dos animais. Não que isso afete o gosto dos doces, mas a alta probabilidade de encontrar a sujeira das unhas ou pelos de gato em um bolo com chantilly me deixa arrepiada.

Outra coisa que me incomoda é que encontrar um bom especialista é um desafio e tanto. Muitas vezes, me deparo com amadores que não fazem questão de crescer profissionalmente e consideram suficiente assistir a alguns vídeos na internet para se promover como confeiteiros cujo lema é “comida caseira feita com amor”. Entre eles, também há quem mantenha a verdade sobre a qualidade de produtos usados e suas condições de trabalho a sete chaves. Sem dúvidas, há pessoas responsáveis formadas na área, que têm o conhecimento diferenciado e buscam aumentar a clientela abrindo o próprio negócio de bolos caseiros. Via de regra, elas cuidam de sua reputação, e as chances de entregarem um bolo malfeito e não saberem lidar com críticas, sumindo do mapa e bloqueando os clientes insatisfeitos, são mínimas. Por outro lado, os profissionais experientes que valorizam seu trabalho tendem a ter a agenda cheia, o que pode atrasar a entrega se o pedido não for feito com antecedência. Além disso, eles costumam pôr seus produtos à venda por um preço elevado, que inclui as despesas com ingredientes de qualidade, água, luz e o valor de seu trabalho. Sendo assim, dependendo das exigências do cliente, o preço pode sair bem “salgado”.

Tem mais uma coisa que me deixa desconfiada em relação aos confeiteiros caseiros de hoje em dia. Você provavelmente já viu os moldes de castelos, carros e bonecos encantadores feitos com pasta americana. Só que a maestria na decoração frequentemente vai lado a lado com a total falta de profissionalismo no recheio — seco e sem gosto. O problema é que, influenciados por anúncios bonitos e coloridos, não é raro comprarmos gato por lebre. Não podemos saber ao certo o que está dentro antes da compra e descobrimos isso quando já é tarde demais — tudo pago, bolo cortado e convidados reunidos. Nesses momentos, a vontade é jogar o doce fora e correr atrás de um bolo no mercado, supostamente feito de acordo com boas práticas de fabricação, reguladas pela agência de vigilância sanitária do país. Mas nem tudo é tão perfeito com a confeitaria industrial. As listas infinitas de corantes e conservantes fazem passar horas na frente das embalagens tentando adivinhar o gosto de cada um dos bolos na vitrine.

Às vezes, tenho a impressão de que bolos artesanais são acessíveis apenas para gente rica que pode se dar ao luxo de pagar bem por ingredientes de alta qualidade e pelo trabalho de um bom profissional. Na minha opinião, na maioria das vezes, doces caseiros e baratos são uma fraude; os riscos de contratar um amador que fará um trabalho duvidoso são altas. Quanto a mim, apesar de tudo, vou arriscar e encomendar um bolo para a próxima comemoração em família. Mas vou procurar pelas avaliações na internet para não estragar a festa. Afinal, saber cozinhar bolos e tortas gostosos para a família não é necessariamente sinônimo de profissionalismo.

Bônus: pessoas diferentes pensam diferente

  • Gosto de fazer bolos e sigo várias páginas de confeitaria. Quanta coisa nojenta descobri durante esse tempo! Há tantas pessoas que costumam decorar seus doces com frutinhas sujas, disfarçar as marcas dos dentes de ratos com chantilly e deixar os artesanatos ao alcance de crianças. E não importa que elas tenham espirrado ou enfiado os dedos no doce quando a mamãe não viu. Quando leio esses comentários, fico feliz em saber que não preciso da ajuda de terceiros para montar um bolo. © Olga Vorobyova / Yandex.Zen
  • E como vocês todos que desconfiam da confeitaria artesanal comem na casa dos outros? Também exigem que o anfitrião mostre seu atestado médico antes? Perguntam se a comida foi feita usando luvas e um chapéu de cozinheiro e se todas as superfícies são higienizadas regularmente? Duvido que vocês mesmos sigam essas regras à risca. © Alla Polyakova / Yandex.Zen
  • Quem impede um funcionário de fábrica com um atestado médico impecável de colocar o dedo no nariz durante o preparo ou sair do banheiro sem lavar as mãos? Com tanta desconfiança é melhor não comprar nada mesmo. A mania de limpeza leva à paranoia. © Miss Tutsi / Yandex.Zen
  • Sou confeiteira. Estudei em Paris, Barcelona, Moscou e São Petersburgo. Os clientes que pedem decorações e bonecos de pasta americana só me dão desgosto. Esses bolos horrorosos com um aspecto artificial já estão no passado. Tentem aproveitar doces feitos com ingredientes naturais e dar uma chance à diversidade de sabores e texturas. © Podsluschano / Ideer
  • Os ingredientes de um bom bolo que vão fazer seus clientes voltarem são produtos de alta qualidade, muita imaginação e decorações diferenciadas, além de uma geladeira especial para guardar os alimentos corretamente. Além disso, muitos bolos demoram horas ou até dias para ficarem prontos. Por exemplo, é recomendado deixar as camadas de bolo no papel filme na geladeira durante a noite e assar suspiros por duas horas, o que implica os gastos adicionais com eletricidade. Por exemplo, levo dois dias para fazer uma iguaria destas e não pretendo vendê-la por uma ninharia. © Elena N / Yandex.Zen
  • Este foi o bolo que uma confeiteira desajeitada fez para o casamento da minha filha. Dentro há um monte de palitos de milho colados com alguma coisa pegajosa. Guardamos a foto para relembrar e rir depois. © Alena Vlasova / Yandex.Zen

Você já comprou bolos de confeiteiros caseiros? O que achou? Compartilhe com a gente sua experiência.

Incrível/Receitas/Por que costumo desconfiar da confeitaria caseira e quais critérios uso para achar um bom profissional
Compartilhar este artigo
Você pode gostar destes artigos