Incrível

10 Alimentos viciantes e por que eles são tão irresistíveis

Você, por acaso, já se perguntou por que dificilmente consegue resistir a um apetitoso pedaço de pizza? Bem, existe uma razão científica para isso. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Estadual do Colorado (EUA) enumerou os 10 alimentos mais viciantes. Para além desse prato tão apreciado por nós, a lista traz outros que provavelmente estão entre os seus favoritos. Quer ver só?

O Incrível.club tratou de verificar quais são esses 10 alimentos tão irresistíveis. Porém, mais do que isso: nossa equipe procurou os motivos pelos quais eles são tão viciantes e também algumas formas de evitar o vício nessas delícias.

1. Pizza

De acordo com a pesquisa realizada no Colorado, a pizza está no topo do ranking dos alimentos mais viciantes, e os motivos têm a ver, em primeiro lugar, com o queijo derretido, seu principal ingrediente, mas também com a massa e os molhos. Além disso, a pizza é um dos pratos mais versáteis que existem. Ela pode ter massa fina, grossa, borda recheada e qualquer tipo de sabor que se possa imaginar. Enfim, um prato na medida para fisgar nosso cérebro e nosso paladar.

2. Chocolate

Não dá pra imaginar uma lista de alimentos viciantes sem ele, o chocolate. É difícil encontrar uma pessoa que não goste dessa guloseima, independentemente de sua forma (branco, amargo, meio amargo ou ao leite), e essa é uma das razões para esse produto estar em segundo lugar na lista.

O motivo para o chocolate ser viciante parece ser bem simples: ele contém açúcar e gordura, substâncias que, juntas, provocam no cérebro uma reação de bem-estar parecida com aquela causada por drogas. Alguns estudos já demostraram que fazer com que algumas pessoas deixem de comer chocolate durante um determinado tempo provoca nelas uma reação parecida com aquela apresentada por indivíduos com síndrome de abstinência.

3. Frituras

Qualquer encontro de amigos em um bar, em um restaurante ou até em casa combina com uma porção de pasteizinhos, mandiocas ou polenta fritas, não é mesmo? E, vamos combinar: esses tira-gostos fazem um sucesso danado. Quentinhos, crocantes por fora e macios por dentro... Não há quem consiga resistir.

A fórmula mágica do sucesso, nesse caso, também é bem simples: esses quitutes contêm gordura, sal e carboidratos, uma combinação de sabores que, segundo testes realizados em cobaias, é irresistível. Acrescente-se a isso o fator “crocância” e temos uma mágica incrível, capaz de viciar qualquer cérebro, como mostrou o estudo.

4. Biscoitos (ou bolachas)

Diversas pesquisas científicas já demonstraram que nossos cérebros possuem receptores de dopamina conhecidos como D2. Uma pessoa saudável possui uma grande quantidade desses receptores, o que faz com que ela seja menos propensa a se tornar viciada em algo.

Entretanto, aparentemente, certas guloseimas, como biscoitos (ou bolachas) podem limitar a atuação desses receptores, fazendo com que eles queiram mais e mais, da mesma forma que ocorre, por exemplo, com as metanfetaminas. O motivo, mais uma vez, são os ingredientes mágicos açúcar e gordura.

5. Sorvetes

Você já deve imaginar o que faz com que o sorvete também seja um alimento viciante. Sim, o açúcar e as gorduras. Mas, nesse caso, há algumas peculiaridades que o tornam ainda mais irresistível, como a textura e a temperatura.

Segundo especialistas, a textura cremosa reforça a sensação de prazer. Acrescente a isso a sensação refrescante provocada pela baixa temperatura, que provoca, no cérebro, uma percepção de recompensa, especialmente em dias quentes. Tudo isso é capaz de explicar o fato de o sorvete também fazer parte dessa lista.

6. Batatas fritas

Um caso bastante parecido com o das frituras, em geral — gordura e carboidratos. Uma das razões que fazem com que as batatinhas fritas (uma paixão mundial) sejam tão irresistíveis é aquela famosa pitada de sal que todo mundo põe antes de comer.

Assim como o açúcar, o sal é uma substância com enorme poder viciante, especialmente em pessoas com altos níveis de estresse. Isso ocorre, sobretudo, porque esse mineral ajuda a controlar o cortisol, substância liberada pelas glândulas suprarrenais em situações de estresse. Portanto, saiba que ficar com vontade de comer batatas fritas em situações em que você têm muitas coisas para resolver é perfeitamente normal.

7. Hambúrguer com queijo

Queijo, carboidratos (pão), açúcar (ketchup) e carne. Uma combinação perfeita para viciar o cérebro já na primeira mordida em um hambúrguer ou cheeseburguer. De acordo com a ciência, esse verdadeiro ícone do fast food é capaz de gerar picos de felicidade e, em seguida, sensações de relaxamento.

No entanto, essas sensações são tão rápidas quanto as causadas por algumas drogas e, assim que a percepção de recompensa diminui, a tendência — como no caso de qualquer droga — é de a pessoa querer mais.

8. Refrigerante

Segundo especialistas, o grande fator viciante dessa bebida é a combinação de açúcar — sempre ele — e cafeína, substâncias que, juntas, são capazes de produzir um efeito similar ao da heroína.

De acordo com a pesquisadora Laura Moreno Altamirano, da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM), depois que uma pessoa consome um refrigerante, a produção de serotonina e dopamina (ambas associadas à sensação de prazer) aumenta substancialmente, fazendo com que ela queira mais e mais.

Adicione-se a isso o fato de que, em geral, os refrigerantes não matam a sede e o resultado será um efeito viciante difícil de combater.

9. Bolos

A mistura de açúcar e gorduras (que já mencionamos aqui em outros casos) produz uma sensação de felicidade similar à de algumas drogas. Mas o diferencial, no caso dos bolos, é que essa guloseima está associada a momentos de prazer e de celebração, como um aniversário, um café da tarde com a avó ou um dia mais casual no escritório. Essas circunstâncias evidentemente contribuem para criar um vício, como explicam alguns especialistas.

10. Queijo

Pesquisadores já demostraram que a caseína, substância presente no leite e em seus derivados, ao ser processada pelo organismo, gera uma outra substância, conhecida como casomorfina, que, por sua vez, é capaz de gerar reações físicas similares às proporcionadas por opioides.

Nos queijos, esse tipo de proteína está presente em grande quantidade, gerando uma sensação de recompensa que também faz com que a pessoa queira mais e mais. Esse efeito tem que ver com a evolução dos mamíferos, já que é importante que eles queiram se alimentar com a mãe e se interessem por leite.

Bônus: o que fazer se seu alimento favorito estiver na lista?

Não sejamos radicais: você não precisa parar completamente de comer sua guloseima ou prato preferido simplesmente porque eles têm o efeito viciante que mencionamos. A questão é, sobretudo, saber consumi-los de maneira saudável e moderada.

Não há nada de errado em saborear seu prato preferido de vez em quando. Mas, conforme recomendam os médicos, caso você esteja exagerando, é importante entender por que isso ocorre. Se as razões são de fundo emocional, é importante consultar um psicólogo e buscar soluções, por exemplo.

Além disso, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos recomenda ter como referência que metade de um prato nas refeições (seja do alimento que for) seja composta por vegetais. Além disso, é importante consumir grãos, reduzir a ingestão de sódio, beber bastante água e, claro, diminuir o consumo diário de açúcar.

Agora é a sua vez de contar para nós: algum desses alimentos é o seu favorito? E o que você faz para ter uma alimentação mais saudável? Comente!