Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Artista cria projeto que dá vida ao folclore brasileiro usando pôsteres de filmes infantis famosos como referência

5--2
24k

Nós, brasileiros, estamos acostumados a conhecer mais a cultura folclórica de outros países do que nossa própria. Também sempre nos impressionamos com as histórias fantásticas que os estúdios de animação lá de fora nos proporcionam.

Com isso em mente, o designer e ilustrador Anderson “Awvas” reimaginou pôsteres de conhecidos filmes infantis em seu projeto “Folclore BR: Uma Nova Visão”, cujo objetivo é provocar o pensamento de que poderíamos promover a nossa cultura, assim como promovemos as do exterior.

Incrível.club reuniu esses trabalhos e os colocou contra os pôsteres de referência, mostrando que, quando o assunto é conteúdo, o Brasil não sai perdendo. Dê uma olhadinha.

1. A Pequena Yara / A Pequena Sereia

A Yara, Uiara ou Mãe-d’água é, segundo o folclore brasileiro, uma linda sereia que vive no rio Amazonas. Pescadores de toda parte do Brasil, de água doce ou salgada, contam histórias de moços que cederam aos encantos da bela Yara e terminaram afogados de paixão.

Contam os índios da região amazônica que Yara era uma excelente índia guerreira. Os irmãos tinham ciúmes dela, pois era a preferida de seu pai. Seus irmãos então resolveram matá-la. Ela, tendo ouvido seus planos, resolveu matá-los primeiro, como forma de defesa. Após ter feito isso, Yara fugiu para a mata. Seu pai a perseguiu e conseguiu capturá-la. Como punição, ela foi jogada no rio Solimões. Os peixes do rio a salvaram e, como era noite de lua cheia, ela foi transformada numa linda sereia.

2. Naiá / Moana

Em uma tribo indígena, contava-se que a Lua era uma deusa que beijava e enchia de luz os rostos das mais belas virgens índias da aldeia. Uma linda jovem da tribo, a guerreira Naiá, vivia sonhando com esse encontro e mal podia esperar pelo dia em que seria chamada. Os anciãos da tribo alertavam que depois do encontro com a sedutora deusa, as moças perdiam seu sangue e sua carne, tornando-se luz, virando estrelas. Mas Naiá não desistiria.

Numa noite linda e iluminada, Naiá viu o reflexo da Lua no lago. Acreditando que a deusa se aproximava para levá-la, ela atirou-se nas águas e desapareceu.

A Lua se impressionou com o ocorrido e resolveu transformar a índia numa linda planta aquática: a vitória-régia. É por isso, explica a lenda indígena, que esta planta apresenta lindas flores que abrem somente à noite, exalando um perfume incrível.

3. Anhangá / Valente

Segundo alguns mitos, Anhangá era o protetor da caça nas florestas e protegia os animais contra os caçadores. Quando a caça conseguia fugir, os índios diziam que Anhangá a havia protegido e ajudado a escapar.

Anhá-Angá, “anhang” do tupi-guarani. “Ang” significando Alma e “Anhá”, correr, ou seja, uma alma errante. Como alma é invisível, entretanto, pode assumir diversas formas. As formas nas quais se apresenta diferem para cada pessoa.

A sua forma mais comum de aparição é como um veado branco, com chifres cobertos de pelos, olhos de fogo e uma cruz em sua testa.

4. Mãe d’Ouro / Frozen

A lenda da Teiniaguá, também conhecida como Salamanca do Jarau, é uma lenda gaúcha que conta a história de uma princesa moura transformada em lagartixa, ou salamandra, pelo Diabo Vermelho dos índios, Anhangá-Pitã.

Séculos atrás, quando o último reduto árabe na Espanha caiu, ela veio fugida e transformada em uma velha para que não fosse reconhecida e aprisionada. Ela possui uma pedra preciosa cintilante, cor de rubi, em sua cabeça, que fascina e atrai os homens. Ela está destinada a viver em uma lagoa no Cerro do Jarau.

5. Procurando Sacy / Procurando Nemo

O Sacy, também conhecido como Sacy-Pererê, é um personagem bastante conhecido do folclore brasileiro. Considerado uma figura brincalhona, que se diverte com os animais e pessoas, fazendo pequenas travessuras que criam dificuldades domésticas, ou assustando viajantes noturnos com seus assovios.

Ele costuma correr atrás dos animais para afugentá-los, gosta de montar em cavalos e dar nó em suas crinas. O Saci-pererê pode também aparecer e desaparecer misteriosamente, é muito irrequieto e não para um instante sequer, pulando de um lugar para outro. Toda vez que apronta as suas travessuras ele dá risadas alegres e agudas.

6. As Lendas Guardiãs / A Origem dos Guardiões

Neste último ele conta a história de um garoto chamado Ubirajara e seu amigo Yateré, um Sacy, em uma aventura para acabar com os planos malignos da Cuca e do Jurupari. Na história, ele junta outros personagens de seus outros trabalhos.

O autor provoca: “Todos os argumentos desse projeto são reais e também estão em desenvolvimento para alguma adaptação, mas por enquanto é só o que posso dizer...” Então seguimos no aguardo, ansiosos pelo resultado desse projeto que promete enobrecer a cultura do nosso Brasil.

E vocês, conhecem muito das histórias e lendas do nosso folclore? Se empolgou com o projeto do Anderson? Comente com a gente.

5--2
24k