Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

15 Ótimos filmes mexicanos de comédia (e nenhum envolve Omar Chaparro)

1-1-
333

Se existe algo que caracteriza o humor mexicano é sua particular forma de ser. Durante décadas, as produções cinematográficas do México vêm se esforçando para não cair nos clichês, não recorrer às comédias pastelão nem apostar em situações de duplo sentido. Por isso, a indústria do cinema desse país atualmente é conhecida por construir histórias humorísticas de qualidade.

O Incrível.club preparou uma lista com 15 ótimos filmes, conhecidos pelo humor peculiar, divertido e original. Se você gosta de dar risada com um bom longa-metragem, leia este post até o fim!

1. Aí é que Está a Coisa (1940)

Dirigido por Juan Bustillo Oro, é o primeiro filme protagonizado por Cantinflas. Aí é que Está a Coisa é considerado um dos melhores longas do cinema mexicano, segundo a crítica. A história é uma comédia em que Cantinflas é preso e condenado por um crime que não cometeu. Contudo, ele acredita que a Justiça o acusa de ter matado um cachorro e se dedica a defender a verdade, sem saber que o que está em jogo são duas situações totalmente diferentes!

2. El gran Calavera (1949)

Com direção de Luis Buñuel, El gran Calavera é uma comédia que trata dos excessos de uma família endinheirada. O patriarca, Ramiro de la Mata, é um homem de negócios viúvo que tende a realizar todos os caprichos dos familiares — seus dois filhos, seu irmão e sua cunhada —, que estão sempre mais do que dispostos a obter o que querem. Contudo, o outro irmão de Ramiro, Gregorio, tem consciência de que seus parentes levam uma vida boa sem trabalhar. Por isso, ele tem a ideia de simular que o rico Ramiro perdeu toda sua fortuna, com o intuito de dar aos familiares uma boa lição. A trama ganhou um remake lançado em 2013, com o título Los Nobles — Quando Os Ricos Quebram a Cara.

3. Calabacitas tiernas (1949)

Calabacitas tiernas é um filme dirigido por Gilberto Martínez Solares e estrelado pelo famoso comediante Germán Valdéz (Tin Tan), irmão de Ramón Valdés, o Seu Madruga de Chaves. O protagonista muda de identidade como um empresário falido para que os credores não o persigam. Porém, Tin Tan não deixa passar a oportunidade para aproveitar-se de sua nova personalidade e montar um espetáculo musical com bailarinas.

4. A toda máquina (1951)

A toda máquina é um filme protagonizado por Pedro InfanteLuis Aguilar, dirigido por Ismael Rodriguez. Poucas vezes Pedro Infante atuou em comédias que não se passassem em ambiente rural, o que fez esse longa ser recebido com surpresa pelo público. Na trama, a amizade entre dois policiais, em plena urbanização da Cidade do México, se vê envolvida em situações engraçadas e rolos românticos. Trata-se de um filme característico da chamada Época de Ouro do cinema mexicano.

5. Por si no te vuelvo a ver (1997)

Depois de um período estranho e obscuro no cinema mexicano, a década de 1990 se revelou rica em filmes com bons níveis de roteiro, produção e execução. Por si no te vuelvo a ver é um longa que rende homenagem à música e ao próprio cinema mexicano da época. Juan Pablo Villaseñor dirigiu essa comédia, que tem como eixo central as desventuras de um quinteto de idosos músicos não exatamente profissionais. Eles fogem do asilo onde estão para fazer apresentações ao vivo e para levar as cinzas de Rosita, mulher por quem um deles estava apaixonado.

6. Por la libre (2000)

Por la libre teve direção assinada por Juan Carlos de Llaca, e conta a história de dois netos que resolvem levar as cinzas de seu avô à cidade mexicana de Acapulco. Os dois primos não costumam se dar bem por conta das personalidades diferentes. Não obstante, a viagem faz com que eles acabem construindo uma amizade. A comédia retrata muito bem as relações familiares, que podem ser as mais complicadas de todas.

7. Morirse está en hebreo (2007)

Dirigida por Alejandro Springall, Morirse está en hebreo é uma comédia de roteiro bem peculiar. Depois da morte do patriarca de uma família mexicana de origem judia, todos os membros do clã começam os rituais funerários, que têm a ver com um desfecho obrigatório. Isso desencadeia certas situações que, por sua vez, estão ligadas às relações entre cada um dos parentes. Cada integrante da família tem seus segredos escondidos.

8. Paraíso (2013)

Dirigido por Mariana Chenillo, Paraíso é uma comédia com pílulas de drama. A história gira em torno de um casal formado por duas pessoas obesas que precisa enfrentar tudo o que envolve uma mudança de cidade. É aí que começam a surgir os problemas relacionados ao excesso de peso, estabelecendo também uma reflexão profunda a respeito da aceitação pessoal. Com um toque incomum, a produção tem raros ares de sinceridade.

9. Tercera llamada (2013)

Dirigida por Francisco Franco Alba, Tercera llamada é a história da fracassada montagem de um espetáculo teatral. A diretora se vê em meio a um conflito quando se dá conta de que praticamente nenhum dos integrantes de sua equipe vem realizando o respectivo trabalho. Uma das atrizes tem problemas de comportamento, um ator idoso não consegue mais lembrar as próprias falas, a produtora só vive de festa em festa e os técnicos não aparecem com a parte da cenografia. Tudo representa uma receita pronta para o desastre, então a diretora precisa colocar a criatividade para funcionar se quiser realizar a estreia.

10. O Último Trago (2014)

Em O Último Trago, dirigido por Jack Zagha Kababie, três idosos que são amigos decidem fazer uma viagem para realizar o sonho de um deles: levar um guardanapo de papel onde está escrita a letra de uma música composta por José Alfredo Jiménez, dedicada pessoalmente a ele. A missão é levar aquele tesouro a um museu dedicado ao músico, situado em Dolores Hidalgo. No caminho, os amigos se deparam com dificuldades, personagens pitorescos e reflexões pessoais sobre seu papel no mundo. A comédia deixa claro que as coisas queridas sempre envolvem histórias cheias de significado, sobretudo para quem está na casa dos 80 anos.

11. Un padre no tan padre (2016)

Un padre no tan padre tem direção assinada por Raúl Martínez e é uma comédia que, em alguns momentos, ganha contornos bem sérios. A trama tem início quando um homem idoso se vê obrigado a deixar o asilo onde mora, pois lá ninguém mais o suporta. Diante disso, não enxerga outra saída que não ir morar com o filho, a quem não vê há tempos e que considera ser um “hippie” desocupado. Aos poucos, pai e filho vão construindo uma relação, pelo bem de ambos e das outras pessoas ao redor, já que o filho mora com vários indivíduos excêntricos, capazes de tirar o idoso do sério.

12. Todo Mundo Ama Alguém (2017)

Dirigida por Catalina Aguilar Mastretta, Todo Mundo Ama Alguém é a história de uma bem-sucedida ginecologista que, diariamente, testemunha as alegrias e as tristezas de suas pacientes, de acordo com as circunstâncias impostas pela vida. Apesar de a médica ser boa em dar conselhos sobre relacionamentos amorosos, ela mesma precisa de umas boas dicas nessa área. A protagonista chega ao ponto de sair com um colega médico só para enganar os parentes em uma reunião familiar. O problema surge quando o ex-namorado da jovem aparece, trazendo com ele antigos sentimentos.

13. Una mujer sin filtro (2018)

Falando de uma mulher a ponto de fazer 40 anos, com problemas de relacionamento e que pensa que precisa esconder as próprias emoções para agradar os outros, o longa Una mujer sin filtro tem direção de Luis Eduardo Reyes. Certo dia, a protagonista recorre a uma terapia alternativa que faz com que perca a capacidade de ocultar as coisas. Assim, passa a dizer apenas a verdade, “sem papas na língua”.

14. American Curious (2018)

American curious é um filme dirigido por Gabylu Lara, trazendo uma trama que começa com o conflito vivido por um norte-americano após ficar sabendo que sua mãe biológica morreu, deixando como herança para ele um restaurante no México. Ele viaja ao local com o propósito de vender o restaurante e voltar aos Estados Unidos. Porém, conhece uma cozinheira em ascensão, com quem inicia uma relação próxima e por quem acaba se apaixonando.

15. Cindy la Regia (2020)

Cindy la Regia é um filme dirigido por Catalina Aguilar MastrettaSantiago Limón. Um belo dia, do nada, Cindy decide que não quer mais casar com o namorado, fugindo para a Cidade do México. Mas ela é uma moça com todo jeito do norte mexicano, mais especificamente da cidade de Monterrey, e apesar de sentir um pouco de medo no início, logo descobre ter o talento necessário para viver sua vida por conta própria.

Você já teve curiosidade de assistir alguma comédia mexicana? Em sua opinião, qual é a melhor comédia do cinema? Comente!

1-1-
333