Incrível
Incrível

Por que quando faz frio temos mais vontade de urinar

Você já reparou que, quando a temperatura diminui, a vontade de urinar aumenta? Bem, não se trata de loucura nem de alguma reação psicológica, mas sim de uma situação bastante comum que acontece com todo mundo — e a explicação é fisiológica.

Incrível.club recebeu a tarefa de descobrir por que essa situação tão desconfortável às vezes acontece. E vamos compartilhar tudo com você.

O corpo e a água

Para começar a compreender esse fenômeno fisiológico, a primeira coisa é saber que o corpo tem duas maneiras principais de eliminar o excesso de líquido:

  • Pelo suor: diariamente, o organismo desempenha várias funções que demandam energia para produzir calor. Além disso, o clima quente e o exercício físico aumentam a temperatura corporal, de modo que a transpiração funciona como um sistema de resfriamento.
  • Pela urina: a água que ingerimos é absorvida pelo sistema digestivo e passa para o sangue; o excesso de água é capturado pelos rins e levado à bexiga para ser eliminado na forma de urina.

A conclusão mais simples que podemos tirar disso é que, quando faz frio, suamos menos. Portanto, sem suor, a única maneira de o corpo eliminar a água é pela urina. Embora isso seja verdade, a explicação é um pouco mais complexa e se deve à chamada diurese induzida pelo frio.

O que é a diurese pelo frio?

Trata-se de um aumento na produção de urina ligado à exposição ao frio. Você deve ter notado que, quando o clima está quente, seu corpo parece estar mais inchado — por causa da retenção de líquidos. Já durante o inverno ocorre o contrário; o corpo se contrai e geralmente não retém líquidos.

Quando a temperatura cai, a dilatação do corpo também diminui, há a contração dos vasos sanguíneos e ocorre menor retenção de líquidos; por isso geramos mais urina. O corpo reage ao frio para se proteger, enviando uma quantidade maior de sangue aos órgãos vitais, diminuindo o fluxo para as extremidades.

Isso faz com que os vasos sanguíneos se contraiam, aumentando a pressão (a mesma quantidade de sangue em um espaço menor) percebida pelos rins, que agora terão a missão de liberar essa pressão sanguínea, eliminando os fluidos desnecessários, que acabam se transformando em urina.

A diurese pelo frio é bastante comum em atividades subaquáticas, como o mergulho, pois além de enfrentar a baixa temperatura, os mergulhadores acabam sofrendo uma mudança de pressão por causa da profundidade.

Quando é hora de se preocupar?

Como existem muitos fatores envolvidos no número de vezes que você urina por dia, como os alimentos que consome, a atividade física ou líquidos ingeridos, não é possível determinar um número ideal de idas ao banheiro. Mas pode-se dizer que uma média de 6 ou 7 vezes ao dia e uma vez à noite é considerada regular. Se você vai ao banheiro numa proporção muito maior que essa média, especialmente à noite, consulte o médico para descartar qualquer problema de saúde.

Além disso, existe uma situação conhecida como micção excessiva ou frequente, que se caracteriza por uma vontade incontrolável de urinar, causando desconforto na bexiga e que pode ser resultado de uma infecção no trato urinário, da uretra infectada ou inflamada, de problemas nos nervos ou até mesmo do consumo excessivo de cafeína.

Se, além de ir ao banheiro com muita frequência, você tiver outros sintomas, como dificuldade ou dor ao urinar, perda do controle da bexiga ou alteração da cor da urina, considere passar por uma consulta médica.

No caso das crianças, você também deve prestar atenção ao número de vezes que urinam por dia. Embora seja normal os pequenos molharem a cama às vezes, se isso ocorrer diariamente ou voltar a acontecer depois de um longo período sem “acidentes” é possível que estejam com problemas na bexiga ou apresentando um desenvolvimento físico mais lento do que o normal.

Como você pode ver, o aumento na vontade de urinar em clima frio não é algo imaginário ou psicológico. Você tem alguma experiência em que a vontade de urinar tenha causado um momento embaraçoso? Conte-nos nos comentários.

Compartilhar este artigo