Incrível

Especialistas explicam por que costumamos engordar no inverno

1-11
583

No inverno, as temperaturas nos ambientes externos caem tanto que tendemos a ficar em casa, cedendo às tentações de nossas guloseimas prediletas. E isso quer dizer que o corpo entrou no modo de “economia de energia”, passando a armazenar gordura. Pesquisadores garantem que, durante o inverno, as pessoas costumam ganhar entre dois e três quilos, algo que é considerado absolutamente normal. Mas é possível interromper o processo, desde que se conheça os mecanismos que levam ao aumento de peso.

E o Incrível.club descobriu de quem é a culpa daquela fome que parece eterna, que surge assim que chega o frio.

1. Dieta

A culpa dos quilos extras é das dietas rápidas. Durante o verão, as pessoas se impõem certos limites, pois estão preocupadas em exibir uma silhueta mais esbelta na estação mais quente do ano. Já no inverno, o peso acaba aumentando. Isso ocorre porque ninguém consegue manter uma dieta rígida por muito tempo. A vontade de comer algo bem gostoso (e gorduroso) durante os dias frios acaba falando mais alto. Além disso, o maior volume das roupas de inverno esconde os quilos a mais, dando a muita gente a desculpa para comer algo não saudável, porém delicioso.

  • Mas é possível arrasar num vestido apertado em qualquer época do ano. Para tanto, siga algumas regrinhas: conte as calorias e pratique esportes. Passeios ao ar livre também podem ser considerados uma atividade física, e são super indicados para a perda de peso.

2. Nossos genes ainda ’pensam’ como no tempo das cavernas

A evolução também fez seu papel para garantir que as pessoas não percam peso no inverno. Nossos antepassados precisavam engordar para sobreviver às baixas temperaturas, e o mesmo ainda acontece conosco: assim que o frio chega, o corpo aumenta seus níveis de insulina e acumula gordura. Já o cérebro coloca o sistema nervoso numa espécie de “hibernação”.

  • É perfeitamente possível enganar a natureza: evite produtos baseados em farinha branca e consuma menos açúcar. Substitua os alimentos prejudiciais por fontes de proteína. Peixe, carne e nozes tiram a vontade de beliscar um petisco ou outro.

3. Transtorno afetivo sazonal

Durante os dias frios, a sensação de desânimo acaba afetando muita gente, reduzindo o nível de energia. Esse quadro é chamado de transtorno afetivo sazonal. Segundo os médicos, esse problema afeta uma entre 10 pessoas no mundo. E não é apenas o estado de ânimo que é afetado: a depressão sazonal faz com que as pessoas comam em excesso. Os pacientes com esse quadro acabam recorrendo aos doces e alimentos ricos em carboidratos (salgadinhos e biscoitos), o que leva ao ganho de peso.

  • É possível lutar contra o transtorno. Em casa, mantenha o local mais iluminado deixando as cortinas abertas. Já no trabalho, procure sentar-se perto das janelas. Passeie ao ar livre, mesmo em dias frios e nublados. Importante: não tome remédios contra depressão por conta própria. Não deixe de procurar um médico.

4. Falta de sensações táteis

No frio, o corpo das pessoas passa pelo que é conhecido como “fome tátil”. A pele fica escondida sob uma camada grossa de roupa, deixando de receber sensações agradáveis ao toque. Nesses momentos, tudo o que resta é uma espécie de coceira, uma certa sensação de que a pele está esticando, em consequência do ar seco e dos suéteres ásperos. E você sabia que, sem contato de pele com pele, as pessoas podem cair em depressão? Daí para exagerar na comida é um pulo.

  • Para não ficar triste e engordar, não abra mão do contato físico. Além disso, realize atividades que exijam colocar “a mão na massa”: prepare almôndegas (ou algum tipo de comida que exija contato com carne, para enganar o corpo), acaricie o gato ou o cachorro. E óbvio que é bom abraçar seus entes queridos, pois isso aumenta o nível dos hormônios que promovem a sensação de felicidade. Assim, a sensação de fome acaba ficando em segundo plano.

5. Sal

O inverno pode parecer o período ideal para comer alimentos em conserva. Porém, o consumo desse tipo de produto muito salgado dificulta o controle do peso. Isso porque o sal retém líquido no corpo, além de geralmente desencadear um apetite voraz. Fast food, batata frita e embutidos têm até 20% da quantidade diária recomendada de sal, que é de apenas 5 gramas. Tudo que passa disso pode levar ao ganho de peso.

  • Pense no seguinte antes de comer um hambúrguer: o prato contém quase a metade da quantidade recomendada de sal.

6. Vitamina D

O excesso de peso não chega apenas a quem gosta de comer muito. A falta de vitamina D faz com que o corpo acumule gordura sem nenhum motivo aparente. O quadro é observado principalmente entre as mulheres: quanto menos vitamina D no organismo, maior a chance de desenvolver obesidade. No inverno, a maioria dos moradores de áreas frias sofre com falta de vitamina D, já que a sua produção é estimulada pela luz solar.

  • Se sua pele estiver descamando, transpirar muito à noite e a visão estiver comprometida, procure um médico: é possível que você esteja com falta de vitamina D.

7. Televisor

Moradores dos chamados países desenvolvidos veem TV durante 242 minutos por dia. E no inverno, esse tempo aumenta, já que o frio toma conta e surge a sensação de que não há nada para fazer. E quando a pessoa come na frente da tela, acaba ganhando 167 calorias a mais.

  • Especialistas descobriram quais são os programas de TV mais prejudiciais para a silhueta: os de culinária. Aqueles que assistem a esse tipo de atração consomem mais doces. Já quem vê mais programas sobre a natureza, por exemplo, sente menos esse tipo de desejo.

Bônus

Até mesmo nos dias mais frios, é possível manter a silhueta e até perder algum peso. Veja abaixo algumas descobertas recentes que ajudam nesses objetivos:

  • Reduza a temperatura do ambiente. O calor no local de trabalho, aliado ao trabalho sedentário, leva à obesidade. Especialistas afirmam que passar algumas horas sob uma temperatura de 17° C faz com que o corpo gaste mais energia, favorecendo a perda de peso.
  • Comida crocante. Recentemente, especialistas em nutrição descobriram algo interessante, que foi batizado de “efeito crocante”. A conclusão é baseada nos sons que os alimentos fazem e que nos ajudam a controlar a ingestão desses produtos. Claro que fazer barulho comendo um saco de batata frita é uma péssima ideia. Já o crocante de uma maçã ou de uma cenoura impede que a pessoa coma em excesso.

Ok, estamos em pleno verão (felizmente!), mas não nos esquecemos da sensação dos dias de inverno. E confessamos: quando estamos com frio, não podemos evitar pensar nos mais deliciosos doces. E você, consegue se manter na linha quando chega o frio?

1-11
583