Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Como eram as 7 maravilhas do Mundo Antigo, que nunca veremos em sua aparência original

--1-
15k

Vários autores já fizeram tentativas para criar listas com as maiores maravilhas do mundo. Um dos primeiros foi o famoso historiador da antiguidade Heródoto. Na versão dele, foram incluídas apenas três das criações do Mundo Antigo, situadas na ilha grega de Samos: um túnel através da montanha, uma muralha reforçada que rodeia a doca do porto e um templo à deusa Hera. As outras sete maravilhas foram citadas pelo poeta grego Antípatro de Sídon em suas poesias. A obra literária serviu como base para a lista de Filão de Bizâncio (um engenheiro grego que viveu entre 280 e 220 a.C.), o criador da lista das sete maravilhas mais aceita até hoje.

Infelizmente, apenas uma das preciosidades da lista de Filão chegou aos dias atuais. O Incrível.club reuniu informações sobre como eram na antiguidade as maravilhas perdidas do nosso mundo.

Grande Pirâmide de Gizé

Reconstrução da aparência original da Pirâmide de Gizé

É a única relíquia da lista das maravilhas do mundo antigo que existe até hoje. Ao mesmo tempo, é a mais antiga, com uma idade estimada de 4.500 anos de idade.

A construção do túmulo de Queóps, com 138 metros de altura, exigiu o uso de cerca de 2,3 milhões de blocos de pedra. Acredita-se que tenha levado 20 anos para ficar pronta. Dentro dela estão as câmaras mortuárias do faraó e de sua esposa, assim como um complexo sistema de corredores e minas. Provavelmente, a pirâmide era originalmente forrada com mármore branco ou cal, características que não resistiram ao passar dos séculos.

Pirâmide de Gizé atualmente

Jardins Suspensos da Babilônia

O rei da Babilônia, Nabucodonosor II, ordenou a construção de jardins suspensos no terreno do palácio com o objetivo de agradar a esposa. Com a obra, o local passou a lembrar uma colina verde, que virou um oásis em meio à árida e empoeirada Babilônia — cidade que ficava no território onde atualmente é o Iraque. Todos os dias, centenas de escravos precisavam girar a roda que levava água do rio Eufrates até a parte superior da estrutura, que contava com um sistema de tubulações para regar as plantas.

Posteriormente, o palácio foi ocupado por Alexandre, o Grande. Após a morte dele, ninguém se preocupou com os jardins, que ficaram relegados ao abandono. Inundações de grandes proporções destruíram a estrutura e apenas ruínas da antiga Babilônia chegaram aos nossos dias.

Estátua de Zeus em Olímpia

Na cidade onde os Jogos Olímpicos nasceram, as autoridades resolveram erguer um templo de mármore em homenagem ao principal deus grego. Dentro dele, havia uma estátua de Zeus feita em marfim. Segundo relatos, ela tinha entre 12 e 17 metros de altura. Cerca de 200 quilos de ouro puro foram usados para decorar o monumento. O material foi usado na capa do deus, no cetro adornado com uma águia que ele segura com a mão esquerda e na estátua da deusa Nice (em grego, Nike, a mesma que inspirou o nome da marca de tênis), presente na mão direita de Zeus.

A conquista da Grécia pelo Império Romano e guerras posteriores resultaram na destruição e no saque do templo. Fragmentos da construção foram encontrados durante escavações.

Ruínas do templo de Zeus em Olímpia

Templo de Ártemis

Modelo reconstruído no parque “Miniaturk”, em Istambul

Moradores de Éfeso (cidade localizada onde hoje fica a Turquia) passaram 120 anos construindo o templo em homenagem a Ártemis, a deusa da fertilidade. O teto da construção era sustentado por 127 colunas, com 18 metros de altura cada uma. O santuário era decorado com altos-relevos, esculturas e pinturas, e a estátua de Ártemis ficava bem no meio da construção. Além das cerimônias religiosas, reuniões de negócios também costumavam ser realizadas no local.

O templo foi reconstruído duas vezes. Em 356 a.C., uma pessoa com problemas mentais queimou a construção original, com o objetivo de deixar seu nome registrado na história. No início do século seguinte, a estrutura foi totalmente restaurada com verbas de Alexandre, o Grande.

No século IV, os cristãos proibiram os cultos pagãos e fecharam o templo. Logo depois, a construção foi destruída. Escavações revelaram as fundações do templo e uma das colunas foi restaurada, enquanto outros fragmentos acabaram sendo levados para o Museu Britânico. Uma réplica em miniatura do monumento arquitetônico foi construída em uma escala de 1:25 no parque Miniaturk, em Istambul, Turquia.

Coluna restaurada do templo de Ártemis, na Turquia

Mausoléu de Halicarnasso

A construção, com 46 metros de altura, começou a ser erguida durante a vida do governante de Cária e também fica onde atualmente é a Turquia. O primeiro nível foi elaborado com grandes tijolos de mármore e decorado com estátuas que representam cenas de epopeia grega. No segundo nível existia um templo com 36 colunas, sobre as quais se erguia um teto piramidal, com 24 degraus. Acima do prédio ficava uma escultura de Mausolo e de sua esposa, Artemísia, em uma carroça.

Após 1.500 anos, o mausoléu foi destruído por um terremoto. Os cruzados que chegaram à Ásia Menor usaram fragmentos do mausoléu como material de construção para o Castelo de São Pedro de Halicarnasso. Depois, os turcos construíram no local o Castelo de Bodrum.

Ruínas do mausoléu no atual território de Bodrum, na Turquia

Colosso de Rodes

Os cidadãos de Rodes (uma ilha pertencente à Grécia), quando liberados dos ataques promovidos pelos macedônios, resolveram erguer uma estátua em honra ao deus Hélio, como agradecimento por sua ajuda. As bases para a escultura eram de mármore. As enormes peças de bronze reforçaram a impressionante armação de 33 metros, enquanto as cavidades foram preenchidas com argila. O trabalho consumiu 8 toneladas de ferro e 13 de bronze.

O colosso foi a menos duradoura entre as 7 maravilhas do mundo antigo, permanecendo de pé por apenas 60 anos. Ele foi destruído por um terremoto que quebrou os joelhos da divindade. Durante muito tempo, a estátua ficou caída no solo, fazendo surgir uma expressão que tornou-se famosa em muitos países: “um colosso com pés de barro”. Em 2008, nasceu o projeto de recriar o monumento na forma de uma instalação luminosa. O projeto, que custaria 200 milhões de euros (o equivalente a R$ 870 milhões), ainda aguarda sua execução.

Visão atual da baía da llha de Rodes

Farol de Alexandria

O farol, com 120 metros de altura, foi construído na pequena ilha de Faros, a 1,3 quilômetro de Alexandria — cidade que atualmente possui mais de 5 milhões de habitantes e que se localiza no Egito. Na parte inferior havia residências e espaços para guardar mantimentos e combustíveis. A parte central, em forma de octógono, era decorada com estátuas usadas como cataventos. A parte superior funcionava como o farol em si, utilizando um sistema de espelhos para fazer a luz do fogo chegar a até 48 quilômetros mar adentro. O topo do farol era adornado com uma estátua da protetora dos navegantes, Ísis Faria.

O farol se manteve em funcionamento durante quase mil anos e foi destruído por um terremoto. No fim do século XV, o sultão de Qaitbay resolveu construir uma fortaleza no local. Para tanto, foram usados materiais que restaram do farol. O forte continua de pé e leva o nome do sultão.

Cidadela de Qaitbay, no ponto onde ficava o Farol de Alexandria

Diversos fatores impediram que nós, pessoas do século XXI víssemos todas as sete maravilhas do Mundo Antigo, mas felizmente temos as da atualidade. Em 2007, o aviador e diretor de cinema suíço Bernard Weber anunciou uma votação popular. De acordo com os resultados, a lista de novas maravilhas do mundo passa a ser formada pelo Coliseu de Roma, pela Grande Muralha da China, pela milenar cidade de Machu Picchu, no Peru; pela antiga cidade de Petra, na Jordânia; pelo Taj Mahal, pelo Cristo Redentor, no Rio de Janeiro; e pela antiga cidade maia de Chichén Itzá, localizada no território atual do México.

Países com cartões postais que não entraram na lista das novas maravilhas do mundo começaram a criar seus próprios registros. Por exemplo, existem as sete maravilhas da Rússia, como também as sete maravilhas da Ucrânia. Você conhece outros lugares que poderiam estar entre as maiores maravilhas do mundo contemporâneo? Comente!

--1-
15k