Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Como Reese Witherspoon se tornou um dos grandes nomes de Hollywood e começou a produzir filmes para as mulheres

6-2-
985

Reese Witherspoon já entrou na lista das 100 mulheres mais influentes do planeta da revista Forbes. Sua família não tinha dinheiro ou influência — a atriz conquistou Hollywood sozinha.

Nós, do Incrível.club, somos fãs da artista, então decidimos descobrir como ela se tornou um símbolo do feminismo e uma inspiração para as mulheres de todo o mundo. E no bônus você confere ainda qual a próxima produção em que essa superestrela das telonas está envolvida. Confira!

Reese convenceu muitas pessoas a não darem a mínima para as condições e simplesmente seguir os sonhos

Laura Jean Reese Witherspoon nasceu em 1976, em Nova Orleans, Estados Unidos. Já aos 7 anos foi escolhida para filmar uma campanha publicitária para uma loja de flores. Aos 11, ganhou um concurso de talentos. Apesar de frequentar uma escola de teatro, sua principal paixão eram os estudos: “Eu era uma chata que lia o tempo todo e era louca por livros: queria comprar tudo”.
Quando a futura estrela tinha 15 anos, pela primeira vez o destino lhe sorriu: Reese, junto com amigos, foi fazer um teste para atuar como figurante no elenco de No Mundo da Lua, mas ela agradou tanto os produtores que acabou ganhando o papel principal.

Em sua estreia interpretando uma garota do interior chamada Dani, Reese conquistou instantaneamente não apenas o público, mas também os críticos. Até foi indicada à renomada premiação Young Artist Awards. Ela se formou com sucesso em uma prestigiada escola para meninas, onde também era membro de um grupo de líderes de torcida. Na sequência ingressou na Universidade Stanford para estudar licenciatura em literatura inglesa. No entanto, após um ano estudando, decidiu mudar drasticamente sua carreira: apesar da objeção de parentes e amigos, deixou a universidade para se dedicar ao trabalho de atriz. Como o tempo mostrou, essa acabou sendo uma ótima escolha.

Reese Witherspoon confirmou que ser mãe jovem não é um obstáculo, mas uma inspiração

Em 1997, o lindo e deslumbrante ator Ryan Phillippe foi a festa de 21 anos de Reese, o que marcou o início de um romance. Em 1999, os atores foram escalados juntos para o elenco do drama Segundas Intenções, que foi uma adaptação moderna do romance francês do século 18 As Ligações Perigosas.

Após a estreia do longa, os dois se casaram e, em setembro de 1999, Reese deu à luz sua primeira filha, Ava Elizabeth Phillippe. A atriz disse que aquele momento não foi fácil para ela: “Percebi que a maternidade é quando você não pode sair de casa para o supermercado sem lembrar constantemente da criança. Você não pensa se está com frio ou calor, pensa apenas em seu filho e como ele está. E é assim a cada segundo. Mas se você quiser ser mãe, se isso é importante para você, tenha um filho. Não adie por todas as coisas que agora parecem uma barreira. Você entenderá mais tarde”.

Quando se mudou para Los Angeles, Reese não tinha família ou amigos. Então se inscreveu em um grupo de ioga onde encontrou novas amigas que a ajudaram a cuidar da sua filha Ava. A atriz lembra desse tempo com um sorriso: “Precisei amadurecer rapidamente e descobrir que exemplo queria dar para a minha filha. Meu agente uma vez me ligou e disse que eu deveria me vestir de forma sensual quando fosse me encontrar com o chefe do estúdio. Tinha 23 anos, uma filha em casa, precisava de dinheiro e estava sendo orientada por pessoas que sabiam o que estavam fazendo. É engraçado pensar em todas as coisas que nos disseram para fazer naquela época, porque agora eu penso: “Oh Deus, se alguém dissesse à minha filha para fazer isso, ela reagira dizendo: ’eu realmente espero que você esteja brincando’”

Apesar da expectativa geral de que uma mãe jovem suma do mercado, o nascimento de Ava deu força à atriz, e, em 2000, ela fundou a produtora Type A. O nome não foi escolhido por acaso: é uma referência a um apelido dela da época de escola — Reese sempre tirava notas excelentes (“A” equivale à nota 10 no sistema brasileiro). A artista continuou participando de testes e criando sua filha, e em 2003 deu à luz Deacon Phillippe.

O casamento com Ryan durou até 2006. Passando por um processo de divórcio difícil na época, a atriz surpreendeu o público quando compartilhou uma declaração através do seu assessor de imprensa para acabar de vez com todos as fofocas. Ela disse no anúncio: “Sei o que vocês querem ouvir: que temos filhos lindos, que eles nunca choram. Que eu e meu marido não temos problemas, não brigamos e que somos melhores amigos, até porque isso é tão comum em Hollywood. Mas essa não é a realidade. Somos pessoas normais com problemas comuns. Decidimos nos divorciar oficialmente, mas continuamos leais à nossa família e pedimos respeito à nossa privacidade”.

Reese provou que tudo pode ser alcançado com trabalho duro

Em 2001, a estrela conseguiu o papel da advogada patricinha no filme Legalmente Loira, que foi um momento decisivo em sua carreira. Graças a personagem Elle Woods, Reese tornou-se de fato conhecida no mundo todo e recebeu uma indicação ao Globo de Ouro, o que apenas fortaleceu o seu sucesso.

Depois disso, ela conseguiu ser escalada em vários papéis de sucesso. Entre eles, interpretou o fantasma de uma médica na comédia romântica E Se Fosse Verdade e a graciosa Marlena, uma artista de circo no filme Água para Elefantes. E por dar vida a June Carter Cash, a segunda esposa do cantor Johnny Cash no filme Johnny & June, recebeu um grande número de prêmios, incluindo Oscar, Globo de Outro e o BAFTA de melhor atriz.

A vida pessoal de Reese ganhou um novo capítulo em 2011: ela se casou com o agente Jim Toth e, um ano depois, nasceu seu terceiro filho — Tennessee James. O casal ainda permanece junto e feliz.

Reese diz que se você não gosta das regras, precisa criar seu próprio jogo

Apesar da abundância de propostas, para a atriz parecia que os produtores de Hollywood não estavam muito interessados sobre o destino das mulheres: existem pouco filmes para e sobre elas. Além do mais, os roteiros que lhe enviavam se tornavam cada vez piores: a mulher era vista apenas como um elemento inferior que luta pela atenção dos homens. Reese já comentou sobre isso: “Eu estava cansada de fazer filmes nos quais era a única protagonista feminina no set. Eu estava cansada de ver roteiros em que havia um papel feminino mal escrito e mesmo assim toda atriz da cidade queria o papel porque não havia mais nada”.

A artista decidiu mais uma vez lutar contra o destino e contra Hollywood e seguir suas próprias regras. Em 2012, uniu forças com a australiana Bruna Papandrea para criar uma nova produtora e produzir projetos sobre mulheres fortes.

Como fundadora da empresa de mídia Hello Sunshine, lançou um talk show chamado Shine On with Reese, no qual entrevistava mulheres bem-sucedidas para descobrir como conseguiram realizar seus sonhos. Para fortalecer o papel das mulheres na indústria cinematográfica, a incansável artista anunciou o início de um projeto chamado Filmmaker Lab destinado a ensinar jovens garotas a arte de fazer filmes.

Como prometido, Reese começou a fazer filmes que reconhecessem mulheres incríveis com objetivo de inspirar outras no todo mundo. O primeiro passo aconteceu com Livre, baseado em fatos reais. A trama conta a história de uma escritora que decide ir sozinha por uma longa jornada para aprender a viver de novo, entender a si mesma, superar o divórcio e a morte da mãe. A atriz desempenhou o papel principal de forma brilhante.

Ela percorreu sozinha 1.770 km, repetindo o feito de Cheryl Strayed — a escritora que inspirou o filme. A protagonista chorou, machucou os pés e a equipe de filmagens tinha apenas de filmar tudo. Por esse papel, foi novamente indicada ao Oscar. De uma atriz bonita que fazia comédias românticas, Reese estava oficialmente se tornando uma artista de dramas com temáticas sérias.

Um pouco depois disso, a empresa Hello Sunshine filmou um novo projeto televisivo, a série The Morning Show. Cheia de tragédias, a história sobre uma apresentadora de telejornal tornou-se uma das séries mais comentadas do mundo do entretenimento em 2019.

Graças à empresa de mídia de Reese, o drama psicológico Garota Exemplar e a série de megassucesso de crítica e público Big Little Lies foram produzidos. A atriz fez tudo isso com um único objetivo — mudar o papel das mulheres no mundo moderno.

“Pesquisadores da Universidade de Columbia concluíram que uma mulher ambiciosa aparenta ser egoísta. Isso me fez pensar: o que há de errado com a ambição? Fui ambiciosa a vida toda. Por exemplo, na 3ª série, eu queria me tornar a primeira mulher presidente dos Estados Unidos. A ambição é apenas uma força motriz. Graças a ela, gera-se curiosidade, ideias e o desejo de realizá-las. Estou muito satisfeita em ver como as mulheres da minha empresa obtiveram grandes vitórias. Mas ainda temos muito o que lutar”, afirmou.

Reese batalha por seus direitos

Indignada com a insistência dos paparazzi, ela coletou informações sobre o comportamento invasivo dos fotógrafos que violam os limites da privacidade e forçou o governador do estado a aprovar uma lei restringindo os direitos deles, aplicando uma multa a quem fotografar sem o consentimento do indivíduo.

A artista luta com os chefões de Hollywood pela igualdade, para impedir o assédio sexual em local de trabalho, por condições salariais iguais para homens e mulheres e aconselha jovens atrizes em aspectos contratuais. “Sempre fui inclinada a expressar minha opinião”, diz Reese. “E absolutamente não me importo se foi apropriada ou não”.

Sua segunda paixão

“Se as coisas estão indo bem com o cinema, é hora de me dedicar à minha segunda paixão — a literatura”, disse Reese, que fundou um clube de leitura on-line, seguindo a tendência atual. Hoje, seu projeto já ultrapassou 1,5 milhão de inscritos.

Uma vez por mês, ela seleciona livros para o clube e debate com os assinantes sobre eles. Algumas publicações selecionadas tornam-se best-sellers instantaneamente. Isso aconteceu em 2017, quando escolheu Pequenos Incêndios por Toda Parte como livro do mês. O romance fez tanto sucesso que a artista decidiu filmar. A série homônima foi lançada em março de 2020.

A atriz demonstrou que após os 40 anos a vida está apenas começando

Aos 37 anos, um consultor financeiro disse a Reese: “Você está no final de sua carreira e não ganhará mais muito dinheiro. Comece a economizar”. Três anos depois, ela se tornou a terceira atriz mais bem paga do mundo, faturando 35 milhões de dólares. E lembra do caso com indignação: “Fiquei simplesmente paralisada. E depois demiti o consultor, porque acredito em mim mesma, acredito na criatividade, acredito na minha plenitude”.

A crença em um futuro melhor valeu a pena: em 2017, sua carreira sofreu uma segunda onda de popularidade graças à série Big Little Lies, que foi lançada naquele ano. O seriado conta a história da vida de algumas mulheres da cidade de Monterey, nos Estados Unidos, que têm vidas aparentemente perfeitas, mas o telespectador logo descobre que nem tudo é tão bom quanto aparenta. Cada episódio foi assistido por uma média de 8,5 milhões de pessoas.

Reese interpretou uma das personagens principais — Madeline Martha Mackenzie, uma mulher que trabalha no teatro comunitário local, tenta chegar a tempo em todos os lugares, ser a primeira em tudo e ainda lidar com sua vida pessoal. Ela esteve acompanhada de grandes estrelas mundiais, como Zoë Kravitz, Nicole Kidman, Meryl Streep, Shailene Woodley e Laura Dern.

Além das atividades cinematográficas e sociais, a artista participa ativamente de várias organizações de caridade: colabora com o Children’s Defense Fund e é presidente honorária da Fundação Avon.

Bônus: ainda estamos aguardando mais um filme de Legalmente Loira

Em 2018, a estrela sugeriu em sua conta no Instagram que estava começando a se preparar para as filmagens de uma terceira parte do filme Legalmente Loira. “Quero descobrir o que a chegada da idade significou para essa personagem”, afirmou. E respondeu sobre qual seria a trama principal: “Haverá muita diversão, moda e ideias feministas incríveis”. Estamos ansiosos pelo retorno de Elle Woods e pelo trailer do longa.

Ao preparar este material, estudamos a biografia de Reese, reportagens e entrevistas sobre ela. E sabe o que é mais impressionante? Não há notícias ruins sobre a atriz. Não há fofocas ou discussões sobre o seu comportamento. Apenas relatos de quem a artista ajudou, dos direitos pelos quais luta e notícias de seus planos futuros.

Suas obras cinematográficas se tornaram um farol para mulheres em todo mundo, estimulando-as a acreditarem em si mesmas e a dar um novo sentido em suas vidas. Pequenos Incêndios por Toda Parte, Big Little Lies Livre são provas reais desse engajamento. Por isso, a redação do Incrível.club expressa sua sincera admiração por essa mulher sábia e incrível atriz, que mostrou que se pode conseguir tudo com muito trabalho e que é possível sim mudar as regras do jogo. Desejamos muito sucesso a Reese e esperamos ansiosamente por novos projetos.

Você conhecia esse outro lado da estrela? Qual filme com participação de Reese Witherspoon é seu favorito? Conte para a gente na seção de comentários.

6-2-
985