Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

19 Cenas que foram resultado do improviso de grandes astros

---1
40k

Os roteiristas, como regra geral, escrevem todas as palavras e ações dos personagens nos filmes. Mas atores geniais se permitem fazer alguns desvios do roteiro original e improvisam de maneira tão vivida que o diretor deixa intactas essas tomadas “estragadas” para que elas apareçam na versão final.

Incrivel.club preparou para você 19 cenas famosas do cinema mundial em que os atores não seguiram o roteiro e deixaram a trama ainda melhor.

O Profissional (1994)

Interpretando nesse filme ao psicopata Stansfield, o inimitável Gary Oldman improvisou com bastante frequência, visto que tratava-se de um personagem tão diferente, que ele poderia muito bem fazer como quisesse. Assim, no início do filme, o personagem de Oldman se aproxima do pai de Mathilda e começa a cheirá-lo. Seu companheiro de cena chegou a se sentir incomodado com a improvisação. Mas deixou a cena rolar e o resultado foi brilhante.

Mais tarde, quando Stansfield conta ao pai de Mathilda sobre o seu amor por Ludwig van Beethoven, o ator improvisa a cena inteira, saindo totalmente do roteiro. Aliás, essa cena foi rodada várias vezes e em cada tomada o ator inventava uma nova história.

Ao final do filme, segundo o roteiro, Stan pede a seu assistente que convoque todos os agentes da polícia para abordar uma questão. Foram filmadas várias tomadas nas quais Oldman pronuncia a sua frase com um tom de voz normal, mas logo, decidindo brincar com o diretor Luc Besson e seu companheiro de filmagens, grita a frase em voz alta. Besson ficou satisfeito com a improvisação que, claro, decidiu inclui-la na versão final do filme. Aqui, vale também a sensibilidade e a genialidade de um grande diretor como Besson.

Django Livre (2012)

Há uma cena em que Leonardo DiCaprio, seguindo o roteiro, deveria bate na mesa com a mão. Mas o ator exagerou um pouco na intensidade e acabou rompendo um vaso com o gesto que fez. Como consequência disso, ele ficou com a palma da mão ferida e o que apareceu na cena final é sangue real. Preste atenção em como os atores se assustaram e a reação deles foi verídica. Mas, apesar da dor, DiCaprio seguiu imerso em seu personagem e o resultado é impressionante.

E mais, o ator decidiu aproveitar ao máximo o momento citado: DiCaprio, de repente, manchou com o seu sangue o rosto da protagonista, interpretada por Kerry Washington. Se você observar cuidadosamente a cena, perceberá que ela está perplexa com a situação. Quentin Tarantino, o diretor qualificou esta parte como “fascinante”.

Por sinal, em uma entrevista, DiCaprio conta e mostra a reação de Tarantino a essa situação imprevista durante as filmagens.

Os Bons Companheiros (1990)

Há uma cena em um restaurante, na qual o personagem de Joe Pesci conta a seus amigos uma história divertida, depois da qual todos riem. Ray Liotta diz: “Você é um cara engraçado”. Assim estava escrito no roteiro.

Mas Pesci decidiu dar vida à cena e propôs ao diretor Martin Scorsese brincar com Liotta. Como resultado, durante as filmagens, Pesci fez como se as palavras de Liotta o incomodassem, considerando-as insultantes: “Por acaso eu pareço um palhaço para você? Te faço rir, te divirto...? O que você quer dizer com isso de eu ser um cara engraçado? Me explique!” Depois disso se percebe claramente que Liotta ficou surpreso com a mudança inesperada nos acontecimentos da cena que, por isso, ficou espetacular. Scorsese, outro diretor genial, a incluiu no filme.

O Resgate do Soldado Ryan (1998)

Neste filme de Steven Spielberg foi produzida uma cena em que, seguindo o roteiro, os personagens de Tom Hanks e Matt Damon trocam recordações sobre a sua terra natal. Assim, a história de Damon sobre um celeiro que, por pouco não foi completamente queimado por conta de uma imprudência dele e seus irmãos, foi inventada durante a gravação. Um grande ator é capaz de sacadas desse tipo.

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977)

Neste filme se observa uma cena em que Woody Allen estuda um pequeno baú com cocaína falsa. O ator e diretor decidiu incluir um toque cômico à situação e, de repente, espirrou de tal maneira que toda a droga foi parar no rosto do ator Tony Roberts. Em um primeiro momento, Allen concluiu que a brincadeira havia sido desnecessária, mas durante uma exibição de testes, todo o público riu tanto por causa da cena. Assim, Allen (também um diretor genial) decidiu deixá-la na versão final.

X-Men: O Filme (2000)

Em uma das cenas, o personagem de Hugh Jackman conhece o professor Charles Xavier. Nesse momento, Tempestade e Ciclope entram no ambiente. O ator, seguindo o roteiro, teria de perguntar ao professor: “E você, como se chama? Careca?” Mas decidiu temperar a piadinha, improvisando: “E você, como se chama? Rodas?” Pode-se perceber como o seu companheiro de cena ficou um pouco perplexo com a pergunta.

Taxi Driver (1976)

Neste filme há uma cena em que o protagonista simplesmente conversa com o seu reflexo no espelho. Robert De Niro disse que tudo foi pura improvisação. Como resultado, a passagem foi incluída entre as “100 melhores cenas da história do cinema”, é citada e copiada em desenhos animados e filmes de todos os gêneros.

Velozes e Furiosos 6 (2013)

Em uma cena, Tyrese Gibson, respeitando o roteiro, deveria brincar sobre o personagem de Dwayne Johnson (“The Rock”). Mas ele improvisou falando descaradamente: “Oh, é melhor você esconder essa autoestrada que tem na testa”. Foi uma surpresa para todos, inclusive para o ator Chris Bridges, que também estava em cena, justamente ao lado e quase se afoga bebendo água.

O Lobo de Wall Street (2013)

Em uma das cenas, o personagem de Leonardo DiCaprio se reúne com o seu chefe, interpretado por Matthew McConaughey. Depois de dar a ele uma aula sobre como se transformar em um corretor bem sucedido na bolsa de valores e desfrutar a vida, McConaughey, para surpresa de DiCaprio, começou a cantarolar uma melodia dando tapinhas no peito. Isso não estava no original do roteiro, mas McConaughey improvisou tão bem, que o diretor Martin Scorsese não conseguiu resistir e incluiu a cena no filme.

Dia de Treinamento (2001)

No final do filme, há uma cena em que o personagem de Denzel Washington ameaça trazer problemas a todos os vizinhos que o abandonarem. Pelo menos era o que estava no roteiro. Mas no discurso de seu personagem Alonzo, Washington resolveu improvisar, incluindo, entre outras coisas, a frase “King Kong é um piolho”. O trabalho foi tão bom que ajudou o ator a conquista um Oscar.

O Máskara (1994)

E agora, te apresentamos o rei da improvisação. Em uma cena, o Máskara mostra seus truques para os bandidos. Depois de mostrar uma girafa inflável, Jim Carrey, que faz o papel, enfia a mão em um de seus bolsos e tira um preservativo usado. Nesse momento ele fala a seguinte frase: “Sinto muito, não era este bolso”. Pura improvisação. Por trás das câmeras, inclusive podem ser ouvidas risadas de uma das atrizes.

Débi & Loide: Dois Idiotas em Apuros​ (1994)​​​​​​

Mais um filme com o impagável Jim Carrey. Nessa história, há uma cena em que Débi (Jeff Daniels) e Loide (Carrey) viajam juntos, de carro, com um bandido. Os diretores não tinham muita clareza sobre o que aconteceria exatamente no diálogo entre os personagens. Foi assim que algumas brincadeiras infantis foram produzidas, eles cantaram musiquinhas bobas e o momento do ápice veio com a interpretação de Loide do “som mais desagradável do mundo”. Diante de Mike Starr, que interpretava o delinquente Joe Mentalino, pode-se ver claramente que ele ficou perplexo com o fluxo de idiotice que inundou sua cabeça durante a filmagem desta cena.

Também, nesse mesmo filme, se produz um momento em que Loide, saindo do bar, percebe na parede um velho recorte de jornal sobre que falava sobre a chegada do homem na Lua e exclama: “Não me diga! Já aterrissamos na Lua!” Esta piada não estava no roteiro e foi o próprio Carrey quem a inventou de última hora.

Ace Ventura — Um detetive diferente (1994)

Jim Carrey é o rei do improviso. Neste filme, na cena do jantar de convidados, o personagem de Carrey puxa a mão do violoncelista. Isso não estava no roteiro, mas este ato mostrou claramente o frenesi de Ace Ventura e o diretor decidiu deixar a tomada na versão final do filme.

O Pentelho (1996)

Em uma cena em que os personagens principais disfrutam de um espetáculo medieval, Carrey (de novo ele) pega pedacinhos de frango e espalha-os pelo rosto. Assim, ele faz uma paródia de “O Silêncio dos Inocentes” e, além disso, diz com a voz característica: “Olá, Clarice” (numa alusão à personagem de Jodie Foster). Tudo isso também foi puro improviso do ator e a reação do seu companheiro de cena, Matthew Broderick, também foi autêntica. Ben Stiller, que dirigiu o filme, gostou tanto dessa idiotice nas filmagens que não duvidou em incluir essa tomada na versão final do filme.

O Show de Truman: O Show da Vida​ (1998)​​​​​​

Por fim, mais uma obra com Jim Carrey. A cena em que o personagem de Carrey desenha com sabonete no espelho, é uma improvisação brutal e típica desse monstro de comédia. De acordo com o roteiro, ele deveria ter ficado em silêncio por um tempo, apenas olhando para si mesmo no espelho. Mas é claro que, um gênio como ele, não conseguiu resistir.

---1
40k