Incrível
Incrível

20+ Fatos sobre Sarah Bernhardt — considerada a primeira superstar do mundo e a atriz mais famosa de todos os tempos

“Existem cinco tipos de atrizes: as más, as toleráveis, as boas, as grandes — e existe Sarah Bernhardt”, disse Mark Twain. “A Divina Sarah” — como era conhecida pelos seus contemporâneos, não tinha uma beleza clássica, mas virava o imaginário de todos os homens daquela época. E os representantes da alta sociedade se recusavam a comparecer às suas apresentações por considerá-las imorais, mas a atriz apenas ria de seus opositores.

Sarah Bernhardt é considerada a primeira superstar e a atriz mais famosa do mundo, porque além de ser uma pessoa que gostava de chocar, possuía um enorme talento aliado a uma mente afiada e um coração gentil. Nós, do Incrível.club, somos apaixonados pela Divina Sarah e, por isso, não resistimos a contar mais sobre ela para você. Confira!

  • Sarah Bernhardt nasceu em Paris em 1844. Ela é a personalidade mais velha a ter recebido uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood. A atriz é seguida por Thomas Edison, que nasceu em 1847.
  • O nome verdadeiro de Sarah Bernhardt é Henriette-Rosine Bernard.
  • A mãe da pequena Henriette era uma mulher muito atraente e levava a vida como uma concubina que sempre almejava homens ricos. Entre seus admiradores estava o primo de Napoleão III, Charles de Morny. Ele pagou pelos estudos de sua filha em uma escola de prestígio em um mosteiro. Inicialmente, a jovem Sarah queria se tornar freira, mas de vez em quando ela violava as regras do local. Por exemplo, quando o querido lagarto de estimação da menina morreu, ela providenciou um enterrou de acordo com a tradição cristã, o que despertou a ira das freiras.
  • ideia de se tornar atriz veio graças ao duque de Morny, que convidou Sarah para assistir a uma peça de teatro. Coincidentemente, Alexandre Dumas, amigo do duque, também estava presente no espetáculo. Ela ficou tão comovida com a peça que começou a chorar. Isso irritou sua mãe e Charles de Morny, mas Dumas tranquilizou a criança e previu um grande futuro para ela como atriz.
  • A estreia da jovem atriz não pode ser considerada um sucesso. A garota entrou em pânico e descobriu que tinha medo do palco. E alguns espectadores riram dela por causa de sua magreza.
  • O início da vida de Sarah nos palcos não foi nada fácil. Uma vez, ela convidou sua irmã mais nova para uma das festinhas do pessoal do teatro. A garota, contudo, pisou acidentalmente na cauda do vestido da atriz principal da peça. Por causa disso, a estrela empurrou a criança com força. Sarah, ao ver isso, deu um tapa na agressora de sua irmã. E a artista exigiu que ela fosse afastada das apresentações.
  • Afastada do teatro, Sarah viajou para Bruxelas em 1864. Lá, ela conheceu Charles-Joseph Eugène Henri, Príncipe de Ligne, com quem teve um romance passageiro e acabou engravidando. O aristocrata queria se casar com ela, mas ameaçaram deserdá-lo caso o fizesse. Como resultado, o casal acabou se separando. Sarah teve seu único filho, Maurice, a quem deu seu sobrenome artístico.
  • Muitos anos depois, o príncipe se ofereceu para reconhecer oficialmente seu filho. Isso significava que Maurice poderia receber um sobrenome e um título nobre, mas o jovem recusou, explicando que já era muito feliz por ser filho de Sarah Bernhardt.
  • Para conseguir sustentar a si e ao filho, Sarah retornou aos palcos. A jovem atriz conseguiu papéis em comédias estilizadas e levianas, apesar de se identificar mais com o drama, mesmo que a sua silhueta magra não parecesse tão bem nos trajes históricos opulentos. Até Alexandre Dumas, que era grande fã da estrela, comentou após uma apresentação: “Ela tem a cabeça de uma virgem e o corpo de uma vassoura”.
  • Assim que a atriz mudou seu campo de atuação, não tardou para alcançar o sucesso avassalador. Ela era muito boa fazendo personagens masculinos. Pelo papel de um jovem trovador em uma peça de teatro, Napoleão III presenteou Sarah Bernhardt com um broche de diamantes com as iniciais de seu nome.
  • Existem rumores de que Sarah seduziu todos os chefes de estado da Europa, inclusive o Papa. A atriz nunca comentou tais rumores. No entanto, sabe-se que ela mantinha um relacionamento caloroso com o Príncipe de Gales, que mais tarde se tornou o rei da Inglaterra, Eduardo VII; que o monarca dinamarquês Christian IX colocou um iate à sua disposição; e que o Duque Frederick lhe cedeu o castelo ancestral de sua família.
  • Em 1873, Sarah interpretou o papel principal na peça Phèdre. Ela aprendeu e ensaiou sua parte em apenas 74 horas. Sarcey, um importante crítico francês da época, escreveu: “Esta é a voz mais melódica que os ouvidos humanos já ouviram. Esta mulher brinca com seu coração, com todas as suas entranhas”.
  • papel mais marcante e famoso da vida de Sarah Bernhardt foi o de Margarita Gautier na peça baseada no romance de Alexandre Dumas, A Dama das Camélias. Ela atuou mais de mil vezes nesse papel pelo resto de sua vida. O público sempre chorava com a famosa cena da morte de Margarita.
  • A atriz adorava animais e, assim que seus honorários aumentaram, começou a montar um verdadeiro zoológico. No início, ela tinha 2 cães e 2 tartarugas. Durante uma viagem pela Rússia, o irmão do imperador Alexandre III a presenteou com uma coruja. E, voltando da turnê, comprou para si ainda um filhote de leão com os lucros, a quem chamou de Justiniano.
  • Em um inverno muito frio, Sarah gastou seus últimos 2 mil francos comprando pão para os pardais da cidade.
  • Cada vez mais famosa e bem-sucedida, Sarah se tornava também mais polêmica. Ela tinha um caixão de cetim em sua casa, no qual dormia às vezes ou apenas descansava e ensaiava seus papéis. Uma foto da atriz nesse caixão foi preservada até os dias de hoje. Ele se tornou parte da sua imagem polêmica.
  • Sarah Bernhardt era uma pessoa muito gentil. Durante a Guerra Franco-Prussiana, ela transformou o Teatro Odéon, onde trabalhava, em um hospital para os soldados que defendiam Paris, que estava sitiada. Sarah convenceu seus amigos ricos a doar suprimentos para o hospital e ela mesma trabalhava como enfermeira.
  • A atriz também conseguiu que as senhoras nobres tirassem seus chapéus durante a peça para não atrapalhar a visão de outros espectadores.
  • Os contemporâneos da atriz a chamavam de “A Divina Sarah”, e os críticos amavam sua voz e sua elegância no palco. No entanto, ela não tinha apenas admiradores. O escritor e dramaturgo russo Anton Tchekhov achava que a atuação da atriz não era um dom de Deus, mas apenas uma habilidade aperfeiçoada, enquanto seu colega Ivan Turguêniev estava convencido que o único talento dela era a voz.
  • Sarah Bernhardt conquistou instantaneamente o público anglófono, que não necessariamente sabia francês, mas entendia tudo graças aos gestos e entonações da atriz. Os ingressos para apresentações com a participação da artista no elenco custavam em torno de 40 dólares em Nova York, o que era um grande valor na época. Os ingressos se esgotavam em pouco tempo e não apenas a elite frequentava o teatro. Quando Sarah voltou da turnê nos Estados Unidos, ela trouxe consigo um baú com 194 mil dólares em moedas de ouro.
  • A idade era um fator totalmente irrelevante para Sarah na hora de atuar. Aos 56 anos, ela interpretou o filho de Napoleão Bonaparte, que tinha 20 anos na trama (a atriz que atuou como a mãe do menino era 14 anos mais nova que Sarah, a propósito) e aos 70 interpretou ainda Julieta, que tinha 13 anos na peça.
  • Sarah Bernhardt estrelou em vários filmes mudos. Ela interpretou Margarita Gautier na adaptação cinematográfica de A Dama das Camélias. Dizem que depois de assistir a sua atuação nas telonas, a atriz desmaiou e exigiu que a fita fosse retirada da rolagem. O fato é que, no teatro, ela podia facilmente esconder sua idade, mas no cinema era impossível. A estrela tinha 68 anos na época.

Sarah Bernhardt vestida para interpretar o filho de Napoleão Bonaparte

  • Além do talento para atuação, Sarah tinha aptidão para pintura. Ela pintava principalmente paisagens, especialmente de praias, e em 1878, no Salão de Paris, foi exposta uma tela de dois metros feita pela atriz chamada "Jovem Mulher e a Morte’’.
  • Sarah Bernhardt também era escultora, mas muitos não acreditavam que ela poderia esculpir composições tão talentosas. Em 1876, sua obra Après la Tempête (Depois da tempestade, em tradução livre do francês) foi exposta no Salão de Paris, os críticos elogiaram, mas duvidaram da autoria da atriz. Em 1879, as esculturas foram expostas em Londres e fizeram um grande sucesso.
  • Durante uma turnê na Alemanha, Sarah Bernhardt feriu gravemente a perna. Os médicos recomendaram que ela se submetesse urgentemente a uma cirurgia, mas a atriz decidiu continuar as apresentações como programado. E isso lhe custou uma perna. Após a amputação, Sarah se recusou a usar uma prótese e, em vez disso, a artista era carregada em um palanquim.
  • No entanto, ela continuou atuando. As cenas foram montadas de forma que a estrela pudesse se deitar ou se apoiar em um suporte invisível. Durante a reverência no final da peça, a atriz ficava se equilibrando somente em uma perna. E durante a Primeira Guerra Mundial, Sarah Bernhardt, apesar da sua grave lesão, atuou na linha de frente.
  • No final de sua vida, Sarah escreveu um livro sobre atuação. Nele, ela chamou uma atenção especial para o uso da voz — que em sua opinião, é “o instrumento mais importante para um ator de drama”. Ela aconselhou os artistas a falar um pouco mais pelo nariz e treinar os pulmões para ler grandes passagens de uma só vez.
  • Em 1922, Sarah Bernhardt concordou em gravar para um filme dirigido por Sacha Guitry. A atriz, contudo, estava fraca e já não conseguia comparecer ao estúdio, então as gravações foram feitas diretamente em sua casa, onde todo um cenário foi montado. No entanto, apesar de todo o esforço, a produção simplesmente não estava destinada a sair: em 26 de março de 1923 “A Divina Sarah” faleceu. A imprensa divulgou que a atriz morreu em paz, nos braços de seu filho.
  • Quando a notícia da morte de Sarah Bernhardt chegou ao teatro que carregava o seu nome, imediatamente fecharam as cortinas do palco, encerrando a peça em exibição O Filhote de Águia ainda no primeiro ato. O público saiu silenciosamente e o atores, de maquiagem e vestidos com o figurino, se dirigiram para a casa de Sarah para poder se despedir de sua grande colega.

Você conhecia a história dessa grande atriz? Qual fato sobre a vida dela lhe chamou mais atenção? Conte para gente na seção de comentários.

Imagem de capa akg-images / EAST NEWS
Compartilhar este artigo