Incrível
Incrível

10+ Dubladores que emprestam suas vozes a personagens do gênero oposto e talvez nem mesmo os fãs soubessem

No Brasil, para ser dubladora ou dublador, é preciso ter registro como ator ou atriz, boa dicção e um teste para “provar” à pessoa que está dirigindo a dublagem que você se encaixa no personagem. Mas, nem sempre mulheres dublam mulheres e homens dublam homens. Inclusive, algumas vezes é necessário que os gêneros do personagem e do dublador sejam trocados.

Essa é uma prática bem comum na dublagem de animes no Japão, mas no Brasil também acontece muito. Isso porque, muitas vezes, faltam dubladores infantis para interpretarem crianças, sendo necessário recorrer às mulheres, que têm um timbre vocal mais próximo ao de meninos.

Sendo assim, o Incrível.club reuniu nesta lista, dubladoras que interpretam personagens masculinos e vice-versa, para a surpresa de muitos fãs que assistem a essas produções sem imaginar quem está atrás do microfone. Confira só!

Angélica Santos: Cebolinha, Oolong e Kevin

Angélica Santos tem no currículo alguns personagens masculinos com sua voz. Possivelmente, um dos mais reconhecidos pelo público é a inconfundível voz do Cebolinha com sua “tloca”, ou melhor, troca de letras. Ela também dublou o Oolong na série Dragon Ball e o Kevin, protagonista da clássica série Anos Incríveis. Além disso, está no ramo desde 1982, por isso ainda tem dezenas de outros personagens marcantes com a sua voz, como a Vespa nos filmes da Marvel e, mais recentemente, a Virana em Raya e o Último Dragão.

Úrsula Bezerra: Naruto, Goku

A Úrsula é tão experiente na dublagem quanto a Angélica, as duas começaram no mesmo ano. Naruto, o protagonista do anime homônimo, é um dos personagens masculinos com a voz dela. Outro garoto que ela dublou foi o Goku, também em Dragon Ball, porém quando ele ainda era uma criança. Curiosamente, o irmão da Úrsula, Wendell Bezerra, passou a dublar o Goku depois que o personagem cresceu, e o faz até hoje.

Fátima Noya: Gohan, Kiki, Tommy

A Fátima também dublou o Oolong por um período, em uma troca de estúdio de dublagem. Mais tarde, fez a voz do jovem Gohan, o filho do Goku, que inspirou muitos pais a nomearem seus filhos de Gohan também. Ela ainda dublou o Kiki em Cavaleiros do Zodíaco e o Tommy de Rugrats; Os Anjinhos. Hoje você pode ouvir a voz da Fátima na série Supergirl, onde ela dubla a Alex, irmã da heroína. Uma curiosidade: seu primeiro trabalho na dublagem foi nos anos 80, como o Zé Gotinha.

Marisa Leal: Baby e Pinocchimon

Marisa é mais uma veterana na dublagem, além de ser atriz, cantora e locutora. Foi ela quem emprestou a voz para o Baby, da Família Dinossauros, responsável pelo estouro no Brasil na década de 90. Além dele, também dublou o Pinocchimon no anime Digimon. Mas você possivelmente a conhece melhor pela sua dublagem como a Ariel, em A Pequena Sereia.

Bruna Laynes: Franklin (Eu, a Patroa e as Crianças)

O menino-prodígio Franklin de Eu, a Patroa e as Crianças, também era dublado no Brasil por uma mulher. Bruna Laynes começou no mundo da dublagem com cerca de 7 anos e já fez muitas vozes famosas, além do Franklin. Ela é a Topázio em Steven Universo e a mimada Veruca Salt em A Fantástica Fábrica de Chocolates.

Encerramos por aqui a série de mulheres dublando personagens masculinos, o que é muito normal no mundo da dublagem. Principalmente quando se trata de personagens infantis, já que as mulheres costumam ter o timbre perfeito para encaixar nesses personagens, como citado anteriormente.

Mas e o contrário? Temos também homens dublando personagens femininas, apesar de ser menos comum. Vamos conhecer alguns?

Marcelo Campos: Mandy

O Marcelo Campos é um experiente e premiado dublador paulistano, com vários animes no currículo. Sua experiência na profissão também o levou a atuar como diretor de dublagem, que é a pessoa responsável por escalar o elenco da dublagem e orientar os profissionais, além de outras funções. Na animação original Pokémon, ele dublou a personagem Mandy, uma treinadora de pokémons muito popular e que pode fazer truques mágicos.

Luiz Carlos Persy: Princesa Tartaruga e Madama Junta

Ele é um ator carioca que iniciou como dublador na tradicional Herbert Richers. Hoje é muito conhecido entre os fãs de dublagem por ter emprestado a sua voz a vilões épicos como o Lex Luthor nas animações Liga da Justiça Liga da Justiça Sem Limites, Aragogue e Lord Voldemort na saga Harry Potter e a Madame Junta na animação Robôs. Outra personagem feminina que o Luiz dublou foi a Princesa Tartaruga, que administra uma biblioteca na animação Hora de Aventura.

César Marchetti: Diretora Lola

Irmão do Jorel é um dos orgulhos nacionais para quem curte animações. É uma série totalmente produzida no Brasil, exibida no Cartoon Network e também na Netflix. Foi criada por Juliano Enrico com base na sua infância nos anos 90. Uma das marcantes personagens da série é a Diretora Lola, que berra “não pode” para tudo, com a voz do dublador César Marchetti. Se você já assistiu a Irmão do Jorel, possivelmente não deve ter imaginado que era um homem que fazia a voz da diretora, assim como nós.

Guilherme Briggs: Miss Piggy

Briggs, como é chamado pelos seus fãs, é um dos mais famosos e badalados dubladores brasileiros. Além de ser extremamente carismático, é muito criativo e competente em suas dublagens. Ele é a voz “oficial” do Superman/Clark Kent no Brasil, do Optimus Prime de Transformers e do Buzz Lightyear em Toy Story.lista de personagens emblemáticos que o Guilherme Briggs dublou é enorme.

Mas ele entrou nessa lista por ter dublado a Miss Piggy no filme Os Muppets. No original americano, a porquinha diva sempre foi dublada por homens — Frank Oz, o dublador original desde 1979, e Eric Jacobson a partir de 2002. No Brasil, a voz da Miss Piggy já foi feita por nove dubladores, dos quais quatro foram homens: Hermes Baroli, Oberdan Júnior, Duda Espinoza e o Guilherme Briggs.

Daniel Garcia: Marci Wise (Olhos que Condenam)

Olhos que Condenam é uma minissérie que conta a história real de cinco jovens americanos condenados injustamente. Uma das pessoas envolvidas na história é a Marci Wise, uma mulher trans, irmã de um dos acusados. Na minissérie ela é interpretada por uma mulher também trans, a Isis King.

Bom, no Brasil, a voz escolhida para a Marci Wise foi a do ator, dublador, cantor, compositor e drag queen Daniel Garcia, mais conhecido por Gloria Groove. Muitas pessoas não sabem que ele também é dublador, mas você já deve ter ouvido a voz dele. Ele fez a voz do Aladdin, no live-action de 2019, e também do personagem Malick na série Elite.

Bônus — José Márcio Nicolosi

E, para terminar essa lista, voltamos à Turma da Mônica. O José Márcio Nicolosi é ilustrador da turminha desde os anos 70. Ele tem um traço muito característico, sugerimos que você vá conhecer seus desenhos no Instagram do artista.

Além de desenhista, ele também é o dublador da Mônica Toy, a série com desenhos curtinhos e fofinhos que faz sucesso no YouTube. O José Márcio não faz a voz apenas dos meninos, nem só das meninas. Ele faz todas as vozes e todos os efeitos sonoros da animação. Todos. É um trabalho maravilhoso e muito divertido, impossível de explicar em palavras. Só mesmo vendo (e ouvindo) para entender.

“Sem dúvida, Mônica Toy foi uma experiência marcante pra mim por eu ter tido total liberdade na criação dos roteiros”, explica o artista em entrevista. Como os personagens da Mônica Toy não falam palavras de idioma algum, a animação pode ser exibida em qualquer país e tem conquistado fãs em vários lugares.

A dublagem no Brasil é muito respeitada nos outros países, e muito disso se deve à dedicação dos profissionais, como os que citamos aqui. Você acompanha alguma das produções que listamos? O que esperava em relação aos seus dubladores? Conte nos comentários, adoraríamos saber!

Incrível/Famosos/10+ Dubladores que emprestam suas vozes a personagens do gênero oposto e talvez nem mesmo os fãs soubessem
Compartilhar este artigo
Você pode gostar destes artigos