10 Frases icônicas ditas na televisão mexicana (algumas se tornaram memes)

Algumas frases coloquiais nasceram na televisão e, embora os anos passem, continuam se mantendo na memória coletiva. Trata-se de um grupo de expressões engraçadas e inesperadas que saíram da boca de atores famosos e comediantes para contextualizar uma situação ou rir dela. Por exemplo: “Não contavam com minha astúcia” para destacar as “brilhantes” ideias do Chapolin Colorado, “É que me escapuliu”, quando Chaves falava demais e “Pior, pior, filho”, de Laura León em uma novela, embora essa última, na verdade, tenha sido um erro que os internautas não perdoaram.

Incrível.club criou uma lista com algumas das frases ouvidas pela primeira vez na televisão mexicana e que muitos ainda as utilizam, seja para fazer uma brincadeira ou falar sério.

1. “Vem comigo ver esta história triste”

“Vem comigo ver esta história triste” era uma máxima dita por Silvia Pinal na introdução do programa Mujer, casos de la vida real (1985-2007). A frase viralizou recentemente como um meme na Internet, para se referir ironicamente a uma situação que parecia boa, mas acabou sendo um desastre. Pinal, que agora está com 88 anos, foi consultada sobre o assunto, mas desconhecia completamente a piada. No entanto, levou da melhor maneira, pois considerou o fato uma confirmação de que o programa continua sendo uma referência. O SBT fez uma versão brasileira, Casos da Vida Real, transmitida de 5 de janeiro a 27 de fevereiro de 2004, tendo Silvia Abravanel como apresentadora.

2. “Não contavam com minha astúcia”

“Não contavam com minha astúcia” é uma das frases populares que Roberto Gómez Bolaños conseguiu patentear em um de seus inúmeros personagens humorísticos. A referência é do Chapolin Colorado (1973-1979), que emitia a expressão para se vangloriar depois de fazer algo “inteligente”.

3. “Pior, pior, filho!”

A frase “Pior, pior, filho!” (“¡Pior, pior, hijo!”) foi ouvida pela primeira vez nas casas mexicanas quando a atriz e cantora Laura León, no papel de Dona Refugio Urbina, na novela Vida Dupla (2011), repreende seu filho pelo fato de ele querer deixar a universidade para se dedicar à fotografia jornalística e comercial. A expressão dita incorretamente (o correto em espanhol seria “peor”), ficou imortalizada e muitos ainda se lembram dela.

4. “Você quer entrar na catafixia?”

Xavier López, mais conhecido como Chabeleo, é uma eminência da televisão mexicana e foi apresentador por 48 anos de En familia com Chabeleo (1968-2015). Foi nesse programa que se ouviu pela primeira vez a expressão “catafixia” que, segundo López, ele mesmo a inventou. O termo significa fazer uma troca por outra coisa desconhecida. Por isso, o apresentador de televisão perguntava aos participantes “Quer entrar na catafixia?”, e eles, sem conhecer o risco, muitas vezes aceitavam, escolhendo uma ficha com um número e aguardavam uma parede, identificada com o mesmo número da ficha, virar e mostrar um prêmio melhor ou pior.

5. “As regras mudam”

O México conheceu em 2002 o reality show Big Brother (2002-2015), no qual 12 participantes ficam isolados em uma casa durante muito tempo, enquanto são vigiados por câmeras de televisão 24 horas por dia. A segunda temporada chamou-se Big Brother: O Complô, e a frase símbolo foi “As regras mudam”, utilizada para promover o programa, que havia mudado a dinâmica das eliminações dos participantes. Alguns usam a expressão “as regras mudam” para se referir a um fato que se transforma, assim como fez o assistente técnico mexicano da equipe Seattle Sounders da MLS, Gonzalo Pineda, ao dizer: “O futebol mexicano é como o Big Brother, as regras mudam”.

6. “Ninguém tem paciência comigo”

“Ninguém tem paciência comigo” é a constantemente repetida frase usada por Chaves em El Chavo del 8 (1972-1983) sempre que tirava alguém do sério. Trata-se de uma frase simbólica desse personagem, assim como as já conhecidas: “Isso, isso, isso”, para reafirmar que alguém entendeu aquilo que ele tentava explicar sem muito sucesso; “Foi sem querer querendo”, quando dizia mais do que devia e “Tá bom, mas não se irrite”, sempre que desejava acalmar os ânimos do professor Girafales, do Seu Madruga ou do Senhor Barriga.

7. “Quero o meu cocol”

O personagem “El Tata”, que foi interpretado pelo falecido ator Jorge Arvizu no programa Mis huéspedes (Meus convidados), transmitido de 1979 a 1983, foi quem inventou a famosa frase “QUIERO MI COCOL” (“Quero o meu cocol”). A caracterização era a de um senhor idoso, sempre de pijama, óculos e o cabelo despenteado, que dizia “cocol” como referência ao antigo pão doce de anis, típico da gastronomia mexicana. Outra expressão muito usada no país é a: “A coisa está do cocol”, que segundo a Real Academia Espanhola e o Centro Virtual Cervantes, significa que a situação é complicada de resolver.

8. “Por que você está beijando a aleijada?”

A expressão nos lembra imediatamente da malvada Soraya Montenegro em Maria do Bairro (1995-1996). A atriz mexicana Itatí Cantoral deu vida a essa personagem e disse a famosa frase há mais de 20 anos. Tudo acontece quando Soraya, na tentativa de prejudicar María Hernández, (Maria do Bairro — Thalía), trata de conquistar seu filho Nandito, mas ele está apaixonado por Alicia, uma moça com deficiência física. Ela os descobre e grita aos quatro ventos: “Por que você está beijando a aleijada?”, que se tornou um meme na Internet e uma piada nada politicamente correta.

9. “Maionese McCormick”

Era um dia normal no programa Ventaneando (1996-atualidade), quando o apresentador Pedro Sola teve de fazer um merchandising da maionese Hellmann’s. No entanto, enquanto fazia a publicidade se enganou e disse: “Maionese McCormick”, ou seja, divulgou ao vivo um produto concorrente. Sua reação foi imediata. O erro lhe custou caro, como disse em uma entrevista. Evidentemente, sua expressão se tornou um meme e ele não perdeu a chance de rir do ocorrido.

10. “Ninguém sabe, ninguém soube”

Antes da chegada da televisão, uma das estações de rádio mais ouvidas em meados de 1937 na Cidade do México era XEW, que transmitia El monje loco. Esse personagem era interpretado pelo locutor Salvador Carrasco, que sempre dizia: “Ninguém sabe, ninguém soube”. Sua frase transcendeu o tempo e em 1998, Eugenio Derbez criou para Derbez en cuando (1998-1999) a contrapartida chamada “Lonje Moco”, uma paródia que começava com a mítica citação, acompanhada de “Foi horrível, foi horrível”, que também ficou famosa.

Qual dessas frases é a sua favorita? Você é um daqueles que, para brincar, usa alguma dessas expressões ao falar com alguém? De qual expressão icônica da televisão brasileira você se lembra?

Compartilhar este artigo