Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Você se incomoda com quem come de boca aberta?

Você já reparou se acha incrivelmente irritante as pessoas que mascam um chiclete com a boca aberta? Ou aquelas que bebem chá com um sorver sonoro? Ou que comem uma maçã fazendo muito barulho? Se para você estas coisas incomodam demais, não se apresse em culpar os outros pela falta de boas maneiras. Talvez você sofra de misofonia, que significa ’o ódio aos sons’.

O termo “misofonia“ foi inventado em 2001 pelos neurobiólogos americanos Pawel e Margaret Jastreboff, para se referir à desordem neurológica caracterizada por uma reação extremamente negativa de uma pessoa a certos sons, como o ruído ao mastigar, o estalar dos lábios, o clique de uma caneta ou o som de quando se digita. Ao ouvir um desses sons, as pessoas com misofonia sentem raiva, irritação e até mesmo uma ira que não conseguem controlar. E os pensamentos em sua mente são: ”Está fazendo isso de propósito?“, “Vou matá-lo!”

Além de suas manifestações emocionais, a misofonia tem sintomas bastante físicos. As pessoas com esse diagnóstico podem sentir uma pressão na cabeça e no peito, tensão muscular e pulso agitado. Em algumas pessoas, os sons irritantes podem causar febre, em outros, suor, falta de ar ou até a sensação semelhante a uma picada de abelha.

Se você se reconheceu na descrição dos sintomas de misofonia, não se preocupe. A pesquisa realizada na Universidade de Northwestern, no Illinois, Estados Unidos, mostrou que a alta sensibilidade a sons pode ser um sinal de pensamento criativo. Durante um experimento, do qual 97 pessoas participaram, foi constatado que a capacidade de filtrar os sinais acústicos em pessoas criativas é pior do que a média.

Ainda não descobriram métodos 100% eficientes para tratar a misofonia, mas, para amenizar os sintomas, atualmente são empregados diferentes exercícios de relaxamento e de terapia cognitivo-comportamental. Os pacientes aprendem a tratar a reação negativa que esses sons lhes provocam. Em alguns casos, podem ser prescritos antidepressivos e medicamentos que ajudam a reduzir o nível de ansiedade.

Imagem de capa Warner Bros.