Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Por que nossa pele fica arrepiada (e a explicação de outras 9 reações do corpo humano)

7-46
672

O corpo humano é capaz de reagir de forma rápida e eficiente a muitas situações. Em algumas, a reação se dá por meio da ativação de mecanismos de defesa; em outras, como respostas que adquirimos à medida que a espécie vai evoluindo. Embora algumas reações sejam levemente incômodas, conhecer um pouco mais sobre elas é uma forma de entender como o corpo humano funciona.

O Incrível.club escolheu algumas das reações do corpo humano mais comuns e decidiu verificar o que a ciência já conseguiu explicar sobre elas.

1. Corar poderia ser um mecanismo de defesa

É comum as pessoas ficarem vermelhas quando são elogiadas. Biologicamente falando, o que acontece quando uma pessoa fica corada é que as veias do rosto dilatam, e com o aumento do sangue nas bochechas, a cor vermelha aparece.

Contudo, alguns psicólogos sugerem que essa é uma resposta que desenvolvemos para evitar um possível confronto; ou seja, mostramos um visível incômodo que a outra pessoa reconhece como um sinal de que não deve nem atacar, nem ofender. Isso acontece com vários animais e é o típico comportamento de quem quer evitar uma briga; os leões, por exemplo, ficam deitados e mostram a barriga quando querem evitar o confronto.

2. Rir, quando alguém nos faz cócegas, poderia ser uma reação defensiva

Especialistas dizem que quando alguém nos faz cócegas as terminações nervosas da pele enviam sinais elétricos ao córtex somatosensorial do cérebro, responsável por analisar a pressão recebida. Ao mesmo tempo, outra parte do mesmo órgão, encarregada dos sentimentos ligados ao prazer, também analisa esses sinais.

Além de fazer o corpo rir quando alguém nos faz cócegas, o hipotálamo nos alerta sobre possíveis sensações dolorosas. Nesse sentido, as pesquisas sugerem que evoluímos para ativar um mecanismo de defesa e para mostrar certa submissão que ajude a dissipar uma situação tensa.

3. A pele arrepiada aumenta as possibilidades de sobrevivência

Pele arrepiada é outro tipo de reação automática do corpo que, segundo os especialistas, aumenta as possibilidades de sobrevivência. Em animais como o gato, por exemplo, o reflexo é uma resposta a uma ameaça e faz o gato parecer maior.

Por outro lado, o que acontece quando o corpo fica arrepiado é que a fibra muscular conectada a um folículo piloso fica tensa, fazendo com que o tecido ao redor fique enrugado, puxando os pelos conectados para cima.

4. Reação dos olhos aos componentes presentes na cebola

Parte dos mecanismos que a cebola desenvolve para se defender de micróbios e animais é o que dá o seu sabor, incluindo um fator lacrimogêneo que causa irritação nos olhos.

Quando cortamos cebola, ela libera um gás que contém enxofre, e o cérebro reage enviando uma mensagem às glândulas lacrimais para que elas produzam lágrimas, pois o gás, ao entrar em contato com a água presente nos olhos, se decompõe em ácido sulfúrico. Portanto, as lágrimas ajudam a diluir o agente externo e acabam protegendo os olhos.

5. No frio, o nariz escorre porque regula a temperatura da respiração

Uma das funções do nariz é regular a temperatura da respiração para que o ar que entra pelo nariz tenha uma temperatura semelhante à do corpo. Durante o processo de aquecimento do ar, a umidade condensa e faz o nariz escorrer.

6. A dor de cabeça que sentimos quando comemos algo frio pode ser uma alteração temporária do fluxo sanguíneo

Segundo uma teoria, a repentina dor de cabeça que aparece quando comemos algo frio acontece por uma alteração do fluxo sanguíneo no sistema nervoso que acompanha a adaptação do corpo a uma mudança de temperatura. Os vasos contraem para evitar a perda de calor e depois relaxam, fazendo com que o fluxo sanguíneo aumente, causando a dor de cabeça.

7. A pele enrugada após muito tempo na água tem uma função que ajudou os nossos antepassados

Segundo alguns cientistas, a pele dos dedos das mãos e dos pés humanos fica enrugada após muito tempo dentro da água para proporcionar uma rede de drenagem que melhore o manuseio de objetos molhados.

Cientistas sugerem que a reação involuntária tem uma função evolutiva, já que os dedos enrugados poderiam ter ajudado nossos antepassados a coletar alimentos em circunstâncias de muita umidade; no caso dos pés, essa condição pode ter nos ajudado a encontrar um melhor equilíbrio sob a chuva.

8. Fechar os olhos ao espirrar é um mecanismo de defesa

Quando espirramos, expulsamos ar e partículas estranhas do nosso corpo. Ou seja, fechar os olhos pode ser um comportamento automático do nosso corpo para evitar que essas partículas entrem nos olhos. Além disso, o espirro faz com que o organismo tenha contrações musculares do esôfago até o esfíncter, incluindo também os músculos que controlam as pálpebras.

9. O medo de altura poderia ser uma dependência visual

O medo de altura pode estar relacionado com um alto grau de vertigem causado pela dependência visual na manutenção do equilíbrio em pé. Segundo uma teoria, certos processos humanos, como a percepção da altura, também são superestimados por seleção natural para ajudar a diminuir o risco de quedas perigosas.

10. Fome e apetite: por que depois de comer podemos querer comer mais?

A sensação de estar satisfeito nem sempre está relacionada com a ingestão de alimentos. Segundo Jessica Moya, nutricionista da Universidade de San Sebastián, os fatores psicológicos são os mais importantes quando falamos de vontade de comer. Entre eles, destacam-se “as lembranças associadas aos alimentos, os sentimentos ligados à alimentação, e as pessoas que nos acompanham ou as que nos servem”.

A nutricionista destaca também a importância de pensar na fome como uma necessidade fisiológica que “é percebida como uma ardência no estômago ou uma sensação de vazio” que indica que o corpo precisa repor nutrientes e energia. A “fome psicológica”, ou o apetite, por outro lado, é quando sentimos necessidade de comer um alimento específico mesmo quando não sentimos fome.

Além disso, a especialista comenta que para enfrentar o apetite descontrolado, o mais recomendável é desfrutar os alimentos, ou seja, perceber os cheiros, as cores e as texturas. Tudo isso nos ajuda a comer mais devagar e, portanto, nos ajuda a “ter mais controle sobre a ingestão de alimentos”.

É impressionante como o nosso corpo tem mecanismos de proteção que muitas vezes desconhecemos. Que outros comportamentos você já percebeu no seu corpo?

Imagem de capa physicsgirl / Pixabay
7-46
672
Compartilhar este artigo