Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Como uma menininha que começou a carreira em 1995 se tornou uma das atrizes mais premiadas e requisitadas da atualidade

Em 2019, Scarlett Johansson ganhou 56 milhões de dólares e assim se tornou a atriz mais bem paga do mundo. Além disso, no Oscar 2020 foi indicada em duas categorias — “Melhor Atriz” e “Melhor Atriz Coadjuvante”. No entanto, não muito tempo atrás, ela era considerada apenas uma loira bonita cujos méritos e talento estavam longe de ser o primeiro lugar. Claro que isso era apenas uma opinião machista, mas a estrela teve que se esforçar muito para se livrar da imagem de “apenas bonita” e mudar a opinião pública a seu respeito.

Nós, do Incrível.club, decidimos celebrar a carreira dessa brilhante artista e ver como sua imagem foi mudando ao longo da sua trajetória dentro de Hollywood. Confira!

1992-1998: início de carreira e trabalhos com atores já consagrados

Scarlett nasceu em Nova York em uma família criativa: seu pai era arquiteto e, seu avô, crítico de arte e roteirista. Portanto, não foi nenhuma surpresa que, aos 8 anos, a garota começasse a atuar, aos 11 já conseguisse um papel importante e, aos 19, ganhasse seu primeiro prêmio internacional e alcançasse a fama mundial.

“Por algum motivo, eu simplesmente sabia o que fazer instintivamente. Foi tipo, eu não sei... destino”.

A primeira vez em que Scarlett apareceu em uma produção foi em um papel minúsculo em um programa regular de televisão. Depois de apenas três anos, aos 11 a garota formou um dueto com Sean Connery no drama Justa Causa. Na sequência, sua carreira deslanchou, e após pouco mais de dois anos ela conseguiu o papel principal em O Encantador de Cavalos, que lhe trouxe o tão esperado reconhecimento dos críticos e da mídia. O próprio Robert Redford, com quem Scarlett contracenou, notou que o talento dela era muito superior ao de uma simples atriz mirim: “Aos 13 anos, ela atua como se já tivesse 30”. E, claro, esse filme abriu as portas do mundo do cinema para a artista.

2003-2008: fama mundial e o estigma da beleza fatal

Já em 2003, a atriz conseguiu um papel verdadeiramente “adulto”. O longa Encontros e Desencontros, de Sofia Coppola, sobre o encontro de dois estrangeiros perdidos em Tóquio, rendeu a Scarlett dois prêmios aos 19 anos, e depois a produção entrou repetidamente em várias listas como um dos melhores filmes do nosso tempo. No mesmo ano, a artista foi escalada no drama histórico Moça com Brinco de Pérola, no qual interpretou uma musa de um artista holandês e, quase sem falas, conseguiu transmitir diversas emoções que encantaram a crítica.

“Há algo profundo nela. Ela faz você se sentir como se ela tivesse dado a volta ao mundo”.

Logo a própria Scarlett se tornou musa de alguém: o diretor Woody Allen a convidou para as suas três produções seguintes. E após o primeiro trabalho com Allen no drama Ponto Final: Match Point, a atriz conquistou instantaneamente o título de uma das garotas mais atraentes do planeta. Em seguida, veio a comédia policial Scoop: O Grande Furo e, por fim, Vicky Cristina Barcelona — onde o estigma de beleza fatal foi enraizado de vez nela.

A propósito, apesar desse estereótipo, ela não se deixou abalar e comemorou o seu aniversário de 20 anos na Disneylândia. Além disso, Scarlett se recorda de como quase se envolveu em um acidente de carro ao ver na estrada um outdoor com a sua imagem, no qual foram enfatizados todos os seus atributos físicos.

Nessa mesma época, Scarlett trilhou novos rumos em sua carreira, lançou seu primeiro álbum de música e resolveu se aventurar como diretora. Ela filmou o curta-metragem These Vagabond Shoes (sem versão para o português), uma espécie de declaração de amor por Nova York.

Ao mesmo tempo, no cinema começou a se cansar de ser escalada para papéis que exaltavam principalmente suas características físicas, como em Dália Negra, de Brian De Palma, e O Grande Truque, de Christopher Nolan. Segundo a própria Scarlett, mais do que tudo ela queria apenas interpretar uma mulher feia. A propósito, uma vez perdeu um papel justamente por ser bonita demais: fez um teste para Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres, e acabou não sendo a escolhida por causa de seu porte físico.

“Scarlett Johansson foi ótima. Foi uma ótima audição, estou lhe dizendo. Mas o fato é que assim que Scarlett aparecer na tela, todos vão pensar apenas em sua aparência física”.

2010-2013: Vingadores e novas experiências

Apesar de muitos trabalhos com diretores famosos, a atriz se tornou popularmente conhecida graças ao papel dentro do universo cinematográfico da Marvel, cujo sucesso você deve conhecer bem. No entanto, ainda em 2010 era impossível imaginar o fenômeno em que essa franquia se tornaria. E a própria participação era um grande risco, pois o fracasso poderia custar a sua carreira. Entretanto, deu tudo certo: a super-heroína Natasha Romanoff e seus parceiros se tornaram um fenômeno dentro da cultura pop mainstream da atualidade.

Ao mesmo tempo, Scarlett começou a experimentar papéis no cinema independente, e alguns até bem incomuns. Como o de um alienígena sem emoção que vivia escondido entre os humanos seduzindo homens solitários no longa independente de terror Sob a Pele. O diretor Jonathan Glazer mudou completamente o visual dela para obter maior realismo enquanto filmava a atriz andando pela cidade com uma câmera escondida. A experiência foi um sucesso e ninguém a reconheceu na Escócia, onde a produção foi rodada.

A filmografia de trabalhos inusitados da atriz ganhou ainda mais um personagem com a caricata protagonista que parece ter absorvido todos os piores tipos de estereótipos em Como Não Perder Essa Mulher, longa de estreia de Joseph Gordon-Levitt. E no filme Ela, Scarlett desempenha um dos papéis principais sem nem mesmo aparecer em tela: ela deu sua voz ao sistema operacional pelo qual o personagem de Joaquin Phoenix se apaixona.

No entanto, apesar de tantos papéis diferentes, seu trabalho ainda era regularmente avaliado apenas pela aparência. Enquanto seus colegas da franquia Vingadores eram questionados sobre o desenvolvimento e o crescimento dos seus personagens, Scarlett consistentemente recebia perguntas sobre qual dieta ela seguia.

2019: simplesmente a melhor atriz da última década

O ano de 2019 foi de longe o de maior sucesso de sua carreira. Só o final épico da saga dos Vingadores, em que a heroína Viúva Negra se sacrificou para salvar o mundo, lhe rendeu 35 milhões de dólares e uma quantidade enorme de corações partidos de fãs por causa da morte de sua personagem.

Mas teve também a aclamada História de um Casamento, onde Scarlett, em dueto perfeito com Adam Driver, fascinou o público com diálogos emocionantes. Por sua participação nesse filme, aliás, foi indicada ao Oscar de “Melhor Atriz”.

Mas isso não é tudo. Ainda em 2019, ela encarnou nas telonas um corajoso e alegre membro da resistência contra os nazistas, abrigando uma garota judia fugitiva em sua casa na tragicomédia Jojo Rabbit. E, a propósito, novamente recebeu uma indicação ao Oscar, dessa vez na categoria de “Melhor Atriz Coadjuvante”. Foi assim que se tornou a 12ª atriz indicada duas vezes no mesmo ano na premiação mais importante do cinema.

Taika Waititi e Scarlett Johansson.

“Sempre me interessei por pessoas que são capazes de surpreender não só os outros, mas também a si mesmas, que se importam com o que fazem. Scarlett é muito atenciosa e interessada nas pessoas, ela tem um senso de humor muito aguçado. E eu realmente gostaria de vê-la em outras comédias inteligentes — não grandes, mas em algo inteligente. Ela tem um grande senso de ironia e sarcasmo que funciona bem nesse gênero”.

Apesar não ter ganhado o cobiçado Oscar, ela continua sendo uma das melhores atrizes da atualidade e a estrela de cinema mais bem paga do mundo. E, em breve, poderemos vê-la no filme solo sobre a Viúva Negra, que contará a história da super-heroína. Aliás, Scarlett não só desempenha o papel principal, como também é produtora executiva do longa.

Nós, do Incrível.club, estamos ansiosos pela estreia da produção, e, aparentemente, não apenas nós: a expectativa pelo filme é de 90%.

Alguns outros fatos interessantes sobre Scarlett Johansson

Scarlett Johansson na estreia de A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell, em 2017 (à esquerda) e na de Jojo Rabbit, em 2019.

  • Scarlett já recebeu indicações ao Oscar não apenas por sua incrível atuação. Em 2013, ela foi intérprete da música Before My Time, que recebeu indicação para a categoria de “Melhor Música Original”.
  • A atriz tem outra história interessante ligada à música. Ela é a musa inspiradora do megahit de Katy Perry I Kissed a Girl. Katy admitiu que ao ver Scarlett deslumbrante em uma revista ganhou inspiração para escrever a canção.

Scarlett Johansson na inauguração da loja Yummy Pop, 2016.

  • A artista tem uma loja de pipoca em Paris. A inauguração causou um alvoroço na cidade. A propósito, a própria Scarlett trabalhou no balcão no dia da inauguração, e os clientes ganharam de brinde pipocas com sabores inusitados: sálvia, parmesão e morango com creme.
  • A filantropia e o ativismo social são partes importantes da vida de Scarlett. Ela já doou milhares de dólares para ajudar crianças em hospitais e instituições de caridade voltadas para combater o câncer, a fome e as consequências de desastres naturais. E ainda criou um movimento para proteger as mulheres contra assédio e misoginia.

Scarlett Johansson na estreia de Vingadores: Era de Ultron (à esquerda) e no tapete vermelho do Oscar.

  • Em 2015, cinco meses depois de dar à luz sua filha, Scarlett compareceu à cerimônia do Oscar levando uma bombinha de tirar leite. “Eu tive de levar a minha bombinha de tirar leite porque na época estava amamentando e cada miligrama era como ouro líquido”, contou sorridente ao se lembrar do episódio. Seu marido, querendo ajudá-la, acabou levando a sacola com todo o leite e a bombinha com ele no fim da cerimônia. Contudo, ao perceber, ele e uma amiga tentaram encontrar a atriz para devolver o utensílio, mas só se reencontraram três horas depois, após o fim da cerimônia.
  • E, claro, não poderiam faltar seus pets fofos. Scarlett simplesmente ama animais e é a dona orgulhosa de dois chihuahuas lindos — Maggie e Panqueca.

O que você acha das interpretações de Scarlett Johansson? Tem algum personagem favorito? Acha que ela conseguiu quebrar o estigma de ser associada apenas à beleza física? Conte para a gente na seção de comentários.

Compartilhar este artigo