Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

Coisas que pareciam inúteis, mas se revelaram caríssimas

----
251

Você, leitor, pode já ter se deparado com algo aparentemente inútil, sem saber que na realidade era uma preciosidade que valia milhares de reais ou talvez até milhares de dólares. Enfim, com algum tesouro pelo qual ninguém deu muita bola até que surgiu um curioso que procurou se informar e descobriu que tinha em mãos um verdadeiro bilhete de loteria premiado.

O Incrível.club reuniu histórias sobre achados impactantes que garantiram aos seus descobridores desde um dinheiro a mais até uma aposentadoria garantida. Quem sabe, algum baú antigo da sua casa tenha alguns milhões de dólares escondidos na forma de uma pedra aparentemente comum, e você nem percebeu. Olho vivo!

Cálice de ouro

Em 1945, John Weber, um garoto comum da Inglaterra, ganhou de presente do avô uma taça metálica um tanto esquisita. Na época, ele usava o objeto como alvo durante seus treinos de tiro com um rifle. Depois, a taça passou muitas décadas esquecida em uma caixa embaixo da cama.

Na realidade, aquela taça era um cálice em ouro maciço, feito na Pérsia há mais de 2.300 anos. Primeiro John descobriu a verdadeira origem do objeto e, em seguida, descobriu o quanto valia.

Fonte: bulletin.accurateshooter

Revista Action Comics #1

Examinando sua recém-comprada casa, o pedreiro David Gonzales, de Minnesota, Estados Unidos, encontrou numa pilha de papéis e jornais, uma revista em quadrinhos de 1939. É uma edição valiosa por trazer, pela primeira vez, o personagem Superman. Como a revista estava em mau estado de conservação, Gonzales obteve "apenas" 175 mil dólares. A cópia mais famosa da mesma edição acabou sendo vendida em 2014 por 3,2 milhões de dólares.

Fonte: cnet, cbr

Pintura de John Constable

Um dia, Robert Darvell comprou, em um leilão, uma caixa com coisas ligadas à arte, pagando apenas 46 dólares. Entre os objetos aparentemente inúteis, havia na caixa uma pintura do tamanho de um cartão, mostrando uma paisagem rural. Ele guardou aquilo em uma gaveta do seu escritório, onde ficou por cerca de 10 anos.

Muitos anos depois, o filho de Darvell notou uma assinatura estranha no verso do cartão. Ele começou uma investigação e descobriu que a pintura era de um dos artistas mais valorizados da Grã-Bretanha: John Constable. Em pouco tempo, a obra foi vendida por 390 mil dólares.

Fonte: edition.cnn

Âmbar cinza

Três pescadores de Omã pescaram uma substância fedorenta que, após uma análise, resultou ser um pedaço de âmbar cinza de 80 quilos. O âmbar cinza é uma secreção produzida pela baleia cachalote, usada em perfumes para fixar o aroma. Não à toa, é chamado de ouro flutuante, pois dependendo da sua qualidade, o preço por 1 grama pode chegar a 35 dólares. Ou seja, depois daquela pescaria, os três homens puderam garantir uma vida muito tranquila com relação a dinheiro.

Agora, falemos a verdade: qualquer um de nós acharia que é lixo e não daria a mínima...

Fonte: sciencealer

Opala negra Royal One, 306 quilates

A opala negra de 306 quilates chamada Royal One foi encontrada na Austrália, em 1999. O mineiro Bobby (seu sobrenome foi mantido em sigilo), no último dia de trabalho antes da aposentadoria, levou para casa um balde cheio de pedras, esperando encontrar algo valioso. Numa das pedras, ele viu brilhos azulados e passou os dois anos seguintes polindo e limpando o objeto. Quando se deu conta do que se tratava, ele escondeu a descoberta longe de possíveis ladrões. Catorze anos depois, a pedra foi colocada no mercado, e hoje é avaliada em 3 milhões de dólares.

Fonte: gem.agency

Cópia da Declaração de Independência dos Estados Unidos

Em 1989, na Pennsylvania, um homem comprou num mercado de pulgas um pequeno quadro emoldurado. Ele nem se interessava pelo quadro em si, tudo o que ele queria era a moldura. Por isso, ao chegar em casa, desmontou a estrutura e, embaixo da pintura, encontrou o documento: era uma cópia da Declaração da Independência, de 1776. O homem vendeu a cópia por 2,4 milhões de dólares. Em 2000, ela foi revendida por 8,1 milhões de dólares.

Fonte: goodnewsnetwork

Vaso chinês

Este vaso foi encontrado durante uma faxina. Empoeirado e sujo, o objeto foi levado a um avaliador por pessoas que esperavam receber apenas alguns dólares em troca. Só que o vaso é, na verdade, uma raridade chinesa elaborada no século 18. Em novembro de 2010, ele foi vendido por 83 milhões de dólares, mas dois anos depois o valor ainda não havia sido pago integralmente. Assim, o vaso foi vendido de novo, desta vez mais barato. O preço exato e a identidade do comprador nunca foram revelados.

Fonte: bloomberg

Safira Black Star Queensland, 733 quilates

Em 1938, Roy Spencer, um menino de 12 anos, encontrou num declive uma pedra de cor cinza escura, e entregou-a ao seu pai, que era mineiro. O senhor Spencer disse que se tratava de um cristal negro.

Durante nove anos, a pedra foi usada para segurar uma porta, até que os irmãos Kazandzhan, famosos joalheiros de Los Angeles, compraram a pedra por 18 mil dólares (o equivalente hoje em dia a 196 mil dólares). Eles perceberam que aquilo era uma safira. Após isso, a joia foi vendida em várias ocasiões, sempre de forma anônima e com preço não revelado. Atualmente, a safira é avaliada em 88 milhões de dólares.

Fonte: gems-world

Imagem de capa pixabay, facebook
----
251