Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

9 Exemplos hilários de efeitos especiais exagerados do cinema

É difícil imaginar um filme de Hollywood que faça sucesso nas bilheterias sem o uso de efeitos especiais. Afinal, são técnicas que deixam nossos filmes favoritos ainda mais interessantes. Mas algumas cenas de ação realmente parecem desafiar as leis da física em nome da arte.

O Incrível.club preparou uma lista com efeitos especiais que apareceram em filmes conhecidos e que deveriam vir junto com o aviso: "Não tente fazer isso em casa".

9. Veículos podem voar

Parece que os cineastas adoram fazer com que carros e ônibus saiam voando como se não houvesse gravidade. São veículos que saltam de pontes ou que parecem flutuar depois de uma batida. Nós temos certeza que você já viu alguma cena assim. No entanto, ninguém pode ignorar as leis da física tão facilmente.

Na vida real, um objeto como um carro ou um ônibus não teria condições de saltar uma fenda nem de voar após um choque. A explicação está na cinemática do movimento de projéteis, que diz que não importa o quão rápido um objeto se desloque, ele sempre cairá caso seja lançado horizontalmente.

Aliás, nesse quesito, os filmes indianos de Bollywood são craques nesse tipo de cena. Confira esta sequência e esta.

8. Som e luz viajam na mesma velocidade

Todas as vezes em que vemos um relâmpago num filme, ouvimos o som do trovão. Os dois acontecem simultaneamente. Contudo, qualquer estudante sabe que a luz é mais rápida. E só mais uma prova de que os filmes de Hollywood não são feitos para ensinar física.

Na vida real, primeiro vemos o raio, e só depois o trovão. A velocidade da luz é de 299.792.458 metros por segundo. A do som é de 300 metros por segundo, dependendo da temperatura, densidade do ar e muitos outros fatores.

7. Os lasers visíveis estão por todos os lugares

Frequentemente são mostradas batalhas espaciais que usam armas a laser, não é verdade? Na verdade, a visualização de um raio laser como se fosse um feixe de luz, principalmente no espaço, não passa de outro mito das telonas.

Na vida real, os lasers não teriam a menor chance de parecerem brilhantes. Quando um raio desses torna-se visível, está dispersando pequenas partículas que vão se perdendo ao longo de sua trajetória. A visibilidade e a cor dos raios lasers só dependem do meio em que eles viajam, que contêm partículas de poeira e moléculas de ar. E todos sabemos que não existe ar no espaço.

6. Os veículos estão sempre prestes a explodir

Parece que, até diante do menor dano, os veículos dos filmes acabam explodindo, independentemente se em decorrência da queda de um penhasco ou de um choque com outro carro. Ou então alguém dá um tiro do tanque de combustível, e bum! Uma terrível explosão transforma o automóvel num amontoado de chamas. Mas não caia nessa.

Na vida real os veículos raramente pegam fogo após uma colisão. A gasolina é líquida, e seu gás queima como vapor. Assim, o gás líquido no tanque precisaria se transformar em vapor, misturar com o ar em proporções adequadas e entrar em contato com o fogo para que o carro exploda.

Mais uma vez, os filmes indianos são craques e divertidíssimos nesse quesito. Confira.

5. Na água, as balas viajam sob a mesma velocidade

Essas cenas em que as pessoas mergulham numa piscina, num canal ou mesmo no oceano para não serem atingidas por balas estão em diversos filmes. Ainda assim, existe um mistério sobre as chances de escapar ileso de armas de fogo estando debaixo d'água.

Na vida real, as balas geralmente não seguem por mais de alguns centímetros quando na água. A força oposta ou a resistência oferecida pelo fluido contra o movimento de um objeto faz uma oposição à movimentação do projétil. A bala viaja pelo ar com a facilidade suficiente, mas as coisas mudam quando ela entra na água.

4. Quem é cool não olha para as explosões

As explosões épicas, que destroem prédios e carros, são populares em inúmeros longas. E na maioria das vezes, quando há uma explosão, há também um cara durão que não olha para ela, afastando-se com determinação. Mais uma vez, como se pode imaginar, isso não tem nada a ver com a verdade.

Na vida real, a onda de choque mataria o protagonista. A energia liberada pela explosão cria uma onda expansiva supersônica suficientemente forte para derrubar um grande prédio. Ou uma pessoa.

3. Os sons podem ser ouvidos no espaço sideral

Frequentemente, os cineastas "adicionam" sons às cenas espaciais. Se você conseguir lembrar de alguma cena em que uma nave espacial persegue um vilão numa galáxia distante, certamente perceberá que há o ruído provocado pelo disparo de armas, lançamentos de mísseis e o barulho dos motores. Bem, novamente isso só serve para garantir uma dose a mais de emoções, passando a ideia de ação.

Na vida real, ninguém consegue ouvir sons no espaço sideral. Aquilo que chamamos de "som" são, na realidade, vibrações do ar. E como não existe ar no espaço, não existe som. É como diz o slogan de "Alien": no espaço, ninguém pode ouvir os seus gritos!

2. A radioatividade faz a pessoa brilhar

A ficção científica e os filmes nos fazem acreditar que a radioatividade é contagiosa. Um personagem que foi exposto à radioatividade costuma ficar brilhante, e as outras pessoas evitam tocá-lo. Mas não é exatamente isso que acontece.

Na vida real, a maioria dos elementos radioativos não são contagiosos. A radioatividade é a explosão do núcleo que afeta o DNA. Outros átomos não se tornam radioativos.

1. Qualquer um consegue saltar através de uma janela quebrada

Quem não gosta desses momentos dramáticos dos filmes, quando as pessoas escapam rompendo janelas de vidro e correndo para sobreviver? E sem um arranhão! Mas isso não passa de um truque que você não deve tentar imitar em casa.

Na vida real, uma janela quebrada possui milhares de pontas incrivelmente afiadas, e cacos de vidro em forma de adaga. Seria preciso pouco esforço para que essas pontas cortassem tecidos e a pele, supondo que a força de resistência fosse suficiente. O resultado seria o provável surgimento de feridas fatais a qualquer pessoa que passasse através do vidro.

Cada um de nós, ao ver um filme, já soltou a frase: "Ah, mas o que é isso? Como é possível?". Se isso já aconteceu com você, deixe seu comentário contando qual é sua cena favorita de efeitos especiais que resolveu não se basear nas leis da física.