Incrível
NovoPopular
Inspiração
Criatividade
Admiração

9+ Critérios pelos quais somos “avaliados” pelos garçons nos restaurantes

Alguns restaurantes franceses passaram a “recompensar” os clientes ao oferecer descontos a eles por bom comportamento. Nossa atitude para com os garçons é reflexo, entre outros fatores, da maneira como nos relacionamos com qualquer outra pessoa e, mais especificamente, do nosso nível de educação. Já ouvimos diversas histórias de como muitos clientes são rudes com os funcionários dos serviços de alimentação e se colocam em posições mais “prestigiadas” somente por serem aqueles que vão pagar a conta. No entanto, os atendentes de cafés e restaurantes avaliam e a selecionam os clientes mais “difíceis” para evitar futuras dores de cabeça ao atendê-los.

Nós, do Incrível.club, decidimos perguntar para alguns garçons quais são os critérios usados por eles na hora de avaliar os clientes, e vamos compartilhar algumas observações curiosas com você. No bônus, será explicado o que é necessário para se tornar um cliente “nota 10”. Acompanhe!

1. Cumprimenta ou não

Muitos daqueles que trabalham, ou já trabalharam, em restaurantes compartilham a mesma opinião: se uma pessoa entra no estabelecimento com uma expressão “arrogante” e nem se preocupa em dizer “bom dia”, então é bastante provável que ela não tratará bem os funcionários e dificilmente deixará gorjeta.

  • Existem alguns sinais: se você cumprimenta um cliente quando ele entra, mas não é cumprimentado de volta, então ele provavelmente não deixará gorjeta, e também não vai dizer “obrigado”. Mas acontece também o contrário. Quando um cliente é exageradamente simpático, diz “oi” quando entra, “obrigado” após cada prato servido e “tenha um bom dia” na saída, os funcionários também não precisam esperar por gorjetas generosas. É como se esse cliente já tivesse pagado com os elogios. © shmealeks / Pikabu
  • Somente de olhar para alguns clientes, é possível perceber que eles não estão satisfeitos com alguma coisa, mas resta a dúvida: por que então eles foram ao restaurante? Já servi pessoas que se sentiam “superiores”. Uma vez se sentou uma garota e um amigo dela. O rapaz pediu uma bebida gelada, e eu levei rapidamente. Então, o primeiro desaforo: “Eu pedi gelada!” Depois continuou com “quero falar com seu gerente”, e daí para baixo. O que eu realmente não entendo é por que as pessoas gastam seu valioso tempo discutindo por coisas tão insignificantes. © artemray / Pikabu
  • Honestamente, não gosto de clientes que apenas dizem “traga algo do seu gosto, quero a sua recomendação”. Embora eu pergunte sobre as preferências, eles apenas repetem: “Me traga o que achar melhor, não me importo”. Eu, então, escolho o que pediria para mim mesma, mas depois começa: “Ah, mas eu não gosto disso”, “Estava pensando em alguma salada”, “Não como carne”... © Kiwi / Pikabu

2. Está sozinho ou em grupo

Os garçons afirmam: grupos causam mais problemas do que uma pessoa sozinha. Isso porque muitos clientes, às vezes, gostam de “aparecer” na frente dos amigos. Além disso, mesas com várias pessoas geram pedidos maiores, que, na maioria das vezes, serão pagos individualmente. As gorjetas em tais situações também costumam ser praticamente inexistentes. Isso é devido ao fato de que cada pessoa sente menor responsabilidade pelo seu comportamento quando está em grupo e, por isso, acaba não deixando gorjetas generosas.

  • Entraram 6 senhoras mais velhas (na faixa dos 50 anos) e se sentaram à mesa. Até aí estava tudo bem, nenhum aborrecimento. Minha colega, que estava servindo a mesa delas, foi recolher os pratos e notou que havia um guardanapo em cima de um deles. Tamanha foi a surpresa dela ao ver que por baixo do pano estava uma “comprovação” de que uma das mulheres certamente havia passado mal! Você acha que elas se desculparam ou explicaram o que aconteceu? Elas simplesmente começaram a gritar para todos no restaurante de como estavam chocadas com o prato que receberam. © Rinnykeyt / Pikabu
  • Grupo de 8 pessoas. Quando eu levei os pedidos e comecei a colocar as taças na mesa, um dos homens se incomodou por eu estar servindo “da forma incorreta”: não medi a distância entre as taças, de acordo com as regras de etiqueta, e pedi a ele que movesse a própria cadeira para eu passar. Depois, esse mesmo indivíduo me deu um tapa no peito, que fez com que eu derrubasse uma das taças que estava na bandeja. Esse homem então se levantou e jogou a própria taça no chão de propósito, olhando para mim. Eles passaram a noite inteira me chamando e gritando o meu nome para todos ouvirem. Como se não bastasse, quando eu levei a conta, eles reclamaram do valor total, dizendo que não deviam ter de pagar tanto por conta do “incidente” que EU havia causado. © SoaringFalcon12 / Pikabu

3. Com crianças ou sem crianças

Só não pense que os garçons não gostam de crianças. O que acontece é que muitos clientes simplesmente não tomam conta dos filhos. Em outras palavras, o problema não está nas crianças, mas sim nos pais delas, que as deixam fazer bagunça e atrapalhar o trabalho dos funcionários.

  • Tomem conta de suas crianças. Elas podem entrar na cozinha por acidente ou acabar entre as pernas de algum garçom, que, por sinal, raramente está olhando para baixo. Os funcionários geralmente estão andando rápido e segurando alguma coisa pesada ou quente nas mãos. Já tivemos de devolver crianças perdidas na cozinha, no vestuário e nas áreas de serviço. Uma colega, que na ocasião segurava uma bandeja com café quente, já derrubou café em um menino quando ele saiu correndo e esbarrou nela. Por sorte, ele estava usando um suéter bastante grosso e não saiu machucado. © Kiwi / Pikabu
  • Sabemos que o expediente será complicado quando temos de atender clientes com crianças. Pais têm o costume de colocar o carrinho de bebê e os andadores no meio do corredor, onde as pessoas estão passando. Além disso, ter de segurar uma bandeja com algo pesado e quente em cima de uma criança na hora de servir os pratos não é o ideal. Crianças também atiram comida. Eu sei que não é de propósito, mas isso não é seguro: alguém pode facilmente escorregar. © Heather Barnett / Quora
  • Trabalho como garçom em um café pequeno. Certo dia entrou uma mulher com um menino de uns 5 anos. Anotei os pedidos e, antes mesmo de me afastar da mesa, escutei um barulho de pratos quebrando. Quando me virei, lá estava a criança dela quebrando a louça e sorrindo. Depois o menino começou a bater com os talheres na mesa e gritar. A mãe não fazia nada, apenas conversava no telefone. Após alguns minutos, uma funcionária foi levar os pratos para a mesa ao lado deles, e esse menino começou a brincar entre as pernas da garçonete, o que fez com que ela derrubasse a sopa quente na criança. Compramos remédios para queimaduras, mas a mãe somente gritava dizendo que iria nos processar. © Piba1 / pikabu

4. Não demonstra respeito

Intimidade é para os íntimos. Muitas pessoas acreditam que podem tratar os garçons da forma que querem, sem qualquer formalidade. Muitas delas, aliás, chamam os funcionários estalando os dedos, pegam pela roupa ou pelo braço, ou até gritam alto pelo nome. Pessoas que se comportam dessa forma serão ignoradas de propósito. As normas de etiqueta ditam que basta trocar olhares com o atendente e acenar com a cabeça. Um mínimo de formalidade não fará mal a ninguém.

  • Entrou um homem pela porta. Ele era espalhafatoso e não parecia demonstrar respeito pelas pessoas à sua volta:
    — Hum, o que é isso aqui?! Bom, só me traga algo para beber.
    Só não entendo por que ele achou aceitável me cutucar enquanto fazia seu pedido. Era um homem adulto. Bom, levei o café que ele havia pedido, mostrei o menu de degustação e mantive o respeito (e a distância!).
    — Nossa, mas que preços são esses! Você viu isso, menina? Que absurdo!
    Continuou me cutucando. Como forma de comparação, 30 minutos antes desse homem chegar, um rapaz mais jovem pediu o mesmo café, me tratou com respeito e ainda conversamos sobre os livros do Orwell. É possível conversar com seu ou sua atendente sem ser desrespeitoso. © LittleLynx / Pikabu

  • À medida que o tempo passa, nós passamos a ignorar os desaforos de clientes inconvenientes, mas há casos que é simplesmente impossível não dizer nada. Claro que não se deve ser rude na frente do cliente, mas nada nos impede de desabafar para os colegas na cozinha. Ao mesmo tempo, pessoas que demonstrem o mínimo de respeito e educação precisam ser recompensadas. Trabalhar como garçom faz com que você escute insultos com frequência e, por isso, eu faço questão de tratar especialmente bem aqueles poucos que me tratam com dignidade. © whappend / Pikabu

  • Nós tratamos vocês com respeito, por isso esperamos o mesmo. É preciso ter cuidado com alguns termos quando quiser chamar o garçom. A melhor opção é sempre chamar pelo nome, sem apelidos ou nomes “carinhosos”. Há também clientes que dizem coisas do tipo: “Ah, me traga um chá e não demore, viu? Eu conheço vocês, ficam conversando sempre”. Pode parecer inofensivo, mas tais pessoas certamente não entrarão para a lista de melhores clientes. © Kiwi / Pikabu

5. Quais acessórios está usando

Os garçons já entenderam há muito tempo que não adianta tentar descobrir o status social de um cliente de acordo com a roupa que ele ou ela está usando. Os acessórios, no entanto, são um sinal mais evidente da condição social de uma pessoa: aqueles que não têm dificuldades financeiras e vivem uma vida confortável preferem usar acessórios mais caros.

  • Eu trabalhava em um bar de classe alta, que ficava dentro de uma casa noturna. O público era bastante variado: frequentavam tanto pessoas com boa condição financeira, que deixavam ótimas gorjetas e eram clientes frequentes da casa, assim como pessoas comuns que decidiram ir a um lugar mais luxuoso por uma noite, mas raramente deixavam gorjeta. Nós tentávamos categorizar os clientes de acordo com os acessórios que estavam usando: se uma pessoa entrasse e mostrasse demais seu iPhone novo, normalmente não esperávamos receber nenhuma gorjeta. Por outro lado, pessoas que estivessem bem vestidas, mas deixassem seus aparelhos de última linha menos visíveis, geralmente pagavam a mais. © BorisGivotnoe / Pikabu
  • Um homem estava sentado e vestido como se tivesse acabado de sair do trabalho. Barba malfeita, cansado. Um colega me disse:
    — Ah, esse pobre coitado não vai deixar nenhuma gorjeta. Vai só comer e ir embora!
    Me senti mal pelo homem e resolvi servir a mesa dele. Ele pediu uns sushis e chá, o que deu cerca de 30 reais, e depois pediu a conta. Foi então que ele tirou uma nota de 100 reais do bolso e me entregou:
    — Muito obrigado pelo serviço, gostei muito. Fique com o troco.
    Levantou calmamente e foi embora. Desde então, parei de julgar os clientes pela roupa ou aparência. © VodooSahka / Pikabu

6. O que pediu

Clientes que pedem “apenas um chá” são geralmente aquelas pessoas que ficam sentadas por muito tempo fazendo alguma atividade ou conversando. As categorias aqui são divididas de acordo com o pedido concreto que cada cliente faz, como, por exemplo, aqueles que pedem um café latte e ficam por horas sentados sem pedir mais nada somente para usar o Wi-Fi do estabelecimento, ou também aquelas mulheres que pedem apenas um coquetel e passam a noite esperando pelo “príncipe encantado”.

  • Trabalhava como garçonete em um restaurante de comida japonesa. Consegui tirar as seguintes conclusões em relação aos clientes: se alguém pedir apenas o combinado mais barato e um chá, dificilmente o garçom receberá uma gorjeta. Clientes desse tipo querem apenas passar o tempo e podem ficar sentados o dia inteiro, pedindo apenas mais água quente para encher o chá. Além disso, são bastante voláteis e podem deixar avaliações negativas se acharem que você está incomodada ou “com preguiça” de servi-los. © Linxa / Pikabu
  • Na minha opinião, pessoas que fazem pedidos de acordo com os preços no menu em vez de escolherem aquilo que realmente querem comer são as mais difíceis. Normalmente, elas não ficam satisfeitas com os pratos, não costumam tratar bem os atendentes e saem de lá chateadas com o serviço. Algumas vezes ainda deixam avaliações negativas na Internet. © Gerardo Torres / Quora
  • Recentemente começamos a receber no restaurante clientes “executivos”. Eles chegam em grupos de 10-15 pessoas e pedem chá ou café para todos. E, no máximo, alguns sanduíches. Ficam sentados por horas a fio, discutindo assuntos de trabalho e conversando. Normalmente, eles ocupam duas mesas, além de falarem muito alto. © Типичный официант / vk

7. Sem aviso prévio

Diferentemente do que muitos pensam, fazer pedidos “especiais”, como sem cebola ou pimenta, não é necessariamente uma inconveniência para o garçom. É muito pior quando um cliente faz um pedido com pressa e depois lembra (de repente!) que não come determinados ingredientes que compõem o prato.

  • Eu trabalho como garçom. Odeio o “amor” que muitos clientes têm em criar confusão. Não há um dia que passe sem algum contratempo. Recentemente, uma mulher pediu uma salada e uma sopa. Depois de terminar de comer, ela me chamou e começou a reclamar dizendo que eu não a avisei que tinha gengibre na salada e que ela era alérgica a gengibre. Também disse que a sopa estava “azeda” demais. Agora o que eu não entendo é por que diabos ela esperou terminar de comer tudo antes de me avisar sobre a “alergia” dela. © Подслушано / vk
  • Um rapaz começou a gritar comigo por conta de uma fatia de tomate no hambúrguer dele. A princípio ele não gostava de tomate, mas esqueceu de avisar. O rapaz insistia em receber o dinheiro de volta após o nosso gerente oferecer a ele um sanduíche novo e sem tomate, literalmente 3 minutos depois de ter nos avisado de suas preferências. Mas ele apenas dizia que tínhamos “estragado” o horário de almoço dele. © Hunny_Bunny20 / Reddit
  • Estava servindo a mesa de uma família. Cada um fez o seu pedido. Depois de 10 minutos, eles me chamaram e avisaram que estavam com pressa e, se os pratos não chegassem em 5 minutos, eles iriam embora. Sem pagar. Eu não respondi nada, mas não suporto pessoas assim. Por que não me avisaram antes de fazer os pedidos? Eu poderia aconselhar o que ficaria pronto mais rápido para eles não se atrasarem. Bom, os pratos foram servidos a tempo, e depois eles ainda ficaram sentados por mais uns 15 minutos conversando. Estavam “com pressa”, claro. © Типичный официант / vk

8. Pede tratamento especial

Os garçons afirmam que se algum cliente quiser mostrar que é “especial”, provavelmente haverá confusão.

  • Se um grupo de pessoas entra no restaurante e uma delas começa a reclamar e a dizer: “Eu sei quem é o seu chef ou gerente”, — certamente está querendo aparecer na frente dos amigos e provavelmente não deixará gorjeta. © KozaNoste1 / Twitter
  • Tive um cliente que pediu por uma mesa no pátio ao ar livre. E aí começou a reclamar que a mulher dele estava com frio. Eu disse que eles poderiam se sentar na parte de dentro, mas ele recusou e disse:
    — Nós queremos sentar do lado de fora, mas ela está com frio. O que você sugere?
    — Desculpe, senhor, mas posso apenas oferecer uma mesa lá dentro.
    — Você está usando um suéter! Por que não oferece a ela?!
    Depois ele pediu para falar com o gerente, que perdeu 10 minutos explicando para o homem que nós não podemos controlar o tempo. © Pommesdor/ Quora

  • Entrou um casal. Antes que eu pudesse me apresentar, a mulher já começou a reclamar dizendo que precisou esperar por 5 minutos para a mesa ser liberada. Ela pediu um filé mignon e disse que estava terrível, pois havia sido preparado da forma errada. Eu ofereci a ela alguma outra coisa. Não quis. Levei um prato novo. Ela pegou a faca, bateu 3 vezes em cima da carne e disse: “Que patético, não vou nem provar. Quero um novo”. Levei outro. Comeu somente a metade e pediu para embrulhar o resto para levar. O resultado foi que ela pediu para falar com o gerente, reclamou bastante e depois deixou uma avaliação: “Carne péssima” — e deu apenas 1 estrela. © Mizerak / Quora

9. Demora para comer ou fica tirando fotos

Para os garçons, isso é pior do que se imagina. Há diversos pratos e bebidas que perdem suas qualidades se não forem consumidos na mesma hora: o suco de maçã escurece; a comida fica gelada. E, claro, o culpado será o garçom.

  • Trabalhava em um restaurante bastante famoso da minha cidade. No menu havia um prato de batatas fritas com molho de queijo e bacon. Uma mulher entrou com seu marido, e pediu essas batatas. Eu levei assim que ficou pronto, mas o problema com esse prato é que, se esperar muito, as batatas vão amolecer por conta do queijo quente. A mulher começou a comer somente 10 minutos depois de receber o prato na mesa, pois estava tirando fotos e conversando. Quando ela deu a primeira garfada, me chamou e começou a gritar dizendo que eu queria que ela passasse mal por servir batatas “do dia anterior”. Ela me xingou de todos os nomes possíveis, e o mais estranho foi que, todo esse tempo, o marido dela ficou apenas rindo enquanto assistia a essa cena. © Александра Савицкая / vk

Bônus: gorjetas não são essenciais, mas boa educação e gentileza são gratuitas

  • O cliente pode apenas dar uma boa avaliação ou fazer um elogio ao serviço. Pessoas educadas e simpáticas serão sempre bem tratadas, mesmo que não deixem nenhuma gorjeta. Eu tenho diversos clientes regulares, os quais sempre fico feliz de ver, mas nunca me deixam gorjeta. O importante é que eles não criam confusão, são leais ao estabelecimento e estão sempre de bom humor. O meu conselho seria dizer para as pessoas sorrirem mais e reclamarem menos da vida. © Luder / pikabu

E você, deixa gorjeta para o garçom? Comente!

Imagem de capa VodooSahka / pikabu