Incrível

13 Descobertas incríveis do espaço que surpreenderam até os cientistas

O vasto universo do qual fazemos parte está repleto de enigmas que cientistas e astrônomos estudam e tentam solucionar. Mas sempre existem fenômenos e objetos que não podem ser totalmente explicados, e que confundem a comunidade científica em geral devido à sua estranha natureza.

O Incrível.club deseja apresentar uma seleção de 13 descobertas muito inusitadas de objetos e fenômenos do espaço que ainda provocam questionamentos.

1. Quasares

Os quasares são objetos astronômicos de grande luminosidade, encontrados no centro de algumas galáxias. Acredita-se que surjam quando um enorme buraco negro, localizado no núcleo de uma galáxia, começa a absorver toda a matéria ao seu redor. A enorme velocidade desse evento produz uma quantidade gigantesca de energia liberada sob a forma de ondas de rádio, luz, radiação infravermelha, radiação ultravioleta e raios-X.

Os quasares mais brilhantes podem ofuscar todas as estrelas das galáxias em que estiverem, o que os torna visíveis mesmo a distâncias de bilhões de anos-luz. Portanto, estão entre os objetos mais distantes e luminosos conhecidos.

2. Galáxias canibais

Quando algumas galáxias massivas param de produzir suas próprias estrelas, acabam “canibalizando” as pequenas galáxias próximas; isto é, as grandes galáxias “engolem” as pequenas, para continuar crescendo.

Os astrônomos australianos observaram mais de 22 mil galáxias e descobriram que, embora as pequenas fossem altamente eficientes na criação de estrelas a partir de gás, as grandes galáxias não tinham matéria-prima para produzir novas estrelas, e se expandiam ao “comer” outras galáxias. Há evidências de que a nossa própria galáxia, a Via Láctea, seja uma dessas galáxias “canibais”.

3. O humanoide de Mercúrio

Em 2011, enquanto a sonda MESSENGER da NASA explorava a superfície do Planeta Mercúrio, ao norte da Bacia Caloris, uma fotografia chamou a atenção de muitos internautas, pois parecia corresponder à silhueta de um humanoide.

A explicação da NASA é de que esse bloco possa ter sido criado a partir da superfície original que precedeu a formação da Bacia Caloris, a partir do material ejetado durante esse processo. O ato de enxergar uma imagem familiar em superfícies aleatórias é um tipo de ilusão chamada pareidolia e já foi observada anteriormente em Mercúrio e em muitos outros planetas.

4. Explosões rápidas de rádio

As explosões rápidas de rádio (ou rajadas rápidas de rádio) consistem em um fenômeno astrofísico de enorme energia de origem desconhecida, que se manifesta como um pulso de rádio fugaz que dura, em média, alguns milissegundos em diferentes partes do céu fora da Via Láctea.

Ao contrário das fontes de rádio, o sinal de uma explosão é detectado em um curto período de tempo, com força suficiente para sobressair ao ruído de fundo. A explosão geralmente surge como um único pico de energia, sem nenhuma alteração de sua força ao longo do tempo. As explosões duram vários milissegundos (milésimos de segundo), e várias delas foram rastreadas nos últimos anos, até em outras galáxias, embora não se saiba o que as criou.

5. Pasta nuclear, o material mais forte do universo

Em 2018, uma equipe de cientistas descobriu que existe um material 100 trilhões de vezes mais forte do que o aço, localizado no interior da crosta das estrelas de nêutrons que surgem do núcleo colapsado de uma grande estrela.

O material do interior da superfície dessas estrelas foi reconhecido como o mais forte do universo. Como dentro da crosta das estrelas os nêutrons e os prótons ficam em camadas de uma maneira semelhante à uma lasanha, esse material resistente e rígido foi apelidado de “pasta nuclear”.

6. O planeta anão Haumea e seu anel misterioso

Uma descoberta fascinante foi que, além dos grandes planetas do Sistema Solar — como Saturno, Urano, Júpiter e Netuno — o enigmático planeta anão no formato de uma bola de rugby chamado Haumea também possui anéis. Esse pequeno planeta está localizado além de Netuno. É a primeira vez que uma descoberta desse tipo é apresentada sobre um planeta desse tamanho e ao mesmo tempo tão distante.

Em contraste com os anéis de Saturno, que são muito brilhantes, os de Haumea são consideravelmente mais escuros. Os pesquisadores supõem que isso ocorre, porque ele tem menos gelo e mais rochas e matéria orgânica. O anel está localizado a cerca de 2.287 quilômetros de distância do núcleo do pequeno planeta e tem 70 quilômetros de largura.

7. A estrela mais estranha, KIC 8462852

Essa estrela misteriosa, também chamada de Tabby, é um pouco mais brilhante do que o Sol e está localizada a mais de 1.400 anos-luz de distância da Terra. O Telescópio Espacial Kepler da NASA revelou um comportamento estranho: às vezes a estrela diminui em até 20%, sugerindo que existe algum material em órbita ao redor do Tabby que bloqueia a sua luz.

Uma das hipóteses mais amplamente aceitas é a de que os detritos do cometa foram atraídos para uma órbita relativamente próxima à estrela. Mas outra possibilidade intrigante é que isso poderia abrigar uma sociedade tecnologicamente sofisticada, que construiu uma megaestrutura para bloquear a luz da estrela.

8. A Lua mais peculiar, Hipérion

Hipérion é uma das menores luas de Saturno e é um objeto astronômico muito singular. Tem um formato irregular e uma aparência inexplicável, semelhante a uma esponja. Uma das hipóteses sobre sua estrutura é de que Hipérion seja, na verdade, um fragmento de um satélite maior, que foi parcialmente destruído por um grande impacto ocorrido há muito tempo.

Por estar repleta de cavidades, sua densidade é muito baixa. A órbita caótica de Hipérion a sujeita a forças gravitacionais de Saturno, fazendo com que realize curvas descontroladas. Seu período de rotação também não é constante e varia de uma órbita para a seguinte.

9. O primeiro neutrino

Os neutrinos são uma das menores partículas subatômicas estudadas atualmente pelos cientistas, e uma das mais abundantes no universo. No entanto, por terem pouca interação com a matéria, são incrivelmente difíceis de detectar.

Um neutrino que atingiu a Terra em 22 de setembro de 2017 causou comoção na comunidade científica, pois descobriram que havia sido arremessado há 4 bilhões de anos por uma fonte de energia compacta em chamas, um buraco negro supermassivo, localizado no núcleo de uma galáxia, que estava consumindo o material ao seu redor.

10. Um “unicórnio” no espaço

Nesse caso, precisamos nos referir novamente à pareidolia, a ilusão de ótica ou um tipo de fenômeno psicológico, em que se atribui formas conhecidas a superfícies, objetos ou formações irregulares. Muitos enxergam a forma de um unicórnio nessa fotografia da Nebulosa Trífida, uma enorme nuvem de gás localizada na constelação de Sagitário.

Cabe assinalar que existem outras fotografias dessa grande nebulosa, onde são vistas outras cores e formas. Por exemplo, em seu centro é possível ver uma estrela gigante azul do tipo espectral e há ao menos outras 6 estrelas menos brilhantes, mas todas com características que demonstram ser mais jovens.

11. Buraco negro lançado no espaço

No sistema CID-42, a 4 milhões de anos-luz da Terra, duas galáxias colidiram e, quando isso aconteceu, os 2 buracos negros supermassivos localizados no centro de cada uma também colidiram. Ambos se fundiram para formar um único, que recuou diante das ondas gravitacionais produzidas pela colisão. Ou seja, o recém-fundido buraco negro foi “ejetado” da galáxia a uma velocidade de milhões de quilômetros por hora.

descoberta, revelada pelo Observatório de raios-X Chandra da NASA, chocou a comunidade científica, pois pode ser a primeira evidência de que esses buracos cósmicos podem vagar errantes pelo espaço, sem serem detectados.

12. Himiko e o universo primitivo

Em 2009, o telescópio japonês Subaru, localizado no Havaí, nos EUA, fez uma descoberta impressionante. Trata-se de Himiko, que inicialmente parecia uma gigantesca nuvem espacial, mas descobriram ser uma galáxia com um halo de gás quente e brilhante, que se estende por 55 mil anos-luz da Terra. Himiko, que recebeu esse nome em homenagem a uma lendária rainha japonesa, não só é enorme, mas também está incrivelmente distante.

Com o telescópio, a galáxia Himiko foi vista em uma época que corresponde a cerca de 800 milhões de anos após o Big Bang, quando o presente universo tinha apenas 6% do seu tamanho atual e as galáxias estavam começando a se formar. Os cientistas ficaram intrigados por não saberem como explicar sua existência, pois ela não se ajusta à teoria convencional da história e à idade do universo.

13. Sistema estelar Castor

Castor é a segunda estrela mais brilhante da constelação de Gêmeos e a vigésima quarta estrela mais brilhante do firmamento. Visualmente, é uma estrela binária, composta de duas estrelas principais, Castor A e Castor B, separadas em 6 segundos de arco e com um período orbital de 467 anos. No entanto, Castor conta com mais componentes, que fazem com que seja uma estrela sêxtupla (um sistema com 6 estrelas), um sistema estelar múltiplo tão interessante, capaz de atrair a atenção dos cientistas.

Qual desses elementos astronômicos mais o surpreendeu? Você conhece algum outro que devemos adicionar à nossa lista? Lembre-se de deixar sua opinião na seção de comentários.