10+ Músicas internacionais que possuem mais de uma versão em português

Durante muito tempo, importar músicas internacionais e “traduzi-las” para o nosso idioma foi uma prática bastante comum no Brasil. Os produtores musicais do País tiravam vantagem de canções que já haviam alcançado o sucesso lá fora e tentavam emplacar a faixa, em edição “abrasileirada”, na voz de algum artista do momento. Certos hits estrangeiros eram tão desejados que acabaram ganhando mais de uma versão em língua portuguesa.

Incrível.club reuniu algumas composições do exterior que foram adaptadas duas vezes ou mais para o português, com letras diferentes e cantadas por intérpretes distintos. Confira!

1. If I Fell — The Beatles

Não é novidade que os “reis do iê, iê, iê” foram um verdadeiro fenômeno mundial. Arrastando legiões de fãs ao redor do Planeta, os Beatles emplacavam um hit atrás do outro durante seu auge na década de 60. E apesar de não ter sido um estouro global, a faixa “If I Fell”, do clássico álbum A Hard Day’s Night, figurou em algumas paradas de sucesso pelo mundo e chegou a atingir o primeiro lugar entre as mais tocadas até da Noruega.

Por aqui, a canção recebeu o dialeto brasileiro pela primeira vez em 1992, quando a apresentadora Angélica ainda atacava de cantora. Ao lado da banda Roupa Nova, a loira abriu seu quinto álbum de estúdio com a versão “Quis Fazer Você Feliz”. Nove anos depois, foi a vez de Rita Lee trazer sua identidade para a composição. A rainha do rock nacional lançou um disco inteiramente dedicado ao quarteto britânico. Com uma letra mais fiel aos versos originais, a adaptação “Pra Você Eu Digo Sim” ganhou até videoclipe e virou tema da novela As Filhas da Mãe.

2. The Blower’s Daughter — Damien Rice

Em 2004, o cantor australiano Damien Rice ganhou o mundo com “The Blower’s Daughter”. Graças ao sucesso do filme Closer: Perto Demais, a canção, parte da trilha sonora do longa, se popularizou nos quatro cantos do globo, chegando, inclusive, às rádios do Brasil. Mas foi no ano seguinte que os acordes desse hit se tornaram figurinha carimbada nas paradas do País, em edições devidamente aportuguesadas.

A cantora Simone, eternizada no imaginário do público pela faixa “Então é Natal”, foi a primeira a lançar sua adaptação do single. Intitulada “Então Me Diz”, a música virou tema da novela Belíssima, embalando as cenas do casal protagonista da trama. Poucos meses depois, Ana Carolina e Seu Jorge emplacaram “É Isso Aí”, outra versão da mesma composição, considerada um verdadeiro fenômeno das rádios. Reunindo dois grandes nomes do cenário musical brasileiro, a canção se consagrou como uma das mais tocadas de 2006.

3. De Música Ligera — Soda Stereo

Sensação na América Latina durantes as décadas de 1980 e 1990, o conjunto portenho Soda Stereo levou o rock hispânico para além das fronteiras argentinas. O maior êxito da carreira deles foi a faixa “De Música Ligera”, eleita uma das cinco melhores canções latinas do gênero de todos os tempos. É claro que não demorou para as gravadoras do Brasil enxergarem o potencial do hit.

Em 1996, Os Paralamas do Sucesso lançaram “De Música Ligeira”, uma adaptação traduzida da obra quase ao pé da letra. Na voz do trio brasileiro, a canção não chamou muito a atenção. Apenas em 2002, quando o grupo Capital Inicial promoveu a vibrante versão “À Sua Maneira”, a melodia tomou conta das rádios do País. O single da banda liderada por Dinho Ouro Preto, que não conhecia a edição dos Paralamas, se tornou um dos mais ouvidos daquele ano.

4. Shallow — Lady Gaga & Bradley Cooper

Astros do premiado musical Nasce uma Estrela, Lady Gaga e Bradley Cooper levaram multidões aos cinemas em 2018 (quando foi lançado) e 2019. Primeira experiência da diva pop americana como protagonista nas telonas, o filme e sua trilha sonora foram rapidamente aclamados pela crítica e pelo público. O carro-chefe do longa foi a faixa “Shallow”, um estouro mundial que se consagrou quando os dois se apresentaram no Oscar.

No Brasil, a cantora Paula Fernandes pegou carona no sucesso do hit. Ao lado de Luan Santana, a sertaneja quebrou a internet no dia do lançamento de “Juntos”. O refrão, uma licença poética um tanto curiosa, sugeria que os personagens da letra ficassem “juntos e shallow now”. A frase inusitada se tornou um dos memes mais populares de 2019, o que ajudou a alavancar as reproduções da canção nas plataformas de música. Além da versão de Paula, o single também ganhou outras “traduções” próprias em ritmo de forró. Mas foi “Labirinto”, adaptação de Priscila Senna e Banda Musa, que recebeu a preferência dos internautas.

5. La Mia Storia Tra Le Dita — Gianluca Grignani

Talvez você nunca tenha ouvido falar do astro italiano Gianluca Grignani. Mas certamente já escutou os acordes de seu single “La Mia Storia Tra Le Dita” em edições convenientemente abrasileiradas por dois famosos nomes do nosso cenário musical.

A primeira vez em que o hit do intérprete europeu ganhou sotaque português foi em 1996, na voz de José Augusto. Em “A Minha História”, canção que se tornou presença indispensável nos shows do cantor romântico, podemos ouvir uma adaptação fiel da composição original. No entanto, foi a versão de Ana Carolina — novamente ela — que caiu nas graças do público brasileiro. “Quem de Nós Dois”, conhecido como um dos maiores sucessos da artista, dominou as rádios do País em 2001, conquistando os ouvintes e garantindo o prêmio de melhor música daquele ano.

6. Keep on Movin’ - Five

As chamadas boy bands foram — e continuando sendo — uma verdadeira febre. De Menudo a One Direction, passando por Backstreet Boys e pela brasileira Dominó, a fórmula infalível de reunir jovens rapazes cantores parece dar certo em todo o mundo. Foi por esse caminho que seguiu o Five, grupo pop britânico lançado em 1997. Entre os singles da banda, a animada “Keep on Movin’” garantiu a posição número um nas paradas do Reino Unido.

Em terras nacionais, as batidas infantis da canção conquistaram a apresentadora Eliana, que, ainda dedicando sua carreira musical às crianças, lançou a otimista adaptação “Siga em Frente”. Com uma letra motivadora como a da composição original, a faixa integrou o bem-sucedido nono disco da loirinha, que recebeu, na época, o certificado de platina. Pouco tempo depois, era a vez de um então novato na música apostar em uma versão própria do hit europeu. Para seu álbum de estreia, o carioca Felipe Dylon escalou “Qual Vai Ser”, arriscando versos mais dirigidos ao público adolescente.

7. Puppy Love — Paul Anka

Ídolo adolescente na década de 1950, o jovem Paul Anka possuía um talento nato. Cantando músicas próprias e compondo para outros astros da época, como Frank Sinatra e Elvis Presley, o dom do artista canadense é, até hoje, reconhecido mundialmente. Um de seus hits foi “Puppy Love”, que alcançou o topo das paradas de sucesso em países como os Estados Unidos e a Inglaterra.

Já na cultura popular brasileira, a adorada canção ganhou uma edição ainda mais ingênua. Após o fim da Turma do Balão Mágico, os pequenos Jairzinho e Simony já haviam conquistado o Brasil. Para manter o sucesso do grupo, os dois, então crianças, formaram uma dupla e lançaram um disco juntos. A graciosa “Coração de Papelão”, adaptação da faixa de Paul, foi um grande acerto do projeto. Porém, há mais uma versão do hit que talvez muita gente não conheça. Essa outra roupagem, na voz do cantor João Júnior Pires, recebeu o mesmo título do single original. A “Puppy Love” tupiniquim quase passou despercebida, mas chegou a fazer parte da trilha sonora da novela O Beijo do Vampiro.

8. Over the Rainbow — Judy Garland

Um dos clássicos soberanos do cinema foi responsável por alçar a notável Judy Garland ao estrelato. Em O Mágico de Oz, a artista eternizou sua Dorothy e as canções interpretadas no filme. A maior de todas, “Over the Rainbow”, virou sua assinatura, conquistou o Oscar e rendeu dezenas de versões pelo mundo.

Em português, a balada possui duas edições diferentes, ambas sob o título “Além do Arco-Íris”. A primeira cantora a dar uma identidade mais brasileira para a música foi Nara Leão, em 1987. Gravada na bela voz da musa da bossa nova, a faixa ganhou arranjos de MPB e samba. Anos depois, como um dos principais temas da novela Chocolate com Pimenta, Luiza Possi lançou sua própria adaptação do hit. Com o sucesso da trama da TV Globo, a versão de Possi se tornou muito popular no País.

9. Smile — Nat King Cole

Nat King Cole dispensa apresentações. Ícone do jazz americano, o artista emplacou dezenas de sucessos durante sua bem-sucedida carreira. Um deles foi “Smile”, baseado em uma peça instrumental produzida para o filme Tempos Modernos, de Charlie Chaplin.

No Brasil, o grupo Garganta Profunda foi o primeiro a interpretar uma versão em português da canção. Lançada em 1986 e mantendo o título “Smile”, a faixa preservou a melodia consagrada pelo astro internacional, mas adotando uma letra totalmente reformulada. Dez anos depois, o célebre Djavan apresentou uma nova adaptação do hit de King Cole. Na voz do cantor brasileiro, a música ganhou o nome de “Sorri”, conservando a essência lírica da composição original.

10. Torn — Natalie Imbruglia

Presença constante na programação de videoclipes da MTV no fim dos anos 90, a faixa “Torn” era facilmente reconhecida por qualquer adolescente da época. Popularizada na voz da australiana Natalie Imbruglia, a música possui versões em português em estilos bastante diferentes.

Em 2005, o grupo Aviões do Forró trouxe uma identidade legitimamente nordestina ao hit internacional. Batizada de “Blá, Blá, Blá”, a canção ganhou uma roupagem bem brasileira sob os vocais de Solange Almeida, levando os fãs ao delírio quando tocada nos shows da banda. Um ano depois, o conjunto pop feminino Rouge emprestou seu talento para “O Amor é Ilusão”, adaptação da música lançada como o último single da primeira fase da carreira das meninas.

11. Barbie Girl — Aqua

“Barbie Girl” é um exemplo preciso da chamada música-chiclete. O refrão grudento repetido à exaustão e uma melodia eletrônica igualmente pegajosa foram os ingredientes perfeitos para alavancar o sucesso da banda dinamarquesa Aqua, responsável pelo single.

Quando editaram a faixa para a língua portuguesa, os produtores do grupo infantil As Crianças Mais Amadas do Brasil, formado exclusivamente por ex-atores mirins da novelinha Chiquititas, escolheram o título “Josie Doll”. Mas a versão dos pequenos, cuja letra sequer citava o nome da boneca loira mundialmente famosa, não conseguiu alcançar uma repercussão expressiva. Até que, em 2005, a cantora Kelly Key resgatou a canção e decidiu apostar em uma nova adaptação do hit. Não demorou muito para que “Sou a Barbie Girl”, que ganhou um videoclipe com direito a figurinos cor-de-rosa e personagens em desenho animado, se tornasse um verdadeiro estouro no País.

Você sabia que essas músicas internacionais possuíam mais de uma versão em português? Prefere as canções originais ou as adaptações lançadas no Brasil? Comente!

Compartilhar este artigo