Incrível
Incrível

O que aconteceria se os insetos desaparecessem do planeta

A quantidade de insetos está diminuindo de forma alarmante e isso pode levar à extinção de 40% das espécies nas próximas décadas, segundo um estudo científico recente. Alguma vez pode ter passado pela sua cabeça que o planeta seria um lugar melhor sem eles, mas a verdade é que o desaparecimento deles causaria um caos ambiental e alimentar.

Incrível.club conta para você sobre a importância destes animais para o ecossistema e o impacto que sua extinção geraria. No final do post, você encontrará um bônus com o inseto mais perigoso para o homem — alguns pesquisadores acreditam que um mundo sem sua existência não seria tão trágico.

Sem abelhas desaparecem flores e alimentos

A organização ambientalista Earthwatch declarou as abelhas como “os seres vivos mais importantes do planeta”. Além de produtoras de mel, são as principais polinizadoras do mundo animal, a base do processo natural que permite a geração de sementes e frutos. Sem esse transporte de pólen, a produção agrícola no mundo diminuiria em 30% e as plantas com flores desapareceriam em 90%.

Apesar de fundamentais na segurança alimentar humana e na biodiversidade, 30% da população desses insetos diminuiu na última década e está chegando à extinção em alguns países. Entre os principais fatores de ameaça estão a mudança climática e o uso de agrotóxicos. Talvez o episódio de Black Mirror no qual as abelhas artificiais são criadas para cumprir a função das reais não esteja tão longe de se tornar realidade.

As odiadas baratas, chaves no ciclo do nitrogênio

As baratas devem estar entre os animais mais odiados e as razões para isso são muitas, além de sua aparência: elas são transmissoras de bactérias, provocam alergias e deixam fezes nos lugares por onde passam. No entanto, estima-se que apenas 20 espécies, das mais de 3.500 existentes, sejam as que incomodam o ser humano.

Longe das cidades, as baratas são uma fonte de alimento para pequenos mamíferos, pássaros e répteis. Além disso, consomem matéria em decomposição e seus excrementos são cheios de nitrogênio, um elemento essencial para o crescimento das plantas. Portanto, sem esses insetos, criaria-se um desequilíbrio no ecossistema, tanto no mundo animal quanto no vegetal.

As formigas dispersam sementes e impulsionam a biodiversidade

Será difícil para o exército de formigas desaparecer. Ele é estimado entre 1 trilhão e 10 trilhões de indivíduos e tem presença em todos os continentes, exceto na Antártica. Mas um mundo sem esses insetos traria enormes problemas para o ser humano, pois eles cumprem múltiplas funções ecológicas benéficas, como a eliminação de pragas e a aeração do solo.

Embora existam mais de 14.000 espécies de formigas, com características muito diferentes, algumas dispersam as sementes que caem das plantas no chão. Outras desempenham um papel na polinização. Elas também são alimento para várias espécies, incluindo o famoso tamanduá e o ser humano, em algumas culturas. Também se alimentam de matéria em decomposição, ajudando a limpar e aproveitar os resíduos orgânicos.

Um mundo sem moscas é um mundo sem chocolate

As moscas são outros insetos com má fama. Estão relacionadas exclusivamente à sujeira, transmissão de doenças e ao zumbido irritante que ressoa no ouvido e impede o sono. E todas essas características são verdadeiras, mas elas também geram um impacto positivo que quase não é mencionado e que facilita a sobrevivência dos seres humanos.

Se as moscas fossem extintas, o consumo e a eliminação de carcaças de animais ficariam apenas para bactérias e fungos, e o processo levaria muito mais tempo. Elas também são excepcionalmente necessárias para reciclar matéria fecal. Além disso, algumas espécies são polinizadoras ativas. Os ceratopogonídeos, por exemplo, são importantes polinizadores de culturas tropicais como o cacau, o que permite a existência do chocolate.

Sem besouros, perdem-se os recicladores de excrementos

Existem cerca de 375.000 espécies de besouros, o que torna este inseto o mais diversificado do mundo. Muitos deles causam pragas nas lavouras, nas áreas de floresta e nas casas. Por exemplo, o gorgulho do pinheiro ou o besouro de casca são considerados as pragas florestais mais destrutivas dos pinheirais no México e na América Central.

Mas outras espécies têm um impacto positivo. É o caso da joaninha, que se alimenta de pulgões e ajuda a controlar esse inseto que ataca as plantações. Os coprófagos também desempenham um papel fundamental, assim denominados por comerem excrementos: são os maiores recicladores de esterco e também os enterram, o que fertiliza o solo. Sem essa ação, o acúmulo e o cheiro seriam insuportáveis ​​para o ecossistema.

Os grilos indicam a saúde do solo e são um alimento nutritivo

Os grilos e seu melodioso “cri-cri” durante à noite estão em perigo: um relatório com a participação de mais de 150 especialistas internacionais alertou que 25,7% das 1.082 espécies que existem desse inseto e de gafanhotos podem se extinguir na Europa. O cultivo em áreas anteriormente virgens e o uso de pesticidas são as principais causas dessa ameaça.

Existem várias razões pelas quais esses animais do grupo dos ortópteros não deveriam desaparecer: são uma fonte de alimento para pássaros, répteis e até humanos. Os chapulines compõem um prato da culinária mexicana, que fornece uma grande quantidade de proteínas e baixo teor de gordura. Além disso, essas espécies indicam a saúde e a biodiversidade das terras com pastagens.

As aranhas, as predadoras de pragas

O Homem-Aranha é um dos super-heróis mais populares, porém pouquíssimas pessoas gostariam de ter uma aranha real em suas casas. As teias delas são bem-vindas apenas se for para uma decoração de Halloween. Os aracnídeos não são insetos, mas aumentam a nossa lista, pois também não são muito queridos pelos seres humanos e desempenham um papel importante ao nosso redor.

A maioria das espécies que convive com o homem não é perigosa ou agressiva. Elas vivem em todos os habitats onde há vida e são importantes para o ecossistema, principalmente como predadoras de insetos e de outras aranhas. Em caso de extinção, moscas, mosquitos e pernilongos, em alguns casos portadores de doenças, se tornariam uma praga sem freio.

Bônus: mosquitos e pernilongos parecem ser a exceção

Estes insetos são o animal mais perigoso do mundo para os seres humanos, culpados pela morte de mais de um milhão de pessoas todos os anos. Eles são responsáveis ​​pela transmissão de doenças infecciosas como malária, febre amarela, dengue, chikungunya e a Zika. Razões mais do que suficientes para tantos repelentes contra eles.

Não existe uma visão única entre os cientistas sobre o que aconteceria se as 3.500 espécies de mosquitos existentes desaparecessem. É verdade que isso causaria um problema para insetos, aranhas, salamandras, lagartos e sapos que os comem, mas estudos sugerem que eles podem encontrar outra fonte de alimento. No entanto, acredita-se que outros animais não poderiam adaptar sua dieta e desapareceriam, caso do peixe-mosquito, gerando um efeito em toda a cadeia alimentar.

Qual inseto você mais odeia? Por que acha que geralmente o ser humano sente repulsa ou medo por esses animais? Conte para a gente na seção de comentários.

Compartilhar este artigo