Incrível
Incrível

9 Descobertas científicas surpreendentes sobre os gatos

Junto com os cães, os gatos são os animais favoritos de todos por excelência. Muitas das pessoas que os escolhem como animais de estimação não conhecem todas as suas características e curiosidades, e estas são essenciais para compreendê-los e proporcionar-lhes todo o bem-estar e cuidado que merecem. Se você quiser saber mais sobre essas criaturas adoráveis​​... não pare de ler!

Incrível.club irá revelar os resultados dos mais recentes estudos científicos sobre gatos, para que você possa saciar todas as suas curiosidades.

1. Os gatos podem ser destros ou canhotos

O Centro de Comportamento Animal da Queen’s University, em Belfast, Irlanda do Norte, conduziu uma pesquisa bastante peculiar. Os cientistas pediram aos donos de 44 gatos machos e fêmeas que vissem qual perna seus animais de estimação usavam quando entravam na caixa de areia e quando davam o primeiro passo quando desciam uma escada. Também tinham que controlar de que lado estavam. Outro experimento foi baseado na perna em que os gatos costumavam pegar guloseimas que estavam dentro de uma tigela. Os resultados foram obtidos após a realizacão de cada atividade por 50 vezes, e através delas foi possível especificar que as fêmeas tendiam a usar a perna direita, e os machos, a esquerda.

2. Os gatos podem contrair uma espécie de hepatite felina

Por mais estranho que possa parecer, existe um tipo de hepatite felina. Esta doença causada por um Hepadnavirus foi descoberta através de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Sydney, que queriam identificar possíveis patógenos que infectam gatos domésticos. A hepatite felina foi encontrada pela primeira vez ao se analisar a amostra de um linfoma e, posteriormente, com a realização de alguns exames de sangue. Os pesquisadores identificaram o Hepadnavirus em 10% dos felinos infectados com FIV (Vírus da Imunodeficiência Felina) e em 3,2% dos animais saudáveis.

3. Ter um gato reduz o estresse

Durante 10 anos, os pesquisadores da Universidade de Minnesota analisaram os dados de 4.000 pessoas (metade com gatos como animais de estimação e metade sem eles), entre 30 e 75 anos.
O resultado foi que os donos dos gatos tinham 30% menos probabilidade de morrer de ataque cardíaco ou derrame. Isso se deve à redução dos níveis de estresse e ansiedade nos proprietários desses animais.

4. Como o cocô dos gatos ajuda a ter mais sucesso

O Toxoplasma gondii é um parasita encontrado nas fezes dos gatos e na carne crua, e geralmente é assintomático para humanos. A Universidade do Colorado conduziu uma pesquisa em três níveis para encontrar a relação entre a capacidade empreendedora e esse parasita. Para os dois primeiros coletaram amostras de saliva de 1.495 estudantes e 197 profissionais. Os resultados mostraram que os alunos afetados pelo parasita estavam 1,4% mais dispostos a estudar uma carreira empresarial. No caso dos profissionais, indivíduos com Toxoplasma foram 1,8% mais propensos a iniciar um empreendimento de sucesso. O terceiro estudo detectou por país a relação entre pessoas infectadas e empreendedores. A conclusão a que chegaram é que as nações com níveis mais altos desses parasitas tinham medidas mais altas de empreendedorismo.

5. Os gatos criam vínculos mais profundos com as mulheres que com os homens

De acordo com estudos da Universidade de Eötvös Loránd, na Hungria, as mulheres têm uma conexão mais intensa com seus animais de estimação e maior empatia. No total, 157 donos de gatos foram submetidos a uma pesquisa, que mostrou que as meninas são mais propensas a fazer um primeiro contato com esses animais do que os homens. Além disso, elas são as que mais falam com seus animais de estimação, sorriem para eles e demonstram empatia. Portanto, não é surpreendente que as mulheres formem laços mais profundos com seus felinos.

6. Os gatos são mais propensos a atacar os cachorros do que ser vítimas desses animais

“Meu cachorro de 38 quilos tem medo do gatinho da minha irmã”.

A Faculdade de Ciências da Universidade de Lincoln realizou um estudo em 750 famílias que tinham tanto cães quanto gatos como animais de estimação. Os resultados mostraram que menos de 1 em cada 5 donos viram o seu cão começar uma briga com um felino. No entanto, mais da metade dos proprietários alegou que seu gato havia atacado o cachorro. Este estudo concluiu que os cães estão abaixo dos felinos na hierarquia, e que se o gato for menor que o cão, será mais fácil para ambos os animais compartilharem a mesma casa.

7. Os cachorros preferem comer gorduras, enquanto os gatos adoram os carboidratos

Cientistas da Universidade de Oregon tiveram a ideia de monitorar 17 cães e 27 gatos por 28 dias. Durante esse período, os animais receberam quatro tipos de alimentos: ricos em gordura, ricos em carboidratos, ricos em proteína e balanceados. Os resultados mostraram que os cães consumiram 41% de gorduras e 36% de carboidratos, enquanto os gatos escolheram 43% de carboidratos e 30% de proteínas. Portanto, não se surpreenda se, de repente, seu querido gato quiser comer uma cenoura em vez de outra coisa.

8. Os gatos miam apenas quando querem comunicar algo ao seu dono

Adi Hovav, um consultor em comportamento felino do ASPCA Adoption Center, concluiu em seu estudo que os gatos só miam quando querem interagir com humanos. É a sua maneira de interagir conosco, já que analisando as relações entre gatos, eles não emitem nenhum som para se comunicar entre si. De acordo com Hovav, “o miado é algo que os gatos aprenderam a usar através de treinamento, isto é, interagindo com as pessoas”.

9. Ter um gato na família ajudará seu filho a não ter asma

Cientistas do Centro de Estudos de Copenhague sobre a Asma na Infância chegaram à conclusão de que se uma criança nasce com um gato em casa, o gene TT que causa essa doença respiratória nos pequenos não será ativado, portanto ela estará menos propensa a sofrer desta doença. O estudo foi realizado em 377 crianças, cujas mães têm asma. Os cientistas mapearam os genes das crianças, coletaram amostras de suas casas e entrevistaram os pais para chegar a essa conclusão.

Bônus: segundo um estudo, estas são as 5 personalidades dos gatos

O estudo intitulado “The Feline Five”, realizado na Universidade da Austrália do Sul, determinou que os gatos podem ser incluídos em cinco categorias, dependendo de sua personalidade. Para realizar esta pesquisa, os proprietários de 2.802 felinos foram solicitados a avaliar 52 características comportamentais de seus pets, e a conclusão foi que o caráter dos gatos pode ser dividido em cinco categorias: neurose, dominância, impulsividade, afabilidade e extroversão.

  • Neuróticos: são gatos tímidos, inseguros e medrosos. Eles tendem a se esconder e a ocupar as áreas mais tranquilas da casa.
  • Dominantes: são desafiadores e potencialmente agressivos. Sua personalidade é forte e irritável.
  • Impulsivos: este comportamento dominado por impulsos geralmente ocorre em gatos que sofrem de estresse.
  • Afáveis: são felinos afetuosos, amigáveis ​​e sociáveis ​​que se adaptam perfeitamente ao ambiente e às pessoas ao seu redor.
  • Extrovertidos: são inteligentes e curiosos, que necessitam de estímulos para não caír no tédio.

Você tem um gato? Concorda com essas descobertas científicas ou tem suas próprias observações sobre as personalidades dos gatos? Conte pra gente nos comentários!

Incrível/Animais/9 Descobertas científicas surpreendentes sobre os gatos
Compartilhar este artigo
Você pode gostar destes artigos